Networking Criativo

  • View
    374

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

by: Academia das Emoes, Solues Criativas e de Desempenho, Sociedade Unipessoal, Lda Rua do Passeio Alegre, n.20 Porto 4150-570 Porto Telf.: 926 357 022 969 309 094 Fax.: 22 010 80 13 www.academiadasemocoes.pt

Transcript

  • 1. 1Networking Criativo Curso Integrado de Comunicao Pessoal19 de Maro de 2012 JOO ABREU

2. Networking2 3. 3A estrutura do programa de formaoNetworker Diagnstico pessoalMundo As envolventesPlano de AcoRede Avaliao da rede 4. Com ESTE CURSO, PRETENDE-SE Adquirir uma dimenso mais metdica e pragmtica, colocando em aco novos comportamentos e formas de pensar teis gesto dos recursos prprios Adquirir a compreenso das bases de uma relao pessoal de cariz social ou profissional, assente no complexo sistema das interaces humanas 5. OBJECTIVOS DE VIDA Aceder a informao delicada e muitas vezes quase inacessvel Converter-se no lder da organizao onde trabalha Encontrar caminhos de financiamento e parcerias de negcio Acelerar a curva de rendimento profissional Vender mais e num maior espao de mercado Cimentar a reputao Aumentar o poder da socializao em qualquer ambiente Acelerar os trmites burocrticos Assumir responsabilidades polticas ou scio-culturais Conseguir apoios, patrocnios ou mecenas Inovar em funo dos contributos da rede Internacionalizar e solidificar a rede existente 6. 6Que Quadro de Competncias? 7. 8Alguns dados Segundo um levantamento feito pela DBM (http://www.dbm.com/) , o networking a maior fonte de novos empregos para executivos. O estudo aponta que, em 2008, 77% dos executivos pesquisados pela DBM se recolocaram no mercado devido s suas redes de contactos. Em 2007, a taxa era de 72%. Em Portugal, apenas 20% das empresas alocou uma percentagem do seu oramento de marketing para actividades de redes sociais. (A global survey of business social networking (A global report from Regus, July 2010) No entanto, 51% dos inquiridos usa as redes sociais para comunicar comos seus contactos, e 49% declarou que a maior vantagem das redes sociais a possibilidade de gesto e comunicao com grupos de clientes, enquanto 58% declarou usar as redes sociais para encontrar informao relevante de negcio. 8. 9 O NETWORKING nada tem a ver com as CUNHAS, porque no lida, nem quer lidar, com as incompetncias. 9. O networking no Para quem est, desesperado, procura de emprego Para praticar num certo momento Apenas para alguns Dar muitos cartes pessoais Apenas estar presente flirt ou galanteio Sorrir para a fotografia Falar imediatamente de poltica, religio, sexo ou futebol 10. REDES J EXISTENTES 12 11. Exemplos e endereos de redes profissionais e empresariais 13 Incubao Incubadoras de base tecnolgica Ninhos Empresariais BIC NET CACE Business Angels EBAN European Business Angel Network Associao Portuguesa Business Angels Rede Portuguesa da Angel Investment Network http://www.ainportugal.com/home Federao Nacional de Associaes de Business Angels www.fnaba.org 12. Exemplos e endereos de redes profissionais e empresariais 14 Associaes Empresariais ou Profissionais Enterprise Europe Network (http://www.enterpriseeuropenetwork.pt/arede.php) Liderada pelo IAPMEI, a Enterprise Europe Network em Portugal integra os seguintes parceiros: ADI, ACIF-CCIM, AIDA, AIMINHO, CCDR - Algarve, CCIPD, CEC/CCIC, e INPI. COTEC Portugal - Associao Empresarial para a Inovao www.cotecportugal.pt CGA Conselho de Gesto Alternativo http://www.fae.edu/publicacoes/pdf/revista_da_fae/fae_v8_n1/rev _fae_v8_n1_07_bernard.pdf 13. Oportunidades de construir uma rede pessoal 15 Associao Empresarial de Portugal Formao PME Rede de parceiros ANJE Formao modular Feira do Empreendedor Negcio ao Pr do Sol Associao Industrial do Minho AIDA, AIRV, AEVC Associao Nacional de Empresrias CITEX Centro de Formao Profissional da Indstria Txtil http://www.tecnet.pt Base de Conhecimento www.kmol.online.pt http://janelanaweb.com/ 14. Uma tendncia de crescimento 15. REDE DE TALENTOS 16. 21 17. 22 LocalRegional Alcance NacionalInternacionalPessoalNetworking Natureza do vnculoSocialProfissionalInterno Corporativo Externo 18. 23Uma distino Redes sociais 19. 24Algumas questes Quem , foi dirigente associativo? Quem participa habitualmente em feiras, eventos, profissionais ou outros? Quem est ligado a redes sociais? Quem desenvolve mais que 1 / 2 actividades profissionais em paralelo? Quem praticou/pratica desportos colectivos, frequenta o ginsio? Quem est inscrito ou participa em aces de teatro, dana, msica???? 20. 25Quem sou eu? Para onde vou? Que tipo de relacionamento gostaria de ter com as outras pessoas?Que factores me fazem ser uma pessoa singular? Que resultados pretendo atingir? Como posso medir a obteno desses resultados? Como pretendo atingir os resultados? 21. 26DO AUTOCONHECIMENTO AO NETWORKING O processo de construo da rede aps o diagnstico pessoalProblema ou NecessidadeDvida ou DilemaMudanaCrescimento ou Desenvolvime nto 22. Um conceito...Fazer networking proporcionar o estabelecimento de uma rede de relaes pessoais que permite a troca de ideias, conselhos, informaes, referncias, contactos e sugestes, onde a competncia, habilidades e talentos so compartilhados e agregados (Andra Lbre) 23. 28Networking .Um problema de comunicao. 24. No entanto Existem 4 tipos de pessoas: 1. As que no percebem que algo est a acontecer; 2. As que observam as coisas que acontecem, mas no reagem; 3. As que observam as coisas que acontecem e reagem; 4. As que fazem as coisas acontecerem. (Philip Kotler) 25. Prepare-se para os contactos de Networking H dois grandes objectivos para se fazer networking: Adquirir visibilidade e Aumentar as informaes. 26. Keith Ferrazzi O networker criativo nunca almoa sozinho! 27. PINO BETHENCOURT GALLAGHER O super networker alcana o xito em seis cafs! 28. 34Danny Meyer 29. 35Os instrumentos de NetworkingMtodo POTENCIAPlano de Aco de NTW 30. O Mtodo P.O.T.E.N.C.I.A Profundidade Objectivos Trnsito ou Transaco Extenso Natureza dos vnculos Crdito Intermediao Abertura 31. P de Profundidade Redes de profundidade mxima e mnimaNa rede mxima, a informao circula com muita rapidezRede de amigos vs conhecidosRede de amigos tende a ser cmoda e restritaRede de conhecidas tende a ser dinmica e alargada 32. Da Profundidade ao O de objectivos contactosPAntnio3Brbara2Carlos2Daniel1Eva1Francisco2Gabriela1O1O2 33. Nveis de confiana quem est onde? NC - 1 NC - 2 NC - 3EU 34. O de Objectivos (assinalar de 1 a 3, se os contactos podem ajudar muito 3 ou pouco 1)contactosPO1 = 7O2 = 9Antnio312Brbara202Carlos202Daniel110Eva110Francisco221Gabriela122 35. Os recursos da rede so limitados preciso sermos cirrgicos na pesquisaTemos de saber o que procuramosE como a rede nos pode ajudar a conseguirObjectivos classe A 36. T de trnsito ou transaco F= frequncia de interaco (1 a 3) V= valorP da interaco (1 aO2 = 9 3) contactos O1 = 7 FVT=FxVAntnio312133Brbara202200Carlos202339Daniel110010Eva110300Francisco221200Gabriela122111 37. Revela a intensidade da actividade ou o seu volume de trficoO nvel crtico depernde da quantidade e da qualidade das transacesA partir de certos mximos corre o risco de perder confidencialidadeO stress aumenta a probabilidade do erro 38. E de Extenso contactosidadenacionalidadeactividadeAntnio= (mesma idade)ESPADVBrbaraBRAADVCarlosBRAADVDaniel=PORTADVEva=PORTPROFFrancisco=PORTADVGabriela=PORTADV 39. Refere-se ao mix de pessoas que compem a redengulos de diversidade e capacidade de conectar com ambientes distintosIdade, gnero, profisso, formao, estilo de vida, nacionalidade, Quantos mais graus de diversidade, maior a extenso da redePontos de acesso ao mundo desconhecido 40. N de natureza dos vnculos (repartir 5 pontos pelas 2 colunas) contactosNat. Cognitiva=26Nat. Afectiva=9Antnio14Brbara50Carlos41Daniel41Eva32Francisco50Gabriela41 41. A confiana pode ser cognitiva ou afectivaA cognitiva estabelecida no campo institucional e assenta no compromisso e na palavraA afectiva surge no seio familiar e na rede prxima de amigos e assenta na afinidade, cumplicidade e identificaoCada um de ns combina os dois tipos de confiana 42. C de crdito / credibilidade (pontuao de -10 a 10, em que 10 significa ter prestado ajuda mxima ao contacto) contactoscrditoAntnio1Brbara-10Carlos0Daniel0Eva10Francisco5Gabriela-5 43. Segue a lei da reciprocidade, que est presente em todos os momentosQuando algum nos faz um favor, sentimos o impulso da devoluo e da compensaoResponde pergunta onde est disposta a chegar a rede, de forma espontnea e directa?Falamos aqui da oferta de informao qual o seu valor para o receptor? 44. I de Intermediao (Uma rede de ) Eva DanielNC - 1GabrieFranc CarlosNCF - 2 NC - 3AntEUBrb 45. Uma rede de coeso (TODOS C/ TDS)EU 46. Qual o meu papel na relao entre os integrantes da minha rede?Redes de coeso e de intermediaoFazer networking intermediar, para valorizar a integrao na redeO networker, como contacta com toda a rede, consome menos esforo e amplia a sua valiaAs redes sociais latinas tendem para a coesoAs redes de coeso passam a impedir o conhecimento e a novidade na rede 47. A de Abertura(A se o contacto entrou na sua vida h de 1ano; B mais de 1 ano e menos de 5; C mais de 5 anos)Cont.POTENCIAAntnioCBrbaraCCarlosBDanielBEvaCFranciscoCGabrielaC 48. Uma rede sem abertura corre risco de decomposio necessria a oportunidade de renovaoS uma rede aberta pode facilitar surpresas e novas prticasDevemos incorpar novas pessoas na nossa rede 49. Nvel de satisfao com a rede (eliminar os superiores a 10) Nvel satisfaoNvel Importncia (ranking)P41O37T35E5 (encantado com a rede)2N13C04I26A48 50. Nvel de satisfao com a rede Como os recursos so limitados, preciso identificar dois ou trs objectivos de desenvolvimento Devemos eleger os 3 pontos mais importantes, mas que possam ter campo de melhoria Tome nota das mudanas que procura nesses trs parmetros prioritrios Nunca esquecer que o Networking precisa de TEMPO, DEDICAO E PACINCIA!! 51. 57Plano de Aco de Networking 52. Networking58 Criao de um painel pessoal de conselheiros Os objectivos no se atingem sozi