Portfolio 2009

  • View
    515

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Portfolio 2009

  • 1. Paulo Prot Portfolio 2009

2. 2 3. 3grafico_prot@ yahoo.com.brApresentao >> Aqui reuni trabalhos que considero mais significa- tivos dos que desenvolvi du- rante o curso de Desenho Industrial na Universidade Federal do Esprito Santo. Dentre eles esto trabalhos acadmicos ou no.Existem tambm os trabal- hos iniciados dentro de sala de aula e levados alm da universidade, material de pesquisa prpria que con- templam tipografia, dia- gramao, identidade visual, fotografia e experimentao de formas e materiais.PS: os trabalhos assinalados com um as-terisco (*) foram produzidos no perodo de estgio na Naipe Design. 4. Editorial 5. Quebra Cabea Projeto grfico e dia- gramao de miolo de livro. Capa e ilustraes por Francisco Miranda - tooco.com.ar5 6. Desconstruo Convites ficticios para ex- posio desconstrutivista. 6 7. A Confisso Projeto grfico, diagra- mao e mala direta. 7 8. Jornal Primeira Mo Projeto grfico e diagramao de jornal experimental de jornalismo - Ufes. das tardes ensolaradas a beira-mar nos fi-mais valioso.Fotos por Lilian Oliver nais de semana. Foi nessa poca que eu e o Durante todo o traje- lio Campos, filho do Xax, nos tornamosto que percorri por esta grandes parceiros. Andvamos juntos pra vida a fora acumulei his- cima e pra baixo e, sem falsa modstia, trias para contar. At j era difcil passar despercebido pelas ruasfui ator coadjuvante do da cidade. Atraa os olhares masculinos e filme Lamarca estrelado boa parte das mulheres desejava dar pelopor Paulo Betti. E ape- menos uma voltinha comigo.sar dos duros aumentoslio me chamava carinhosamente dede combustvel e das ad- nenm e me ajudava no que fosse preci-versidades que encontrei so. Em troca, eu procurava andar na linha durante minha jornada, e no dar muito trabalho. Ele era um par- posso dizer que sa vito- ceiro e tanto, s tinha um problema que rioso. Talvez, as minhas me perturbava quando saamos juntos: orazes alems tenham me seu gosto musical brega. Os grandes no- ajudado a enfrentar essas mes do rock nacional estavam no auge, situaes e ter sucesso.A vida atravs de um Legio Urbana, Cazuza, Raul Seixas, Ti-Quanto s projees p.8 ts, e ele insistia em ouvir Perla e Agnaldopara o futuro, eu faopra-brisa Timteo.sem esquentar o motor.Primeira Mo | Maio de 2008 |J na dcada de 90, me aproximei do fi-Lidero a lista dos carros lho do lio, o Antnio Rocha Neto. A sin- usados mais cobiados do tonia foi grande entre ns e no demoroumercado e no museu dodistncias, rompendo frontei-da Jovem Guarda. Por Anna Beatriz Brito, Joyce Meriguetti e Maria Elisa Almeidamuito para formamos uma dupla insepa- automvel tenho um lugarras.Certo dia, minhas preces rvel que perdura at os dias de hoje. Em garantido, mas no queroEra fim da dcada de 60, liares. Meu pai, Antnio RochaMas o tempo passava, eu foram atendidas. Embalado 1997, quando fiz 30 anos, comemoramos me aposentar to cedo. quando nasci. poca contur- Filho, mais conhecido como continuava no mesmo lugar epor Wanderlia, Martinha, juntos uma grande conquista: ganhei o di- J tenho destino certo: a bada no cenrio poltico bra- Xax, era Policial Rodovirioa ditadura persistia controlan-Ronnie Von e pelo Rei, segui reito de no ter que pagar mais o penosoClara, filha do Antnio, sileiro. A Ditadura Militar es- Federal e desde cedo me en-do nossas vidas. Enquanto boaviagem at o Esprito Santo e IPVA. aguarda ansiosamente a tava em pleno vigor, a tenso sinou o gosto pela estrada e parte da programao do rdiopude conhecer bem de pertoAo contrrio do que costuma aconte-maioridade chegar para tomava conta de todo o pas pela sensao de liberdade.se restringia s informaes o mar. Em 1980, fui morar de- cer, no meu caso, quanto mais o tempo herdar o membro mais com a instaurao do AI5, mas At hoje relembro com sau- oficiais, eu preferia sintonizar finitivamente em Vitria com passa, mais prestgio eu passo a ter. Atu-ilustre da famlia, um nato economicamente as coisas pa-dades dos primeiros passeios as rdios piratas que tocavamminha famlia e, como legtimo almente sou um quarento, apelidado contador de histrias. reciam deslanchar.que fizemos juntos pela nossaos grandes sucessos da poca.mineiro, adorava circular pr- de Vovomvel e, ainda assim, desbanco Ser que ela convidariaCom as finanas equilibra- pacata cidadezinha de Caratin- Meu carro vermelho, no ximo ao calado para obser- muitos garotes da nova gerao. No seialgum imortal da Acade- das, chegou o momento pro-ga, em Minas Gerais. Naquela uso espelho pra me pentear. var o movimento. se o segredo est nas minhas curvas arre- mia Esprito-Santense de pcio de a famlia aumentar,poca, eu sonhava em ser umEssa cano do Erasmo Car-Minha vida mudou. Cidade dondadas ou no meu jeitinho espalhafato-Letras para dar uma vol- assim fui desejado, planejado andarilho, sair pelo mundo los, eu me lembro bem, alis,grande, trnsito intenso, baru- so, o fato que o tempo me deixa ainda tinha comigo? e mimado por todos os fami- sem rumo e percorrer longasainda sou f de toda a turma lho, corre-corre dirio, almA Histria do 1946: Com o fim da 1965: Ano de lanamento 1972: O Fusca supera a1986: A Volkswagen de- 2003: O Fusca j haviaFusquinha guerra, o Fusca volta ado Fusca com teto-so- marca do Ford Modelo Tsiste de fabricar o Fusca, parado de ser produzido ser produzido, passa a ser lar, que ficou conhecidocomo o carro mais ven-alegando que era umna maioria dos pases des- exportado para os Esta-como Cornowagen, odido do mundo. Forammodelo muito obsoleto, de a dcada de 80. Nesse 1934: Hitler encomendados Unidos e ganha uma que gerou trocadilhos fa- produzidas, at esse ano, apesar de ser o segundoano produzido o ltimo a execuo do projeto legio de admiradoreszendo com que o modelomais de 15 milhes de carro mais vendido exemplar que foi enviado do primeiro Fusca a RDA por sua simplicidade e fosse rejeitado.unidades. daquela poca. para o museu da Volkswa- (Associao de Fabri- resistncia.gen em Wolfsburg. cantes de Automveis 1967: A Volkswagen1975: O Bizorro ou 1998: O New Beetle Alemes). 1950: O Fusca comea a adotou um motor maisSuper-Fusco lanado. (Fusca moderno), comea ser vendido no Brasil. potente, o vidro traseiro a ser fabricado pela Volk-Atualmente, o Fusca ocupa o sexto 1939: Com o incio daficou maior e o aciona- 1979: As lanternas tra- swagen, no Mxico, onde,lugar no ranking de carros usados Guerra, a produo do 1959: Finalmente, omento da seta foi paraseiras passam a ser maio- por 5 anos conviveu com mais vendidos no mercado nacional, Fusca interrompida, primeiro Volkswagena coluna de direo.res e so apelidadas de a linha de montagem arte- segundo dados da Federao Nacio- aps fabricao de poucas brasileiro lanado, em-Tambm nessa poca, o Faf, em aluso aos sanal do Fusca tradicional. nal da Distribuio de Veculos Au- unidades. bora parte das suas peassistema eltrico de 6 volts grandes seios da cantoratomotores - Fenabrave. ainda fosse importada. foi substitudo pelo de 12Faf de Belm.volts.Fonte: Wikipdiapremo i - i O SAGRADOLIVRE-ARBTRIO medio 112 . ano XIII . junho 2008 primeiraPor Juliana Tinoco e Regina Trindade MAO Em 1959, Troy Perry expulso do Midwest Bible College, uma escola batista de estudos Jornal Experimental de Comunicao Social bblicos, em Chicago, nos EUA, por ser homossexual. Nove anos depois ele institui, numa reunio com doze pessoas, a criao da Fraternidade Universal das Igrejas das Comunida- des Metropolitanas (FUICM), a fim de evidenciar que pessoas de diferentes orientaes sexuais podem ser crists. Hoje, a Igreja das Comunidades Metropolitanas (ICM) conta com mais de sessenta mil membros, com trezentas igrejas em vinte e nove pases ao redor do mundo. Em uma sociedade homofbica e sexista, a ICM defende a incluso de todas as pessoas no amor Divino, principalmente as minorias sexuais: lsbicas, gays, bissexuais, transgneros e tran- sexuais; a comunidade LGBTT. O discurso bblicoA existncia da ICM coloca em questo o discurso bblico sobre a homos-sexualidade. Embora no haja nenhuma meno aos termos referentes s no existia diferenciao de g-orientaes sexuais, muitas interpretaes definem como pecado e con-neros no texto hebraico, apenasdenam, inclusive com a morte, os homossexuais. No livro de Levtico, termos neutros. Acreditamos queonde esto escritas as Leis sagradas, existe uma passagem que diz: Quan-Deus criou a mulher pensando nado tambm um homem se deitar com outro homem, como mulher, am- companhia e no necessariamentebos fizeram abominao; certamente morrero.(Lv 20:13). na complementao de gneros:Questionado sobre o tema, Filipe Alves, lder pastoral interino da ICM emhomem e mulher.Vitria, afirma que, apesar da aparente condenao bblica, a sexualidadeNa primeira audincia pblica Vi- um dom divino, concedido para ser vivido de forma plena, prazerosa tria sem homofobia, ocorrida nae responsvel. preciso observar que os textos bblicos no falam de Cmara Municipal de Vitria, a de-homossexualidade, mas de comportamentos que ferem a dignidade hu-putada distrital do PT, rica Kokaymana. Jesus Cristo defendia o amor pelo prximo e nunca reprimiu ne- tambm discutiu sobre o assunto. nhuma manifestao amorosa, sejaPara ela, a grande resistncia que+ ela carinho, afeto ou ternura. En-existe contra a homossexualidade to por que as igrejas tradicionais o fato de ela ser um movimen-Bitpicture vem o homossexual como umto do amor pelo amor. Que- pecador, como algum indigno?. rem punir o beijo, embutir um Filipe destaca, ainda, que a Bblia sentimento de culpa nas diversas tambm condena outros compor- formas de amar. A nossa socie- O Sagrado Livre-arbtrio tamentos, como o uso de dois te- cidos distintos na mesma roupa, a dade restringe o homossexual ao espao fsico de sua casa, sem que ele possa manifestar sua vida, seuHomossexualidade e Religioingesto de mariscos e sunos e o sentimento em pblico. Querem plantio de duas culturas diferentesp. 10no mesmo solo, mas a maioria das igrejas no aplica essas leis bblicas. que ele seja incompleto. A socie- dade no tem o direito de dividir as p