of 73/73
Água Poluição e conscientização

Água Poluição e conscientização. Controle da poluição Qualidade da água disponível Quantidade de água disponível A importância de água para a manutenção

  • View
    105

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Água Poluição e conscientização. Controle da poluição Qualidade da água disponível...

  • Slide 1
  • gua Poluio e conscientizao
  • Slide 2
  • Controle da poluio Qualidade da gua disponvel Quantidade de gua disponvel A importncia de gua para a manuteno da vida Conceito de poluio gua Impacto Ambiental
  • Slide 3
  • Poluio da gua conceito qualquer alterao das suas propriedades fsicas, qumicas ou biolgicas, que possa prejudicar a sade, a segurana e o bem- estar das populaes, causar dano flora e fauna, ou comprometer o seu uso para fins sociais e econmicos.
  • Slide 4
  • gua contaminada: quando a poluio resulta em prejuzos sade humana Biodegradveis: produtos qumicos que ao final de um tempo so decompostos pela ao de bactrias. Exemplo: detergentes, inseticidas. Persistentes: produtos qumicos que se mantm por longo tempo no meio ambiente e nos organismos vivos. Estes poluentes podem causar graves problemas com a contaminao de alimentos, peixes e crustceos. Exemplo: DDT, mercrio. Conceitos
  • Slide 5
  • Poluente: Substncia no lugar errado Troposfera: do nvel do mar at 15 km de altitude. O oznio poluente. Os CFCs no so poluentes. Estratosfera: entre 15 km e 50 km de altitude. O oznio no poluente. Os CFCs so poluentes. TERRA
  • Slide 6
  • Poluio Local certo Local errado
  • Slide 7
  • Controle da poluio Qualidade da gua disponvel Quantidade de gua disponvel A importncia de gua para a manuteno da vida Conceito de poluio gua
  • Slide 8
  • gua no corpo humano A gua representa 70% da massa do corpo humano. Sintomas de desidratao: Perda de 1% a 5% de gua Sede, pulso acelerado, fraqueza Perda de 6% a 10% de gua Dor de cabea, fala confusa, viso turva Perda de 11% a 12% de gua Delrio, lngua inchada, morte Uma pessoa pode suportar at 50 dias sem comer, mas apenas 4 dias sem beber gua.
  • Slide 9
  • Propriedades da gua Na natureza a gua pode ser encontrada em todas as fases de agregao: slida, lquida e gasosa. SubstnciaCH 4 NH 3 H2OH2OHFH2SH2S Ponto de fuso/C Ponto de ebulio/C -182-780-83-86 -164-33100+19-61 Sua capacidade de conduzir calor (condutividade trmica) e de estocar calor (capacidade calorfica) tambm nica. necessrio 1 caloria para elevar de 1 C a temperatura de 1 g de gua lquida. So necessrios 540 calorias para evaporar 1 g de gua.
  • Slide 10
  • Propriedades da gua gelo 4 C A mistura de guas e recirculao de nutrientes s ocorre porque a gua tem densidade mxima em 4 C, ou seja, na fase lquida. A densidade da gua na fase lquida maior que na fase slida. A gua um solvente universal. o destino final de todo poluente que tenha sido lanado, no apenas diretamente na gua, mas tambm no ar e no solo
  • Slide 11
  • Controle da poluio Qualidade da gua disponvel Quantidade de gua disponvel A importncia de gua para a manuteno da vida Conceito de poluio gua Impacto Ambiental
  • Slide 12
  • Quantidade de gua disponvel A quantidade de gua doce disponvel para consumo extremamente escassa Distribuio da gua no planetaA cada 1000 L 97,5% nos oceanos 1,8% em geleiras 975 L 18 L 0,6% nas camadas subterrneas6 L 0,015% nos lagos e rios 0,005% de umidade no solo 150 mL 50 mL 0,0009% em forma de vapor na atmosfera9 mL 0,00004% na matria viva0,4 mL
  • Slide 13
  • Quantidade de gua disponvel e tempo de renovao
  • Slide 14
  • Quantidade de gua disponivel
  • Slide 15
  • Quantidade de gua disponvel 1000 L de gua 6,15L (para consumo humano) 69 % = 4,24 L 23 % = 1,42 L8 % = 0,49 L
  • Slide 16
  • Quantidade de gua disponvel Nos ltimos 15 anos a oferta de gua limpa disponvel/habitante diminuiu 40%. O uso da gua na agricultura dever aumentar nos prximos anos. Em 20 anos dever ocorrer uma crise relacionada a disponibilidade de gua. 2,4% no resto do pas9,6% na regio amaznica O Brasil possui 12 % da gua doce disponvel no mundo Atende 95% da populaoAtende 5% da populao Estima-se que 50% da populao brasileira no tenha acesso a gua tratada.
  • Slide 17
  • Quantidade de gua disponvel Estados Unidos: 600 L por habitante dia Serto: 10 L por habitante dia
  • Slide 18
  • Quantidade de gua disponvel Os oceanos contm a maior parte da gua do planeta (975 litros a cada 1.000). Uma molcula de gua passa 98 anos a cada 100 em meio ao oceano. A gua do mar apresenta 3,3% de sais dissolvidos (principalmente NaCl (aq) ). Uma pessoa pode beber gua com at 5g de sal/kg de gua. Os oceanos contm 35 g de sal/kg de gua (7 vezes mais). osmose Uma pessoa que bebe apenas gua do mar acabar morrendo. A gua do mar tambm no pode ser usada na agricultura ou na indstria. O excesso de sal mataria as plantaes (tambm por osmose); deterioraria maquinrios, entupiria vlvulas e explodiria caldeiras.
  • Slide 19
  • Quantidade de gua disponvel Para que a gua dos oceanos possa ser usada necessrio que o sal seja retirado. Todos os mtodos de dessalinizao consomem grandes quantidades de energia. S podem ser usados em regies secas prximas ao litoral. Custo nos Estados Unidos 4.000 L de gua doce a partir da gua do mar 4.000 L de gua doce a partir de mananciais } } 1 dlar 0,30 dlar termmetro sada de gua de resfriamento entrada de gua de resfriamento entrada de gs balo de destilao bico de Bunsen condensador erlenmeyer
  • Slide 20
  • Aspectos fsicos e qumicos da gua COR Definio: Cor de uma amostra de gua o grau de reduo de intensidade que a luz sofre ao atravess-la, devido presena de slidos dissolvidos, tais como: Colides Orgnicos: Poluio Natural (cido hmico, cido flvico); Efluentes Industriais (Indstrias de Celulose e Papel lignina e celulose, Indstrias Txteis anilinas, Curtumes tanino) Colides Inorgnicos: Ferro e Mangans
  • Slide 21
  • Disco secchi
  • Slide 22
  • COR REAL - ORIGEM Definio: Capacidade de uma amostra em transmitir luz visvel em um comprimento de onda sensvel ao olho humano
  • Slide 23
  • TURBIDEZ DAS GUAS Definio: Turbidez de uma amostra de gua o grau de reduo de intensidade que a luz sofre ao atravess-la, devido presena de slidos em suspenso, tais como: areia, silte, argila, detritos orgnicos, bactrias e algas, plncton em geral, etc. A turbidez das guas naturais superficiais decorrente do carreamento de solos (processos erosivos em estaes chuvosas), esgotos sanitrios e efluentes industriais e fontes difusas (reas urbanas e rurais)
  • Slide 24
  • Turbidez das guas Determinao da Turbidez Nefelometria: Turbidmetros atuais detectam raios dispersos segundo ngulo de 90. Turbidmetro
  • Slide 25
  • TURBIDEZ Padres de Potabilidade e Qualidade Turbidez Padro de Potabilidade 1,0 UNT (gua filtrada) 5,0 UNT (Sistema de distribuio) Padro de Qualidade Resoluo Conama 20 (18/06/1986) Classe 2: At 100 UNT
  • Slide 26
  • OXIGNIO DISSOLVIDO Oxignio Dissolvido Importncia Sanitria: Manuteno e proteo da vida aqutica Operao de sistemas biolgicos aerbios
  • Slide 27
  • OXIGNIO DISSOLVIDO PADRES DE QUALIDADE Oxignio Dissolvido Padro de Qualidade Decreto Estadual 8.468 (08/09/1976) Corpos dgua Classe 2 OD 5,0 mg O 2 /L Corpos dgua Classe 4 OD 0,5 mg O 2 /L Padro de Qualidade Resoluo Conama 20 (18/06/1986) Corpos dgua Classe 2 OD 5,0 mg O 2 /L Corpos dgua Classe 4 OD 2,0 mg O 2 /L
  • Slide 28
  • Oxmetro
  • Slide 29
  • Demanda Bioqumica de Oxignio (DBO) Definio: Quantidade de oxignio requerida por microrganismos aerbios para a oxidao de compostos orgnicos presentes na fase lquida DBO CICLOS BIOGEOQUMICOS Matria orgnica + O 2 microrganismos CO 2 + H 2 O + novas clulas + produtos estveis (NO 3, PO 4, SO 4..)
  • Slide 30
  • A decomposio anaerbica: Matria orgnica CO 2 H2OH2O + produtos instveis (H 2 S, NH 3, CH 4...) microrganismos + A decomposio aerbica: Matria orgnica CO 2 H2OH2O + produtos instveis (H 2 S, NH 3, CH 4...) microrganismos + O2O2 + Novas clulas
  • Slide 31
  • DEMANDA BIOQUMICA DE OXIGNIO POR EXEMPLO, AS GUAS NATURAIS TM DBO DA ORDEM DE 5,0 mg/l O QUE SIGNIFICA ISSO? SIGNIFICA QUE PARA DECOMPOR A MATRIA ORGNICA EXISTENTE EM LITRO DE GUA OS DECOMPOSITORES RETIRARAM DA GUA (I.E., RESPIRARAM) 5 mg DE OXIGNIO. DBO NO MATRIA ORGNICA, OXIGNIO CONSUMIDO NA DECOMPOSIO
  • Slide 32
  • DBO PADRES DE EMISSO DBO 5,20 Padro de Emisso Decreto Estadual 8.468 (08/09/1976) DBO 5,20 inferior a 60 mg O 2 /L Padro de Emisso Resoluo Conama 20 (18/06/1986) No h padro de emisso para o parmetro DBO 5,20
  • Slide 33
  • DBO IMPORTNCIA SANITRIA Demanda Bioqumica de Oxignio (DBO) Importncia Sanitria: Avaliao quantitativa da concentrao de material orgnico presente na fase lquida (rios, lagos, reservatrios, esgotos sanitrios e efluentes industriais)
  • Slide 34
  • Demanda Bioqumica de Oxignio (DBO) Importncia Sanitria: Avaliao da eficincia de sistemas de tratamento de esgotos sanitrios e efluentes industriais DBO IMPORTNCIA SANITRIA
  • Slide 35
  • Demanda Bioqumica de Oxignio (DBO) Importncia Sanitria: Avaliao indireta da quantidade de material orgnico biodegradvel presente na fase lquida. DBO IMPORTNCIA SANITRIA
  • Slide 36
  • Controle da poluio Qualidade da gua disponvel Quantidade de gua disponvel A importncia de gua para a manuteno da vida Conceito de poluio gua Impacto Ambiental
  • Slide 37
  • Qualidade da gua disponvel A poluio das guas devido as atividades humanas aumentou vertiginosa- mente nos ltimos 50 anos. De acordo com a legislao, a poluio da gua pode ser: ou Pontual Descarga de efluentes a partir de indstrias e de estaes de tratamento de esgoto So bem localizadas, fceis de identificar e de monitorar Difusa Escoamento superficial urbano, escoamento superficial de reas agrcolas e deposio atmosfrica Espalham-se por toda a cidade, so difceis de identificar e tratar
  • Slide 38
  • Qualidade da gua disponvel As principais formas de poluio que afetam as nossas reservas de gua so: Reservas de gua Poluio BiolgicaSedimentarTrmicaDespejo de substncias
  • Slide 39
  • Tipos de poluentes Poluentes no-orgnicos Minerais e sais solveis Poluentes orgnicos Grama, folhas mortas, excrementos humanos e animais Origem: decomposio de plantas e animais Subprodutos: N e P = eutrofizao Aumenta a turbidez Aumenta a temperatura Reduo do oxignio
  • Slide 40
  • Eutrofizao acelerada ou natural (sucesso ecolgica)
  • Slide 41
  • Eutrofizao
  • Slide 42
  • Tipos de poluentes Poluentes txicos a) metais e compostos qumicos despejados como subprodutos de processos industriais: Cdmio, mercrio, cromo, ferro e chumbo, alm de substncias qumicas como o DDT. b) Produtos de limpeza domsticos: como alvejantes, soda custica e pesticidas, alm de herbicidas e inseticidas de fazendas Bioacumulao na cadeia alimentar
  • Slide 43
  • Tipos de poluentes Poluentes patognicos a) Vrus b) Bactrias c) Helmintos ou vermes parasitas
  • Slide 44
  • Tipos de poluentes Poluio trmica resultado de processos industriais e da enxurrada provenientes das ruas e estradas durante os perodos de chuva Lanamento de gua aquecida - utilizada na refrigerao de centrais eltricas, trmicas e nucleares -nos rios e na costa. Reduz [O 2 dissolvido]
  • Slide 45
  • Poluio sedimentar Acmulo de partculas em suspenso (solo, produtos qumicos insolveis) Qual a origemO que causam Extrao mineral Desmatamentos Eroses Interferem na fotossntese e na capacidade dos animais encontrarem alimentos Extrao mineral Esgotos e fluentes Adsorvem e concentram os poluentes biolgicos e os poluentes qumicos Partculas do solo Produtos qumicos insolveis
  • Slide 46
  • Poluio biolgica Presena de microorganismos patognicos, especialmente na gua potvel. 4 bilhes de pessoas no mundo no tm acesso gua potvel tratada 2,9 bilhes de pessoas vivem em reas sem coleta ou tratamento de esgoto Controle simples Apesar disso 250 milhes de casos de doenas (clera, febre tifide, diarria, hepatite A) so transmitidas pela gua por ano 10 milhes desses casos resultam em mortes (50% so crianas) Adio de NaClO Ou Ca(OH) 2 Fervura da gua
  • Slide 47
  • Poluio trmica Descarte de grandes volumes de gua aquecida em rios e oceanos Diminui a quantidade de oxignio dissolvido (43,39 mg de O 2 /kg de H 2 0 a 20 C) Diminui do tempo de vida de algumas espcies aquticas Altera os ciclos de reproduo Aumenta a velocidade das reaes entre os poluentes presentes na gua Aumenta a quantidade de gs carbnico na atmosfera (0,86 L de CO 2 /L de H 2 O a 20 C) Potencializa a ao nociva dos poluentes
  • Slide 48
  • Poluio por despejo de substncias Substncias txicas cuja presena na gua no fcil de identificar nem de remover Em geral os efeitos so cumulativos e podem levar anos para serem sentidos Os poluentes mais comuns das guas so: Fertilizantes agrcolas Esgotos domstico e industrial Compostos orgnicos sintticos Plsticos Petrleo Metais pesados
  • Slide 49
  • Poluio por fertilizantes agrcolas
  • Slide 50
  • Usados sem critrioExcesso levado pela chuva Lenis subterrneos, lagos e rios Reproduo acelerada FitoplnctonAlgas macroscpicas Ao morrerem so decompostos por microrganismos aerbios Cobrem a superfcie isolando a gua do oxignio do ar Eutrofizao ons NO 3(aq) (0,3 mg/L), NO 2(aq), HPO 4(aq) (0,02 mg/L) e H 2 PO 4(aq) 1- 2-1-
  • Slide 51
  • Poluio por esgotos domstico e industrial
  • Slide 52
  • Slide 53
  • Matria orgnica biodegradvel Exploso na populao de microrganismos Consumo de oxignio Bactrias, vrus, larvas e parasitas Coliformes fecais doenas Brasil: 30% das praias so imprprias
  • Slide 54
  • Poluio por compostos orgnicos sintticos
  • Slide 55
  • Slide 56
  • Poluio por plsticos Alta produo Longo tempo para degradao Causam a morte de animais por sufocamento Alta velocidade de uso e descarte
  • Slide 57
  • Poluio por petrleo Grandes acidentes Vazamentos em poos de petrleo, superpetroleiros, rompimentos de dutos Exxon Valdez: 42 milhes de litros Kuwait: 200.000 t no Golfo Prsico Rio Barigi: 4 milhes de litros Baia de Guanabara: 1,3 milho de litros 5% dos danos Pequenos acidentes Vazamentos de leo de motor de barcos e de carros Somente no Canad: 300 milhes de litros/ano 95% dos danos
  • Slide 58
  • Poluio por petrleo O petrleo vaza e se espalha no mar ou no rio A mancha recobre a superfcie das guas e mata o fitoplncton e o zooplncton Sem a luz do sol as algas param de fazer fotossntese
  • Slide 59
  • Poluio por petrleo A quantidade de oxignio diminui e outras espcies acabam morrendo Os peixes da superfcie morrem por intoxicao e falta de oxignio Peixes que vivem no fundo e se alimentam de resduos, morrem envenenados
  • Slide 60
  • Poluio por petrleo As aves marinhas ficam com o corpo impregnado de leo Deixam de reter o ar entre as penas e morrem afogadas ao mergulhar O leo penetra no bulbo causando intoxicao Mesmo as aves tratadas acabam morrendo
  • Slide 61
  • Poluio por petrleo No mangue o leo impede as rvores de captar o oxignio do ar causando sua morte Os crustceos morrem pela falta de alimento (folhas decompostas) Alm disso, o leo fecha as brnquias, por onde respiram, e superaquece a lama, seu hbitat. No acidente da baa de Guanabara espcies como o caranguejo-ua podem ter sido extintas
  • Slide 62
  • Poluio por petrleo Com o ecossistema comprometido milhares de pessoas ficam sem trabalho Famlias de pescadores perdem sua fonte de sustento O comrcio local acaba falindo com o fim do turismo na regio
  • Slide 63
  • Poluio por petrleo nos oceanos Os oceanos respondem por 16% da oferta de protena animal do planeta A fotossntese realizada por fitoplnctons e por outras plantas marinhas: Produz oxignio, O 2(g), que liberado para a atmosfera Consome gs carbnicos, CO 2(g), que retirado da atmosfera O CO 2(g) precipita para grandes profundidades, onde arrastado lentamente por correntes profundas demorando sculos para retornar atmosfera Os oceanos contm 20 vezes mais CO 2(g) do que o que h em todas as florestas do mundo e em outras biomassas terrestres. Se o fitoplncton desaparecesse dos oceanos: Falta de O 2(g) na atmosfera Morte dos seres na superfcie terrestre Excesso de CO 2(g) na atmosfera Elevao na temperatura do planeta e desequilbrio nos ecossistemas
  • Slide 64
  • Poluio por metais pesados
  • Slide 65
  • Cu, Zn, Pb, Cd, Hg, Ni e Sn Bioacumulao Minerao (garimpo)Pilhas e baterias Rios e maresAterro sanitrio Os oceanos recebem por ano 400.000 t de metais pesados 80.000 t s de mercrio Contaminao de guas subterrneas, crregos e riachos
  • Slide 66
  • Controle da poluio Qualidade da gua disponvel Quantidade de gua disponvel A importncia de gua para a manuteno da vida Conceito de poluio gua Impacto Ambiental
  • Slide 67
  • Controle da poluio Despoluio do meio ambiente Ampliar o alcance do tratamento de efluentes gerados por esgotos domsticos, agricultura e indstrias
  • Slide 68
  • Controle da poluio Tecnologias destrutivasTecnologias de transferncia de fase Baseiam-se na oxidao qumica Radiao UV + O 3 ou UV + H 2 O 2 formando OH 1- ou O 1- (PAOs) Transfere os poluentes da fase aquosa para a slida, por exemplo, pela adio de carvo ativo na gua Vantagem: ausncia de subprodutos MO + agente oxidante CO 2 + H 2 O Desvantagem: processo caro A poluio no eliminada, apenas deixa de ser veiculada pelo meio aquoso para ser transformada em resduos slidos ou emitida para a atmosfera 2
  • Slide 69
  • Controle da poluio Evitar poluir novamente o meio ambiente Ter conscincia da necessidade de diminuir o volume de detritos gerados Proteger reas de mananciais da ocupao humana Implantar mtodos mais eficientes de irrigao minimizando o desperdcio da gua utilizada na agricultura
  • Slide 70
  • O ciclo de saneamento E.T.A.
  • Slide 71
  • O ciclo de saneamento E.T.E.
  • Slide 72
  • Podemos viver num mundo sem poluio ? So conhecidas mais de 7 milhes de substncias qumicas A cada ano cerca de 1.000 novos produtos so lanados no mercado So produzidos 300 milhes de toneladas anuais de COS 150 mil deles em taxas superiores a 50 mil t/ano Cerca de 66 mil produtos qumicos so comercializados hoje somente nos EUA Cerca de 45 mil substncias so comercializadas internacionalmente Muitos so resistentes a biodegradao, estveis e entram na cadeia alimentar Muitos podem ser mutagnicos, cancergenos ou teratognicos S existem dados ecotoxicolgicos para aproximadamente 1.500 substncias A tecnologia convencional de tratamento de gua no remove totalmente os COS
  • Slide 73
  • Concluses Aos qumicos compete a tarefa de descobrir substncias menos nocivas ao meio ambiente; aos engenheiros qumicos, o desenvolvimento de processos que produzam bens de consumo com um mnimo de rejeitos e um mximo de reciclagem Construir uma sociedade ecologicamente correta Construir uma sociedade ecologicamente correta Eliminar hbitos de desperdcios de nossas reservas naturais Eliminar hbitos de desperdcios de nossas reservas naturais Triste mania de retirar o lixo da nossa casa jogando-o no quintal do vizinho Triste mania de retirar o lixo da nossa casa jogando-o no quintal do vizinho