Alinhamento e Balanceamento

  • View
    45

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Alinhamento e Balanceamento

  • 1ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

    ALINHAMENTO E BALANCEAMENTODE RODAS

    2003

    MECNICA DE VECULOS LEVES

  • 2MECNICA DE VECULOS LEVES

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

    Alinhamento e Balanceamento de Rodas

    SENAI-SP, 2003

    Trabalho elaborado e editorado pela Escola SENAI Conde Jos Vicente de Azevedo

    Coordenao geral

    Coordenador do projeto

    Organizao eatualizao do contedo

    Editorao

    Arthur Alves dos Santos

    Jos Antonio Messas

    Geraldo Arantes Filho

    Maria Regina Jos da SilvaTeresa Cristina Mano de Azevedo

    SENAI

    TelefoneTelefax

    E-mail

    Home page

    Servio Nacional de Aprendizagem IndustrialEscola SENAI Conde Jos Vicente de AzevedoRua Moreira de Godi, 226 - Ipiranga - So Paulo-SP - CEP. 04266-060

    (0xx11) 6166-1988(0xx11) 6160-0219

    senaiautomobilistica@sp.senai.br

    http://www.sp.senai.br/automobilistica

    S47s SENAI. SP. Alinhamento e Balanceamento de Rodas. So Paulo, 2001. 61p. il.

    Apostila tcnica

    CDU 621.3

  • 3ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

    INTRODUO 5

    CONCEITOS BSICOS SOBRE PNEUS 7 Componentes de um pneu 7 Pneus diagonais e pneus radiais 8 Pneus com cmara e sem cmara 9 Rodas 10 Marcaes dos pneus 13 Armazenagem dos pneus, cmaras de ar e protetores 17 Desmontagem/Montagem dos pneus passeio 19 Desmontagem/Montagem dos pneus para caminhes e nibus 20 Manuteno dos pneus 21 Indicadores de desgaste 25 Avarias em pneus e suas causas 27

    VIBRAES E BALANCEAMENTO DE RODAS 29 Vibraes e suas causas 29 Correo dos desequilbrios ou desbalanceamentos 33 Mtodos de balanceamento 36

    ALINHAMENTO DE RODAS 40 Conceitos bsicos sobre suspenso 43 Sistemas de direo 44 Sistemas de suspenso 45 ngulos e linhas de referncia 49 Mtodos de alinhamento 56 Procedimentos para o servio de alinhamento 58 Guia de deteco de falhas 60

    REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS 61

    SUMRIO

  • 4MECNICA DE VECULOS LEVES

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

  • 5ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

    Muitas vezes, mesmo aps reparar a suspenso de um veculo, ainda assim, ele apresenta-se fora de suas condies ideais de uso, estabilidade, dirigibilidade e segurana. Quandoisto ocorre, possvel que as causas destas irregularidades sejam devido s deficinciasna geometria da suspenso e direo, ou seja, deficincias no alinhamento e balanceamentode rodas.

    O mdulo Alinhamento e balanceamento de rodas - tem como objetivo desenvolver nosalunos o domnio dos conhecimentos sobre os princpios de funcionamento do sistema deAlinhamento e balanceamento de rodas de um veculo.

    O desenvolvimento dos estudos desse mdulo deve ocorrer em duas fases: aulas tericas; aulas prticas.

    A diviso do contedo em duas fases distintas apenas recurso de organizao sendo queas aulas de teoria e de prtica devem ocorrer simultaneamente e a carga horria variar deacordo com as necessidades didtico-pedaggicas.

    As aulas tericas visam desenvolver nos alunos o domnio de contedos bsicos necessriospara a realizao dos ensaios. As aulas prticas devem ser caracterizadas por atividadesrealizadas direta e exclusivamente pelos alunos.

    O texto que se segue ir tratar do contedo bsico da fase terica do mdulo. O contedodessa fase compreende os seguintes assuntos: conceitos bsicos sobre pneus; anlise de vibraes e balanceamento de rodas; conceitos bsicos sobre suspenso; sistemas de direo; ngulos e linhas de referncia; mtodos de alinhamento; guia de deteco de falhas.

    INTRODUO

  • 6MECNICA DE VECULOS LEVES

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

  • 7ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

    COMPONENTES DE UM PNEU

    Todo pneu formado de quatro partes principais:

    CARCAA a parte resistente do pneu, constituda de lona(s) de polister, nylon ou ao. Retm o arsob presso que suporta o peso total do veculo. Nos pneus radiais as cinturas complementamsua resistncia.

    TALESSo constitudos internamente de arames de ao de grande resistncia e tem por finalidademanter o pneu acoplado ao aro.

    BANDA DE RODAGEM a parte do pneu que entra diretamente em contato com o solo. Formada por um compostoespecial de borracha que oferece grande resistncia ao desgaste. Seus desenhos constitudospor partes cheias (biscoitos) e vazias (sulcos), oferecem desempenho e segurana ao veculo.

    FLANCOSProtegem a carcaa de lonas. So dotados de uma mistura especial de borracha com altograu de flexibilidade.

    FUNES DOS PNEUS Suportar a carga. Assegurar a transmisso da potncia motriz. Garantir a dirigibilidade do veculo. Oferecer respostas eficientes nas freadas e aceleradas. Contribuir com a suspenso do veculo no conforto e segurana.

    carcaa

    talo

    flancobanda derodagem

    CONCEITOS BSICOS SOBRE PNEUS

  • 8MECNICA DE VECULOS LEVES

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

    PNEUS DIAGONAIS E PNEUS RADIAIS

    A diferena entre os pneus diagonais e os radiais est principalmente na carcaa.

    O pneu diagonal, tambm chamado convencional, possui uma carcaa constituda de lonastxteis cruzadas uma em relao outra.

    No pneu radial, a carcaa constituda de uma ou mais lonas cujos cordonis esto paralelose no sentido radial. Esta estrutura estabilizada pelas cinturas sob a banda de rodagem.

    VANTAGENS DOS PNEUS RADIAIS Maior durao. Economia de combustvel. Melhor aderncia. Aceleradas e freadas mais eficientes. Melhor comportamento.

    Pneu diagonal Pneu radial

    Pneu sob carga

    diagonalradial

    pneu diagonal pneu radial

    Apoio no solo

    Nas curvas

    pneu diagonal pneu radial

  • 9ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

    PNEUS COM CMARA E SEM CMARA

    A diferena bsica est dentro do pneu. Os sem cmara possuem no interno uma camadade borracha especial, denominada liner, que garante a reteno do ar. Devem ser montadosem aros apropriados, utilizando vlvulas especiais.

    EXEMPLO DE PNEUS PARA VECULOS DE PASSEIO

    VANTAGENS DO PNEU SEM CMARA Desmontagem e montagem mais simples Maior segurana quando perfurados

    Esvaziamento lento

    Pneu sem cmara

    Pneu com cmara

    Esvaziamento rpido

    pneu

    Pneu sem cmara (Tubeless)

    liner

    hump

    vlvulaaro a canal

    (centro rebaixado)

    5

    aro a canal(centro rebaixado)

    Pneu com cmara (Tube Type)

    cmara de ar

    5

    vlvula

    pneu

  • 10

    MECNICA DE VECULOS LEVES

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

    Exemplo de pneus para caminhes e nibus

    RODAS

    Roda um conjunto formado por aro e disco, servindo de elemento intermedirio entre opneu e o veculo. Portanto, aro o elemento anelar onde o pneu montado e disco oelemento central que permite a fixao da roda ao cubo do veculo.

    Para a correta fixao da roda ao cubo necessrio que hajauma perfeita concordncia entre as dimenses das porcas ouparafusos com os furos de fixao do disco da roda, que podemser planos, esfricos ou cnicos.

    cmara de ar

    protetor

    aro de centro plano anel removvel

    pneu com cmara

    aro D.C. 15

    pneu sem cmara

  • 11

    ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

    Os aros podem ser: De centro plano e de centro semi-rebaixado (Semi Drop Center), utilizados em caminhes

    e nibus. Tais aros so dotados de anel ou anis removveis para permitir a montagem dopneu;

    De centro rebaixado (Drop Center), utilizados em automveis e tambm em caminhes enibus com pneus sem cmara.

    O tamanho de um aro normalmente constitudo por dois conjuntos de nmeros, sendoque o primeiro representa a largura do aro, medida de flange a flange, em polegadas e osegundo o dimetro nominal do aro, tambm em polegadas. As letras (ou letra) ao lado dalargura indicam o tipo de perfil do aro, conforme normas internacionais.

    EXEMPLO6 JJ xx 14Significam um aro 6 de largura, perfil tipo JJ (aro de centro rebaixado) e com 14 de dimetronominal.

    pneu

    protetor(somente em aros de centro plano)

    aro(centro plano)

    vlvula

    cmara de ar

    Com cmara

    aro(centro rebaixado)

    pneu

    vlvula

    Sem cmara

    S

    H

    d D

    R estat.

    L

  • 12

    MECNICA DE VECULOS LEVES

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

    DIMENSES DO PNEU E DA RODAS - LARGURA DA SECO

    Largura do pneu novo, montado no aro de medio e inflado presso indicada , semincluir barras de proteo ou decorativas.

    D - DIMETRO EXTERNODimetro do pneu novo, montado no aro de medio e inflado,sem carga.

    H - ALTURA DA SECODistncia entre o calcanhar do talo e o centro da banda derodagem.

    d - DIMETRO DO ARODimetro medido entre os assentos dos tales.

    L - LARGURA DO ARODistncia entre os flanges do aro, medida internamente.

    R ESTAT. - RAIO ESTTICO SOB CARGADistncia entre o centro da roda e o solo (pneu sob carga).

    CIRCUNFERNCIA DE ROTAODistncia percorrida pelo pneu inflado e com carga em uma volta completa da roda, e umacerta velocidade.

    S

    H

    d D

    R estat.

    L

  • 13

    ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS

    ESCOLA SENAI CONDE JOS VICENTE DE AZEVEDO

    MARCAES DOS PNEUS

    Todo pneu apresenta nos seus flancos uma grande quantidade de informaes: muitas sorepresentadas por cdigos devido ao limitado espao disponvel, e outras podero estar emingls por exigncias de exportao devido s normas de outros pases.

    NOTA