Artigo base para o portifolio 3

  • View
    14

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

1. DESTARTEv.3,n.1(2013) ISSN2237-2113 45 AndressaDiasEvangelistaGalvo1,VivianFreitasWilsonSilva2,SimoniDaRosDalfior3 RESUMO Este artigo aborda conceitos de treinamento e desenvolvimento, e visa investigar os impactos da utilizao desses como ferramenta de gesto no setor em que aplicado, bem como sua relao com a motivao do colaborador. Para apurao dos resultados num primeiro momento ocorrer uma exposio das etapas do treinamento respectivamente s suas caractersticas, e adiante conceitos relacionados a sua utilizao como fator motivacional, por fim sero apresentadas as anlises feitas com os entrevistados a fim de comparar a teoria e a prtica, e evidenciando assim os impactos obtidos com o treinamento em uma empresa do ramo de siderurgia. Palavras-Chave: treinamento, desenvolvimento, impactos e colaborador. ABSTRACT This article discusses concepts of training and development, and aims to investigate the impacts of using these as a management tool in the industry in which it is applied, as well as its relation to the employee's motivation. For verification of the results at first there will be a display of steps of training respectively to its characteristics, and further concepts related to its use as a motivational factor, finally the analyzes will be presented to the interviewees in order to compare theory and practice, and evidencing the impacts obtained with training in a branch company of steel. Keywords: training, development, impacts and employee. 1 Graduanda em Administrao pela Faculdade Estcio de S de Vitria. e-mail: andressadias_galvao@hotmail.com 2 Graduanda em Administrao pela Faculdade Estcio de S de Vitria. e-mail: vivian.fws@gmail.com 3 Orientadora e mestre em Administrao pela Universidade Federal de Minas Gerais. e-mail: sdalfior@hotmail.com ARTIGO TREINAMENTOEDESENVOLVIMENTOCOMOFERRAMENTADE GESTO:OIMPACTONOSRESULTADOSDOSETOREMQUEAPLICADO 2. DESTARTEv.3,n.1(2013) ISSN2237-2113 46 1 INTRODUO As empresas vm sofrendo constantes mudanas, e este fato se torna evidente a partir da comparao entre o comportamento das empresas nos primrdios e atualmente. Nas primeiras teorias da administrao, a Escola da Administrao Cientfica, criada por Frederick Taylor, trazia como princpio bsico: "buscar determinar cientificamente os melhores mtodos para a realizao de qualquer tarefa e para selecionar, treinar e motivar os trabalhadores" (FREEMAN; STONER 2009, p. 24). Stoner e Freeman (2009) ainda afirmam que Taylor, a partir dos incentivos salariais e prmios de produo, que remunerava o trabalhador de acordo com a produtividade, tinha convico que os trabalhadores que melhor desempenhavam suas tarefas, ultrapassando os padres de desempenho, beneficiariam a empresa e consequentemente a si prprios; ou seja, a prosperidade da empresa traria prosperidade tambm ao trabalhador. No princpio as organizaes tinham foco na tarefa, e quanto mais especfica e restrita fosse desenvolvida, melhor era considerado o resultado. Como consequncia disso, os colaboradores eram treinados para serem especialistas de uma nica funo, enquanto a gesto era autocrtica e centralizada, havendo uma separao perceptvel entre gerentes e subordinados. Atualmente, devido globalizao e ao fluxo intenso e contnuo de informao, as empresas se veem quase que obrigadas a se reinventarem numa velocidade muito mais dinmica, e isso impacta em toda a sua estrutura. Cada vez mais so buscados pelas organizaes profissionais com capacidade de se adaptar e se desenvolver num menor espao de tempo. Chowdhury (2003) apud FULMER e GOLDSMITH (1996, p.170) colocam que na dcada de 90 o lema era: "o aprendizado pode ser a nica fonte de vantagem competitiva sustentvel", e a partir de ento, investir em treinamento deixou de ser uma questo de luxo, passando a ser visto como um investimento estratgico necessrio para se manter no mercado competitivo e produzir bons resultados. 3. DESTARTEv.3,n.1(2013) ISSN2237-2113 47 Como forma de responder s necessidades do micro e macroambiente organizacional, as empresas esto investindo em Treinamento e Desenvolvimento (que por vezes ser tratado como T&D) dos recursos humanos, com o objetivo de tornar seus colaboradores competentes, com capacidade de criar e inovar, sanar problemas, e agilizar ou melhorar processos, a fim de buscar uma maior competitividade perante o mercado. Segundo Chiavenato (2004, p.158): Desenvolvimento a capacidade de aprender novas habilidades, obter novos conhecimentos e modificar atitudes e comportamentos. E uma aptido permite uma formidvel ampliao da competncia profissional de cada pessoa. A aptido para o desenvolvimento pode e deve ser incrementada para o proveito de ambas as partes: pessoas e empresa. O treinamento faz parte do desenvolvimento das pessoas. Em outras palavras, o treinamento um aspecto especfico do desenvolvimento organizacional. Alm do aumento da competitividade, o uso do treinamento como ferramenta de gesto tambm tem como vantagem o alinhamento dos objetivos do treinamento com os objetivos estratgicos organizacionais, e se pode ter por consequncia uma consistente melhora nos resultados, isso porque, de acordo com Tannenbaum e Yukl (1992, p. 401) "treinamentos deveriam dar suporte direo estratgica da organizao, e os objetivos de treinamento deveriam ser alinhados com os objetivos organizacionais". Nesse contexto, a escolha do tema baseou-se nas percepes vivenciadas pelas autoras quanto s empresas que no ministram treinamentos. O presente estudo investigou quais os impactos que a utilizao do treinamento e desenvolvimento como ferramenta de gesto exerceu sobre os resultados do setor em que foi aplicado. Para atender ao objetivo geral, foram definidos como objetivos especficos analisar os conceitos relacionados T&D, investigar a importncia da implantao do treinamento para a empresa, averiguar como so detectadas as necessidades de implantao do T&D, examinar qual a forma de utilizao dos conhecimentos adquiridos em treinamento na rotina de trabalho, verificar como so avaliados os treinamentos ministrados, e por fim avaliar quais os impactos obtidos atravs de um programa de T&D no setor em que aplicado. 4. DESTARTEv.3,n.1(2013) ISSN2237-2113 48 A pesquisa pode ser classificada, quanto aos fins, como descritiva em relao ao tema treinamento e desenvolvimento como ferramenta de gesto, pois utilizou o levantamento de dados para descrever o objeto estudado, e quanto aos meios foram produzidos estudo de caso, pesquisa documental, e bibliogrfica. Para coleta de dados foram utilizadas entrevistas semiestruturadas compostas por dois tipos diferentes de roteiros, sendo o primeiro com foco na percepo de componentes do nvel gerencial, enquanto o segundo analisou a percepo dos colaboradores. O universo do estudo em questo foi o setor operacional de uma empresa do ramo de siderurgia, composto por sessenta e cinco colaboradores, dos quais foram distinguidos como amostra quatro supervisores, dois gestores e vinte e dois colaboradores, totalizando 44% entrevistados. Quanto aos resultados finais, foi possvel a partir da comparao entre a teoria e a prtica evidenciar os principais impactos da utilizao do treinamento como ferramenta de gesto. 2 REFERENCIAL TERICO 2.1 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO O T&D tem sido considerado pelas organizaes uma importante ferramenta estratgica, e conquistado espao cada vez mais significativo nos oramentos empresariais, de modo que as empresas o utilizam como forma de desenvolvimento e aprimoramento contnuo das reas, buscando assim uma maior competitividade perante o mercado. Por diversas vezes o T&D so tratados como sendo uma mesma coisa, e isso ocorre por serem atividades interligadas, que em muitas ocasies utilizam os mesmos meios, porm visando objetivos diferentes. E Marras (2009) esclarece essa percepo quando diz que treinamento e desenvolvimento so dois caminhos distintos, ainda que os dois utilizem tcnicas similares, almejam objetivos diferenciados. Para Marras (2009, p. 167): 5. DESTARTEv.3,n.1(2013) ISSN2237-2113 49 O treinamento prepara o homem para a realizao de tarefas especficas, enquanto um programa de desenvolvimento gerencial oferece ao treinando uma macroviso do business, preparando-o para voos mais altos, a mdio e longo prazos. Stoner e Freeman (2009) tratam T&D como sendo o programa de treinamento, aquele que voltado a corrigir e melhorar as tarefas desenvolvidas cotidianamente, enquanto que o programa de desenvolvimento proporciona capacitar os funcionrios para realizar atividades futuras elevando seu nvel de conhecimento. Milikovich e Boudreau (2010) concordam que o treinamento tem como finalidade adequar as caractersticas dos colaboradores as exigncias de suas respectivas funes atravs de um processo sistemtico que visa agregar conceitos, habilidades, regras e atitudes, e que o desenvolvimento voltado para a carreira, outras experincias, aprimoramento das capacidades e motivao do corpo intelectual da organizao. Por sua vez, Carvalho, Nascimento e Serafim (2012, p.167) afirmam que: [...] treinamento est interligado educao, na medida em que treinar implica despertar dons, aptides e capacidades que, na maioria das vezes encontram-se latentes. Isso significa que tais caractersticas so inerentes ao ser humano. Para que o T&D seja requerido e aplicado pela empresa, deve-se antes realizar um diagnstico, que segundo Chiavenato (2005), ocorre por meio de pesquisas internas realizadas na organizao, que buscam o levantamento de informaes relacionadas s carncias de preparo e reas de provveis melhorias, como por exemplo, as incongruncias em como as atividades so e deveriam ser realizadas pelos colaboradores e gestores. Felippe (2006, p.8) apud BOOG (2006) confirma quando diz que para iniciar o treinamento "a primeira etapa diagnosticar quais so as reais necessidades de treinamento, para minimiz-las ou, at mesmo, elimin-las". E ele ainda reconhece que nesta fase o foco detectar e explicar as varivei