of 37 /37
FACULDADE ANHANGUERA DE JACAREÍ

ATPS - Teoria Da Administração

Embed Size (px)

DESCRIPTION

ATPS - Teoria Da Administração

Text of ATPS - Teoria Da Administração

Faculdade Anhanguera de Jacare

Atividade Prtica Supervisionada (ATPS)Teorias da Administrao 2 semestre Sumrio1 Apresentao da equipe..............................................................................32 - Introduo...................................................................................................43 - Etapa 1 - Fundamentos da Administrao....................................................53.1 - Administrao e seu significado...........................................................53.2 - A Administrao no decorrer da histria............................................63.3 - a revoluo industrial.......................................................................103.4 - relatrio.............................................................................................124 - etapa 2 - escolas clssicas........................................................................134.1 - Reflexo da equipe..............................................................................134.2 - Princpios Clssicos na Q Po............................................................144.3 -Relatrio.............................................................................................165 - etapa 3 - PAPEL DOS GERENTES - ADMINISTRALAO DA QUALIDADE.........175.1 - GeSTO DA QUALIDADE.......................................................................195.2 - Relatrio............................................................................................206 - etapa 4- ENFOQUE COMPORTAMENTAL NA ADMINISTRAO......................216.1 - MOTIVAO E LIDERAA......................................................................216.2 - EVOLUO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO.......................................226.3 - MODELOS DE NEGCIOS E ESTRATGIA.........................................227 - PLANO DE PROPOSTA DE MELHORIAS NA Q PO.........................................248 - REFERNCIAS...........................................................................................25

Faculdade Anhanguera de Jacare

Trabalho apresentado com o objetivo de aperfeioar o conhecimento em relao Teoria da Administrao curso de Administrao de empresas da Faculdade Anhanguera de Jacare.

INTRODUO:

Iniciamos esta apresentao com o tema Teoria da Administrao visando uma melhor compreenso dos fatos desta cincia, desde seu incio h muitos anos atrs at os dias de hoje. H quem diga que Administrar organizar, mas este conceito vai muito alm disto, conforme o cronograma criado por Henry Gantt no incio do sculo XX, (PLT.pg.8) destaca se um pouco da administrao de projetos, so tantas as ideias que j se falou em uma Selva das Teorias, onde as pessoas entram e acabam se perdendo, mas no esse o nosso objetivo neste caso, queremos da melhor maneira entendermos teorias, tcnicas e conceitos.Este contedo nos traz clarezas desta to admirvel disciplina que sempre tem com grande resultado influenciado toda a sociedade. Desde o incio pensamento administrativo foi fortemente influenciado por filsofos gregos como Plato (429 a.C 347 a.C) discpulo de Scrates e Aristteles (384 a.C 322 a.C) discpulo de Plato. (CHIAVENATO, 2007, P.30), estes trs filsofos tiveram contribuio muito importante para o pensamento administrativo no sculo XX. Plato preocupou-se com os aspectos deficientes e problemticos referentes natureza poltica e sociocultural relacionados ao desenvolvimento da comunidade grega, sempre questionador foi corajoso em sua obra A Republica, onde prope um movimento de democracia administrativa, inclusive das contas e impostos pblicos. A democracia uma constituio agradvel, anrquica e variada, distribuidora de igualdade, indiferentemente a iguais e a desiguais. Trechos de A Republica, Plato. Este trabalho pretende acrescentar em nossos dias hoje e aos futuros toda a sabedoria adquirida por esses conceitos, que durante todos os tempos tem se mantido como estrutura no deixando escapar as inovaes que sempre contribuem para o bem estar de toda a sociedade.

*Etapa 1Aula-tema: Fundamentos da administrao: Conceito e antecedentes histricos da Administrao. Da revoluo urbana revoluo industrial.Administrao e seu significado.Segundo pesquisa em dicionrio a definio exata da palavra Administrao segue da seguinte forma:1 Ato de administrar. 2 Governo. 3 Direo de estabelecimento. 4 Casa onde se trata de assuntos de administrao pblica ou particular. 5 O corpo de funcionrios administrativos de uma repartio pblica ou de empresa particular. 6 Ato de ministrar (sacramentos). 7 Ao de dar a tomar (medicamentos). 8 Estudo dos fatos e princpios da arte de administrar. A.-geral, Dir: a atribuda s pessoas designadas pela lei para administrarem os bens de outrem. A. pblica: conjunto de poderes em ao, agindo em nome e no interesse do Estado, exercidos pela Unio, pelos Estados e Municpios. Este o significado da palavra segundo o dicionrio Michaelis, mas alm disso, praticamente a Administrao o processo de tomar decises sobre objetivos e utilizao de recursos. Este processo abrange cinco tipos principais de decises tambm chamadas de funes: planejamento, organizao, liderana, execuo e controle.Em uma sociedade praticamente tudo depende de organizaes. Uma organizao um sistema de recursos que procura realizar algum tipo de objetivo ou um conjunto deles, e a que entra a Administrao fazendo com que as organizaes sejam capazes de utilizar corretamente seus recursos e atingir seus objetivos com as decises que sero tomadas em seus processos. Quando as organizaes resolvem problemas com eficincia e eficcia todos ficam satisfeitos: clientes, usurios, funcionrios, acionistas, a sociedade de forma geral.Objetivos

Organizao Pessoas Informao Conhecimento Espao Tempo Dinheiro Instalaes

Figura: PLT (Pg.4) Fonte: Teoria geral da administrao/ Antonio Cesar Amaru Maximiano. 2. ed.- So Paulo: Atlas, 2012.

A Administrao no decorrer da histria.Se observarmos durante os sculos que vo da antiguidade, ao incio da idade mdia veremos que a questo administrativa j tinha enorme peso nos temas dos grandes filsofos. Porm havia outros no menos importantes que tambm legaram grandes contribuies para a formao deste pensamento, os principais temos a seguir:

Francis Bacon (15611626) filsofo e estadista ingls considerado um dos pioneiros do pensamento cientifico moderno, fundador da Logica Moderna, baseada no mtodo experimental e indutivo (do especifico para o geral) CHIAVENATO (1983 p.32). Bacon foi pioneiro ao antecipar o princpio da Administrao, prevalncia do principal sobre o acessrio

Ren Descartes (1596 1650) filosofo, matemtico e fsico francs considerado fundador da filosofia contempornea, responsvel pela criao das coordenadas cartesianas, impulsionando a matemtica e geometria da poca, hoje conhecidas como Mtodo Cartesiano, que teve influncia decisiva na administrao cientifica, as teorias clssicas e neoclssicas, tiveram muitos de seus princpios baseados em sua metodologia. (CHIAVENATO, 2007, p.31).

Thomas Hobes (1588 1679) filosofo e terico poltico ingls, demostrou convico ao defender um governo absoluto, isso por causa da sua viso pessimista da humanidade. Em sua mais famosa obra, Leviat ou matria, forma e poder de um estado eclesistico e civil, Hobes parece querer denunciar uma atitude de descaso e at omisso por parte da sociedade em relao aos seus direitos naturais de um governo que, investido do poder a ele conferido, impe a ordem, organiza a vida social e garante a paz (CHIAVENATO, 2007 p.31).

Outro importante terico que tratou do tema Jean Jacques Rosseau (1927 1778), que ao desenvolver a teoria do contrato social afirma: o estado surge de um acordo de vontades. MAXIMINIANO (2000, P.144).

Dentre os representantes da filosofia mais celebrados pelos partidos vermelhos (partidos comunistas) esto:

Karl Marx e Friedrich Engels

(1820 1895) a contribuio deles para o pensamento administrativo teve com centro a teoria da origem econmica do Estado, onde o poder poltico e o do Estado nada mais so do que o fruto da denominao econmica do homem pelo homem (BERMAM, ano.p). A principal obra deles foi o manifesto comunista, onde afirmam que a histria da humanidade uma histria de lutas de classes (CHIAVENATO, 2001 p.40).

Ainda observando as teorias da administrao vemos que h um mundo de ideias e prticas que so usadas hoje, mas que surgiram h milhares de anos atrs como, por exemplo, a criao de escolas com conceitos e ideias que sistematizaram os conceitos fundamentais da administrao, fazendo uma transio para o sculo XX, visando a eficincia, organizao em processos produtivos, essas pontos so os principais da Escola Clssica. Os clssicos fizeram as primeiras experincias, criaram as primeiras solues e escreveram as primeiras ideias: Frederik Winslow Taylor liderou o movimento da administrao cientifica, com nfase no combate ao desperdcio, racionalizao do trabalho e melhor maneira de fazer as tarefas. Henry Ford desenvolveu e implantou a linha de montagem, produtos, peas e trabalhadores padronizados, com eficincias dos processos produtivos. Henri Fayol explicou o papel dos gerentes e o processo de administrar cada funo dentro de uma empresa. Max Weber lanou as bases para o estudo das organizaes e da burocracia, tipo ideal, organizao como mquina burocrtica. De acordo com Lacombe (2003) h mais de dois mil anos j existia administrao de alguma complexidade do Imprio Romano. Registros histricos indicam que a igreja catlica Romana j dispunha de modelos de administrao no sculo II. Maximiano (2000) relata que por volta de 10000 a 8000 a.C, na Mesopotmia e no Egito, agrupamentos humanos que desenvolveram atividades extrativistas, faziam uma transio para atividades de cultivo, agrcola de pastoreio, iniciando se a Revoluo Agrcola.Ainda de acordo com MAXIMIANO, no perodo compreendido entre 3000 e 500 a.C, a Revoluo Agrcola evoluiu para a Revoluo Urbana, surgindo as Cidades e os Estados, demandando a criao de prticas Administrativas, que tiveram maiores mudanas com a Revoluo Industrial no sculo XVIII, segundo PLT algumas das principais tendncias administrativas criadas e aceleradas pela Revoluo Industrial esto resumidas na figura abaixo:

Administrao e organizaes durante a revoluo urbana. Surgimento das cidades e estadosEstrutura de colaborao e coordenao entre cidades-estados

Formao de uma classe de dirigentes profissionais, os reis-sacerdotes

Planejamento de longo prazo

Formao de uma classe de funcionrios pblicos

Administrao de grandes projetos de construo

Inveno de contabilidade primitiva

Exrcitos profissionais especializados

Legislao

(PLT pg.22) Teoria geral da administrao/Antonio Cesar A. Maximiano. 2. ed.- So Paulo: Atlas, 2012.

Conforme o tempo foi passando aumentava significativamente as formas de fazer administrao, comeava-se ento uma busca por democracia, estratgia, igualdade de todos perante a lei, tica na administrao pblica, planejamento urbano, universidade da administrao, raciocnio metdico e qualidade, esses so alguns dos temas em debates principalmente abordados pelos gregos. Uma forte contribuio tambm veio por meio da Reforma Protestante no sculo XVI, Calvino e Martinho Lutero enfatizavam o trabalho duro como forma de melhorar a situao pessoal e beneficiar a comunidade, com isso houve um grande avano impulsionando o capitalismo que teve forte desenvolvimento quando eles migraram para os Estados Unidos. A tica protestante tambm demonstrou que possvel conduzir uma operao de grandes propores com muita organizao, mas comum mnimo de estrutura administrativa.

A Revoluo Industrial

A expresso Revoluo Industrial foi aplicada s inovaes tcnicas que alteraram os mtodos de trabalho tradicionais e, a partir das ltimas dcadas do sculo XIII, propiciaram um grande enriquecimento econmico. Existe tambm o consenso quanto ao fato de que a Inglaterra foi o primeiro pais a entrar na era industrial. No entanto a revoluo industrial no foi um episdio precisamente datado, com princpio, meio e fim, muitas vezes a industrializao foi um processo lento, que podemos ainda em nossos dias observar esse processo com mudanas em funo de novas ideias e tecnologias que surgem.Antes da Revoluo industrial a atividade produtiva era artesanal e manual, da o termo Manufatura, com o desenvolvimento de tcnicas e mquinas principalmente vapor o trabalho passou a ser conhecido como maquino fatura. O processo produtivo sofre ento um grande impacto com as mudanas tecnolgicas, tornando o capitalismo o sistema econmico vigente. Muitos trabalhadores perderam o controle de todo seu processo produtivo, bem como a posse de matrias primas, do produto final e do lucro, esses trabalhadores que produziam e distribuam agora tinha que controlar as maquinas que pertenciam aos donos dos meios de produo uma classe de burguesa munida de grande acmulo de capitais que controlavam os meios de produo e da economia os quais passaram a receber todos os lucros. Os trabalhadores manufatureiros no tinham mais cincia do valor da riqueza por eles produzido, passaram a receber salrios por funes que eram treinados a exercer nas indstrias.Todas essas mudanas com a Revoluo industrial tambm mexeu com as condies de vida do trabalhador braal, provocando de incio um deslocamento da populao rural para as cidades, formando grandes concentraes urbanas, famlias passaram a viver em cortios e tinham que enfrentar grandes jornadas de trabalhos que chegavam a 80 horas por semana, tanto homens como mulheres e crianas trabalhavam e se submetiam a um nvel de subsistncia. Principais Avanos TecnolgicosConforme os anos foram passando notava-se grandes mudanas nas formas de atuao do capitalismo industrial, a partir do sculo XVIII a velocidade no processo de transformao de matria prima se deu por conta das mquinas a vapor, por conta disso os trabalhadores tambm tiveram que adaptarem se as condies de trabalho, passando por um processo de especializao de mo de obra. Com o desenrolar da Revoluo industrial percebe-se que a necessidade de novas tecnologias tornou-se comum a qualquer nao ou dono de indstria que quisesse ampliar seus lucros. A busca por novidades novamente comea a mudar o perfil de uma poca, por volta de 1870 j se falava em uma segunda Revoluo industrial com novos avanos tecnolgicos, os mais importantes foram a eletricidade, o transporte ferrovirio, o telgrafo e o motor a combusto, com esses novos fatores deu-se incio a uma verdadeira exploso de novos mercados e uma acelerao do ritmo industrial, cria-se novos estudos cientficos que elaborando teorias e maquinas capazes de reduzir os custos e o tempo da fabricao de produtos que seriam consumidos em grandes escalas.Por voltado sculo XX outras novidades trouxeram novos aspectos ao capitalismo, o industririo Henry Ford e o engenheiro Frederick Winslow Taylor, criaram mtodos para que fossem aperfeioados o tempo gasto e a eficincia dos processos produtivos, iniciavam-se ento as escolas clssicas trazendo novos padres e modelos com sua implantao voltada para uma gesto administradora.Novas experincias traziam a cada dia um maior e melhor aproveitamento de minrios no uso de matrias primas e de novos maquinrios, o petrleo, o ao e o alumnio so exemplos de matrias primas que tiveram um enorme crescimento e desenvolvimento fazendo com que o capitalismo rompesse novas fronteiras ruma a economia mundial.

Pode-se dizer que ainda vivemos uma Revoluo Industrial? Por qu?Sim, aps assistirmos ao vdeo sobre a vida de Rafinha, e analisarmos todo o processo da Revoluo Industrial no passado como ocorreu seus meios e resultados, podemos dizer que hoje vivendo todo os dias em uma Revoluo, so mudanas tecnolgicas que influenciam mudanas sociais, de comportamento, em organizaes, famlias, Cidades, Estados e pases. Houve um Boom nas grandes indstrias onde o mundo est convertendo de massas em milhes de nichos, onde a variedade de escolhas imensa, a Revoluo Industrial no passado se deu entre artesos, mo de obra, e mquinas vapor, que convertiam tudo em produtos. Hoje essa Revoluo se d em um meio tecnolgico e de informao que acaba levando o ser humano a correr contra o tempo se quiser acompanhar todas as evolues que surgem.Hoje os pases trabalham em cadeias globais de informao, tentando a todo o custo produzir mais e com inovao para uma massa de clientes que cada vez est mais exigente e atualizado. Isso a globalizao que a todo o tempo trabalha em grande escala e ao mesmo tempo em que produz tambm tenta manter se no mercado como que pisando em ovos, para cuidar de sua marca, se colocam transparentes correndo o risco, mas integrando a comunidade para o aperfeioamento de suas invenes e criaes. Pois o mesmo cliente consumidor de suas marcas hoje pode amanh se tornar seu concorrente em potencial. Podemos observar tambm que hoje esta Revoluo tem tido forte nfase na questo ambiental, nunca se falou tanto em sustentabilidade, e a cada dia ganha fora as organizaes que alm de investir em inovao com tecnologia no abandona os cuidados com o meio ambiente e a sustentabilidade, investindo em propaganda e Market e influenciando aos seus usurios de que h uma necessidade de cuidar do nosso ecossistema, exemplo disso a fbrica da YP, que anuncia que a cada item de seus produtos adquirido uma rvore plantada, tudo isso gera uma Revoluo Industrial em nossos dias.

*Etapa 2Aula-tema: Escola Clssica Taylor, Ford. Escola Clssica Fayol. Escola Clssica Weber. Evoluo da escola clssica. Evoluo da escola clssica.

Passo 2 (Reflexo da Equipe)O Filme Tempos Modernos ilustra que em muitas organizaes so desenvolvidas tecnologias que o homem ainda no conseguiu alcanar, prova de tudo isso a grande falta de Mo de Obra qualificada. Em outros casos os equipamentos desenvolvidos no excecionados de forma adequada antes de sarem para o mercado, e ao serem colocados em atividades vem ocasionando uma exposio aos operadores e quando apresentam defeitos coloca em risco tambm a imagem da organizao. Ainda existem inmeras empresas que apostam em ideias no bem sucedidas. O homem reduzido a gestos mecnicos pelo parcelamento das tarefas.Passo 3 (Princpios Clssicos na Q Po) O Sr. Bread ao estabelecer parmetros do mtodo cientfico de racionalizao da produo em sua padaria, certamente atingira o aumento de sua produtividade com a economia de tempo, a supresso de gestos desnecessrios e comportamentos suprfluos no interior do processo de produo da padaria Q Po. Colocar em pratica e manter sua postura de Gerente Administrativo e executivo de sua Organizao, tomando decises rpidas, inteligentes e que venham trazer bons resultados. Consiste na especializao das tarefas e das pessoas para aumentar a eficincia;Determinar tempos estimados para execuo de determinadas tarefas e recompensar os produtores conforme sua produo, com certeza far com que os funcionrios venham a produzir mais em menos tempo, no deixando faltar qualidade.Conforme MAXIMIANO (PLT 2012 pg. 59) os princpios gerais da Administrao so mais que suficientes para colocar uma organizao no caminho certo, como:* Diviso de trabalho um dos principais fatores, pois com essa atitude a Gerencia de uma Organizao poder direcionar tarefas especificas, administrar e acompanhar de perto a produtividade de cada colaborador;* Autoridade e Responsabilidade: A primeira o direito de mandar e fazer-se obedecer. A segunda, a sano recompensa ou penalidade que acompanha o exerccio do poder.* Disciplina que nada mais do que o respeito os acordos estabelecidos entre a empresa e seus agentes.

Tantos outros processos de administrao e papeis de Gerentes surgiram e iram surgir, uma vez que as organizaes vivem em constantes mudanas e adequao de mercado. Desenvolvendo e treinando equipes internas, para que estejam preparados para representarem as empresas que trabalham no mercado a fora.

Organograma da Q PoSr. Bread

ConfeiteirodCaixa 01Caixa 02

Balco 01

Balco 02

Balco 03Padeiro 02Padeiro 01

RelatrioPrimeiramente o Sr. Bread como dono da padaria, deveria desenvolver regras e impor a seus funcionrios, no intuito de que os mesmos possam ser mais comprometidos, e caso as regras no sejam obedecidas, aplicaria punies altura do descumprimento das regras. Feito isso certamente os demais funcionrios pensariam duas vezes antes de descumprir qualquer regra que seja imposta pela padaria, pois o dono preza pelo que correto para que ele tambm possa ser junto a seus funcionrios, desta forma o resultado no seria outro a no ser um resultado positivo da padaria de consequentemente a satisfao de todos.Importante influencia teve os administradores de anos atrs ao desenvolverem mtodos e processos de como facilitar o nosso trabalho do dia-a-dia, fazendo do nosso convvio cada vez melhor juntamente com as grandes organizaes. O desenvolvimento de processos que facilitam o nosso trabalho e fazem dele mais prazeroso, certamente far com que sejamos mais produtivos a partir do momento que somos reconhecidos como bons funcionrios. O importante de tudo que esses processos no parem, pois so vistos com bons olhos e vivem em constante atualizao, para que nos trabalhadores nos adapte com mais facilidade e possamos dar bons resultados. preciso entender sempre para que o desenvolvimento de nossas tarefas seja cada vez mais eficaz, devemos nos dedicar e nos deixar ser treinados para que possamos ajudar a melhor forma nos processos do nosso trabalho. importante seguir uma hierarquia para que quem possa ajudar esteja sempre disponvel e dar o feedback necessrio. Caso seja encaminha para o superior do seu superior, seja objetivo e mantenha seu superior ciente do assunto abordado. importante o desenvolvimento de um organograma para que cada funcionrio saiba a quem se reportar diante de determinadas situaes.

*Etapa 3 Aula-tema: Papel dos gerentes. Administrao da qualidade.

Passo 2 (Reflexo da equipe) Gerenciamento

O vdeo de Daniel Godri mostra os dois tipos de funcionrios em uma organizao, tirando como exemplo dois animais, o gato e o cachorro, e considerando que seja os funcionrios do Sr.Bread, em sua padaria ele conta com funcionrios gato, que em seu comportamento so inteligentes mas no participam, no acreditam, pensam s neles, no tem alegria mais nas tarefas que executam, so preguiosos, diferente daquilo que o Sr. Bread de fato precisaria em um funcionrio, atitudes de um co, motivados mesmo que estando amarrados, defende sua empresa, atende bem de qualquer forma, tem fcil percepo, reconhece o cliente e persistente. A padaria Q po tem, contando com seu proprietrio um quadro de funcionrios composto por: 3 Atendentes no balco2 caixas1 atendente de cafeteria2 padeiros1 confeiteiro. Conforme analisado no desafio, nota-se grande defasagem no comportamento de todos os funcionrios da Q po que vo desde a falta ou mal comunicao interna, falta de respeito com o proprietrio Sr. Bread, atrasos constantes e o pior de todos, descaso com os clientes. Alm dos problemas com funcionrios o Sr. Bread tem tido muitos problemas de finanas acrescidos falta de tempo em supervisionar toda a sua linha produtiva.Segundo Herbert Simon (PLT.104), um incio para uma futura mudana gerencial tem natureza decisria implantadas em trs fases: 1) Inteleco ou prospeco, analisando o problema ou a situao que requer a soluo. 2) Concepo, ou criao de alternativas de soluo para o problema ou situao. 3) Deciso, julgamento e escolha de uma alternativa. sabido que ao implantar decises essencial que o Sr. Bread consiga esclarecer todos os seus objetivos com relao as melhorias que almeja conquistar. Ser necessrio dentro da Q po habilidades gerenciais que sero o ponto culminante para o sucesso do Sr. Bread e de todos os demais funcionrios.Em primeiro plano manter relaes formais e informais com todos os funcionrios e tambm clientes e fornecedores, visando melhorar a comunicao interna e externa, com uma poltica de qualidade. Em segundo plano o Sr. Bread poderia assumir um papel de lder, orientando, treinando e motivando com autoridade sua equipe que at o presente momento toma suas prpria decises sobre suas escalas e horrios, em muitos momentos deixando-o na mo com seus clientes. Em terceiro j depois de expor sua liderana ser firme na resoluo dos conflitos que podero surgir, pois nem todos os funcionrios esto prontos as mudanas de comportamentos e haver resistncia em muitos casos. Em quarto lugar aos que assumiram o compromisso de nova gesto, tornar-se um representante em potencial da Q po desenvolvendo suas habilidades em funo do crescimento da organizao. Em quinto lugar, ao conseguir acertar os pontos com seus funcionrios, agora vem as questes de estar por dentro de todas as informaes possveis, tanto externas como internas para que com preciso tomar decises mesmo que exijam um curto perodo no volte a afetar o desempenho de sua equipe. Em sexto lugar o Sr. Bread deve decidir alocar bem seu tempo, o de seus funcionrios, bem como tambm os recursos dos quais ele dispe para uma boa definio das prioridades a fim de que as escolhas sejam as melhores. Em stimo lugar o Sr. Bread no pode deixar de ter seu espirito empreendedor e abrir espao para o empreendedor colaborativo tambm, certo que a Q po est em sua famlia por geraes, mas necessrio que a todo o tempo haja uma viso de oportunidades e um espirito competitivo em relao ao mercado de sua categoria, buscando inovaes e tcnicas de desenvolvimento que tragam mais prestgios e fama a Q po. Em oitavo e ltimo lugar o Sr. Bread precisa rever seus prprios conceitos, aprender com suas prprias experincias e fazer uma autoanalise de seu prprio cargo dentro de sua organizao, assumir seu papel de verdadeiro lder e comear a aplicar uma APO dentro e fora da Q po. Daniel Godri em seu vdeo fala do lder que lapida o que tem de bom nas pessoas, coloca sonhos em seus coraes e os fazem segui-lo por amor e dedicao. Se com uma viso sistmica o Sr.Bread aplicar os conceitos indicados definindo bem as especificaes de cada funcionrio, o valor de suas contribuies e com excelncia desempenhar suas funes, com certeza a Q po conseguir mudar seu rumo.

Passo 3 (Reflexo da equipe) Gesto da QualidadeQuando o assunto qualidade tem-se como foco principal as caractersticas que um produto ou servio proporciona aos seus clientes, acionistas, fornecedores e a sociedade como um todo. Se essas caractersticas apresentarem defeitos, erros ou no conformidades pode-se fazer um recall, recolhendo os produtos e repondo ao cliente outro produto que o atenda em suas expectativas e necessidades. Porm em se tratando do caso com o Sr. Bread as consequncias de um erro vo muito alm por se tratar de produtos alimentcios, sendo assim um simples recall no seria a soluo. Se este alimento sair com erros, entendendo-se como contaminao por agentes qumicos, fsicos ou biolgicos, pode-se no dar tempo de recolher o produto no mercado: ele j intoxicou ou, em casos extremos, j matou algum.Um dos problemas que o Sr. Bread enfrenta em sua padaria e que talvez seja o principal o problema financeiro, a Q po j no lhe traz os recursos suficientes para que ele possa cumprir com seus compromissos, possivelmente por defeitos, e falta de qualidade em seus processos de produo e distribuio, com isso vem a reclamao dos clientes e consequentemente os cancelamentos trazendo enormes prejuzos. Os produtos de maior lucratividade na padaria so os de fabricao prpria mas sobre estes o Sr.bread j perdeu o controle por falta de tempo na superviso.Agora que o Sr. Bread j conseguiu corrigir os problemas com sua liderana e com os funcionrios, hora de levantar as mangas e trabalhar com sua equipe motivada, para isso ocorrer da melhor maneira possvel, necessrio que o Sr. Bread analise os conceitos de (TQC) Total Quality Control, que analisa de perto a satisfao do cliente, o conceito de aperfeioamento continuo, o bom envolvimento e participao dos funcionrios, valorizando o respeito ao indivduo. Os sistemas (TQC) proporcionaro os instrumentos necessrios para assegurar que os requisitos e atividades especificas da Q Po sejam acompanhados e verificados de uma maneira planejada, sistemtica e documentada, para deste modo ter-se a certeza dos resultados positivos.Para essa nova fase na Q Po vivel que o S. Bread utilize normas que j foram reconhecidas e premiadas por sua qualidade, como a ISO 9000 que ir garantir que seus produtos tenham sempre a mesma qualidade. Sobre a ISO 9000 (PLT 133) diz que:A ISO no tem como misso controlar a aplicao de suas normas, que uma questo de entendimento voluntaria entre fornecedores e seus clientes, ou de exigncia que alguns compradores fazem a seus fornecedores. Alm disso, a adeso s normas ISO voluntaria, j que a organizao no tem poder legal para obrigar sua adoo. A utilizao da ISO 9000 trar benefcios como: abertura de novos mercados, maior conformidade e atendimento s exigncias dos clientes, menores custos de avaliao e controle, melhor uso de recursos existentes, aumento da lucratividade, maior integrao entre os setores da empresa, melhores condies para acompanhar e controlar os processos e diminuio dos custos de manufatura. Passo 4 RelatrioAps pesquisarmos e analisarmos o caso do Sr. Bread, vimos que administrar vai muito alm de o simples fato de organizar, em muitos casos os donos de empresas investem na contratao de um administrador, lder ou como conhecido hoje, coash, pois desta forma saber que os resultados sero os desejados, mas h casos como o do S. bread em que ele mesmo ter que se tornar esse lder, nos processos, nas tomadas de deciso e possveis mudanas e suas consequncias.Ao decorrer deste caso pudemos com o S. Bread solucionar muitos detalhes, ter uma viso de como se trata uma empresa que tem seu nome por geraes no mercado mas que corre srio risco de decretar falncia, como o caso de muitas pequenas empresas hoje, que em um curto prazo no consegue acompanhar o mercado. Vimos que parte deste problema pode ser resolvida internamente, pois se trata de questes de comunicao, desempenho e liderana. Hoje para se destacar no mercado preciso estar frente de seu tempo, ser inovador sem deixar os bons e fortes hbitos que garantem a sua marca, melhorar sempre e constantemente fundamental em todos os sentidos, possibilitar que seus colaboradores sintam orgulho por seu desempenho e qualidade em suas funes, e se sintam engajados em processos de transformao que tragam a cada dia, benefcios para a organizao e pra si prprios. *Etapa 4 Aula-tema: Enfoque comportamental na administrao. Motivao e liderana. Evoluo do Processo Administrativo. Modelo de negcios e estratgia.

Passo 1 (Equipe)

Para que a estrutura de uma empresa no venha ser abalada importante observemos cotidianamente suas necessidades. Identifica-las ajudar a desenvolvermos projetos e tomar decises que venham de uma forma positiva intervir no crescimento da organizao. O Lder dessa organizao importante saber que ningum consegue nada sozinho, temos que ter a humildade de identificarmos nossas falhas e aceitarmos que elas precisam ser trabalhadas, pois por trs de um bom lder, sempre haver uma boa equipe, e como o lder espelho de sua equipe, tem primeiramente que se auto avaliar e se propor a trazer bons resultados para a organizao.

O Sr. Bread como Proprietrio da Padaria, dever determinar algumas normas e imp-las de forma firme e seria, ser de grande ajuda a Contratao de um Gerente, pois essa pessoa no seria do meio de convvio dos demais funcionrios e certamente teria uma viso diferente, alm do mais o Sr. Bread j um senhor, precisa de descanso, pois como Dono da Padaria, trabalha todos os dias.

importante que ao contratar esse Gerente, o Sr. Bread faa uma reunio com todos os funcionrios, comunicando os das novas mudanas que pretende fazer na organizao e para que os funcionrios se sintam parte da organizao, importante que todos sejam escutados e suas opinies sejam avaliadas e quem sabe colocas em pratica. Primeiramente precisa se saber que buscamos a melhoria da empresa e ela certamente no se mantero ativa por muito tempo se no houver a inteirao de todos.

Criar um organograma da empresa para que todos saibam a quem se reportar diante de cada necessidade e no desenvolvimento da escala de trabalho de cada funcionrio, procurar saber a necessidade de cada um, e chegar a um bom senso para que todos cumpram com o acordado, mesmo assim informar a todos que essa escala pode ser modificada, ou seja, troca de horrio e/ou de funcionrios, desde que haja comunicao previa. importante que o colaborador saiba de sua importncia para organizao, que tenha sempre em mente que a organizao pode crescer com o sem bom desempenho e certamente seus gestores ao ter concepo de que a mudana na organizao fruto do trabalho de toda a equipe, certamente transmitira esse crescimento da organizao para seus colaboradores, atravs de reconhecimento e a valorizar cada ver mais seus colaboradores.

Passo 2 (Equipe)

Um modelo inovador de gesto administrativa para a Q Po, inclui aes de tica e responsabilidade social, quando se descobre talentos entre seus colaboradores e eles so trabalhados, mesmo sabendo que o principal agente para essa conscientizao o prprio colaborador..tica nos negcios - O comprometimento voluntrio e permanente de uma determinada empresa em adotar e exercer a tica nos Negcios, contribuindo para o desenvolvimento econmico, de forma natural com a preservao ambiental e a melhora da qualidade de vida de seus colaboradores e familiares, da comunidade local e da sociedade como um todo, e assim, a empresa estar avanando na direo da sustentabilidade. A partir do momento em que os colaboradores adotam a tica desejada pela a padaria Q Po, certamente estar fazendo o que foi contratado para fazer sendo um funcionrio que tem propsitos e viso de crescimento dentro da companhia, um funcionrio tico e com suas habilidades desenvolvidas a ferramenta fundamental para a prosperidade da empresa.

Passo 3 (Equipe)

Plano de propostas de melhorias

Sumario:1. Introduo.2. Problemas encontrados3. Planos de ao

1. Introduo.

Compreendendo que a Q Po est passando por srios problemas, devido a desorganizao e falta de administrao do S. Bread, o objetivo deste trabalho identificar os problemas e considerar as solues, utilizando conceitos tericos da administrao, com o objetivo de reestabelecer e reestruturar a empresa visando a plena satisfao dos clientes e colaboradores.

2. Problemas encontrados.

Identificados os problemas principais da administrao, segue os pontos a serem tratados: Reduo nas vendas de produtos de fabricao prpria, as reclamaes dos clientes devido a qualidade e o mal atendimento, falhas na comunicao interna seguido do desrespeito dos funcionrios em relao ao seu lder, faltas e atrasos dos funcionrios, desmotivao da equipe, falta de produtos para as entregas de imediato, gerando os cancelamentos, politica de turnos inadequada e falhas no financeiro.3. Planos de Ao.3.1 melhorar a qualidade dos produtos de fabricao prpria, investindo em treinamentos externos, com o objetivo de desenvolver as habilidades dos seus colaboradores, conscientizando-os sobre a importncia da qualidade nesses produtos que so os de maior rentabilidade, esse investimento trar conhecimento de novas tecnologias que ser uma ferramenta inovadora voltada para a rotina de trabalho. Desenvolver procedimentos e registros internos de produo e qualidade de seus produtos, com isso todo o processo ser monitorado e registrado, formando um histrico para possveis consultas e analise de pontos ainda melhorar. Nomear um supervisor de qualidade com o objetivo de avaliar a qualidade dos produtos antes de disponibiliz-los aos clientes, garantindo assim a qualidade com a satisfao dos clientes.

3.2 melhorar o atendimento aos clientes, investindo em capacitao e desenvolvimentos dos atendentes de maneira que todos entendam as suas importncias e suas obrigaes dentro da Q Po conscientizando os atendentes que todo cliente gosta de ser tratado com ateno educao e respeito, isso o far retornar e divulgar a padaria a qualidade dos produtos e do atendimento.3.3 Melhorar a comunicao interna

Para a restaurao de sua padaria o Sr.Bread poder com o auxilio de seu gerente criar novos projetos com um ambiente inovado com condies de higiene e iluminao, distribuir os turnos com prmios aos funcionrios que se destacarem em suas funes, sem contar que o salario sendo pago de forma justa e no prazo determinado trar nimo aos funcionrios.

REFERNCIAS:Livros:Teoria geral da administrao/ Antonio Cesar Amaru Maximiano. 2. ed.- So Paulo: Atlas, 2012. (PLT)CHIAVENATO, Idalberto. Teoria geral da Administrao. So Paulo: McGraw-HILL -1897.LACOMBE, Francisco, JM; HEILBORN, Gilberto Luiz J. Administrao: princpios e tendncias. So Paulo: Saraiva, 2003.

22