Click here to load reader

Balada da União - Julho, Agosto, Setembro 2012

  • View
    2.142

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Balada da União - Julho, Agosto, Setembro 2012

  • 1. PROPRIEDADE: CONVVIOS FRATERNOS * DIRECTOR REDACTOR: P. VALENTE MATOS * PR-IMPRESSO E IMPRESSO: FIG - INDSTRIAS GRFICAS, S.A. 239 499 922PUBLICAO BIMESTRAL - DEP. LEGAL N 6711/93 - ANO XXXIV- N 313 - JULHO / AGOSTO / SETEMBRO 2012 * ASSINATURA ANUAL: 10 EUROS * TIRAGEM: 10.000 EXS. * PREO: 1 EURO XXXIX CONVVIO MAIS... GRATIDO E ANIMAO NACIONAL De brilho no olhar e de alegria estampada no rosto ,COMPROMISSO - percorrendo vrios caminhos desde as suas dioceses, os FTIMA 2012 convivas chegaram a Ftima para viver aquele que foi o XXXIX HOMENAGEM Realizou-se nos dias 8 e 9 de Setembro o XXXIX Convvio Encontro Nacional do movimento dos Convvios- Fraternos Animao Nacional dos Convvios - Fraternos , tambm conhecido por Peregrinao dos Convvios Fraternos ao , nos dias 8 e 9 de Setembro. Pag. 5. AO P. VALENTE Santurio de Ftima. Mais de 70 mil peregrinos , sendo uma grande parte jovens e casais do movimento, deramO Convvio Animao Nacional deste ano teve uma neste 2 dias , aos atos litrgicos mas sobretudo EucaristiaAS DIOCESESnovidade no seu programa : o espao "Ser mais Conviva" Dominical , a que presidiu o Sr. D. Manuel Linda ,Bispo , no qual se fez uma evocao da histria do nosso Auxiliar de Braga , alegria , e juventude- Na sociedadeE O MOVIMENTOmovimento e uma homenagem ao nosso fundador . materialista em que vivemos e sobretudo em que Deus e Apesar de haverem diminuido os feriados, mesmo assim as P. Antnio Valente de Matos os problemas espirituais so indiferentes vida dos nossos dioceses vo-se esforando e motivando os jovens para Pag. 2. jovens ,foi um testemunho extraordinrio de F e de amorparticiparem em Convvios - Fraternos.. a Deus a presena e a vivncia de milhares de jovens rezandoAssim , apesar das frias ,nestes 3 ltimos meses, realizaram.se , cantando e louvando entusiasticamente a Deus porvrios convvios. O nosso movimento continua a ser resposta intercesso de Nossa Senhora na sua invocao de Senhorade encontro com Deus para todos os jovens que optam por de Ftima.fazer um convivio. Os jovens continuam entusiasmados por Jesus Cristo Pag. 6A BONDADE NO SEDESCREVE: EXPERIMENTA-SE A bondade to ansiada e querida pelas pessoas, est planificada em Jesus , e faz-se presente nos irmos. Ser bom, ser sempre um ideal a ser atingido como a atitude mais condizente com a nossa natureza. Quando isso acontece habitualmente, temos a certeza de que fruto A NOBRE ARTE DA de grande intimidade com Deus , de um amor incontestavel a Deus e aos irmos. POLTICA QUANDO O SENHOR Pg 7 A poltica , de facto, uma arte nobre, se exercida dentro dos devidos parmetros, porque, se assim no for ser CHAMA a pior e mais malfica das artes. Com efeito, concorrer para o bem comum ,como deveDaqui a alguns dias ingresso no Carmelo de S. Jos ,em Ftima.Nestes ltimos 4 anos e depois que fiz o meu convvio, a TU QUE ANDASacontecer com os polticos , uma misso importante, porque diz respeito no s prpria nao ,mas a outras,minha vida interior transformou-se profundamente. No dia adia continuei a fazer mais ou menos o mesmo que fazia. ADORMECIDO,ACORDA!... sobretudo numa globalizao como aquela que ns vivemos.Pag. 3.Desperta desse sono de indecises e de medos!. H um caminho que preciso trilhar se queres chegar ao sentido Pag. 8 TEMPO DE das coisas. Arrisca!...Enquanto dormes,h uma vida inteira a pensar em RECOMEARti. Pg. 7 MISSO DA IGREJA pois, tempo de recomear, de acreditar aperfeioar esteprojeto de felicidade que Jesus Cristo nos disponibilizou comoinstrumento de envangelizao dos jovens. tempo de rasgar BIOTICA ENUM PAS EM CRISE Nota do Conselho Permanente da CEPnos horizontes, novas metas tempo de anunciar com alegria a novidade do Reino de SABEDORIA...O momento socio econmico que Portugal atravessa eDeus. De ir mais alm, de partir e chegar tempo de Biotica como novo saber, transporta em si uma histria que est a ser dificil para muitos portugueses.recomear alia as vivencias duras s humanidades. A criao desta novaA Igreja sensivel ao sofrimento de todos , particularmente disciplina, do saber humano tem como objeto cruzar o saberdos mais pobres e dos desempregados independentementePg. 4 da F que professam. biolgico com o saber antropolgico e cultural. Pg. 8 Pg. 7O MEU AVIVAR DE COMPROMISSO""Visto que a escola catlica tanto pode ajudar na realizao da misso do Povo de Deus, e tanto pode servir o dilogo entrea Igreja e a comunidade humana , para benefcio dos homens ,tambm nas circunstncias atuais conserva a sua gravssimaimportncia. Compete tambm s escolas, colgios e outras instituies catlicas destinadas formao, fomentar nosjovens o sentido catlico e a ao apostlica " ( AA 30)

2. 2BALADA DA UNIOJulho / Agosto / Setembro 2012XXXIX CONVVIO ANIMAO NACIONAL - FTIMA 2012Realizou-se nos dias 8 e 9 de Setembro onossas vidas a Deus e aos irmos!...movimento, realizou - se a recitao do Teroouvir e ao falar do surdo-mudo depois deXXXIX Convvio Animao Nacional ,a Nossa Senhora seguida da semprecurado. O primeiro corresponde tambm conhecido por Peregrinao dos Que Maria, modelo de f, nos leve mais longeimpressionante Procisso com o andor dadisponibilidade para receber o dom da salvaoConvvios Fraternos , ao Santurio de Ftima. para no vivermos na mediocridade e num imagem de Nossa Senhora atravs do recinto que transforma a vida; e o segundo,J ao meio da manh de sbado , se notava umpraticismo religioso totalmente desenraizados envolto num mar de velas, enquanto seconsequncia do anterior, equivale adesusado movimento de peregrinos no recinto da vida, a nossa f!... entoavam cnticos em honra da Me de Deustestemunhar no mundo que s Deus Salva-sobressaindo pela variedade de cores com quee nossa Me. dor e Libertador. Se ficsseis s no anncio,se vestiam!.... Que Maria, Me da Igreja, nos leve mais Pelas 22h30 teve lugar no anfiteatro do Centro transmitireis mensagens sem contedo; seO encontro iniciou-se na Centro Paulo VI .longe para nos desinstalarmos do comodismoPaulo VI o sempre esperado Sarau Emapenas vos limitsseis a receber sems 14 h 00 com o acolhimento dos peregrinos da vida e nos tornarmos pedras vivas na ambiente escaldante de alegria e de juventude, transmitir, aprisionareis a palavra de Deusque encheram o anfiteatro, seguido da construo do Reino de Seu Filho, Reino dedurante 2 horas, ininterruptamente,que, em si, possui a fora da semente que serealizao da celebrao colectiva e indi-justia de paz e de Amor!...apresentaram os seus nmeros 10 dioceses transforma em rvore.vidual da penitncia , ao mesmo tempo que entusiasticamente aplaudidas pela assistnciana parte exterior se realizava uma festaQue nos leve mais longe na vivncia da nossaque enchia totalmente o anfiteatro e que at Convoco-vos, pois, caros convivas, pararecordando a passagem do evangelho na F e no assumir do nosso compromisso bap- ao fim no arredou p. esta dupla tarefa: deixar que Deus vos abraEm todos os nmeros apresentados e que os ouvidos para poder entrar em vs a palavratinham como tema "leva-me mais longe" houveque transforma e eleva, e abandonar toda aarte, graa, magia, encanto, engenho, gosto, mudez para anunciar a este mundo prosaico einiciativa e sobretudo muito entusiasmo, muita rasteiro -mormente aos jovens- que Deus noalegria e muita juventude Parabns a todas asnos diminui, no tem cimes da nossadioceses que a todos os presentesfelicidade, no nos tira nada, no nos oprimeproporcionaram uma noite inesquecvel. com mandamentos insuportveis, mas, peloA manh do domingo, dia 9, apareceucontrrio, nEle e s nEle que encontramosiluminada por um lindo sol que medida quea plenitude, a harmonia, o corao saciado.as horas iam passando se tornava escaldante. Fazei ver a todos que, em Deus, o homem Foi precisamente em ambiente de calor exte-mais homem, e a plenitude a que aspiramosrior que levou os perto de 70 mil peregrinos a possui um timbre e uma ressonncia que nada,procurarem todos os espaos possveis eno mundo, capaz de conceder.imaginrios de sombra para se defenderem ,eAps o momento de aco de graas foi feita,tambm de calor interior naqueles milhares como habitual, uma prece-consagrao ade coraes, que depois da recitao do teroNossa Senhora cantada por elementos dedo rosrio e da procisso com o andor com atodas as dioceses enquanto na escadaria se iaimagem da Senhora de Ftima para junto dorealizando, de acordo com o tema da prece,altar da esplanada que teve incio o ato prin- uma encenao feita por jovens de todas ascipal da nossa peregrinao a celebrao dadioceses e que culminou com uma explosoEucaristia,presidida por D. Manuel Linda,de palmas as dos milhares de peregrinos quebispo Auxiliar de Braga, conhecedor da participaram na Eucaristia. Com o cnticodinmica e do carisma do movimento, na sua sempre emocional do Adeus Virgem, a suaparbola do filho prdigo.tismal reassumido e fortalecido novibrante homlia, em determinado momento imagem recolheu em procisso CapelinhaPelas 17 horas ecoou no recinto ,transmitidocompromisso do nosso convvio...dirigindo-se aos convivas afirmou: das Aparies enquanto os peregrinos iampela a aparelhagem sonora ,o cntico dispersando-Das 14H30 s 16H00, no Parqueconvidativo para o desfile dos peregrinos Que Maria, a Profetisa destes novos tempos, Caros membros dos Convvios Fraternos,de estacionamento n. 2, em local apropriado,concentrados em frente da baslica de Pio X nos consciencialize a todos os que esta tarde no vosso Movimento h dois momentosrealizou-se a festa da despedida com apara uma celebrao em honra de Nossa aqui nos encontramos, de que pelo nossoSenhora e para a saudao dos peregrinosbaptismo, somos os profetas destes novos,pelo Assistente nacional do Movimento , P. tempos insubstituveis na missoValente de Matos .evangelizadora da Igreja!...Foi com estas palavras que deu as boas vindasa todos os presentes :Que Maria vos ajude jovens e casaisSado-vos e felicito-vos jovens e casaisconvivas a ir mais longe para no abdicardesconvivas e a todos vs peregrinos ,que vosda honra e responsabilidade de com a vossapredispusestes a tudo deixar para, neste fimf e testemunho cristo ajudardes a construirde semana, viverdes neste lugar sagrado uma sociedade mais justa, mais humana emomentos inesquecveis de intimidade commais fraterna!...Deus por intermdio de Maria.Que Maria Rainha dos apstolos, vos leve"LEVA-ME MAIS LONGE" o tema mais longe, jovens, para no vos esquecerdesescolhido para reflexo e preparao deste nque sois, como afirmaram os padres doosso encontro!Conclio Vaticano II,pela vossa condio devida, os privilegiados apstolos dos outrosNo mundo actual em que vivemos dominado jovens.por uma sociedade consumista e materialistaem que os homens e sobretudo os jovensJovens e casais convivas, aos ps da imagemvivem o concreto, o imediato nada da Senhora de Ftima, vamos todos assumirvislumbrando para alm do relativo, felicito- a nossa responsabilidade na construo destavos jovens e casais convivas por terdes Igreja de Jesus Cristo que todos tambmoptado por neste espao sagrado parardessomos, no anncio da SUA MENSAGEM quepara reflectires nos caminhos da vossa vida.transformou as nossas vidas e lhe deu umFtima esse lugar de paz e de recolhimentonovo sentido!....propcio para que Maria nos ajude a ir maislonge na procura e no encontro do Absoluto, Cristo quer contar conosco para levarmos ado divino, do sobrenatural, numa palavra de Sua Boa Nova, como proposta de Libertao constitutivos: o formativo, a que vs chamaisparticipao de todas as dioceses. Momentos deDeus. e salvao aos outros homens nossos irmos. propriamente "Convvio" e ao qual atribuis convvio, de festa e de alegria com que terminouum nmero progressivo que j ultrapassaeste XXXIX Encontro Nacional e em que todosSim que Maria Me de Deus nossa Me, nosDepois do espao "SER MAIS CONVIVA" largamente o milhar, e o ps-convvio, tambmpartiram novamente para as lides do dia a dialeve mais longe na entrega dasem que foi homenageado o fundador dodesignado por "quarto dia". Estes dois com a promessa de que para o ano ,nos dias 14 emomentos equivalem, respectivamente, ao15 de Setembro 2013, l se reencontrariam. 3. Titulo e informaoJOVENS EM ALERTAQuando Deus me chamaEu respondo como ao meu pai Joo "Jsentir que Deus se serviu da linguagem que euDeus que os CF me proporcionaram fizeramcomo a tenho na Igreja. Rezemos uns pelosvai!!!!!!!!!!!" e Ele espera, como o meu paicompreendo para me falar ao corao. de mim uma crist com mais Cristo no corao, outros e procuremos acrescentar-nos uns aosJoo. A primeira vez que gritei "J vai!!!!"Fui sempre uma pessoa de estar. Nunca fuicom mais Cristo nas mos. outros com os nossos testemunhos de amor.estvamos em 2008. Era o Convvio demuito de fazer, de querer, de pedir, deTenho imensa esperana neste movimentoOutubro. S me apetecia rezar. Quando acontecer, de dar, de conquistar, de ir FuiVirgnia Gouveia (CF 821)sempre muito mais uma pessoa de estar, deentrava na capela do Seminrio de Proenasentia que todo o rudo dentro de mim estar com a famlia, de estar com os amigos,TUDOde estar com o namorado, de estar a ler, deemudecia. Mas que encontro era aquele, masque sensao de pertena era aquela, mas queestar a estudar, de estar a fumar, de estar a COMEOUouvir msica, de estar no mar, de estar a beber,impresso de comunho e de alegria eram asdaquele momento que ousavam revestir de de estar a comer, de estar a rir, de estar a ASSIM!...solenidade as banais preocupaes do meuconversar, de estar a rezar E foi Antes de mais as minhas sinceras saudaesquotidiano?... Acaso no tinha eu crescidoprecisamente por esta marca distintiva daem Cristo Jesus, Missionrio do Pai.dentro da Igreja toda a vida?! Borboletas naminha forma de ser que Deus entrou na minhaTudo comeou assim: encontrava-me a Em terrasbarriga. Assim que entrava na capela era isso:intimidade. Quando estava em orao pareciacumprir o servio militar no Regimento deborboletas. Como se eu estivesse apaixonada que no queria estar em mais lado nenhum.Cavalaria de Santa Margarida no ano 1988longnquasmas mais forte. Quis que parassem, queMesmo quando no conseguia rezar, s estar onde exercia na Secretaria do Comando asdesaparecessem. Respondi "J vai!!!". E Deusj me preenchia. Esta vontade de estar com funes de escriturrio, quando um dia chegoude Timoresperou, amadureceu o meu desejo de bem,Deus em intimidade tem crescido e pouco ada 1 Brigada Mista Independente, 1 seco, uma informao, cujo assunto referido era: Sou o Pedro Lzaro CF713 de Diocese Curso de Formao Humana e Religiosa,do Porto, embora tambm colabore assinada pelo Major Capelo Carlos Augusto com os convivas da Diocese de Aveiro, Leal Moita. Fui ento que fiz o Guia deonde estudei. Marcha e anexei mais quatro colegas para com muito agrado que sinto que frequentar este curso. Quando me disseramminha Diocese promove uma que era em Valeira Alta e tinha a durao de Atividade conviva de Vero (Algo trs dias: 27, 28 e 29 de Setembro de 1988,semelhante ao que Aveiro ir fazer logo me fiz ao caminho atravs de transporte,tambm na Serra da Freita). juntamente com os meus colegas. Quando chegamos l a primeira coisa que me despertouCom isto quero apenas afirmar que interesse foi uma imagem de Jesus Cristo,estarei com todos em Esprito de que me levou a exclamar: j temos mais umMisso apostlica e rezarei pelo companheiro para nos ajudar nestes 3 diassucesso dos convvios e das atividades. vou conhec-lo, saber o que lhe posso transmitir e Ele a mim e a todos os meus De momento encontro-me em Misso colegas. Foi nestes 3 dias que soube isolar- Oficial em Timor-Leste, e tento me, parar, reflectir e encontrar-me com Ele eaproveitar para me integrar nas fazer essa experincia com Deus. Essecomunidades locais. encontro extraordinrio com Deus levou-meEstou aqui h pouco tempo e ainda a sentir uma alegria e uma felicidade que s no aprendi muito bem o Tetum, mas quem passou por tal experincia pode temos uma igreja em Dili que se rezaacrescentou-me em criatividade e bondade. pouco vai tomando outras vontades. verdadeiramente compreender. E essa alegriaainda em Portugus.Ainda hoje olho para o desejo que Deus fezSe j tomou todas as vontades? Por enquantofoi bem expressa por mim e mesmo pelaJ fui convidado para oraes aonascer em mim com grande espanto. no. Tudo graa e essa tambm chegar, semaioria desses jovens que, no encerramento,Santssimo e para evangelizar aos finsDaqui a dois dias ingresso no Carmelo de SoDeus a quiser. publicamente testemunharam o que foi parade semana.Jos (Ftima). Nestes quatro anos, a minhaSe estou preparada para deixar os meus eles o convvio. Assim nasceu o Convviovida interior transformou-se profundamente. hbitos e os meus afectos? Eu sei l!... EuFraterno N 379. Continuarei a t-lo presenteQuero com isto dizer que a nossaNo dia-a-dia, continuei a fazer mais ou menos gosto tanto da minha vida! No vou para fugire dentro de mim e procurar sempre ser-lhemisso est em todo lado, levamoso mesmo que fazia: trabalhar no meu do mundo, vou para responder aofiel, " Ser Jovem, demonstrar aos Homenssempre Cristo no nosso corao comoantiqurio ao Campo de Santa Clara (Feira dachamamento de o viver de outra forma.que a vida no acaba, pois h sempre ummarca da nossa identidade.Ladra), estudar (estava a fazer mestrado em Ser para sempre? No sei. Penso que sim,verdadeiro renascer" e desde 1994 quearte contempornea), ler (sempre li mas s Deus saber onde eu posso servirvenho ao Encontro Nacional dos Convvios Os Timorenses so gente de grande fcompulsivamente, o que me fez cursarmelhor.Fraternos que se realiza em Ftima eme muito devota.Estudos Portugueses na FCSH), estar com a Se tenho medo? Claro que tenho medo! Setembro, como tema de reflexo. D gosto ver um grupo coral deles,famlia (somos completamente tribais), estarS peo a deus que no deixe que me paralize. todo animado e dedicado a animar umacom os amigos (tenho tantos e to diferentes, Sendo este o jornal dos Convvios Fraternos,Queria deixar tambm um agradecimento por eucaristia.graas a Deus!), viajar, brincar, ir ao cinema, no posso deixar de lembrar o grande mentortudo quanto o movimento tem feito por mim. bvio que a misria nos choca e muitabeber uns copos Nunca pensei em me dos CF da diocese de PT/CB, o Pe. Armando. Sou filha da Igreja, adoptada dos Convvios. coisa invade-nos o pensamento, mas consagrar e muito menos numa clausura. FoiTodos ns da minha gerao - e eu em par-Porm, antes de terminar esta mensagem,nessa altura que agradeo a Deus osempre bastante claro para mim que casaria eticular - temos muitas saudades. No sei sedesejo felicitar o nosso Movimento Convvios tempo e local onde nasci, asteria 5 filhos. Alis, s pensar em 20 mulheres algum dia encontrarei algum to sbio e to Fraternos que, como movimento da Igreja eoportunidades que me deu, e o factotodas juntas, na mesma casa, a vida inteira,simples, to bondoso e to duro, to com Estatutos aprovados pela Conferncia de poder agora descobrir o valor deme dava arrepios! Mas Deus fez crescer este brincalho e to grave, to bom contador deEpiscopal Portuguesa, colabora na formao tudo que ele me concedeu.desejo. histrias e to bom observador, to fiel e to humana e religiosa de jovens de todas as Gostaria de ver os convvios FraternosPrecisaria do jornal inteiro para poder traarhumano. So testemunhos como estes que condies sociais, econmicas, culturais a chegarem a Timor Leste aps apor palavras o itinerrio que Deus foi abrindomudam o mundo. espalhadas por todas as dioceses de Portugal consolidao da lngua que continua adentro do meu corao No sei se serviroFiz o CF n821, que me pareceu, na altura, bem como em Paris, Sua e Luxemburgo eser um grande entrave nas nossasestas palavras o intuito de testemunho que oapenas mais uma actividade. Mas, sem eutambm em Moambique , Angola e nordeste comunicaes.Pe. Lus queria, mas to difcil falar! Sinto perceber como, aprendi, nas equipas e nasBrasileiro.que posso falar apenas do que simples.formaes, a regressar sempre minha Pedro LzaroSimples, passados 4 anos de apalpadelas, de parquia com mais nimo, mais militncia eRui Alberto Pereira CF713medos, de sims de nos, simples, mesmo, mais alegria no servio. As experincias de C. F. N 379 4. 4JOVENS EM ALERTAJulho / Agosto / Setembro 2012 GRATIDO E COMPROMISSO - HOMENAGEM AO PADRE VALENTEO Convvio-Animao Nacional deste ano Convvios-Fraternos. Nele revimos fotosteve uma novidade no seu programa: o espaoantigas e recentes, escutmos testemunhos"Ser + Conviva", no qual se fez uma evocao de jovens de ontem e de agora, vimos eda histria do nosso Movimento e uma ouvimos o Padre Valente a evocar oshomenagem ao nosso fundador, Padre primeiros passos e tambm a deixar-nos umaAntnio Valente de Matos.mensagem de futuro.Tudo partiu dum encontro de antigosUma jovem conviva partilhou com todos ocoordenadores (at ao C.F. n 200) que sequanto a figura e a vida do Padre Valenterealizou em Abril passado. No seu decorrer tiveram importncia na sua prpria vida efomos lembrando peripcias da nossanas suas opes; terminou dizendo quejuventude, histrias de como tudo comeou, gostaria de ser valente como o Padre Valente.aventuras das viagens s vrias dioceses paraUm sacerdote assistente diocesano dosrealizar os primeiros Convvios, experinciasConvvios expressou tambm a alegria pordesses tempos de misso em que o ter conhecido e trabalhado com o PadreMovimento cresceu e se expandiu. Valente, experimentando o entusiasmo da suaObviamente, a figura do Padre Valente eradedicao s coisas de Deus nas vidas dosuma constante dessas evocaes, pelo papel jovens.insubstituvel que desempenhou comoOs trs Bispos que foram assistentes dofundador, incentivador, mobilizador eMovimento estiveram tambm presentes:animador, ontem como hoje. PensmosD. Joo Lavrador deixou-nos uma mensagemtambm que, com a grande expanso dosvideo na qual testemunhou o papel importanteConvvios, no pas e alm fronteiras, muitos do Movimento e do Padre Valente na pasto-no teriam de forma clara a noo desteral juvenil. Deus por tudo que quis operar atravs do seu participantes, ficou a convico de que,dinamismo fundador do Padre Valente. D. Antnio Francisco dos Santos enviou uma sacerdcio e a disposio de continuar aoatravs dos Convvios-Fraternos e do seuEntendemos por isso que seria importante e mensagem escrita a que chamou "Uma palavra servio dos jovens com o mesmo entusiasmofundador, "nesta terra brotar novajusto prestar-lhe uma homenagem que fossede alegria e gratido", em que evocou a histria de sempre. esperana"!evocadora do passado mas tambme os frutos dos Convvios, que conheceu em Por certo que, no corao de todos osmobilizadora para o futuro.Lamego, ainda seminarista, e acompanhou atAqui surgiu um problema: sabendo ns que o atualidade.Padre Valente no gosta da ribalta e assume oD. Manuel Linda, que presidiu Peregrinaoseu trabalho com a humildade e a dedicao Nacional e Convvio-Animao deste ano,dum verdadeiro servo de Deus, tnhamos dedirigiu a todos um testemunho sentido,manter o segredo porque, se o Padre Valentedizendo do Padre Valente que um exemplosoubesse o que se preparava, no aceitaria.maior e precursor do construir Igreja na linhaAssim surgiu a ideia duma evocao global da do Conclio Vaticano II.vida dos Convvios-Fraternos nestes 44 anos; Foi ento momento de desvendar ao Padreao faz-lo, necessariamente estaramos a Valente as razes da homenagem que lheevocar tambm a vida e obra do Padre Valente.prestmos: "Bem haja, Padre Valente, porque,Propusemos-lhe ento esta novidade do maneira do Profeta Jeremias, continua aprograma, com a qual prontamente procurar aqueles a quem Deus o envia e aconcordou, sem se aperceber da "marotice"dizer-lhes o que Ele manda! Por si e consigo,que tinhamos em mente e que j nos deve terns todos, os jovens (de todas as idades) dosperdoado.Convvios Fraternos, damos graas a Deus!". Significando a gratido de todos em Igreja, D.No final da tarde de sbado, aps a saudao Manuel Linda entregou ao Padre Valente aa Nossa Senhora, reunimo-nos ento todos beno apostlica que o Papa Bento XVI lheno auditrio do Centro Paulo VI, que seconcedeu a marcar todo o seu trabalho noencheu de colorido e de alegria. Movimento dos Convvios-Fraternos.Comemos por ver um filme, preparado aFinalmente, pudemos escutar o homenageado.partir de contributos das vrias dioceses, que No jeito simples que lhe conhecemos,em rpidos flashes recordou como tudoexprimiu a alegria por todo o caminho jcomeou, cresceu e chegou ao que so hoje os percorrido, a esperana dum futuro risonho para a juventude e para a Igreja, a gratido aSetbal preciso haver mais simsNos dias 26, 27 e 28 de Julho de 2012, convvio fraterno, para escutarem com cabeaum grupo de jovens da diocese de Setbal e corao a boa nova que Jesus nos deixou ea que se junto outro do patriarcado, que sempre actual; houve tambm quem deutrocaram um belo fim de semana de praiao seu "sim" e rezou antes e durante a realizaopor um refrescante convvio fraterno.deste convvio pela converso de todos nsO CF 1192 foi realizado no santurio dopois pela fora da orao a Igreja est emCristo Rei em Almada e, com a Graa de comunho!Deus, tivemos a oportunidade defazermos realmente Encontro! preciso haver mais "sims"! a entrega doEste Encontro s foi possvel com o "sim"pouco que cada um de ns possui a riquezade cada um de ns: uns deram um "sim"desta Igreja que nos pertencepara estar ao servio, confeccionandosaborosos repastos; outros deram o "sim" Dou graas por todos aqueles que todos ose disponibilizaram-se para levar e dar a dias, ao jeito de Maria, dizem o seu "sim", econhecer este Jesus que esta vivo na no tm medo de se entregarem nas mos deIgreja, que nos enche o corao de alegria Deus, nem mesmo que a "vaca tora o rabo"e que o verdadeiro caminho; outrostambm deram o seu "sim" ao convite de Pelo 1192participarem pela primeira vez num Marta Santos 5. Julho / Agosto / Setembro 2012JOVENS EM ALERTA5Mais"mais" do seu optimismo, da sua energia. O que apenas parece querer ombros encolhidosDe brilho no olhar e alegria estampada noideal. Juntos, para viver tambm a alegria do"mais", sinal da cruz de Cristo, do Seu infinito de resignao perante as dificuldades dorosto, percorrendo vrios caminhos desde asperdo de Deus e saudar Maria, nossa Me,suas dioceses, os convivas chegaram a Ftima que desde sempre foi a nossa guia ao longo doAmor. O "mais", dos caminhos que se cruzam.mundo atual.para viver aquele que foi o 39 Encontro caminho do Movimento. De seguida houve O "mais" da partilha que multiplica quando Mais. este tambm o teu sinal? :Nacional do Movimento Convviosum momento de reflexo da caminhadase divide aquilo que temos pelos que nosFraternos, nos dias 8 e 9 de Setembro. fascinante que tm sido estes 44 anos de rodeiam. O "mais" que o motivo de querer irJoo Mourinho CF 980Trazendo no corao um enorme sentimento existncia do movimento, desde aquelalonge, de rasgar horizontes de esperana, deBragana-Mirandade gratido nossa Me do cu por todas asexperincia simples, humilde e despretensiosater respostas firmes e radicais numa sociedadegraas, que atravs da vivncia do seu que foi o primeiro Convvio Fraterno, at aosConvvio Fraterno, lhes obteve junto de Deus,dias de hoje, em que o Movimento se espalhouos convivas experienciaram neste Encontropelas vrias dioceses e cresceu, pela Graa deum intenso e gratificante momento de reflexoDeus, em coraes sedentos de um Amorsobre o tema "Leva-me mais longe". maior.No mago de cada jovem h uma sede infinitaA criatividade e animao dos convivas tevede querer sempre mais. Mais felicidade, mais o seu apogeu no sarau nocturno onde as vriasverdade, mais autenticidade e radicalidade nadioceses apresentaram dinmicas de reflexosua vida e no seu mundo. A procura dee jovialidade que contagiaram todos oscaminhos de realizao e de novos e mais presentes. Aps a Eucaristia Dominical,desafiantes horizontes , para o jovem, o traoverdadeira festa da Palavra e do encontro comcaracterstico da sua existncia. A insatisfao Jesus, presidida pelo D. Manuel Linda, Bispocom o conformismo, o dinamismo e a energia auxiliar da diocese de Braga, os convivasdos jovens so a alavanca dessa procura, que despediram-se na festa de encerramento,s consegue ter sentido como resposta ao animados e renovados pela f em Deus, Aqueledesafio que Deus coloca no ntimo de cadaque em verdade, os pode levar mais longe, eser humano: a realizao do Seu projecto deprojectar em cada um o rosto de Jesus Cristo.Amor!S Jesus pode transformar as nossas vidas,Os convivas de Bragana juntaram-se festalevando a entregar-nos ao prximo, sendode acolhimento que deu incio ao Encontromais atentos, mais compreensivos, maisNacional, num momento de partilha, defraternos.sorrisos e boa disposio que acontece noMais. este o sinal da vida do conviva. Oencontro com aqueles que partilham o mesmo ACREDITAR!" Acreditar em algo e no o viver Em todos os momentos, Jesus foi-nosinundem deste amor que liberta, que noscom a esperana, determinao e sobretudodesonesto"... Assim, a determinao, a deixando claro, que s o amor constri! S o impulsiona, precisamos antes de tudo, de nos com a certeza que "ir mais longe" com Jesuscoragem e a auto confiana foram os fatoresamor gera vida!abastecermos na f! Pois a f o pilar que nosCristo, implica entrar com Ele na ventura dadecisivos que levaram 35 jovens de vriosO testemunho da sua sensibilidade diante dos sustenta e solidifica este amor que nos move!evangelizao que no tem fronteiras. Porpontos da diocese de Bragana-Miranda aque sofriam, que O levava a fazer longas Esta experincia de f terminou com a festavezes a rotina avassala-nos com algumasacreditar que vale a pena fazer uma paragemcaminhadas ao encontro dos sofredores, de encerramento no dia 29 noite, na Praadvidas e desnimos que nos levam a pensar:na vida e aventurar-se em trs dias diferentes,convida-nos a fazer o mesmo! Todos osdo Seminrio de S. Jos em Bragana e contou vale a pena recomear? Sero em vo todosacolhidos com muita alegria na Casa do Clero nossos gestos e atitudes devem ter comocom a presena de familiares e amigos dosos esforos? O que implica este recomear?em Cabea Boa - Bragana. Foi assim que, noobjetivo: o amor! Um amor incondicional, que convivas e alguns curiosos que tambmNo necessrio fazermos grandes esforosdia 26 de Julho s portas de uma noite quentenos desinstale, que nos leve ao encontro doquiseram manifestar o seu acreditar. de pensamento para rapidamente concluirmosde Vero, demos incio ao convvio fraternooutro! Pois a mo de Deus nas nossas mos, O Bispo da Diocese, D. Jos Cordeiro e algunsque toda a vida, na sua rotina, um eternosacerdotes presentes, tambm nos quiseramreincio, um eterno recomear. Na verdade,lembrar que a Igreja est com os jovens. em cada instante h um recomeo na vida, umA noite terminou em grande! Com a verdadeira recomeo da confiana, uma renovao da f.festa da Eucaristia na Igreja do Seminrio, na Na sequncia repetitiva de dias e noites, podequal todos fomos convidados a participar.encontra-se a significncia do recomeo. SeNo final de mais trs dias de sementeira,erramos hoje, porque no buscar o acerto dopedimos a Deus que as sementes lanadasamanh? Se ofendemos ontem, porque nodem abundantes frutos e que os jovens,pedir desculpas hoje?continuem a acreditar que por maior que sejamNa nossa corrida diria, o tempo de reflexo eas dificuldades, haver sempre uma fora meditao frequentemente adiado. Nomaior, que nos sustentar! E quando tudo entanto em cada manh somos convidados aparecer perdido, que todas as portas serecomear, a saborear a vida no desenrolar dofechem, uma certeza poderemos ter: com nosso dia, a olharmos para as coisas e paraDeus, nada nos impossvel! tudo que nos rodeia com um olhar de recomeo. Na simplicidade do nosso existir esto verdadeiras razes para recomear. AA equipa coordenadoranossa vida no um mero acaso Viver recomear todos os dias, deixarmo-nos envolver pela compreenso e pela confiana tempo deuns dos outros. pois tempo de recomear, de acreditar erecomear aperfeioar este projecto felicidade que JesusEstamos a iniciar o Ano Convva 2012/2013. Cristo nos disponibilizou como instrumentonmero 1191, o 40 da Diocese. que tornam grandes os nossos pequenosNa lembrana de todos est bem presente ode evangelizao dos jovens. tempo deForam, de facto, trs dias diferentes, 3 diasgestos de amor!entusiasmo vivenciado no Encontro Nacional rasgar novos horizontes e novas metasde caminhada, onde a reflexo evidenciava a medida que se sucediam os diferentes do Movimento no Santurio de Ftima, cujo tempo anunciar com alegria a novidade dofora da F. Na verdade, a necessidade demomentos, estes coraes sedentos, iam lema nos incitou "a ir mais longe". OReino de Deus. tempo de ir mais alm, desentir o Seu poder foi ganhando relevo, de tal ficando inundados pela presena e pelo amordinamismo que as dioceses imprimiram empartir, e chegar, tempo de recomear!maneira que os coraes ansiosos sede Deus. Como bonita a ao de Deus, nos cada um dos vrios momentos deste encontrofomentavam com o crescimento da Palavracoraes daqueles que se abrem aos tem que ser um impulso para um corajoso Pedro Castrode Deus que nos orienta e nos ensina o ensinamentos de Jesus, e que se deixam tocar recomeo de todos os jovens e casais do C.F.765 Braganacaminho da vida! por Ele! Mas para que os nossos coraes seMovimento. importante que recomecemos 6. 6 JOVENS EM ALERTA Julho / Agosto / Setembro 2012 BragaPorto Um tempo para parar e descobrir "Somos mais Convivas"Era sexta-feira, Seminrio do Verbo Divinoacolheram o Deus de ternura e bondade e- Guimares, e um grupo de 31 jovensisso estava espelhado no brilho dos seusaceitava o desafio de parar e de pensar sobre olhares!o rumo das suas vidas, aventurando-se num A festa do encerramento foi no saloencontro que os levaria a (re)descobrirem-paroquial de So Cristvo de Selhose, a (re)descobrir Deus e os outros! (Guimares), onde comeou a mais bela eE assim, durante 3 dias, estes jovens foram exigente etapa: o 4 dia! Outros momentosquestionando, confrontando e procurando existiro para que os convivas do CF 1181respostas para as suas inquietaes e se encontrem, mas com a alegria dodvidas! Cada um fez a sua caminhada queencontro com Jesus Cristo, que cada umo levou ao encontro com o Deus de Amor: faz o seu caminho no seu meio: famlia,o encontro com o Cristo, Aquele que esttrabalho, escola, parquia, etc.sempre presente, o porto de abrigo, no qualpodemos viver uma longa e slida relao A Equipa Coordenadorade Amor. Foi com um corao aberto queConvvio-Fraterno N 1193 para a diocese do Porto Realizou-se nos dias 2, 3 e 4 de Agosto osus que vive connosco e em ns, pudemos Convvio Fraterno n 1193, onde 50 jovenssentir a alegria de sermos tambm missionrios da regio sul da Diocese do Porto aceitaramnesta Igreja de Jesus Cristo e arautos de uma o desafio de passarem uns dias das suas frias Nova Evangelizao, que toma forma na nossa diferentes. chegada pairava nos rostos a vida do dia-a-dia. O encerramento terminou com desconfiana, a ansiedade e ao mesmo tempo a verdadeira festa da vida, a Eucaristia, sinal a vontade de ir procura de algo novo, visvel desta presena de Cristo nas nossas procura da verdadeira felicidade. Como uma vidas. agradvel noite de Vero, os coraes foramO que afinal ser conviva? Como algum disse: serenando e dando lugar a sorrisos, olhares" questionar, ter dvidas e correr em busca amigos, mos que se estendem ao outro e de repostas Um jovem conviva sabe que nada sobretudo a coraes que se libertaram paraserve perguntar "Porqu?", pergunta sim "Para Convvio -Fraterno N 1181 para a diocese de Bragaacolher este Amigo Jesus que dirige os nossosqu?" Ser conviva ter o prazer de conhecer passos como "Estrela Polar" para umDeus, um Deus-Amor que no est l no cuBeja caminho de liberdade e felicidade. A alegria da Ressurreio fez-nos erguer eou onde quer que seja, mas aqui, ao nossolado Ser conviva ser mais eu, seres mais Vinde comigo... partir para O anunciar na nossa festa de Encerramento em Cortegaa, onde fomostu Ser conviva ser feliz SEMPRE!"Um dia, beira do lago de Tiberades, na Jesus. acolhidos por uma corrente humana deprovncia da Galileia, na Palestina, JesusPonto alto deste convvio, foi a descobertadezenas de pessoas ao longo das ruas, numa Pela Equipaencontra-se de alguns pescadores e lana-lhes do mandamento Novo do Amor: "Amai-vostocante manifestao de f. Ao falarmos daCoordenadora:um desafio: "Vinde comigo, farei de vs uns aos outros como Eu vos amei", pois foi alegria, deste Deus-Amor e deste Amigo Je- Hugo Cravo (CF945)pescadores de homens!" Passados cerca de 2nesta descoberta que comemos a percebermil anos Jesus lanou, durante 3 dias, o mesmoo sentido de ser cristos e comemos a traardesafio a 30 jovens, que se disponibilizaramum projeto de vida em consonncia com oa fazer o Convvio Fraterno 1194, na Dioceseplano de Deus.de Beja, que se realizou nos dias 01, 02 e 03 O encerramento deste 48 Convvio Fraternode Setembro de 2012. Foi, sem dvida, a da Diocese de Beja realizou-se, em clima deexperincia do encontro com o Mestre daVida. Um encontro que se realizou a 3festa, no Salo do Centro Pastoral de Beja,terminando com a concelebrao da eucaristia,CONVVIOSdimenses: um encontro consigo prprios,um encontro com os outros e, principalmente,presidida pelo senhor padre Henrique, procoda freguesia de Salvador e concelebrada por 4RUMO AO FUTUROum encontro com Deus. medida que opadres.tempo a passando, cada um, sua maneiraPla Equipa CoordenadoraNOS DIAS 5, 6 E 7 DE OUTUBRO 2012respondia voz do Senhor, tal como SimoJorge da Mata 1195 -No Seminrio do Preciosssimo Sangue, em Proena a Nova, para jovens daPedro e Andr, que largaram tudo para seguir diocese de Portalegre e Castelo Branco 1196 - Na Casa de Retiros de Viseu, para jovens desta diocese 1197 - No Seminrio dos Combonianos, na Maia, com encerramento no Centro Paroquialde Aldoar, para a diocesevdo Porto 1198 - Em Braga, para jovens dessa diocese NOS DIAS 1, 2 e 3 DE NOVEMBRO 2012 1199 -. Em Eirol, Aveiro, para a diocese do Porto NOS DIAS 27, 28 E 29 DE DEZEMBRO 2012 1200 - Em Eirol Aveiro, para jovens da diocese do Porto 1201 - No Seminrio de Santartm, para jovens desta diocese 1202 - No Seminrio de S. Jos, em Vila viosa, para jovens da diocese de vora NOS DIAS 5, 6 e 7 DE OUTUBRO 38 - Para casais da diocese do Porto 7. Julho / Agosto / Setembro 2012 BALADA DA UNIO 7Tu que andas Biotica e sabedoriaadormecido... acorda! Desperta desse sono de indecises e de da paz e da alegria verdadeira.1 - A biotica como novo saber - sabedoria -, Marx, identificao e emancipao. O medos. H um caminho que preciso trilhar No te esqueas de alimentar a f comoou a sabedoria da biotica. A troca de termos homem, como tematizou Kant, no mais se queres chegar ao sentido das coisas.alimentas uma plantacom dedicao eno de compreenso fcil mas sim de simples objeto, mas sujeito da sua prpria histria. A Arrisca! Enquanto dormes, h uma vida inteirapersistncia. E ela te dar a certeza de que nocompreenso. Facilidade, nada tem a ver com essncia da modernidade , portanto, a a passar por ti. No esperes mais para acender vais sozinhoOlha! Vs quantas pessoas vosimplicidade. So conceitos muito diversosinstituio da autonomia como nica chaveas estrelas da esperana na escurido quenesta estrada? Vs que tambm elas, tal comoque no vamos aqui discutir.de leitura do humano e qualquer forma de habita o mundo Olha a imensido do cutu, querem chegar mais alm? E olha comoBiotica como novo saber transporta heteronomia alienao.consigo uma histria que alia as cincias duras O homem faz-se senhor e no pastors humanidades. A criao desta nova(Heidegger). Por isso, domina e no cultiva;disciplina do saber humano tem como objetopor isso, trata mas no cuida um homemcruzar o saber biolgico com o saberhorizontal que procura, em plena luz do dia, aantropolgico e cultural. A este novo saber sua cidade. Cidade agora encontrada e centradachamou-se biotica. na ps-modernidade que descobre como a luzEnto, a biotica uma nova rea do saberda razo frgil e fragmentada, incerta ehumano; uma nova disciplina deinquieta, rpida e efmera; e a democracia deuconhecimento que os homens - ticos - dolugar mediocracia (A. Couto). O sucesso nonosso tempo reclamam com urgncia aos tem a ver com a luz da razo, mas com oscultores das cincias - duras -, das cincias vendedores do fast food cultural na sociedadehumanas e das cincias sociais (D. Serro). do ecr. O homem moderno pensava que tinhaA "cincia com conscincia", na perspetivaum pedao de terra firme debaixo dos ps: ade Edgar Morin, , de facto, um apelo aosua razo; o homem ps-moderno perdeu jnovo saber biotico. Um saber que se tornaesse naco de terra e de razo e est dentro dosabedoria porque fala calando e cala falando; navio que se afunda, sendo ao mesmo tempoescuta sempre a Palavra criadora, som que naufrago e espectador.nunca se ouviu, silncio que nunca se calou.Neste sentido, a sabedoria como uma bioticaEsta relao como sabedoria biotica est emvivida - tica da vida - , na nossa perspetiva,estreita relao com o silncio. Duas palavras, uma via possvel para tentar construir, comcom olhos de profunda gratido e mergulhacada uma delas, uma fonte inesgotvel deuma que faz barulho e uma que no se ouve.os restos do navio desconstrudo, um modoat ao mais fundo de ti At esse lugar quegraa para ti e para o mundo Olha quantosDa palavra que faz barulho, ouvimos apenasde vida que permita viver um tempo no hori- contm a bssola que orientar os teus passostesouros e talentos habitam a sua humanidade.o barulho; da que no faz barulho, ouvimoszontal, em que cada um se fecha na sua con-para no andares perdido. E antes de Ajuda-as, a revelarem a grandeza que tmapenas o sentido. E o sentido no tem som cha, no seu pequeno grupo de amigos, avanares, procura descobrir onde est o teu dentro de si. Ajuda-as a entender que so muitonem sombra, mas depois de um longo, lento e individualmente juntos no seu mundo fechado, corao, porque a, estar tambm o teumais do que fugacidade e matria. E verspaciente trabalho de compreenso e volta de umas quantas latas de cerveja, mastesouro. Mantm despertos os olhos do teuento acontecer o milagre que encerra a vidainterpretao, ou de rajada, como uma "cada um est sozinho no corao da terra/ corao para no correres o risco de tehumana.iluminao, o sentido um rumo, um rasto,atravessado por um raio de sol:/ e logo noite" tornares vazio como o bzio que contm emE olha para Jesus que caminha sempre ao teuum rosto, um "e-vento" que se alevanta e faz(Salvatore Quasimodo). si o som das ondas, mas que nunca chegar alado que Ele quer-te maior. Quer-te inteiro.surgir na inteligncia reflexiva da pessoa aA sabedoria biotica consiste pois, em no seser mar Quer-te mais pessoa. Ele sonha com a tua"sabedoria", aquela que sabe que o outro tornar insensvel s causas da vida, aos sonhos, Sabes? Nasceste para voar! Vs alm orealizao, com o entusiasmo do teu coraoum outro igual a mim. E nesta medida que a vida sem amor nem dor nem alegria, sem horizonte? Foi pensado para ti! Por isso, noe com a grandeza da tua vida. Ento porquebiotica como sabedoria transporta consigoperguntas e sem espera; consiste pois, emte conformes com a mediocridade porque a esperas? Ousa ir mais longe e que a tua alegria(no plano humano) uma histria de amor ao construir em tempo aberto ao outro que seliberdade presente gratuito do Deus que seja semelhante ao canto dos pssaros naprximo.chama relao Porque depois da luz/ vem a amor e s amorUm dia, quando conseguiresPrimavera!Sonhaat lugaresnoite/ sentir-te assim, infinitamente amado por esseimpossveisSonha sem medo de avanar...2 - O iluminismo encheu a modernidade dee depois da noite/ vem a Aurora/, a luz queAmor, passars pela inevitvel e densa mataPorque no corao do Pai, cabe qualquer"luz". A luz da modernidade, segundo A. vem de fora da dor, rasgando nela, caminhos de horizonte...Couto, a razo que quer iluminar as coisas,crescimento e de transformao. Ento,toda a realidade. A luz da razo reduziu o olhars para trs e sabers sem a sombra daFabola Mourinho CF 833outro esfera do "eu"; e na perspetiva deCarlos Costa Gomes - CF 132dvida a ensombrar-te o olhar, que a opo Bragana-Miranda pelo Amor a arma dos valentes e o segredoA bondade no se descreve, experimenta-se O que ser bom? O que a bondade?confiana e aceitao. Todos os filhos de Deus so chamados a bondade infinita, capaz de superar Quais os seus efeitos na sociedade e naOs "braos", sempre abertos e receptivos deponderar sobre a bondade e a sua linda qualquer dano ou distncia. Cristo executa nossa vida?Deus, esto a nossa espera, ao aguardo de repercusso na vida de cada pessoa.esse acto atravs do gesto mximo do Seu A bondade to ansiada e querida pelasquem se queira lanar quele mar infinito de Bom, tudo aquilo que se adequa e ajusta amor e da Sua bondade, o sacrifcio da Cruz. pessoas est planificada em Jesus, e faz-bondade. Pairam como arco-ris de paz, bem obteno de determinadas finalidades, ao Dessa doao total e amorosa deriva aquela se presente nos irmos. Ser bom, serno alto e bem prximos de ns, para quem secumprimento de funes ou misses. Umpaz "que o mundo no pode dar" e que , sempre um ideal a ser atingido como aencontre perdido nos caminhos das trevas,remdio bom naquela circunstncia em que talvez, o primeiro fruto da redeno: a atitude mais condizente com a nossado temor ou do remorso...serve para readquirir ou estabilizar a sade.tranquila ordem, estabelecida no corao natureza. Quando isso acontece Bondade no se descreve ou inventa:A nica fora capaz de unir e manter unidoshumano e no Universo. habitualmente, temos a certeza de que experimenta-se, vive-se e testemunha-se. os coraes a bondade, vivida no dia a dia,A ns, pobres seguidores do Mestre, com fruto de grande intimidade com Deus, deA bondade uma virtude num relacionamento,nos acertos e desacertos do amor. Ser preciso os coraes por vezes tambm partidos... um amor incontestvel a Deus e aos numa profisso, numa misso a ser cumprida.recolocar o amor pela bondade, como a "fora no nos resta atitude mais lgica e irmos. A bondade atrai, fascina e encanta,O bom sempre o que executado ou vivido motora do mundo humano, a razo queconsequente do que a da Samaritana: "Bom humanamente falando. A bondade com extrema dedicao e exactido. Fala-se governa os homens".Mestre, d-nos sempre dessa gua" da caminho aberto para toda e qualquerassim de um bom profissional, de um bomCristo vem a ser o Divino Mgico que fonte eterna da tua bondade sem fim! soluo de problemas ou oposies. jogador, bom msico, excelente marido econseguir reajustar o corao partido dos Ajuda-nos, tambm, a ser bons!" A bondade com benevolncia,professor. O colega da jornada bem executada homens numa unidade perfeita e duradoura. misericrdia, bem-querer e mansido, abre bom companheiro ou at, excelente chefe, Consegue-o unicamente atravs da fora de Manuela Pires CF 860 os espaos e as condies mais propcias ao nos apoiar e estimular no cumprimento deuma bondade que no desta terra, mas brotaBragana-Miranda para o encontro com Deus... em clima dequalquer tarefa, at das mais espinhosas.do elo de bondade DEle com o Pai. a 8. 8 BALADA DA UNIO Julho / Agosto / Setembro 2012Segundo a doutrina do Magistrio, a Igrejainseridos:como comunidade intervm na sociedade a - Os sistemas econmico-financeiros. Portu-trs nveis: os cristos leigos, guiados pela gal, membro da Unio Europeia e da Zona A NOBRE ARTE DA POLTICA sua conscincia crist, tm toda a liberdadeEuro, est inserido no quadro das economiasde participao e interveno poltica; asliberais, vulgarmente designadas dePara que os polticos actuem sempre,correm, de problemas grandes e complicados,associaes da Igreja, com particular relao capitalismo. A Igreja sempre defendeu, entrecom honestidade, integridade e amor que se agravam ainda mais por se tentar hierarquia, devem intervir tendo em conta o as expresses da liberdade, a liberdadeVerdade. Foi a inteno geral do Santoresolv-los numa base exclusivamente dilogo com os seus pastores; os sacerdotes e econmica, desde que as suas concretizaesPadre para o ms de Setembro.economicista, quando a soluo deve serbispos tm como ministrio anunciar o se submetam aos objetivos do bem-comum.A poltica , de facto, uma arte nobre, se buscada a outros nveis, baseados nos valoresEvangelho e a doutrina da Igreja para todos,Os prprios lucros das pessoas, das empresasexercida dentro dos devidos parmetros,morais.de modo que ela possa ser acolhida, e dos grupos devem orientar-se para o bem-porque se assim no for ser a pior e maisnomeadamente no que diz respeito suacomum de toda a sociedade.malfica das artes. Com efeito, concorrer para No pertence Igreja formular soluesdoutrina social.- O equilbrio entre finanas e economia. Oo bem comum, como deve acontecer com osprticas e concretas em relao "coisa Papa Bento XVI concretizou o pensamentopolticos, uma misso importante, porque pblica", mas tem, por outro lado, umda Igreja, salientando que as finanas devemdiz respeito no s prpria nao, mas a importante papel no que diz respeito vidaser um instrumento que tenha em vista aoutras, sobretudo numa globalizao como poltica de qualquer nao, onde estejamelhor produo de riqueza e oaquela que ns vivemos.inserida, mesmo que seja em minoria. Comodesenvolvimento. Importa que a economia eNa Antiguidade, ningum praticou melhor esta declarou o Papa actual, em 21 de Maio de as finanas se pratiquem de modo tico a fimarte que os romanos e os gregos e os filsofos 2010, citando a Gaudium et spes, n. 76,de criar as condies adequadas para oda Grcia designaram o homem de "animalpertence Igreja: "emitir um juzo moraldesenvolvimento da pessoa e dos povos.poltico", interessado na "coisa pblica" (dotambm sobre as coisas que afectam a ordem - Os mercados. Sujeitos a uma dimenso ticalatim respublica), concorrendo, assim, para opoltica, quando o exigem os direitosde servio humanidade, os mercados nobem-estar da nao, no que diz respeito ao fundamentais da pessoa [...] aplicando todos podem separar-se do dinamismo econmico,bem comum. Por isso, tem todo o sentido ae s aqueles meios que sejam conformes aotransformando-se em fontes autnomas deafirmao dos mesmos filsofos, que para Evangelho e ao bem de todos". , portanto, A Igreja e o atual momento da sociedade lucro que no reverte, necessariamente, parauma correcta poltica "ou os reis se tornamdireito e dever da Igreja pronunciar juzosportuguesao bem-comum da sociedade.filsofos ou os filsofos se tornam reis". morais sobre realidades da poltica, quando a3. A doutrina social da Igreja, que temos A superao da crise supe uma renovaoMas se todos os cidados de uma nao devemf ou a lei o exigem.sempre o dever de anunciar, ilumina a cultural. A Igreja quer contribuir para estaexercer o seu papel na boa conduo de tudoAquilo que se diz comummente, que "a Igrejarealidade, interpela a conscincia dosrenovao com os valores que lhe soo que tem relao com o bem da nao, os no se deve meter na poltica", no temintervenientes na coisa pblica e sugereprprios: a dignidade da pessoa humana, adirigentes polticos detm nisto uma especialqualquer sentido se se entender devidamenteatitudes que exprimam valores.solidariedade como vitria sobre os diversosresponsabilidade, dado o lugar que ocupam, o que poltica e o que Igreja. Esta tem, com - Prioridade na busca do bem-comum. Estaegosmos, a equidade nas solues e napara o qual foram (ou deviam ter sido) efeito, o dever de ser a "conscincia crtica" primazia da busca do bem-comum de toda adistribuio dos sacrifcios, atendendo aosescolhidos pelos seus compatriotas. Por isso,de qualquer sociedade onde viva e se esquecersociedade atinge todas as pessoas e todos osmais desfavorecidos, a verdade nas afirmaesas leis feitas e promulgadas pelos polticos,este papel no ser a Igreja de Jesus Cristo.corpos sociais. o caminho para construire anlises, a coragem para aceitar quedevem ser eles os primeiros a cumpri-las, oO Papa pede-nos que, neste ms, peamosuma unidade de objetivos, no respeito das momentos difceis podem ser a semente deque nem sempre acontece, nem muito menos...pelos polticos, concretamente para que sejamdiferenas: governo e oposio, partidosnovas etapas de convivncia e de sentidoImportncia dos polticos e da polticahonestos, ntegros e amantes da verdade, depolticos, associaes de trabalhadores e decoletivo da vida. Ns, os crentes, contamosDe tudo o que acabamos de afirmar se deduz maneira que sirvam o bem comum, que sejamempresrios, etc. As diferenas so legtimas,para isso com a fora de Deus e a proteo defacilmente a extrema importncia da poltica cidados exemplares, cujo exemplo possa sermas a unidade na procura do bem-comum Nossa Senhora.num pas, por tudo o que ela pode representarseguido, e amantes da verdade, uma verdade sempre necessria e indispensvel. AFtima, 17 de setembro de 2012de positivo e de negativo, pois sendo ela queque signifique transparncia, prevalea sobresuperao das legtimas divergncias, numorganiza a vida de uma nao, que toma asos interesses mesquinhos e se abra a umalargado consenso nacional, supe sabedoriadecises que regulam as relaes entre pessoase generosidade lcida.e grupos, se isso no feito correctamente dilogo aberto e imparcial. Antnio Coelho S. J. - Direito ao trabalho. Este no deve serBALADA DApode ter efeitos catastrficos. concebido apenas como forma de manutenoOs polticos tm a misso imprescindvel de econmica, mas como meio de realizaoUNIOpr o bem comum acima dos bensMisso da Igrejahumana. O desemprego , certamente, um dosMais uma vez o nosso jornal vai ao encontroparticulares, partidrios, sectoriais ouaspetos mais graves desta crise, o que supe,corporativos. A poltica tem que constituir num pas em crise para a sua superao, um equilbriode todos os convivas que o desejam receberneste formato e tambm Online emuma vocao de servio aos seus concidados convergente de vrios elementos: criatividade wwwconvvios fraternos.com. Continuamos Nota do Conselho Permanente dae nunca uma via carreirista de promoo nas empresas, caminhos ousados no a agradecer a colaborao de notcias e artigos Conferncia Episcopal Portuguesapessoal e de favorecimentos indevidos. Afinanciamento, dilogo social em que pessoase tambm econmica dos nossos leitores poispoltica exige honestidade, integridade e amore grupos decidam dar as mos, apesar das, as despesas com a sua publicao so grandes 1. O momento socioeconmico que Portugal verdade.suas diferenas.e a crise tambm grande. Para facilitar o atravessa est a ser difcil para muitos- Estabilidade poltica. exigida pela prpria envio do contributo dos nossos leitores, segue portugueses. A Igreja sensvel ao sofrimentoUm bom poltico no necessariamente natureza da democracia e da responsabilidadeneste nmero em formato de papel um de todos, particularmente dos mais pobres ecristo, mas se o , deve desempenhar dos seus atores, requerendo a busca impresso de vale de correio dos desempregados, independentemente dacabalmente o seu papel, a um novo ttulo. permanente do maior consenso social e Tambm podero depositar a vossa OFERTA f que professam. A Igreja faz parte daPor isso, os cristos fazem falta na poltica,poltico. Numa democracia adulta, as "crisesNA CONTA com o sociedade e, com a viso do homem e da vidadesde que no abdiquem dos seus ideais quepolticas" devero ser sempre exceo. Em que lhe prpria, chamada a contribuir para NIB 003300005000103484305devem pautar a sua vida segundo o Evangelho.momentos crticos, podem comprometer o bem das pessoas e da comunidade nacionalOs cristos no buscam a hegemonia poltica,solues e atrasar dinamismos na sua busca. como um todo. A principal resposta da Igrejacultural ou qualquer outra, mas onde quer que Todos sabemos que, para superar as presentes para o momento atual tem sido dada pelasse concretize a sua aco, esta deve serdificuldades, no existem muitos caminhospautada pelo respeito da pessoa humana e o suas instituies de solidariedade social, comode soluo. Compete aos polticos escolh-Balada da Unio prtica ativa da caridade.interesse pelo seu bem-estar. los, estud-los e apresent-los com sabedoria. A Igreja e a comunidade polticaOs cristos devem mostrar que a f permite- Respeito pela verdade. O discurso pblico 2. Quando celebramos 50 anos do incio do Propriedade Editorial e Administraoler de uma forma nova e profunda a realidadetem de respeitar a verdade do dinamismo das Conclio Vaticano II, oportuno recordar o Convvios Fraternose ensina a transform-la; devem evidenciarsituaes e da procura de solues. seu ensinamento, tantas vezes confirmadoN.I.P.C. 503298689que a esperana alarga o horizonte limitado - Generosidade na honestidade. O bem da pelo Magistrio posterior, sobretudo dos Tlef: 234 884474 FAx 234 880904do homem e projecta-o para a verdadeira alturacomunidade nacional exige de todos Papas. A Igreja um Povo, uma comunidadedo seu ser, para Deus; devem mostrar que ogenerosidade para no dar prioridade busca estruturada e organizada, que assume comoEvangelho garantia de liberdade e mensagemde interesses particulares e a honestidade paraDirector e Redactor: dever a procura do bem-comum de toda ade libertao. Pede-se aos cristos polticos renunciar a caminhos pouco dignos de procura P. Valente de Matos sociedade. Esse tambm o fim da comunidadeum compromisso forte em favor da cidadania, desses interesses. S com generosidade se Depsito Legal:634/82 - N de Registo: poltica. "No campo que lhe prprio, apara a construo de uma nova vida na sua pode alcanar um bem maior. 108164 comunidade poltica e a Igreja sonao e tambm na comunidade internacional. Renovao culturalEste Jornal encontra-se em independentes e autnomas uma da outra.Temos necessidade de polticos4. Esperamos que a presente situao faa www.conviviosfraternos.com Mas ambas, embora a ttulos diferentes, estoautenticamente cristos que sejam avanar a verdadeira compreenso sobre Rua Jlio Narciso Neves N 65 3860-129 ao servio da vocao pessoal e social dostestemunhas de Cristo e do Evangelho. Trata-alguns elementos decisivos do mundo Avanca mesmos homens" (Gaudium et Spes, n 76).se de um desafio exigente nos tempos que econmico-financeiro em que estamos