Coping Religioso

  • View
    75

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

ESCALA DE COPING RELIGIOSO-ESPIRITUAL (ESCALA CRE): TRADUO, ADAPTAOE VALIDAO DA ESCALA RCOPE, ABORDANDO RELAES COM SADE E QUALIDADE DE VIDA

Raquel Gehrke Panzini

Dissertao apresentada como exigncia parcial para obteno do Grau de Mestre em Psicologia sob orientao da Prof. Dr. Denise Ruschel Bandeira

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Psicologia Curso de Ps-Graduao em Psicologia do Desenvolvimento Outubro de 2004.

Dedico este trabalho a Deus e Espiritualidade Maior, aos meus pais Suzana e Reonardo, e ao meu marido Mauro aqueles que fazem com que tudo seja possvel em minha vida

AGRADECIMENTOS

S

empre que determinado trabalho realizado por um, ele contm a contribuio de muitos. A todos aqueles que possibilitaram a realizao deste, presto meu tributo, atravs de sinceros e profundos votos de agradecimento:

Em primeiro lugar, agradeo Denise Ruschel Bandeira, minha orientadora, mestre, colega e amiga, que h dez anos acredita em meu trabalho e, com competncia e amizade tm conduzido nossa relao profissional e pessoal. No tenho palavras para descrever tudo quanto cresci em sua companhia. Agradeo, especialmente, por ter aceitado sem reservas o tema de minha dissertao; Agradeo muitssimo (1) Carolyn M. Aldwin por ter abordado o tema Religio e Sade no prefcio edio em brochura de seu livro sobre estresse, coping e desenvolvimento, e (2) Adriane Arteche que, sem o saber, importando tal livro e posteriormente me emprestando para l-lo, proporcionou que eu tomasse contato com o coping religioso (e espiritual) e, assim, decidisse modificar todo o rumo de minha linha de pesquisa para abordar um tema que h muito me interessava e nunca havia tido a oportunidade de a ele me dedicar academicamente; Gostaria de agradecer imensamente a todos aqueles que, com sua valorosa participao, com sua boa-vontade em retornar os protocolos impressos ou virtuais, e com sua pacincia e cuidado em respond-los, tornaram esta pesquisa possvel; Agradeo s instituies, religiosas e no religiosas, que me acolheram para a coleta dos dados, permitindo a consecuo desta pesquisa atravs do acesso aos seus membros participantes e/ou freqentadores; Agradeo aos lderes religiosos contatados e entrevistados, que em muito contriburam para este estudo, analisando a Traduo por Especialistas Sintetizada da Escala CRE, esclarecendo sob a concepo religiosa ou espiritual de suas respectivas crenas e mediando nosso contato com algumas das instituies pesquisadas; Agradeo aos expoentes espiritualizados que, sem participar de nenhuma instituio em particular, nos receberam e contriburam para o entendimento daqueles aqui intitulados sem religio, permitindo a construo de itens especficos; Agradeo aos autores da Escala RCOPE (Pargament, Koenig & Perez, 2000) que autorizaram, na pessoa do primeiro autor, o Prof. Dr. Kenneth I. Pargament, tanto a traduo e adaptao de sua escala para o portugus, quanto sua publicao (Anexo A); Agradeo Prof Dr Nalini Tarakeshwar que deu-nos, atravs de sua amigvel correspondncia por e-mail, tendo sido ela orientanda do Prof. Dr. Pargament durante

seu doutoramento, importantes devolues sobre certas questes em relao escala RCOPE original e suas posteriores verses; Agradeo Thas Leo Melo e Elise Corra Rocha, graduandas em Psicologia e minhas orientandas na disciplina de Metodologia da Pesquisa, pelo interesse no tema deste trabalho e por sua participao prestativa na fase piloto do mesmo; Agradeo Isabela Steigleder Gozalvo, bolsista de iniciao cientfica e graduanda em Psicologia, que participou de diversas maneiras da segunda fase desta pesquisa, sempre prestando seu auxlio com dedicao e alegria. Tua ajuda e companheirismo foram incomparveis; Agradeo s colegas e Profas Adriane Arteche e Janana Pacheco por terem aplicado os protocolos em suas respectivas turmas de Psicologia; Agradeo ao colega e Mestre Afonso Piliackas e Lucila Knackfuss Vaz, farmacutica, por terem participado gentilmente da traduo inicial da Escala RCOPE; Agradeo Dbora Dalbosco DellAglio e Marcia Patta Bardaggi por terem atuado como especialistas e consultoras neste trabalho, e primeira, na qualidade de relatora desta pesquisa, por sua criteriosa reviso, tanto do projeto, quanto da verso final, realizadas sempre com a devida presteza, cordial coleguismo e prestimoso profissionalismo; Agradeo Lia Ferraz Panzini, minha sogra, por sua valorosa contribuio ao permitir o acesso Clnica Geritrica de sua propriedade, por ter recolhido todos os protocolos l respondidos, e por ter torcido tanto pelo sucesso deste trabalho, mesmo quando ela mesma estava passando por certo trabalho com sua prpria sade; Agradeo ao Mauro Ferraz Panzini, fisioterapeuta, meu marido, pelos vrios meios com os quais colaborou para este trabalho: por permitir o acesso Clnica de Fisioterapia e Odontologia onde parte da coleta desta pesquisa foi realizada; por ter recolhido com zelo todos os protocolos l preenchidos; pela valiosa, extremamente necessria e sempre prestimosa consultoria em Histria, Latim e Grego; e, sobretudo, por ter me suportado, amparado e encorajado durante todo este longo processo, nunca reclamando de minha falta de tempo, nem por termos de adiar certos projetos pessoais conjuntos para que este fosse concludo, sempre me auxiliando com generosidade quando minha sade mais de uma vez faltou e atrapalhou o andamento de nossa vida e deste estudo; Agradeo Suzana Maria Bender Gehrke, psicloga, minha me, por ter participado de diversas fases deste trabalho, mais especificamente nas etapas de traduo e adaptao e nas anlises de contedo realizadas atravs da categorizao, por ter atuado como especialista, consultora e avaliadora e, acima de tudo, agradeo por sua fora, seu companheirismo e por sua energia positiva, sem os quais, para comear, este trabalho no teria sido nem escrito.

Agradeo ao meu pai, Reonardo Helcias Gehrke, por estar sempre l quando preciso; por me emprestar sua mulher, privando-se de sua agradvel companhia, sempre que dela necessitei; por ter me mostrado a importncia da curiosidade e do aprendizado; e, por ter me encorajado a realizar este Mestrado; Agradeo aos amigos Gustavo Fuhr Santiago e Luciano Francisco Silveira da Silva pela grande ajuda, pois, com amizade, dedicao e sem cobranas, mantiveram meu velho computador sempre em dia para a realizao desta pesquisa, at que pudessem contribuir em preparar o novo para semelhantes e futuros trabalhos; Agradeo ao PPG em Psicologia do Desenvolvimento/UFGRS e CAPES por terem me concedido uma bolsa durante meu segundo ano de Mestrado; ainda, primeira por proporcionar um mestrado gratuito e ltima, por ter e manter o Portal que, atravs da internet, permite aos estudantes e profissionais brasileiros entrar em contato com diversas publicaes, possibilitando, assim, o trabalho de pesquisa no Brasil; Agradeo do fundo de meu corao a todos os autores que, pelo correio ou pela internet, me enviaram reprints de seus artigos publicados ou in press, sem os quais no poderia ter realizado um trabalho to completo j que, quela poca, aqui no Brasil, no havia uma variedade muito grande de publicaes importadas nesta rea de pesquisa. So eles: Daniel McIntosh, Eric Schrimshaw e Karolynn Siegel, Fereshteh A. Lewin, Harold G. Koenig, Kenneth I. Pargament, Nalini Tarakeshwar, Sheryl Catz e E. Boudreaux; e tambm a autora brasileira Marlia Ferreira Dela Coleta, que enviou por e-mail a escala de sua autoria; Agradeo s psiclogas Dras Lisiane Bizarro e Clarisse Longo dos Santos, que, estando poca na Inglaterra e no Canad, respectivamente, tambm contriburam imensamente com o envio de artigos e dicas para o contato com os autores; Agradeo ao Prof. Dr. Geraldo Jos de Paiva que se disps, por ocasio do I Congresso Brasileiro de Psicologia: Cincia e Profisso, com amabilidade e profissionalismo, a receberme na USP para trocar idias sobre o campo no qual labuta h muito mais tempo, por ter compartilhado bibliografias e, embora no tenha podido aceitar participar da banca do projeto, por ter enviado parecer escrito (e-mail) sobre o trabalho que estava sendo realizado; Agradeo aos membros da banca, os Professores Doutores Dbora Dalbosco DellAglio, Maria Lcia Tiellet Nunes, Marisa Campio Mller e Marcelo Pio de Almeida Fleck, por terem aceitado a tarefa de se dedicar avaliao desta pesquisa, tanto pelas sugestes poca da apresentao do seu projeto, quanto pela apreciao final desta obra, pois muito contriburam para que este estudo se mantivesse altura do que se espera de um trabalho cientfico.

Coletnea de citaes sobre cincia e religio de Albert Einstein (1875-1955), alemo naturalizado americano, fsico e filsofo, formulou a Teoria da Relatividade (traduo, arranjo e grifos nossos):Grandes espritos tm sempre encontrado violenta oposio das mentes medocres. A mente medocre incapaz de entender o homem que recusa curvar-se cegamente aos preconceitos convencionais e, ao invs, usa sua prpria inteligncia corajosa e honestamente, e escolhe expressar seus pensamentos e suas opinies claramente. Aquele que nunca cometeu um erro, nunca tentou nada novo. O importante nunca parar de questionar. A curiosidade tem sua prpria razo para existir. A mera formulao de um problema muito mais essencial do que sua soluo, a qual pode ser meramente uma questo de habilidade matemtica ou experimental. Levantar novas questes, novas possibilidades, olhar velhos problemas de um novo ngulo requer imaginao criativa e marca real avano na cincia. A cincia s pode ser criada por aqueles que so completamente imbudos com a aspirao acerca da verdade e do entendimento. A origem deste sentimento, entretanto, vem da esfera da religio... A situao pode ser expressa por uma imagem: A Cincia sem a Religio manca; a Religio sem a Cincia cega. Quanto mais avana a evoluo espiritual da humanidade, mais certo me parece que o caminho para a genuna religiosidade no repousa no medo da vida e no medo da morte, ou na f cega, mas no es