Click here to load reader

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ARRANJO FÍSICO LINEAR E · PDF fileFÍSICO CELULAR Eduardo Voltz (FACCAT) [email protected] Cleber Maiquel Peters (FACCAT) ... sendo esta uma forma vital

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ARRANJO FÍSICO LINEAR E · PDF fileFÍSICO CELULAR...

  • ESTUDO COMPARATIVO ENTRE

    ARRANJO FSICO LINEAR E ARRANJO

    FSICO CELULAR

    Eduardo Voltz (FACCAT)

    [email protected]

    Cleber Maiquel Peters (FACCAT)

    [email protected]

    Ademir Anildo Dreger (FACCAT)

    [email protected]

    Alexandre Aloys Matte Junior (FACCAT)

    [email protected]

    Barbara Benedetti Rodrigues (FACCAT)

    [email protected]

    O estudo sobre o arranjo fsico a ser adotado nas indstrias tem se tornado

    cada vez mais importante e necessrio, pois o mesmo ir influenciar nos resultados

    alcanados pelo setor industrial nas empresas, sendo em volume de produo,

    equipamento, pessoas, fluxo de trabalho. Este artigo consiste efetuar uma proposta

    de arranjo fsico celular sendo do tipo puxado em relao ao arranjo fsico tipo

    linear onde a produo empurrada. A anlise do estudo ser baseada no ramo de

    calados feminino. As anlises sero feitas atravs da elaborao do arranjo fsico

    nos formatos mencionados, na distribuio dos equipamentos nos arranjos e na

    avaliao operacional do potencial de produo em relao quantidade de pessoas.

    Palavras-chave: Arranjo fsico. Produo

    XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

    Perspectivas Globais para a Engenharia de Produo

    Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015.

  • XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

    Perspectivas Globais para a Engenharia de Produo

    Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015.

    2

    1. Introduo

    Com a globalizao e a consequente intensificao da concorrncia, os consumidores se

    tornaram cada vez mais exigentes (Silva, 2004) e buscam produtos com preo mais acessvel,

    mais qualidade e durabilidade. Esta procura acaba fazendo com que as empresas busquem

    alternativas para garantir as necessidades dos seus clientes e manterem-se competitivas no

    mercado. O panorama atual dita que, para que as empresas consigam alcanar resultados

    positivos, os seus respectivos gestores tambm devem vislumbrar novas variveis e

    perspectivas estratgicas, buscando medir fatores que possam contribuir para um melhor

    desempenho, sendo esta uma forma vital de sustentao de uma vantagem competitiva.

    Assim, cada vez mais as empresas esto analisando os seus fluxos de trabalho. Silva (2004)

    menciona que a racionalizao passou a ser imprescindvel para a sobrevivncia das

    empresas. Ao racionalizar possvel identificar e avaliar as oportunidades de novas melhorias

    no fluxo do trabalho, sendo que estas iro refletir positivamente nos resultados dos seus

    indicadores como produtividade, qualidade e capacidade de produo.

    Para Olivrio (1985), o arranjo fsico um estudo sistemtico que procura uma combinao

    tima das instalaes industriais que concorrem para a produo, dentro de um espao

    disponvel. No arranjo fsico estar distribuio organizada dos equipamentos, pessoas e

    informaes que visam evitar desperdcios e perdas.

    Ao se estudar um arranjo fsico deve se levar em considerao a estrutura do prdio, os

    equipamentos industriais, o sistema de informao, o envolvimento da gesto e das pessoas

    para que se busquem melhores resultado. Segundo Gonalves Filho (2001), para se alcanar

    um sistema de manufatura eficiente, deve-se avaliar a tecnologia de fabricao e a motivao

    das pessoas.

    Para Slack (1997), o arranjo fsico errado pode levar a fluxos de trabalhos longos e confusos,

    pois pode-se ter quantidade ou local de estoque de materiais desnecessrios, perda de

  • XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

    Perspectivas Globais para a Engenharia de Produo

    Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015.

    3

    capacidade produtiva, fluxo no contnuo, aumento no tempo operacional total para

    confeccionar o produto, atrasos na entrega do produto, horas extras desnecessrias.

    O autor ainda cita a necessidade de clareza de fluxo, pois todo o fluxo de materiais e clientes

    deve ser sinalizado de forma clara e evidente para clientes e para mo de obra. Tambm,

    acesso a todas as mquinas, pois equipamentos e instalaes devem estar disponveis para

    permitir adequada limpeza e manuteno.

    Para desenvolver o estudo, foi utilizado como base o caso da empresa Alfa, fabricante de

    calados femininos localizada na regio do Vale do Paranhana, focando no seu setor da

    costura, onde permite-se avaliar de forma mais clara o impacto das tragdias relacionadas

    arranjos fsicos. A empresa Alfa conta com aproximadamente 2.000 colaboradores. Tm-se

    como objetivos analisar o arranjo fsico atual da empresa, que atualmente utiliza um sistema

    de produo linear, e apresentar as etapas para implantar um arranjo fsico em formato de

    clula, no caso em U.

    2. Arranjo fsico

    O layout ou arranjo fsico consiste da organizao de todos os recursos necessrios para a

    execuo operacional dos objetivos da empresa. Como organizao entende-se a busca da

    integrao de equipamentos, mo de obra direta e indireta, materiais, reas de movimentao

    e de estocagem (OLIVRIO, 1985).

    Decidir por algum tipo de arranjo fsico definir onde sero instaladas as mquinas,

    equipamentos e pessoas. De acordo com Slack et al. (2002), o arranjo fsico uma das

    caractersticas de maior importncia de um setor produtivo, pois alm de determinar a sua

    forma e aparncia, mostra a maneira que os recursos (materiais, informaes, clientes) sero

    transformados e como os mesmos fluem atravs de uma operao.

    Alm dos objetivos j citados, podemos constatar tambm outras vantagens, como o

    melhoramento das relaes interpessoais, a reduo dos estoques e a reduo da

    movimentao. Arranjo fsico contempla alguns princpios fundamentais, tais como o

  • XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

    Perspectivas Globais para a Engenharia de Produo

    Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015.

    4

    da integrao; da mnima distncia; obedincia ao fluxo de operaes, evitando retrocessos,

    interrupes e cruzamentos na sequncia do fluxo produtivo; uso das trs dimenses;

    satisfao e segurana e o princpio da flexibilidade (VILLAR, 2004). De acordo com Slack

    et al. (1999) existem quatro tipos bsicos de arranjo fsico: posicional, por produto ou linear,

    funcional e celular.

    O arranjo fsico posicional, tambm chamado de arranjo fsico de posio fixa, onde o

    produto permanece fixo em um determinado local e posio devido ao seu peso ou tamanho,

    enquanto os materiais, mquinas e pessoas se deslocam at o local necessrio para a

    concluso do processo. Segundo Olivrio (1985) podemos citar como exemplos deste

    processo navios, avies e grandes alternadores.

    Porm, devido a grande complexidade dos projetos exemplificados anteriormente so

    necessrios alguns processos que antecedam a montagem final, geralmente baseada em outros

    tipos de layout. Segundo Black (1991), o arranjo fsico posicional costuma ser servido por

    outros tipos de layout onde seus componentes so processados.

    O arranjo fsico por produto ou linear tambm conhecido como produo em massa. De

    acordo com Black (1991) este arranjo utilizado quando o volume de produo se torna

    muito grande, especialmente na linha de montagem, e, como exemplo, Slack et al. (1999) cita

    uma linha de montagem de automveis.

    Neste fluxo, os locais de trabalho e equipamentos devem estar dispostos de acordo com o

    sequncia de fabricao do produto, para otimizar a movimentao do material utilizado

    (OLIVRIO, 1985). Dependendo o tipo de processo, pode ser necessria a utilizao de mais

    de um equipamento para o mesmo processo, para balancear o fluxo de acordo com o tempo de

    cada processo.

    Para que a utilizao deste layout seja economicamente vivel, necessrio que haja volume

    de produo para justificar o investimento que geralmente alto. Groover (1987) destaca a

    grande rigidez deste arranjo fsico, que, ao ser implantado, deve ser de uma s vez.

  • XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

    Perspectivas Globais para a Engenharia de Produo

    Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015.

    5

    O arranjo fsico funcional, tratado por alguns como arranjo fsico departamental ou por

    processo, tem como caracterstica principal o agrupamento de operaes de um mesmo tipo

    (OLIVRIO, 1985). Segundo Black (1991), o alto nvel de flexibilidade deste arranjo fsico

    contribui para a produo de uma grande variedade de produtos em pequenos lotes. Os

    equipamentos utilizados devem ser de uso genrico e os trabalhadores devem ser

    multifuncionais. Como exemplos podem ser citados hospitais e bibliotecas.

    Neste tipo de arranjo existe a dificuldade para o controle de produo, pois geralmente existe

    uma simultaneidade de diferentes lotes sendo executados ao mesmo tempo em setores

    distintos e para clientes variados. J a elaborao do processo de fabricao uma atividade

    relativamente simples, j que basta apenas definir a sequncia de departamentos que

    executaro cada etapa do processo (Groover, 1987).

    O arranjo fsico celular est ligado filosofia da Tecnologia de Grupo (TG). Nesta filosofia,

    de acordo com Groover e Zimmers (1984), so agrupadas todas as peas por similaridades de

    processo com a inteno de alcanar vantagens na manufatura. Os grupos so chamados de

    famlias. Aps a diviso das famlias, so montados grupos de mquinas responsveis pela

    fabricao, que chamado de clula de fabricao.

    Segundo Black (1991), a disposio