Gabarito Apostila Exercicios Trabalho-2fase

Embed Size (px)

Text of Gabarito Apostila Exercicios Trabalho-2fase

Esta obra tem os direitos de reproduo, distribuio e explorao cedidos ao Complexo de Ensino Andreucci Proordem. proibida a reproduo total ou parcial de qualquer forma, ou por qualquer meio, ficando os infratores sujeitos s penas da lei.SO PAULO Nov/11

PROBLEMA 01 O empregado A, metalrgico, residente em So Paulo, trabalha na empresa B com sede em Osasco. Admitido em 11 de agosto de 2006, foi registrado apenas no dia 01o de dezembro do mesmo ano; trabalha de Segunda a Sbado das 8h00 s 18h00 com 1 hora de intervalo. Est com 4 meses de salrios atrasados. QUESTO: Como advogado de A promova a medida judicial cabvel perante o Foro competente pleiteando o que de direito para o seu cliente. GABARITO DA OAB PEA: Reclamao Trabalhista COMPETNCIA: ... perante uma das Varas de Osasco (artigo 651, caput). PEDIDO: com pedido de resciso indireta artigo 483, letra d, da CLT mora salarial Dec. 368/68), respectivas verbas rescisrias, inclusive aviso prvio (artigo 487, 4, da CLT) FGTS + 40%, guias do Seguro Desemprego, reconhecimento de vnculo empregatcio desde 11 de agosto de 1995, pagamento das verbas decorrentes, recolhimentos do INSS E FGTS, alm das horas extras e reflexos - artigo 7, incisos XIII e XVI da CF/88.

PROBLEMA 02 A trabalhou na empresa B (metalrgica) em So Paulo Capital no perodo de 12/01/2000 a 25/04/2007, quando foi demitido sem justa causa. Desenvolvia a funo de motorista, no horrio das 6h00 s 14h00, sempre com intervalo de 30 minutos para refeio e descanso, de Segunda a Sexta-feira e aos sbados das 6h00 s 10h00 . Percebia como ltimo salrio a quantia de R$ 5,00 (cinco reais) por hora (piso da Categoria dos Metalrgicos), enquanto o piso da categoria de Motorista, firmado em acordo coletivo feito entre o sindicato dessa categoria e a Federao das Indstrias de So Paulo, era de R$ 7,00 por hora. Quando dispensado, percebeu as verbas rescisrias e homologada a quitao pela DRT. QUESTO: Como advogado de A promover a medida judicial cabvel, pleiteando os direitos do empregado.

GABARITO DA OAB PEA: Reclamao Trabalhista PEDIDO: pleiteando horas extras por infrao ao artigo 71 pargrafo 4 da CLT, bem como, diferenas salariais em relao funo de motorista (categoria diferenciada).

PROBLEMA 03 "A", assistente contbil, residente em Osasco, foi contratado pela empresa "B", para trabalhar na filial localizada no Municpio de Barueri, em 4 de fevereiro de 2006. A contratao se deu em Guarulhos, local onde est situada a matriz da empresa. Foi dispensado no dia 26 de fevereiro de 2007, sob alegao de justa causa, ocasio em que recebia o salrio mensal de R$ 600,00 (seiscentos reais). Nada lhe foi pago a ttulo de verbas rescisrias. QUESTO: Como advogado de "A", promova a ao cabvel observando o procedimento devido e o Juzo competente. GABARITO DA OABPEA: Reclamao trabalhista COMPETNCIA: perante uma das Varas do Trabalho de Barueri (artigo 651 caput da CLT). PEDIDO: pleiteando a declarao de nulidade da justa causa aplicada e. consequentemente a condenao da empresa no pagamento das verbas rescisrias havidas e devidas, mormente do saldo salarial de 26 dias do ms de fevereiro de 2.000, sob pena da dobra do artigo 467 da CLT, e das frias vencidas + 1/3 CF, em primeira audincia (verbas incontroversas, ainda que mantida a justa causa), bem como, do aviso prvio, das frias proporcionais (2/12 avos) + 1/3 CF, do 13 salrio proporcional (3/12 avos), da multa do artigo 477 da CLT, da liberao FGTS + a multa de 40% sobre o saldo da conta, e da entrega das guias do seguro desemprego, sob pena de execuo direta do valor equivalente. H condio de relacionar os pedidos e indicar os valores correspondentes, sendo certo que o potencial da ao no exceder a 40 (quarenta) vezes o salrio mnimo vigente na data do ajuizamento da reclamao, de modo que o autor poder se valer do PROCEDIMENTO SUMARSSIMO preconizado pelo artigo 852-A e B da CLT.

PROBLEMA 04 Empresa A, sediada na Capital de So Paulo, decidiu rescindir, por justa causa, o contrato da empregada B, logo aps o seu envolvimento numa ocorrncia policial de trnsito. No prazo do art. 477 da CLT, cumpriu-se apenas o pagamento do saldo salarial e das frias vencidas + 1/3 CF. A referida empregada foi admitida em 26 de fevereiro de 2006 e dispensada no dia 10 de junho de 2007. Recebia salrio base de R$ 500,00 (quinhentos reais) mais 5% (cinco por cento) de comisses sobre as vendas realizadas. As comisses no integravam a folha de salrios e, alm disso, nunca repercutiram no pagamento das verbas legais e contratuais havidas no decorrer do pacto laboral. QUESTO: Como advogado (a) da empregada, acionar a medida judicial cabvel, postulando o quanto for devido. GABARITO DA OAB PEA: Reclamao Trabalhista COMPETNCIA: Artigo 840 da CLT dirigida a uma das Varas do Trabalho da Capital de So Paulo, art. 651 da CLT. PEDIDO: pretendendo, primeiro, anulao da justa causa por falta de capitulao legal (a hiptese no encaixa na alnea d do art. 482 da CLT) e, consequentemente, o pagamento das verbas rescisrias devidas (aviso prvio indenizado + frias proporcionais + 1/3 da CF + 13 salrio proporcional + liberao do FGTS + 40% e entrega das guias do seguro desemprego sob pena de indenizao no valor equivalente). Dever pleitear, ainda, a integrao ao salrio contratual das comisses pagas por fora e, como decorrncia, a sua incluso para o pagamento dos descansos semanais remunerados (E. 27 do TST), do FGTS (8% mensal), das frias + 1/3da CF e dos 13 salrios devidos no curso do contrato, e nas verbas rescisrias relacionadas no pargrafo anterior.

PROBLEMA 05 A trabalhou na empresa B no perodo de 10 de janeiro de 2000 a 30 de abril de 2007, quando foi demitido sem justa causa. Trabalhava nos horrios compreendidos entre 06:00 e 14:00 horas, 14:00 e 22:00 horas e, ainda, entre 22:00 e 06:00 horas, revezando semanalmente, sempre com intervalo de 30 minutos para refeio e descanso. Percebia como ltimo salrio a quantia de R$ 5,00 (cinco reais) por hora. Trabalhava na funo de caldeireiro, sem nunca ter recebido qualquer equipamento de proteo individual (EPIs). Quando dispensado, percebeu as verbas rescisrias, e sua quitao foi homologada na DRT. QUESTO: Como advogado de A, promova a ao adequada tutela dos direitos do cliente. GABARITO DA OAB PETIO: Reclamao Trabalhista. PEDIDO: Pleitear horas extras alm da 6 diria, em razo de trabalhar em turnos ininterruptos de revezamento (art. 7, inc. XIV da CF), tambm horas extras por infrao ao art. 71, pargrafo 4 da CLT, bem como adicional de insalubridade.

PROBLEMA 06 Jos, empregado que trabalhou em concessionria de venda de veculos, sem registro formal do contrato de trabalho, pelo perodo de um ano e seis meses, recebia salrio fixo, acrescido de comisses sobre as vendas, sem pagamento de nenhum reflexo. Foi dispensado, nada lhe sendo pago no momento da resciso contratual, nem mesmo o salrio e as comisses do ltimo ms de trabalho, cujo valor total supera R$ 15.000,00. QUESTO: Elaborar, como advogado de Jos, a medida processual adequada para a hiptese.

GABARITO DA OAB PEA: Petio inicial de reclamao, sujeita ao rito trabalhista comum. REQUISITOS: A petio dever observar as exigncias prprias (CLT, art. 840, 1), especialmente com pedido de registro do contrato de trabalho em carteira e pagamento de saldo de salrios e comisses, integrao das comisses remunerao e pagamento de reflexos em descanso semanal remunerado, frias, dcimo terceiro salrio e aviso prvio, pagamento de FGTS sobre os valores liquidados durante a vigncia do contrato e os deferidos na ao, acrescidos ambos da multa de 40%, alm das multas dos arts. 467 e 477, 8, da CLT.

PROBLEMA 07 Determinada empresa dotava todos os locais de prestao de servios de excessiva e ostensiva vigilncia por cmeras de vdeo, a tal ponto de invadir a privacidade dos empregados submetendo-os a constrangimentos. Como se no bastasse, resolveu certo dia, num final de expediente, sem que houvesse qualquer razo plausvel, submeter uma trabalhadora a revista pessoal ntima, a ser feita por seus seguranas, todos do sexo masculino. A trabalhadora recusou-se, alegando dupla violao de sua privacidade, quer pela ostensiva vigilncia eletrnica j existente, quer pela desfundamentada tentativa de revista ntima. Foi, ento, imediatamente despedida por justa causa, passando a empresa a alardear que a recusa no cumprimento da ordem constitua srio indcio do cometimento de ato de improbidade pela trabalhadora. QUESTO: Na condio de advogado da trabalhadora, promova a medida processual adequada, com os fundamentos legais especficos. GABARITO DA OAB PEA: Petio inicial, pleiteando todos os direitos decorrentes da injusta despedida e invocando o art. 373-A, VI da CLT.alm da postulao de danos morais a serem arbitrados pelo Juzo, pelo duplo constrangimento sofrido, fundamentando-se ento, com os arts. 5, inciso X, da Constituio Federal c/c arts. 186 e 927 do Cdigo Civil.

PROBLEMA 08 Determinada empresa contratou A, Engenheiro Mecnico, para ocupar as funes de encarregado de produo, funo na qual trabalhou durante 05 (cinco) anos. Na seqncia, foi promovido a Diretor Tcnico, funo na qual se ativou por mais 06 anos, cumprindo regularmente horrio de trabalho e sujeito mesma subordinao jurdica. Despedido sem justa causa, a empregadora considerou, para fins de contagem de tempo de servio, apenas o primeiro perodo de cinco anos, sob a alegao de que no perodo subseqente o contrato de trabalho estivera suspenso em razo do exerccio de cargo de confiana. QUESTO: Na condio de patrono de A, promover a medida legal cabvel contra a referida empresa, aqui nominada B, para postular a soma de perodos e os direitos trabalhistas da derivados, apresentando os devidos fundamentos legais e jurisprudenciais atinentes ao tema. GABARITO DA OAB PEA: Petio inicial, pleiteando a soma do tempo de servio com os conseqentes legais da derivados, pois no h que se falar em suspenso do contrato de trabalho na hiptese em discusso, tendo em vista o disposto no art. 499 caput, da