GEOGRAFIA BÍBLICA

  • View
    486

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

PLANO DE AULA APOSTILADO Escola de Teologia do Esprito Santo

Geografia BblicaEstudando a geografia do livro sagrado

7

Copyright 2004, Escola de Teologia do ES A Escola de Teologia do ES amparada pelo disposto no parecer 241/99 da CES Cmara de Ensino Superior O ensino distncia regulamentado pela lei 9.394/96 Art 80 e considerado um dos mais avanados sistemas de ensino da atualidade Todos os direitos em lngua portuguesa reservados por ESCOLA DE TEOLOGIA DO ES Rua Cabo Ailson Simes, 560 - Centro Vila Velha- ES Edifcio Antnio Saliba Salas 802/803 CEP 29 100-325 Telefax (27) 3219-5440 www.esutes.com.br

PROIBIDA A REPRODUO POR QUAISQUER MEIOS, SALVO EM BREVES CITAES, COM INDICAO DA FONTE. Todas as citaes bblicas foram extradas da Bblia Verso Almeida Corrigida e Fiel(ACF) 2008, publicada pela Sociedade Bblica Trinitariana, e da Bblia King James (Traduo em portugus do Novo Testamento)2008, publicada pela Sociedade Ibero-americana da Bblia, salvo indicao em contrrio

O presente material baseado nos principais tpicos e pontos salientes da matria em questo. A abordagem aqui contida trata-se da espinha dorsal da matria. Anexo, no final da apostila, segue a indicao de sites srios e bem fundamentados sobre a matria que o mdulo aborda, bem como bibliografia para maior aprofundamento dos assuntos e temas estudados.

TEOLOGIA DO ES, Escola de - Ttulo original: Geografia bblica, Estudando a geografia do livro sagrado Esprito Santo: ESUTES, 2004.

ESUTES Escola de Teologia do Esprito Santo

2

_______SUMRIO

_______

UNIDADE I O MUNDO DO ANTIGO TESTAMENTO Antigidade Oriental......................................................................................................................................4 Aspectos Econmicos das Civilizaes........................................................................................................5 Aspectos comuns das Religies Pags .......................................................................................................8 UNIDADE II A TERRA DE CANA - GEOGRAFIA NATURAL DE ISRAEL A histria de Israel comea no crescente frtil............................................................................................11 Localizao..................................................................................................................................................13 Hidrografia...................................................................................................................................................15 Jerusalm ...................................................................................................................................................18 As cidades e estradas da Palestina ............................................................................................................20 UNIDADE III A GEOGRAFIA HUMANA DE ISRAEL A Famlia hebraica e seus Costumes.........................................................................................................24 A vida social Hebraica ................................................................................................................................25 Dinheiro, pesos e medidas..........................................................................................................................28 Calendrio e festas de Israel ......................................................................................................................30 UNIDADE IV A GEOGRAFIA POLTICA DE ISRAEL E OS DIAS ATUAIS Introduo...................................................................................................................................................33 O cisma Israelita ........................................................................................................................................36 APENDICE I Os imprios que dominaram o mundo Bblico .....................................................................41 BIBLIOGRAFIA............................................................................................................................................56

ESUTES Escola de Teologia do Esprito Santo

3

UNIDADE I O MUNDO DO ANTIGO TESTAMENTO...............................................................

O estudo da Geografia Bblica nos possibilita o entendimento de diversas passagens bblicas que certamente sem ela, seria improvvel...............................................................

ANTIGIDADE ORIENTAL

As mais antigas civilizaes da histria surgiram na Antigidade Oriental entre os anos 4.000a.C. e 2.000 a.C. Foram as chamadas civilizaes hidrulicas. Isso porque todas elas procuraram se instalar onde houvesse abundncia de gua., com a inteno de uma sobrevivncia mais prspera. As Principais civilizaes da Antigidade Oriental foram: Egpcios (Vale do Nilo); Mesopotmicos (Vale do Tigre e Eufrates); Hebreus (Vale do Jordo) fencios (Lbano atual); Persas (Planalto do Ir); Hindus (Plancie Indo-gangtica); Chineses (Vales do Tang-tse e Huang Ho). Estas civilizaes apresentaram caractersticas comuns como a escrita, a arquitetura monumental, a agricultura extensiva, a domesticao de animais, a metalurgia, a escultura, a pintura em cermica, a diviso da sociedade em classes e a religio organizada (estruturada com sacerdotes, lugares para reverenciar os deuses e assim por diante). A inveno da escrita permitiu ao homem registrar e difundir idias, descobertas e acontecimentos que ocorriam ao seu redor. Esse avano responsvel por grandes progressos cientficos e tecnolgicos que possibilitaram o surgimento de civilizaes mais complexas. Exemplos de tipo de escrita: Sumria - cuneiforme (gravao de figuras com estilete sobre tbua de argila); Egito - hieroglfica (com ideogramas);Fencia (atual Lbano) Fontico (alfabeto).

Crescente Frtil Assim chamado, por causa de sua abrangncia territorial em forma de lua crescente.Apesar da fixao dos diversos grupos humanos em reas prximas aos riosESUTES Escola de Teologia do Esprito Santo 4

(abastecimento de gua e comunicao) ter ocorrido em regies distintas, a maioria das civilizaes da Antigidade se desenvolveu no Crescente Frtil. Esta rea possui a forma de arco e estende-se do Vale do Jordo Mesopotmia, alm de abrigar os rios Tigres e Eufrates. A revoluo agrcola e a fixao de grupos humanos em locais determinados ocorreram simultaneamente no Crescente Frtil. Neste mesmo perodo outras civilizaes se desenvolveram s margens dos rios Nilo (egpcia), Amarelo (chinesa), Indo e Gnges (paquistanesa e indiana). ASPECTOS ECONMICOS DAS CIVILIZAES Predomnio da agricultura de subsistncia e de regadio, devido ao aumento das comunidades ribeirinhas que tornaram-se conhecidas como civilizaes hidrulicas. Neste perodo, a construo de canais de irrigao que permitiam levar a gua onde fosse necessria era de grande importncia. Principal Atividade Cultivo de cereais. Comrcio e artesanato eram atividades secundrias.Com exceo dos fencios, dedicados predominantemente ao comrcio martimo (talassocracia no Mediterrneo). Aspectos Sociais Predomnio da sociedade estamental; nessa, cada grupo social tem uma posio e uma funo definida. A posio social determinada pela hereditariedade. A estrutura esttica (no h mobilidade social) e hierrquica, sendo vinculada s atividades econmicas. Regime de Trabalho A maior parcela da comunidade trabalhava sob um regime de servido coletiva . As Comunidades camponesas produziam excedentes agrcolas entregues ao Estado sob a forma de impostos (os camponeses no eram escravos j que viviam em comunidades, produziam seus prprios alimentos e construam suas moradias). Diviso da Sociedade Soberano e aristocracia (nobres e sacerdotes); Grupos intermedirios (burocratas, militares, mercadores e artesos);Camponeses; Escravos utilizados na construo de obras pblicas (obras de irrigao, templos, palcios e outros). Excees Fencios, sociedade de classes (hierarquia baseada na riqueza mvel); Hindus, sociedade de castas (de origem religiosa e absolutamente impermevel). O ncleo bsico da sociedade oriental era a Famlia Patriarcal. O Patriarca (homem mais velho) era respeitado e obedecido por todos. Como lder do cl familiar exercia as funes de chefe, de juiz e de sacerdote, mantendo todos sob seu absoluto domnio. A mulher era geralmente considerada como propriedade do marido e a este deveria obedecer e chamar de meu senhor. Sua funo, como mulher, resumia-se a procriao e a cuidar da casa e dos filhos. A populao escrava sempre foi muito numerosa entre as sociedades orientais e constitua a base de todo meio de produo, ou seja, a mo-de-obra escrava sustentava o poder econmico e poltico dos Estados organizados e o prestgio das classes dominantes: nobres membros das famlias reais, sacerdotes, escribas e demais funcionrios civis e militares.

Particularidades e diferenas dos modelos econmicos e sociaisESUTES Escola de Teologia do Esprito Santo 5

Egito Vale do Nilo Fara e os sacerdotes da famlia real, oficiais do palcio Sociedade relativamente aberta; habilidade + ambio = mobilidade social

Mesopotmia Tigre e Eufrates

Sul da sia, Plancie Indogangtica

Norte da China, o Hwang Ho O rei, a classe aristocrtica e a burocracia estatal faziam parte da nobreza guerreira

Soberano e aristocracia Grupos intermedirios

Nobreza = famlia real, altos Falta de evidncias sacerdotes, oficiais reais Clientes = cidados livres trabalhando para a nobreza

Comrcio com a Mesopotmia, Sul Artesos/escultores comerciantes da ndia e Afeganisto Fazendeiros plebeus (servos)

Plebe = cidados Camponeses = servos, livres Camponeses pequenas propriedades de proprietrios de terras terras Escravos eram prisioneiros de guerra; camponeses eram submetidos a recrutamento forado tanto escravos para servios militares como para grupos de trabalhos

Escravos

escrav