homens e tartarugas marinhas. seis s©culos de ... homens e tartarugas marinhas 39 dialmente explorada

  • View
    219

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of homens e tartarugas marinhas. seis s©culos de ... homens e tartarugas marinhas 39 dialmente...

  • anais de histria de alm-mar, Vol. iX, 2008, pp. 37-78

    homens e tartarugas marinhas.seis sculos de histria e histrias

    nas ilhas de cabo Verde

    por

    NuNo de SaNtoS Loureiro *Maria MaNueL Ferraz torro **

    muitos tm sido os investigadores que se tm debruado sobre a histria de cabo Verde. Quase nenhuns se detiveram, mesmo assim, nas referncias presena abundante de tartarugas marinhas, nessas ilhas e nas suas guas costeiras. na maioria dos casos porque as fontes histricas apenas do res-posta quilo para que so questionadas e s pesquisas temticas que, a partir delas, se desejam ver efectuadas

    as aluses presena de tartarugas marinhas nas guas costeiras e nas praias caboverdianas so, sem embargo, recorrentes, desde as primeiras descries de viajantes que aportaram ao arquiplago, no sculo XV, at actualidade. mas a irregularidade dessas notcias conduziu, provavelmente, a que no tenha ainda ocorrido uma tentativa para a sua sistematizao e orga-nizao, de forma detalhada e criteriosa. com o intuito de contribuir para a histria natural das ilhas de cabo Verde, entendeu-se agora que seria muito interessante traar um panorama sequencial das vrias fontes documentais que possvel recolher, sobre as tartarugas marinhas naquele arquiplago atlntico. a tarefa no foi simples, porque tais fontes se encontram dispersas em documentos avulsos, descries de viagem, memrias sobre as ilhas, etc., e as menes a tartarugas marinhas aparecem muitas vezes envergonhadas, quase tentando passar desapercebidas a um leitor menos atento.

    constituiu-se, e aqui se apresenta, um corpus documental o mais com-pleto possvel, mesmo com a mincia de quem compila no apenas fontes relativas a tartarugas marinhas em cabo Verde, mas tambm de quem se empenha em distinguir as diversas espcies de que existem notcias sufi-

    * universidade do algarve, Faculdade de cincias e tecnologia. Campus de gambelas, 8005-139 Faro. e-mail: nlourei@ualg.pt ** instituto de investigao cientfica tropical, departamento de cincias humanas. rua da Junqueira, n. 30, 1349-007 lisboa.

  • 38 nuno de santos loureiro e maria manuel Ferraz torro

    cientemente explcitas. Qualquer investigador que queira, a partir de hoje, aprofundar o captulo sobre tartarugas marinhas, numa histria natural das ilhas de cabo Verde, ter ao seu dispor uma slida resenha documental. mesmo assim, e embora se tenha percorrido exaustivamente um nmero considervel de fontes, no se pretende afirmar que nada mais existir de interesse sobre o tema; sero sempre bem vindos todos os futuros contri-butos que possam ampliar este corpus documental, a partir de agora facil-mente acessvel.

    uma lista muito preliminar de referncias histricas sobre a presena de tartarugas marinhas em cabo Verde tinha j sido apresentada por l. F. lpez-Jurado et al.1, no ano de 2000. recentemente, l. F. lpez-Jurado 2 identificou mais algumas, tentando alargar a resenha inicial. consolidou-se agora a compilao, com a ambio de, num nico texto, integrar todas as fontes documentais relevantes. Procuraram aqui enquadrar-se as relaes entre os homens e as tartarugas marinhas no seu contexto histrico, sem esquecer que cabo Verde foi, desde a sua descoberta e at a um passado recente, local de escala quase obrigatria para diversas rotas martimas. tal facto favoreceu um intenso intercmbio cultural que, frequentemente, extra-vasou a actividade mercantil. esta, por sua vez, teve enorme importncia em toda a vida no arquiplago, ao longo dos seus seis sculos de histria.

    HOMENS E TARTARUGAS MARINHAS NUM CONTEXTO MUNDIAL

    cabo Verde no caso nico na predao humana de tartarugas mari-nhas, durante sculos, com enormes impactos na biodiversidade actual. a bibliografia sobre as relaes entre os homens e as tartarugas marinhas vasta, diversificada e abrange diversas pocas histricas e regies do Planeta. o depauperamento, ou mesmo desaparecimento, de inmeras populaes de tartarugas marinhas hoje um facto incontestvel, progressivamente reconhecido. Por exemplo, a tartaruga-verde (Chelonia mydas, linnaeus 1758), cuja populao reprodutora em cabo Verde j est extinta 3, foi mun-

    1 o presente texto dedicado ao Prof. doutor luis Felipe lpez-Jurado, da universidad de las Palmas de gran canaria, espanha, verdadeiro pai da proteco das tartarugas marinhas em cabo Verde; sem os persistentes esforos de l. F. lpez-Jurado, iniciados em 1998, a situao actual da conservao das tartarugas marinhas no arquiplago seria, sem dvida, muito pior. l. F. Lpez-Jurado, i. cabrera, d. ceJudo, c. evora e P. aLFaMa, distribution of marine turtles in the archipelago of cape Verde, Western africa in h. J. Kalb e t. Wibbels (comps.), Proceedings of the Nineteenth Annual Symposium on Sea Turtle Biology and Conservation, noaa technical memorandum nmFs-seFsc-443, 2000, pp. 245-247. 2 l. F. Lpez-Jurado, historical review of the archipelagos of macaronesia and the marine turtles in l. F. lpez-Jurado e a. l. loza (eds.), Marine Turtles. Recovery of Extinct Populations, monografia 5, gran canaria, instituto canario de ciencias marinas, 2007, pp. 53-76. 3 l. F. Lpez-Jurado, i. cabrera, d. ceJudo, c. evora e P. aLFaMa, distribution of marine turtles in the archipelago of cape Verde, Western africa in h. J. Kalb e t. Wibbels (comps.), Proceedings of the Nineteenth Annual Symposium on Sea Turtle Biology and Conservation, noaa

  • homens e tartarugas marinhas 39

    dialmente explorada para aproveitamento da sua carne, cartilagens, gordura, ovos, sangue e carapaas 4. muitas populaes de tartaruga-verde comearam a sofrer decrscimos na sua abundncia, desde tempos remotos, e as taxas de declnio agudizaram-se nas ltimas dcadas. escala mundial, a dimi- nuio oscilou entre 34 e 58%, durante as trs mais recentes geraes da espcie (141 anos), mas a quebra actual poder atingir valores superiores, entre 70 e 80% 5. as ilhas caimo (mar das carabas) so um dos exemplos mais paradigmticos da extino de uma populao de tartaruga-verde: em meados do sculo XVii comearam as capturas sistemticas nas praias e guas costeiras; no final desse mesmo sculo cerca de 13.000 animais adul-tos eram anualmente exportados para vrios destinos. em 1730 eram a principal fonte de carne consumida na Jamaica, levando a que, j no final do sculo XViii, a populao de tartaruga-verde tenha entrado em colapso. no incio do sculo XX extinguiu-se a espcie nas ilhas caimo 6.

    no senegal, em finais do sculo XViii e incios do seguinte, tambm se capturariam tartarugas marinhas. assim o ilustra uma gravura dessa poca referida por J. Fretey 7, cuja legenda explica: senegal mouros e Franceses ocupados na pesca de peixe e tartaruga. no entanto, ao contrrio da costa este da amrica central, para onde as fontes documentais so comprova-damente numerosas, na costa oeste de frica parecem ser muito escassas as fontes anteriores ao incio do sculo XX. nas dcadas de 1960 e 70 est documentada 8 uma significativa presso de captura de imaturos de tarta-ruga-comum (Caretta caretta, linnaeus 1758) nas guas das ilhas da madeira

    technical memorandum nmFs-seFsc-443, 2000, pp. 245-247. J. Fretey, Biogeography and Conservation of Marine Turtles of the Atlantic Coast of Africa / Biogographie et conservation des tortues marines de la cte atlantique de lAfrique, cms technical series Publication, n. 6, bonn, uneP/cms secretariat, 2001, pp. 71-87. 4 b. GrooMbridGe e r. luxMoore, The green turtle and hawksbill (Reptilia: Cheloniidae): world status, exploitation and trade, lausanne, secretariat of the convention on international trade in endangered species of Wild Fauna and Flora, 1989. F. W. KiNG, historical review of the decline of the green turtle and the hawksbill in K. a. bjorndal (ed.), Biology and Conser-vation of Sea Turtles, revised edition, Washington, d.c., smithsonian institution Press, 1995, pp. 183-188. 5 J. SeMiNoFF, global status of the green turtle (Chelonia mydas): a summary of the 2001 status assessment for the iucn red list Programme in i. Kinan (ed.), Proceedings of the Western Pacific Sea Turtle Cooperative Research and Management Workshop, honolulu, Western Pacific regional Fishery management council, 2002, pp. 197-211. 6 F. W. KiNG, historical review of the decline of the green turtle and the hawksbill in K. a. bjorndal (ed.), Biology and Conservation of Sea Turtles, revised edition, Washington, d.c., smithsonian institution Press, 1995, pp. 183-188. c. d. beLL, J. m. bLuMeNthaL, t. J. auStiN, J. l. soLoMoN, g. ebaNKS-petrie, a. c. brodericK e b. J. godLey, traditional caymanian fishery may impede local marine turtle population recovery in Endangered Species Research, 2 (2006), pp. 63-69. 7 idem, Ibidem, p. 118. 8 l. d. broNGerSMa, marine turtles of the eastern atlantic ocean in K. a. bjorndal (ed.), Biology and Conservation of Sea Turtles, revised edition, Washington, d.c., smithsonian institu-tion Press, 1995, p. 409.

  • 40 nuno de santos loureiro e maria manuel Ferraz torro

    e, ocasionalmente, dos aores. o consumo humano de carne de tartaruga marinha, por um lado, e o embalsamento de animais para a produo de souvenirs tursticos, por outro, motivavam esta actividade artesanal ou, por vezes, semi-industrial. a utilizao de tartarugas marinhas na medicina tra-dicional e popular, em frica, parece ainda ser comum. uma breve recolha de elementos 9, que decorreu j nos primeiros anos do sculo XXi, no benim, camares, costa do marfim, gana, guin, guin-bissau, senegal e togo, evidenciou aprecivel diversidade de casos, tanto do lado dos produtos usados, como do das doenas que se pretendem curar.

    uma detalhada resenha de levantamentos zoo-arqueolgicos realizados na Pennsula rabe, no sudoeste dos e.u.a., no mar das carabas e na Penn-sula de Yucatn (mxico), foi compilada por J. Frazier10. constatou-se, de forma sistemtica, a existncia de vestgios de captura e consumo de tarta-ruga-comum, de-pente (Eretmochelys imbricata, linnaeus 1766) e verde. em du