INDICADORES IBGE - IBGE | Portal do IBGE | IBGE â€؛ visualizacao â€؛ monografias â€؛ GEBIS - Rآ  com

  • View
    0

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of INDICADORES IBGE - IBGE | Portal do IBGE | IBGE â€؛ visualizacao â€؛ monografias â€؛...

  • • INDICADORES IBGE

    \

    C o1eção \BEGE ANA

    PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

    abril de 1996

  • Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

    Ministro de Estado do Planejamento e Orçamento José Serra

    FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

    Presidente Simon Schwartzman

    Diretor de Planejamento e Coordenação Nuno Duarte da Costa Bittencourt

    ÓRGÃOS TÉCNICOS SETORIAIS

    Diretoria de Pesquisas Lenildo Fernandes Silva

    Diretoria de Geociências Trento Natali Filho

    Diretoria de Informática Fernando Elyas Nobrega Nasser

    Centro de Documentação e Disseminação de Informações David Wu Tai

    UNIDADE RESPONSÁVEL

    Diretoria de Pesquisas

    Departamento de Emprego e Rendimento: Maria Martha Malard Mayer

    Divisão de Pesquisa Mensal: Marileni Silva Ma nsoldo

    EQUIPE DE ANÁLISE DE CONJUNTURA

    Coordenadora : Shyrlene Ramos de Souza

    Angela Maria Broquá

    Elizia Costa Ferreira

    Francisco Santos

  • SUMÁRIO

    Estimativas para o mês de abril de 1996 .... . .. . . .. . .... .. ... . .. .. ...... ..... . ... 3

    Notas Metodológicas 6

    Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

  • PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

    ESTIMAT IVAS PARA O MÊS DE ABRI L DE 1996

    I) INTRODUÇÃO

    Os resultados para o mês de abril deste ano, em relação a março do mesmo ano ,

    mostram crescimento do número de pessoas ocupadas e uma ligeira queda do número de

    pessoas desocupadas ou procurando trabalho, motivando a queda da taxa média de

    desemprego aberto nas seis principais regiões metropolitanas do País. J á em relação a

    abril do ano passado, o número de pessoas ocupadas também aumentou , mas o acréscimo do

    número de pessoas procurando trabalho elevou significativamente a taxa média de

    desemprego aberto .

    O rendimento médio real das pessoas ocupadas, referente a março deste ano, caiu

    ligeiramente em relação ao mês anterior e aumentou em relação ao mesmo mês do ano

    passado.

    I I ) COMPARAÇÃO MENSA L

    De março para abril deste ano , o número de pessoas economicamente at ivas

    aumentou 0 , 4%, em decorrência da elevação do número de pessoas ocupadas ou

    trabalhando, 0,8%, e da queda do número de pessoas desocupadas ou procurando trabalho.

    5,5%. Por isso, a taxa média de desemprego aberto caiu 5 , 5%, passando de 6 ,3 8% para

    6,03%.

    O número de pessoas ocupadas aumentou mais expressivamente em Belo Hori zonte .

    1,5%. Nas demais regiões, as variações ficaram entre - 0,2% em Salvador e 1, 1% em São

    Paulo. Considerando os setores de atividade, destacou-se a construção civil com

    acréscimo de aproximadamente 5%. Dentre as categorias de ocupação, as variações

    ficaram no intervalo de -0,8% para os empregados com carteira de trabalho assinada e

    2,8% para os empregados sem carteira de trabalho assinada .

    O número de pessoas desocupadas caiu 5,5%, com queda mais acentuada em Recife,

    19 ,4%.

    A taxa média de desemprego aberto cai u ligeiramente, destacando-se também

    Recife com a variação negativa mais expressiva. Os resultados por setor de atividade

    mostram queda em todos os setores , com destaque para a construção civil, cuja taxa

    3

  • caiu 17,9%. Para o sexo masculino a variação f o i ma i s acentuada (- 7 ,3%) do que para o

    sexo feminino (-3 , 7%).

    O rend i mento médio real das pessoas ocupadas , de fevere i ro para março deste

    ano, não apresentou variação significativa , para o conjunto das seis regiões

    metropolitanas . Na desagregação observamos variações que vão de -1 , 2% em Recife a 2%

    em Porto Alegre . Por setor de atividade , os setores da construção civil e da i ndústria

    de transformação apresentaram queda de 4 , 7% e 4 , 1%, respectivamente . Nos setores de

    serviços e de comércio, as variações foram positivas , mas pouco expressivas.

    Considerando a posição na ocupação, os rendimentos dos empregados sem e com carteira

    assinada caíram 2% e 1%, respectivamente . O rendimento das pessoas que trabalham por

    conta própria manteve-se estável.

    III ) COMPARAÇÃO ANUAL

    De abril do ano passado para abril deste ano , o número de

    economicamente ativas aumentou 3,3%, devido ao aumento do número de pessoas

    1, 5% e de pessoas desocupadas , 43 , 5%, motivando o crescimento da taxa

    desemprego aberto, de 4,35% para 6 ,03%.

    pessoas

    ocupadas ,

    média de

    O número de pessoas ocupadas aumentou na maioria das regi ões metropolitanas ,

    com destaque para Salvador , cuja variação foi de 3 , 1%, seguida por São Paulo , 2 ,4%.

    Recife foi a única região a apresentar queda , 0 ,9%. As variações por setor de

    atividade ficaram entre -6 , 6% para a indústria de transformação e 5 ,9% para a

    construção civil . Já por categoria de ocupação, -3,5% para os empregados com carteira

    assinada e 10% para os empregadores.

    O número de pessoas desocupadas cr esceu acent uadamente. Porto Alegre e São

    Paulo apresentaram as maiores variações 69 , 4% e 63 ,3%, respecti vamente .

    A taxa média de desemprego aberto aument ou nos princ i pais setores de atividade ,

    com destaque para a indústria de transformação e para o comércio , 42,8%. A taxa de

    desemprego das mulheres aumentou 59 , 4% e a dos homens 24 . 41..

    O rendimento médio real das pessoas ocupadas aumentou 8 , 5%, de março do ano

    passado para março deste ano, com acréscimo mais s ignif icati vo no Rio de Janeiro ,

    23,1%. Nas demais regiões, as variações ficaram entre -1 . 1 em Porto Alegre e 12,1% em

    Recife . O intervalo de variação do rendimento, por setor de ativ i dade , ficou entre

    5 , 6% na indústria de transformação e 11 , 3% no setor de serv iços. J á por

    ocupação, os valores observados ficaram entre 5,5% para as pessoas que

    4

    categoria de

    trabalham por

  • conta própria e 9,0% para os empregados com carteira de trabalho assinada.

    I V) OS RENDIMENTOS NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1996

    O rendimento médio das pessoas ocupadas, no primeiro trimestre de 1996 ,

    aumentou em relação ao primeiro trimestre do ano passado, com acréscimo mais

    expressivo na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. O acréscimo foi geral, tanto por

    setor de atividade quanto por posição na ocupação, como mostra o quadro a seguir.

    VARIAÇÃO DO RENDIMENTO MÉDIO REAL (%)

    TOTAL , POR SETOR DE ATIVIDADE E POSIÇÃO NA OCUPAÇÃO

    PRIMEIRO TRIMESTRE - 1996/1995

    REGIÕES PO IT CC COM. SERV. ECC ESC CP

    TOTAL 10,5 9,5 13,5 12,6 11 ,O 11 ,O 10,2 8,8

    RE 9,8 13,4 26,2 14,5 7 ' 1 15,7 6, 1 7,3

    SA 4,6 4,8 O, 1 7 , 9 8 , 4 -0 ,23 9 ' 1 8,1

    BH 8,6 12 ,2 20,2 2,3 9 ,2 11 '2 11 ' 7 1,3

    RJ 23,5 29,6 31 '8 24,6 20,7 21 '5 23,4 23,3

    SP 8,4 7' 1 8,3 11 ' 1 9,0 9,5 5 , 0 6,2

    POA 3' 1 5,4 2,7 7,9 -0,4 6, 1 1 ' 7 -3,3

    PO= PESSOAS OCUPADAS; IT= INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO ; CC= CONSTRUÇÃO CIVIL~ COM . =

    COMÉRCIO; SERV. = SERVIÇOS ; ECC= EMPREGADOS COM CARTEIRA ASSINADA ; ESC= EMPREGADOS

    SEM CARTEIRA ASSINADA; CP= CONTA PRÓPRIA.

    Rio de Janeiro , 23 de maio de 1996 .

    DEREN/ DIPEM/ EAC

    5

  • NOTAS METODOLÓGI CAS 1. ASPECTOS GERAIS

    A PME é uma pesquisa domiciliar de periodicidade mensal sobre mão-de-obra e rendimento

    do trabalho .

    Os dados são obtidos de uma amostra probabilística de, aproximadamente, 36.000 domicí-

    lios situados nas Regiões Metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de

    Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

    Os dados referem-se a determinados períodos de tempo denominados PERÍODOS DE REFERÊN-

    CIA. Os mais importantes são:

    SEMANA DE REFERÊNCIA - semana de domingo a sàbado, que precede a semana estabelecida

    para a realização da entrevista.

    PERÍODO DE REFERÊNCIA DE 30 DIAS - são os 30 dias que antecedem a semana fixada para a

    entrevista.

    MÊS DE REFERÊNCIA - aquele que antecede ao mês de realização da pesquisa.

    Os dados divulgados são relativos às pessoas de 15 anos e mais de idade e à semana de

    referência, com exceção da taxa de desemprego aberto que é divulgada também para o pe-

    ríodo de 30 dias e dos rendimentos que são relativos ao mês de referência da pesquisa.

    2 . CONCEITOS PRINCIPAIS

    TRABALHO - refere-se à:

    OCUPAÇÃO ECONÔMICA REMUNERADA em dinheiro, produtos ou outras formas não monetàrias,

    ou

    OCUPAÇÃO ECONÔMICA SEM REMUNERAÇÃO , exercida pelo menos durante 15 horas na semana, em

    ajuda a membro da unidade domiciliar em sua atividade econômica, ou a instituições re-

    ligiosas beneficentes ou de cooperativismo ou , ainda, como aprendiz ou estagiàrio.

    POPULAÇÃO EM IDADE ATIVA - compreen