Click here to load reader

JORNAL BALADA DA FADA 1

  • View
    219

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Veículo informativo impresso e on-line do Programa Balada da Fada que é transmitido na TV Cinec - www.tvcinec.com.br, todas as sextas-feiras, 13 horas. Traz conteúdo diversificado e familiar sobre política, saúde, mulher, eventos, turismo, gastronomia, entre outros.

Text of JORNAL BALADA DA FADA 1

  • III SALO INTERNACIONAL GOSPEL recebe a visita do Governador Geraldo Alckmin

    Nessa ltima semana, aconteceu em So Paulo o III Salo Internacional Gospel, feira que representa o setor evanglico no Brasil. O evento comeou na quinta-feira (18/9).

    A Cerimnia de Abertura, foi marcado pela pre-sena do pblico e de algumas autoridades e perso-nalidades, como o Governador do Estado de So Paulo, Geraldo Alckmin, que foi homenageado pelo Salo Internacional Gospel, recebendo um quadro com a escultura de um violino que representa um dos instrumentos presentes dentro do evento. Ele declarou: "Satisfao visitar o Salo Internacional

    Gospel. A indstria fonogrfica e editorial evanglica movimenta milhes de empregos. Alm disso, igrejas evanglicas desenvolvem um importante trabalho social, de amor ao prximo", concluiu.

    O Vice-Presidente da Assembleia Legislativa de So Paulo, Deputado Fernando Capez, tambm presente, declarou sua satisfao de estar no evento a convite do Grupo MR1 e falou sobre seus projetos junto aos

    idealizadores da feira na construo do Museu Cristo, o artista plstico Chico Sena, durante a execuo do Hino Nacional pelo tenor Gabriel Sznelwar, da Faculda-de Souza Lima, abrilhantou o evento pintando ao vivo

    um quadro que recebeu o nome de "olhar do cristo brasileiro".

    O Reverendo Paulo Siqueira, do Movimento pela tica Crist, fez uma importante orao pedindo as benos de Deus pelo evento e pelos governantes do Brasil.

    ContinuaPgina 2

    Brasil e Argentina estreitam relaes durante feira de

    TurismoPg. 3

    Churrascaria um bom negcio?

    - Pg. 3

    Brazil Cicle FairPg. 3

    Como se proteger e garantir os seus direitos nas

    viagensPg. 4

    Brasil participa da maior feira de frutas e hortalias do MediterrneoPg. 5

    Leis de incentivo: Melhores prticas para a realizao de um evento

    - Pg. 7

    Falha em Guarapiranga pode causar intermitncia de

    fornecimento nas zonas Oeste e SulPg 7

  • 2Jornal Balada da Fadawww.baladadafada.blogspot.com

    Com uma grade extensa de eventos paralelos, como a Flic, setor editorial da feira e grande diversi-

    dade de produtos, msicos, bandas e autores, o evento prosseguiu em trs dias intensos.

    Tiveram momentos especiais, como o Caf de

    Pastores da CPESP (Conselho de Pastores do Estado de So Paulo) que aconteceu na mesma quinta, o

    Jantar Top Vida, a Exposio "Sabe o nome da Igre-ja?", o Prmio ANLE SALO INTERNACIONAL GOSPEL para Livrarias Evanglicas, a homenagem Banda Kadoshi e ao msico Claiton Frack, que foi entregue aos pais do cantor.

    Diversos nomes da msica gospel passaram pela

    feira, entre entre eles: Pastor Massao Suguihara, Gui

    Rebustini, Gilson Campos, Fernando Cester, Artpella, Kleber Ferraz, Ministrio Voz da Noiva, Jhonny Mazza e Banda Patmus, Fex Bandollero, Lito Atalaia, Pastor Gerson Isidoro, Ministrio Celebrando a

    Verdade, Patrcia Marta, entre muitos outros, alm de vrios artistas consagrados que tocaram no palco

    montado pela Staner, como Fernando Urias. A jornalista Claudia Souza e a produtora do Pro-

    grama Balada da Fada (TV Cinec) estiveram no III Salo Internacional Gospel visitando o stand do Ma-estro Eduardo Roz e Rousilene Gomes da Silva, reito-res da Faculdade Livre de Msica Maestro Eduardo Roz.

    Alm das apresentaes de diversas bandas gos-

    pel, tambm visitaram parte do acervo do Museu da Bblia que mostrou a Bblia em Braille, a maior Bblia do Mundo e uma Bblia prova DAgua.

    Outra novidade da Feira foi o lanamento da B-blia com Gps que proporciona o leitor maior enten-

    dimento de seus captulos, levando-o a navegar atra-vs dos links em cada ensinamento.

    EDITORIAL

    Balada boa aquela que no gera mal estar, ressaca

    ou dores de cabea. Uma boa balada vem com gosti-

    nho de quero mais, proporciona bons conhecimentos

    e diverso.

    O Jornal Balada da Fada tem esse objetivo: Trazer co-

    nhecimento daquilo que a grande mdia no presta

    muito ateno.

    Tanto o Programa Balada da Fada, recm estreado na

    TV Web Cinec, quanto esse jornal, seja no seu formato

    impresso ou virtual, colocam voc leitor, prximo de

    eventos, servios e informaes do bem, com cunho

    scio-cultural , alm de mostrar produtos e servios de

    grande utilidade para toda a famlia brasileira.

    Cremos que esse canal ser em breve sucesso no seu

    monitor, tablet e celular.

    Boa leitura e no esquea de acessar o nosso blog

    quando tiver tempo e assistir o nosso Programa Bala-

    da da Fada (sextas-feiras, 13 horas) e Msico Empre-

    endedor (quintas-feiras, 21 horas) na TV Web Cinec no

    site: www.tvcinec.com.br.

    Claudia SouzaEditora

    www.tvcinec.com.br EXPEDIENTE:

    JORNAL BALADA DA FADA

    www.baladadafada.blogspot.com Www.facebook.com/baladadafada

    Ano 1n 12014

    DISTRIBUIO GRATUITA 10 mil exemplares

    Editor:

    CLAUDIA SOUZAMTB 50644/SP [email protected]

    Cel: 11 99803-3384Vivo

    Produo: MNICA ALVES

    [email protected] Cel: 11 98997-5519Claro

    Realizao: FADA CELESTE PRODUES Www.fadaceleste.com.br CNPJ. 11.637.921/0001-86

    Correspondncia:

    R. Mario Capuano, 82Bl 9/43 CEP 08225-271 SP

    Tel: 11 2048-6400 / 99803-3384 / 4371-9831

  • Jornal Balada da Fadawww.baladadafada.blogspot.com3

    Troca de experincias e a participao do Brasil na Feira Internacional de Turismo estiveram presentes

    na conversa entre os ministros do turismo dos dois pases em reunio na Abav

    As relaes bilaterais no campo do turismo e a rea-lizao da Feira Internacional de Turismo da Amrica Latina (FIT 2014) foram alguns dos temas da reunio

    de trabalho dos ministros do Turismo do Brasil, Vini-cius Lages, e da Argentina, Enrique Meyer. O encon-tro aconteceu no estande do Ministrio do Turismo na Abav-Expo, aberta nesta quarta-feira (23), em So

    Paulo.

    A Argentina o principal emissor de turistas para o Brasil e um grande parceiro comercial do Brasil, disse o ministro Lages, para quem a troca de experi-

    Brasil e Argentina estreitam relaes durante feira de Turismo

    ncias entre os dois pases reforada pela a experi-ncia do ministro Meyer um decano do turismo argentino.

    No ano passado, 1,7 milhes de argentinos estive-ram nos destinos brasileiros. J durante a Copa do Mundo, os turistas do pas vizinho tambm lidera-ram em nmeros de visitantes com 21% do contin-gente de estrangeiros de 203 nacionalidades.

    No encontro desta quarta-feira, os ministros discu-tiram tambm a participao do Brasil na FIT 2014,

    evento que ser realizado de 25 a 28 de outubro, em Buenos Aires. Este ano a feira argentina dever rece-ber 1.700 expositores de 45 pases e ter o Mxico como pas convidado.

    Por: *Izaias Berni Somente a cidade de So Paulo abriga cerca de 500

    churrascarias, segundo dados da Associao Brasileira de Gastronomia, Hospedagem e Turismo (Abresi).

    Muitos acreditam que esse mercado perdeu espao no Brasil depois da chegada dos restaurantes japoneses, mas, ainda que a cozinha oriental venha cada vez mais caindo no gosto das pessoas, ningum dispensa o bom e tradicional cardpio das churrascarias.

    H muitos anos frente de uma indstria que atende esse setor, posso dizer que ele potencial para o merca-do food service. Uma tendncia chamada sensorialidade e prazer refora que esse mercado tende a crescer e ainda uma boa opo de investimento.

    Esse movimento significa prazer em comer e isso o que as redes de churrascarias buscam oferecer ao clien-te: pratos selecionados, ambiente agradvel e atendi-mento premium. na churrascaria que famlias se re-nem para celebrar acontecimentos, casais comemoram datas especiais e empresas realizam eventos corporati-vos.

    Participando ativamente desse universo, ressalto que as churrascarias esto atentas ao novo perfil do consumi-dor e buscam agregar tecnologia em todos os processos de produo e atendimento. Elas esto inserindo em suas cozinhas equipamentos que garantem agilidade, desempenho e segurana no preparo das refeies servi-das.

    Com novas opes culinrias surgindo e chegando ao pas, necessria muita expertise para se manter firme no cenrio gastronmico brasileiro. Mas, assim como o Brasil diversificado e acolhedor, o mercado food service tambm , e, com certeza, h muito espao para novos negcios associados ao churrasco.

    *Izaias Berni diretor comercial da Cozil, indstria

    que h 29 anos cria e desenvolve equipamentos para cozinhas profissionais.

    Churrascaria um bom negcio?

    A Brasil Cycle Fair, principal feira de negcios para o

    mercado brasileiro de bicicletas, apresentar as princi-

    pais novidades e lanamentos do setor, alm de trazer

    oportunidades de negcios. A terceira edio da feira,

    que acontecer de domingo (28) a quarta-feira (1) no

    Expo Center Norte em So Paulo, chega com mais uma

    inovao em 2014: a presena de ONGs, Associaes e

    grupos Pr Mobilidade Urbana.

    A Feira servir de palco para o importante debate en-

    tre duas partes do cenrio nacional de bicicletas - a

    indstria e os movimentos sociais que promovem a

    mobilidade urbana. Daniel Guth, lder da rede Bicicleta

    para Todos, membro da UCB e Diretor de Participao

    da CIclocidade, e Joo Paulo Amaral, criador do Bike

    Anjo e membro da UCB, atuaro como organizadores

    e mediadores do Seminrio "Do Oiapoque ao Chu: a

    realidade da bicicleta no Brasil", que inaugura o ciclo

    de palestras da Brasil Cycle Fair, no dia 28 de setem-

    bro s 11 horas.

    Local: Expo Center Norte (Pavilho Verde) - Rua Jos

    Bernardo Pinto, 333 Vila Guilherme

    www.brasilcyclefair.com.br

  • Como se proteger e garantir os seus direitos nas viagens

    No incio do ms de setembro, a justia decidiu que um casal brasileiro deportado da Frana em plena Lua de Mel porque no tinha reservas no hotel vai receber indenizao de R$ 23.661,90 da companhia de

    turismo contratada. O valor equivale a trs vezes o valor pago pelo pacote de viagem de npcias.

    O casal chegou a Paris em Lua de Mel, mas a ale-gria durou pouco: de acordo com os autos, os noivos receberam ordem para retornar ao territrio brasileiro

    logo ao desembarcar em Paris, porque no foi confir-mada a reserva de hospedagem pelo hotel.

    A agncia de viagens responsabilizou o hotel pelo ocorrido e se isentou do dever de indenizar os clien-tes, mas a justia determinou que a responsabilidade era da agncia, onde eles compraram o pacote de via-gem.

    Mas a justia entendeu que a agncia era a real responsvel pelo "insucesso" da viagem contratada.

    O advogado especialista em direito do consumi-dor, Dr Ricardo Vieira de Souza explica que, em casos

    como estes, os danos materiais e morais so eviden-tes, uma vez que os reclamantes tiveram suas expec-tativas de lazer frustradas, principalmente por tratar-se de viagem de npcias.

    O Cdigo de defesa do consumidor prev que, no

    caso de descumprimento total ou parcial do que foi acordado com a empresa contratada, o cliente tem

    direito a exigir desde desconto pelos valores cobrados

    at a nova execuo dos servios.

    Dr. Ricardo traz algumas orientaes para que o consumidor possa se prevenir na hora de contratar servios tursticos:

    Pacotes de Turismo:

    - Ao contratar um pacote turstico, verifique quais as despesas que esto includas no servio es-colhido e quais so as despesas extras que ficaro por conta do consumidor;

    - Procure referncias sobre as agncias com ou-

    tros consumidores e tambm acessar o cadastro das empresas reclamadas no Procon-SP;

    - O consumidor deve guardar todos os compro-vantes e prospectos referentes a viagem;

    - Problemas durante a viagem devem ser comu-nicados aos responsveis e, se possvel, registrados por meio de fotos ou vdeos, por exemplo.

    Cancelamentos

    - Quando o cancelamento da viagem acontece por parte da agncia, esta tem a obrigao de resti-tuir todos os valores pagos corrigidos, bem como eventuais prejuzos financeiros e danos morais.

    Viagens de nibus:

    - No caso de interrupo ou atrasos o passageiro

    tem direito a informao prvia e a assistncia co-

    mo: alimentao, local adequado para aguardo e acondicionamento das bagagens, bem como pousa-

    da e hospedagem;

    - Quando o atraso exceder uma hora o consumi-dor poder exigir do transportador o embarque em outra empresa que preste servio equivalente e para mesmo destino, ou restituio imediata do valor do bilhete;

    - Se transportado em veculo de caractersticas inferiores s daquele contratado, dever receber a diferena do preo da passagem;

    - A passagem poder ser adquirida sem data de embarque, mas ela estar sujeita a reajuste de preo

    se no for usada dentro de um ano da data de emis-so.

    Passagens Areas:

    - Ao fazer a reserva de passagens importante verificar a validade, as restries para cancelamento e reembolso, e alteraes de data, alm dos prazos

    de estadas. Todas essas informaes devem constar no bilhete.

    - Se a passagem for adquirida por telefone ou Internet, o consumidor tem prazo de sete dias para arrependimento. Se o cancelamento partir da com-

    panhia area, o passageiro tem direito a reembolso integral ou endosso, inclusive para outras empresas,

    sem qualquer despesa adicional.

    4 Jornal Balada da Fadawww.baladadafada.blogspot.com

  • Jornal Balada da Fadawww.baladadafada.blogspot.com5

    Atraso de voo:

    - No momento da ocorrncia procure o respons-vel pela aviao civil dentro do aeroporto ou o balco de embarque da companhia para tentar solucionar o problema;

    O consumidor tem direito a:

    viajar, tendo prioridade no prximo embar-que da companhia area com o mesmo destino; ser direcionado para outra companhia (sem custo); rece-ber de volta a quantia paga, ou ainda hospedar-se em hotel por conta da empresa. Todas estas possibilida-des devem ser garantidas sem prejuzo do acesso gra-tuito alimentao, bebidas, utilizao de meios de

    comunicao, transporte etc.;

    ressarcimento ou abatimento proporcional no caso de ocorrer algum dano material devido ao atraso como, por exemplo, perda de dirias, passeios e conexes;

    pleitear reparao junto ao judicirio se en-

    tender que o atraso causou-lhe algum dano moral (no chegou a tempo a uma reunio de trabalho, casa-mento etc.).

    Overbooking:

    - A empresa obrigada a acomodar o passageiro em outro voo, arcando com as despesas relativas a refeies, telefonemas, transportes e acomodaes, se for o caso. Ou, ainda, reembols-lo, alm de ofere-

    cer outros tipos de comunicao.

    Bagagens

    - Aps o check-in, a empresa area torna-se res-ponsvel pela sua bagagem e deve indeniz-lo em caso de extravio ou danos. recomendado que o con-sumidor faa uma declarao dos itens contidos na

    bagagem, discriminando os valores e guarde uma via.

    - Caso a bagagem seja extraviada, ele deve regis-trar imediatamente a ocorrncia no balco da compa-nhia area ou nas sees de Aviao Civil da ANAC instaladas em cada aeroporto.

    Hospedagem:

    - Se ao chegar ao local a situao for adversa ao combinado, o consumidor deve procurar munir-se de documentos que comprovem o ocorrido como, por

    exemplo, fotos.

    - Caso utilize o cofre do hotel, deve fazer uma de-clarao em duas vias discriminando detalhadamente o que est sendo guardado. Uma via, assinada pelas partes, fica de posse do consumidor e a outra, com o

    responsvel pela guarda. Na retirada de algum perten-ce do cofre fique alerta para que seja dada baixa cor-

    retamente no documento de registro de entrada.

    Aluguel para temporada:

    - Sempre que for possvel, faa uma vistoria no local, em companhia do proprietrio ou representan-te, relacionando por escrito as condies gerais em que se encontra o imvel. Na impossibilidade dessa inspeo, procure obter informaes com conheci-dos que j tenham ocupado o imvel, no confiando apenas em fotos ou no anunciado;

    - Faa um contrato, contendo tudo o que foi tratado verbalmente, discriminando data de sada,

    nome e endereo do proprietrio, preo e forma de pagamento, local de retirada das chaves, tipo e n-mero de cmodos, garagem, etc. Caso o imvel seja mobiliado, devem constar neste documento a descri-

    o de seu estado de conservao e a relao de mveis e utenslios disponveis. Ao final da locao efetue nova vistoria.

    Reserva de Passeios e Viagens On-Line:

    - indispensvel receber uma confirmao de reserva por fax ou e-mail;

    - O consumidor deve guardar qualquer docu-mento e anncios publicitrios referentes ao pacote;

    - Em caso de pacotes nos quais so oferecidos servios, deve imprir a programao;

    - Ao consultar sites recomendado dar prefe-rncia aos registrados no Ministrio do Turismo (www.cadastur.turismo.gov.br).

    Dr. Ricardo Vieira de Souza esta disposio para esclarecer o que diz a lei com relao aos direi-tos do consumidor em pacotes de viagens, passa-gens areas, hospedagens e bagagens, bem como outros assuntos ligados aos direitos do consumidor.

    Sobre Ricardo Vieira de Souza:

    Ps Graduando em Direito das Relaes do

    Consumo pela Pontifcia Universidade Catlica de So Paulo;

    Membro Efetivo da Comisso do Jovem Advoga-

    do da Ordem dos Advogados do Brasil Seco So Paulo - Trinio 2013/2015;

    Membro Efetivo da Comisso de Estudos sobre Educao e Preveno de Drogas e Afins da Ordem dos Advogados do Brasil Seco So Paulo - Trinio 2013/2015 e

    Membro Efetivo da Comisso de Defesa do Con-sumidor da Ordem dos Advogados do Brasil Seco So Paulo - Trinio 2013/2015.

  • O Brasil participa com seis empresas produtoras de frutas e hortalias da regio do Jaba, no norte de Minas Gerais, do Esprito Santo e de So Paulo da 31 edio da MacFrut, considerada a maior feira do se-

    tor de frutas e hortalias na regio do Mediterrneo e uma das maiores da Europa. A presena do Pas no evento, que acontece em Cesena, na Itlia, foi orga-nizado pelo Ministrio da Agricultura, Pecuria e

    Abastecimento (Mapa), com apoio do Ministrio das Relaes Exteriores (MRE). A estimativa que mais

    de 25 mil pessoas visitem o local durante os trs dias da feira, que comea hoje, 24. Segundo o coordenador-geral de Aes no Mercado Externo, Luiz Cludio Caruso, a Unio Europeia (EU) o principal destino das exportaes brasileiras de frutas. A MacFrut uma plataforma para novos ne-

    6Jornal Balada da Fadawww.baladadafada.blogspot.com

    Brasil participa da maior feira de frutas e hortalias do Mediterrneo

    gcios e serve para consolidar a imagem do Brasil como produtor de frutas e hortalias saudveis, sa-borosas e produzidas com respeito ao meio ambien-te, comentou.

    Agenda tcnica Anterior feira, nos dias 22 e 23, a delegao brasi-

    leira realizou uma agenda de visitas tcnicas, promo-vidas pela Secretaria de Relaes Internacionais do

    Agronegcio (SRI) e pela Secretaria de Desenvolvi-mento Agropecurio e Cooperativismo (SDC) do Ma-pa e MRE. A programao foi voltada para as empresas que esto presentes na MacFrut e para uma delegao de pesquisadores, produtores, representantes de

    governo e outros multiplicadores, que visitaram insti-tuies, propriedades rurais e empresas de referncia na cadeia da horticultura. A regio referncia em tecnologia e inovao no setor e tem 97% da produo

    local certificada como produo integrada (PI). As visitas tcnicas tm o objetivo de colocar os profis-sionais brasileiros em contato com as boas prticas de produo integrada utilizadas na Itlia. Houve troca de informaes, pois tambm foi possvel apresentar o programa PI Brasil para os produtores e pesquisadores europeus e mostrar os avanos da produo integrada no Brasil, afirmou a coordenadora da Produo Inte-grada da Cadeia Agrcola, Rosilene Souto.

    Saiba mais A Unio Europeia possui um dos maiores consumos

    per capita de frutas e hortalias no mundo. Nos lti-mos cinco anos, as exportaes de frutas para o bloco cresceram 21%. Dentre as frutas e hortalias que o Brasil exporta para a UE esto o melo, manga, uva, limo, ma, melancia, castanha-de-caju, mamo, aba-cate, figo, caqui, banana, nozes, tangerina, goiaba,

    castanha-do-Brasil, entre outros. No ano passado, o Brasil exportou US$ 620,5 milhes em frutas, castanhas e nozes para a UE. Dos produtos hortcolas, leguminosas, razes e tubrculos foram exportados US$ 8,4 milhes em 2013.

    Ronaldo Cury o novo vice-presidente do Sinduscon- SP

    Ontem, dia 23 de setembro Ronaldo Cury, diretor de relaes institucionais da Cury Construtora foi em-possado vice-presidente de habitao popular do Sinduscon- SP (Sindicato da Indstria da Construo Civil do Estado de So Paulo).

    A posse aconteceu na Sala So Paulo onde tambm foram nomeados novos dirigentes para a instituio.

    Estou muito honrado em aceitar os desafios deste cargo que consistem em batalhar por um plano habi-tacional de responsabilidade do estado, e no do go-verno; lutar pela desburocratizao do processo de

    legalizao dos empreendimentos; alm de sensibili-zar os governantes para a questo da moradia, revela Ronaldo. Este ano, o rgo completa oito dcadas e a maior associao de empresas do setor na Amrica Latina.

    Congrega e representa mil construtoras associadas e 30 mil filiadas na capital paulista e nas nove Regio-nais do sindicato no interior do Estado. Mais informa-es: www.sindusconsp.com.br

  • Jornal Balada da Fadawww.baladadafada.blogspot.com7

    Por Rafaella Ferrer*

    Quando o assunto so as Leis de Incentivo, as empre-sas ainda enfrentam muitas dvidas e dificuldades. Se

    por um lado elas sabem que podem utilizar a verba de renncia fiscal pra incentivar a cultura, o esporte e o social, por outro no sabem qual a melhor forma de utiliz-las.

    A verba da Lei de Incentivo corresponde a uma parte do imposto - que j seria pago ao Governo mas que pode ser revertida em projetos pelas empresas. Assim

    aumentam as chances de serem criados projetos cul-turais, esportivos e sociais, colaborando com a trans-

    formao do cenrio de uma comunidade, de uma regio e do pas inteiro.

    Para que as empresas tenham a opo de destinar esse recurso para projetos culturais, esportivos e soci-ais sua escolha, necessrio apresentar a uma co-

    misso de anlise de projetos o que se pretende fazer, e esta ir verificar se o que est sendo apresentado atende s especificidades do benefcio. Como princi-pais pontos de relevncia de avaliao esto: o inte-

    resse pblico, compatibilidade de custos, capacidade demonstrada pelo gestor do projeto e entendimento da legislao.

    Prestao de contas

    Outro grande gargalo na execuo est na prestao de contas do projeto incentivado junto ao governo,

    isso porque existem melhores prticas e que se no forem seguidas da maneira correta, podem prejudicar a marca. Por conta disso, essencial que a marca con-te com parceiros que desenvolvam os trmites buro-crticos, alm daqueles que realizaro a produo e

    execuo do projeto incentivado.

    Etapas do processo.

    Inicialmente, devero ser definidas as reas que sero trabalhadas em seguida, o planejamento do

    projeto dever ser estruturado. Esses processos ini-ciais so realizados da mesma forma que aqueles cuja verba do marketing. Aps a aprovao do projeto pela empresa, o prximo passo a inscrio

    e aprovao do projeto junto ao Governo Federal. Concluda essa aprovao, a execuo e produo

    do evento devero ser realizadas, seguidas da pres-tao de contas para a empresa e para o governo. Quando os eventos so promovidos por agncias terceirizadas, as empresas no costumam notar a

    diferena entre os projetos incentivados e aqueles

    que so feitos como projetos de marketing, pois as agncias absorvem todos os trmites realizados du-rante o trabalho.

    Prazos de inscrio.

    A poca do ano dever ser levada em conta durante esse processo, pois a inscrio do projeto costuma ser aberta apenas algumas vezes ao ano. A mdia de tem-po, entre a idealizao at a concretizao do projeto, costuma ser de trs a seis meses.

    EXCELNCIA: Por ltimo, para que o evento seja bem sucedido, essencial que um alto padro de qualida-de seja mantido. Os projetos incentivados devero ser executados por empresas, parceiros ou agncias que de fato possuam experincias em eventos, pois essa expertise influenciar na qualidade da ao. Contar com o know-how de profissionais especializados na produo de eventos importante para que os even-

    tos incentivados sejam promovidos com as mesmas caractersticas do que aqueles cujo pagamento feito pelo marketing.

    Rafaella Ferrer

    Diretora de Atendimento da Supernova empresa que tem entre suas especialidades, fazer evento de incen-tivos. Formada em Publicidade e Propaganda, a profis-sional conta com passagens por agncias de captao de patrocnios, de eventos e por uma empresa de ce-nografia. Tambm responsvel pela rea de Planeja-mento da agncia em que trabalha. www.asupernova.com.br

    Leis de incentivo:

    Melhores prticas para a realizao de um evento

    Um problema de ordem tcnica na estao elevatria de gua bruta do Guarapiranga poder causar intermitncia no fornecimento para alguns bairros das regies Oeste e Sul da cidade de So Paulo. Equipes da Sabesp esto trabalhando para identificar qual tipo de falha ocasionou o desliga-

    mento da elevatria, responsvel pelo bombeamento de gua da Represa de Guarapiranga at a Estao de Tratamento do Alto da Boa Vista, na re-gio de Santo Amaro.

    A estao elevatria do Guarapiranga ficou fora de funcionamento por 3h30min (9h00 s 12h30) desta quarta (24). O no bombeamento de gua bruta para a ETA Alto da Boa Vista ocasionou a interrupo do tratamento. O desligamento poder causar intermitncia no fornecimento ao longo des-ta tarde. esperada a normalizao durante a madrugada de quinta (25).

    Falha em Guarapiranga pode causar intermitncia de

    fornecimento nas zonas Oeste e Sul

    Confira algumas dicas de economia de gua:

    - tome banhos mais curtos e feche o registro durante o ensaboamento;

    - feche a torneira enquanto escova os dentes ou faz a barba;

    - deixe para lavar o carro, quintal e calada em outro dia;

    - se possvel, lave a roupa e a loua em outro dia; retire o excesso de comida com a esponja antes de abrir a torneira.

    Lista de municpios afetados:

    Taboo da Serra, Itapecerica da Serra, parte de Embu das Artes (regio de Santo Eduardo, Vista Alegre e Centro)

    So Paulo: Jardim So Luiz, Jardim ngela, Grajau, Parelheiros, Vila Maria-na, Butant, Vila Snia, Morumbi , Pirajussara, Interlagos, Brooklin, Jabaqua-ra e Americanpolis.