Click here to load reader

Landscape management

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Park tinto torto - conservation of nature

Text of Landscape management

  • Plano de Gesto para a Conservao da Natureza

    Ordenamento do Territrio II

    Alice Norinho | Marta Marinho | Marta Seabra | Paula Saavedra

    Parque do Tinto e Torto

  • Alice Norinho | Marta Marinho | Marta Seabra | Paula Saavedra

    NDICENota de Apresentao 1Resumo 2Introduo 3Metodologia 4PARTE I - Anlise 5Caracterizao Geral 5Caracterizao Biolgica 8PARTE II - Avaliao e Objectivos 9Misso 9Anlise SWOT (avaliao) 10Objectivos Gerais 13PARTE III - Plano de Gesto 14Organizao 14Objectivo Geral I 15Objectivo Geral II 17Objectivo Geral III 19Objectivo Geral IV 22Calendarizao 24Objectivo I 24Objectivo II 26Objectivo III 28Objectivo IV 29Objectivo IV 30Carta Final 31Bibliografia 32ANEXOS

  • Alice Norinho | Marta Marinho | Marta Seabra | Paula Saavedra 1

    Actualmente deparamo-nos com uma intensa regresso e degradao dos espaos naturais, resultado da

    crescente presso exercida pela actividade humana. De forma a contrariar essa mesma tendncia propomos um

    Plano de Gesto para o Parque do Tinto e Torto (PTT), que integra territrios detentores de valores patrimoniais

    naturais e culturais relevantes.

    Desta forma pretendida a criao de um espao onde, apesar de se privilegiar a conservao da natureza, seja

    permitida ainda a construo de espaos destinados a salvaguardar e valorizar expresses da paisagem, atingindo

    desta forma um desenvolvimento sustentvel, por estabelecerem uma relao equilibrada e harmoniosa entre as

    necessidades sociais, as actividades econmicas e o ambiente.

    Permite assim, o presente plano de gesto, identificar as medidas de actuao conjunta, a implementar pela

    administraao central e local, pelos residentes, pelos agentes econmicos e culturais e outros, que no apenas

    preservem os recursos, mas os potenciem e valorizem economicamente, sem os destruir.

    Este Plano de Gesto assim o resultado de um trabalho que envolve vrias entidades, nomeadamente tcnicos

    do ICNB, as Autarquias, os Agentes econmicos organizados, e todos os que vivem ou possuem interesse

    neste territrio. Desta forma, o presente plano apresenta uma proposta, elaborada entre todos os participantes,

    que orienta a actuao deste conjunto de agentes nos prximos anos, enquadrado num objectivo comum a

    preservao, promoo e valorizao do patrimnio natural e cultural do PTT.

    Nota de Apresentao

  • Alice Norinho | Marta Marinho | Marta Seabra | Paula Saavedra 2

    ResumoPara a concretizao dos objectivos gerais definidos, a elaborao do Plano de Gesto imprescindvel. Para que

    a sua execuo seja vivel deste a fase inicial, o presente plano foi elaborado com base em estudos e informaes

    gerais existentes at data sobre o territrio.

    Desta forma, resultou a definio da misso e de quatro objectivos estratgicos, os quais foram

    operacionalizados em 48 aces a desenvolver ao longo dos 60 anos de vigncia do Plano de Gesto do PTT.

  • Alice Norinho | Marta Marinho | Marta Seabra | Paula Saavedra 3

    IntroduoO Plano de Gesto do PTT consiste num documento operacional de gesto do territrio composto por

    uma primeira parte descritiva, onde se enunciam, de forma sucinta e com base na informao existente, as

    principais caractersticas do territrio. Numa segunda parte, tem-se por base as concluses retiradas pelo grupo

    de trabalho, tendo em ateno as vrias entidades com influncia na gesto deste territrio. Estas reunies

    seguiram uma metodologia especfica e resultaram na definio da misso do plano e de quatro objectivos gerais

    operacionalizados em 48 aces a realizar ao longo dos 60 anos de vigncia. Os resultados so apresentados

    em forma de quadros e cronogramas, onde se encontram definidos os prazos e a identificao das entidades a

    envolver na execuo.

  • Alice Norinho | Marta Marinho | Marta Seabra | Paula Saavedra 4

    MetodologiaUma vez aprovado, e antes de ser implementado,

    o plano ir ser revisto em conjunto com as

    diferentes entidades (ver anexo I). O plano

    ter uma durao de 60 anos, durante os

    quais devero ser realizadas reunies anuais

    com todos os intervenientes para discutir os

    resultados e as aces do ano seguinte, assim

    como para resolver conflitos ou quaisquer

    outros problemas que tenham surgido. Ser

    ainda produzido um relatrio onde constam

    as aces realizadas e no realizadas, de acordo

    com o que estava previsto no Plano de Gesto.

    No final do perodo de permanncia do Plano

    de Gesto pretende-se que seja realizada uma

    auditoria e iniciado o processo de reviso do

    presente plano, tendo em conta a alterao na

    extenso e distribuio dos habitats prioritrios,

    as tendncias populacionais das espcies-

    chave, o trabalho de conservao atingido e os

    resultados versus objectivos propostos.

    Caracterizao do Local

    Denio da Misso

    Denio de Objectivos para o Plano de Gesto

    Denio de Estratgias para o Plano de Gesto

    Calendarizao

    Avaliao do Local

  • Alice Norinho | Marta Marinho | Marta Seabra | Paula Saavedra 5

    PARTE I - AnliseCaracterizao Geral

    Localizao: A rea de interveno situa-se na rea Metropolitana do Porto, ao longo das bacias do rio Tinto e

    do rio Torto, e distribui-se essencialmente por quatro concelhos: Gondomar, Valongo, Porto e Maia (ver anexo II).

    rea total: 941 hectares

    Descrio da rea: A rea de Interveno do plano de gesto encerra no seu interior grandes unidades

    paisagsticas que lhe conferem caractersticas peculiares, so elas a unidade agrcola, a unidade urbana e a

    unidade florestal, no entanto a unidade agrcola que se encontra mais presente. Surge assim a oportunidade

    da criao de um parque ribeirinho que resulta da articulao dessas mesmas parcelas agrcolas sobrantes,

    possibilitando assim alguma coeso do tecido urbano (ver anexo III).

    Instrumentos de gesto territorial: Os instrumentos de gesto territorial com vigncia ou em fase de elaborao,

    na rea de interveno do Plano de Gesto do Parque do Tinto Torto, so os seguintes:

    1. Plano Director Municipal de Gondomar

    2. Plano Director Municipal do Porto

    3. Plano Director Municipal de Valongo

    4. Plano Director Municipal da Maia

    Regime de propriedade: A maioria dos terrenos integrados na rea de interveno do Plano de Gesto so

    privados. Existem, no entanto, terrenos de carcter pblico, nomeadamente o Parque Oriental, que assume uma

    grande rea dentro do PTT.

  • Alice Norinho | Marta Marinho | Marta Seabra | Paula Saavedra 6

    PARTE ICaracterizao Geral

    Clima: A localizao geogrfia e a Orografia traduzem-se num territrio com um clima tipicamente

    mediterrnico. No Inverno as temperaturas variam entre os 5 C e os 14 C raramente descendo abaixo dos 0 C.

    Nesta estao, o tempo tende a ser instvel com ocorrncia de chuva e vento forte apesar de longos perodos com

    Sol e tempo seco serem tambm comuns. No Vero, as temperaturas variam entre os 14 C e os 27 C podendo

    chegar aos 40 C durante os fins de Julho e incio de Agosto, sendo esta temperatura mais frequente aquando de

    uma onda de calor, comum em Portugal. O tempo seco e soalheiro pode ser interrompido por dias nebulosos ou

    de chuva. A baixa amplitude trmica deve-se proximidade do oceano e presena da corrente quente do Golfo.

    Geologia e morfologia: A rea de interveno insere-se na Zona Norte Portuguesa e composta por 3 tipos de

    solos, geologicamente classificados por Granitos, Xistos e Calcrios. No entanto, o grupo dos solos xistosos que

    apresentam uma maior rea de ocupao no PTT.

    Hidrologia e Hidrografia: A rea de interveno deste plano atravessada pelo rio Torto e pelo rio Tinto, assim

    como por alguns dos seus afluentes. Insere-se assim ao longo das bacias hidrogrficas do rio Tinto e do rio Torto,

    tendo maior expesso na bacia deste ltimo.

    Solos: A maioria dos solos do PTT so essencialmente antrossolos, caracterizados pela evidente aco antrpica,

    determinante nas suas caractersticas, atravs da mobilizaao profunda com desagregao da rocha e mistura

    de camadas, por vezes com movimentao de terras. So, de um modo geral, adequados para a agricultura de

    produo.

  • Alice Norinho | Marta Marinho | Marta Seabra | Paula Saavedra 7

    Caracterizao GeralPARTE I

    Uso do solo: A rea de interveno do Plano de Gesto corresponde a um territrio essencialmente de ocupao

    agrcola, no entanto bastante marcado pela ocupao urbana. A aco humana bastante evidente o que, de

    certa forma, determina a presena ou a ausncia de importantes comunidades de espcies vegetais e animais em

    cada parcela do territrio.

    Demografia e Paisagem: A populao residente encontra-se bastante dispersa pelas reas envolventes rea de

    interveno do presente Plano. A paisagem caracteriza-se pela existncia de aglomerados urbanos dispersos por

    todo o territrio.

    Valores patrimoniais: Dentro da rea de interveno existem cerca de 14 Quintas e Parques (ver anexo IV),

    maioritariamente de carcter privado. ainda de referir a presena de alguns moinhos, apesar de ainda no

    classificados com valor patrimonial, mas que fazem parte do patrimnio vernacular deste territrio.

  • Alice Norinho | Marta Marinho | Marta Seabra | Paula Saavedra 8

    Caracterizao Biolgica

    Fauna, Flora e Habitats Naturais

    Apesar do elevado carcter humanizado do local, podemos encontrar vrios exemplares de Fauna,

    nomeadamente aves, mamferos, rpteis, anfbios, entre outros. Alguns mais vulgares dispersos pelo territrio e

    outros mais peculiares localizados no rea respeitante ao Parque

Search related