Lei 6174 - Estatuto do Servidor do Paraná

  • View
    692

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

ESTATUTO DOS FUNCIONRIOS PBLICOS DO ESTADO DO PARAN NDICE POR ASSUNTOLEI 6.174 Data 16 de novembro de 1970 SMULA: Estabelece o regime jurdico dos funcionrios civis do Poder Executivo do Estado do Paran. A ASSEMBLIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARAN DECRETOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: TTULO I CAPTULO NICO DISPOSIES PRELIMINARES Art. 1 O presente Estatuto estabelece o regime jurdico dos funcionrios civis do Poder Executivo do Estado do Paran.Vide artigos 39, CF e 33, CE

Art. 2 Funcionrio a pessoa legalmente investida em cargo pblico, que percebe dos cofres estaduais vencimentos ou remuneraes pelos servios prestados. TTULO II DOS CARGOS E DA FUNO GRATIFICADA CAPTULO I DOS CARGOS SEO I DISPOSIES PRELIMINARES Art. 3 Cargo o conjunto de atribuies e responsabilidades cometidas a um funcionrio, identificando-se pelas caractersticas de criao por lei, denominao prpria, nmero certo e pagamento pelos cofres do Estado. Art. 4 Os cargos pblicos do Poder Executivo do Estado do Paran so acessveis a todos os brasileiros, preenchidos as condies prescritas em lei e regulamento.- Vide artigos 12 e 37, I, CF e art. 27, I, CE

Art. 5 A nomeao em carter efetivo para cargo pblico exige aprovao prvia em concurso pblico de provas ou de provas e ttulos, salvo as excees legais. - Vide artigo 37, II CF e art. 27, II, CE Art. 6 vedada a atribuio, ao funcionrio, de cargos ou servios diferentes das tarefas prprias do seu cargo, como tal definias em lei ou regulamento, ressalvado o caso de readaptao por reduo da capacidade fsica de deficincia de sade, na forma do art. 120, inciso I. - Vide art. 37, XVI e XVII, CF e art. 27, XVI e XVII, CE Art. 7 Os cargos podem ser de provimento efetivo ou de provimento em comisso. - Vide art. 37, IV e V e 41, CF e art. 27, IV e 36 CE SEO II 1

DOS CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO Art. 8 Os cargos de provimento efetivo se dispem em classes singulares ou sries de classes. Pargrafo nico. Declarados extintos ao vagarem os cargos de provimento efetivo no precisam conformar-se ao disposto neste artigo.- Vide art. 36, 3, Ce e art. 14, 2, desta lei.

At. 9 As classes e sries de classes integram grupos ocupacionais, que se compem em Servios. Art. 10 Para efeitos desta lei: III Classe o agrupamento de cargos da mesma denominao e com iguais atribuies e responsabilidades; Srie de Classes de mesma natureza de trabalho, dispostas hierarquicamente, de acordo com o grau de complexidade ou dificuldade das atribuies e com o nvel de responsabilidade, constituindo a linha natural de promoo do funcionrio; Grupo ocupacional o conjunto de sries de classes ou classes que dizem respeito a atividades profissionais correlatas ou afins, quanto natureza dos respectivos trabalhos ou ao ramo de conhecimento aplicados em seu desempenho; Servio a justaposio de grupos ocupacionais, tendo em vista a similaridade ou a conexidade das respectivas atividades profissionais.

III -

IV -

Art. 11 As atribuies, responsabilidades e caractersticas pertinentes a cada classe so especificadas em regulamento. Pargrafo nico. As especificaes para cada classe compreendem, alm de outro, os seguintes elementos: denominao, cdigo, descrio sinttica das atribuies e responsabilidades, exemplos tpicos de tarefas, caractersticas especiais, qualificaes exigidas, forma de recrutamento, linhas de promoo e de acesso. SEO III DOS CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSO Art. 12 Os cargos de provimento em comisso se destinam a atender encargos de direo, de chefia, de consulta ou de assessoramento.- Vide art. 32, CE e art. 70 desta lei

1 Os cargos de que trata este artigo so providos atravs de livre escolha do Chefe do Poder Executivo, por pessoas que reunam condies necessrias investidura no servio pblico e competncia profissional.- Vide art. 70 pargrafo nico desta lei.

2 A escolha dos ocupantes de cargos em comisso poder recair, ou no, em funcionrios do Estado.- Vide art. 7, V, CF e art. 27, V, CE

3 No caso de recair a escolha em funcionrio de rgo pblico no subordinado ao governo Estadual, o ato de nomeao ser precedido da necessria autorizao da autoridade competente.- Vide art. 70, pargrafo nico desta lei.

4 Sempre que o interesse da administrao o exigir, o Chefe do Poder Executivo poder dispensar os requisitos relativos habilitao profissional legalmente indicada em cada caso, salvo quando por lei exigida habilitao de nvel tcnico-cientfico.- Vide art. 87, VI e XIII, CE.

2

5 A posse em cargo em comisso determina o concomitante afastamento do funcionrio do cargo efetivo de que for titular, ressalvados os casos de acumulao legal comprovada.- Vide art. 37, XVI, CF; art. 27, XVI, CE e art. 159 desta lei.

Art. 13 As atribuies e responsabilidades dos cargos em comisso so definidas nas leis prprias ou nos regulamentos das respectivas reparties. CAPTULO II DO QUADRO DE PESSOAL Art. 14 O quadro compreende: I Parte Permanente; II Parte Suplementar. 1 A Parte Permanente integrada pelos cargos de provimento efetivo e em comisso, considerados essenciais Administrao.- Vide art. 7 desta lei.

2 A Parte Suplementar agrupa os cargos automaticamente suprimidos, quando vagarem, assim estabelecidos em lei.Vide art. 36, 3, CE e art. 8, pargrafo nico desta lei.

3 A lotao numrica dos rgo da Administrao Direta, a ser atendida com o pessoal integrante do Quadro regulada por Decreto executivo.Vide art. 87, XIII, Ce.

CAPTULO III DA FUNO GRATIFICADA Art. 15 A funo gratificada vantagem acessria ao vencimento do funcionrio, no constitui emprego e atribuda pelo exerccio de encargos de chefia, assessoramento, secretariado e outros para cujo desempenho no se justifique a criao de cargo em comisso.- Vide art. 34, XX, CE.

1 Desde que haja recursos oramentrios para esse fim, o Poder Executivo poder criar funes gratificadas, para atribuies previstas em regulamento prprio, onde se estabelecer a competncia para designar os servidores para exerc-las. 2 A dispensa da funo gratificada cabe autoridade competente para a respectiva designao. 3 A designao para funo gratificada vigora a partir da data da publicao do respectivo ato, competindo autoridade a que se subordinar o funcionrio designado dar-lhe exerccio imediato. Art. 16 O Chefe do Poder Executivo Estadual a autoridade competente para regulamentar e classificar as funes gratificadas, com base, entre outros, nos princpios de hierarquia funcional, analogia das funes, importncia, vulto e complexidade das respectivas atribuies.- Vide art. 87, VI, XIII e XVI, C.

1 Na regulamentao determinar-se- a correlao fundamental entre as atribuies do cargo efetivo e as da funo gratificada, para cujo exerccio for designado o funcionrio. 2 Sempre que o interesse pblico o exigir, o Chefe do Poder Executivo poder dispensar, em cada caso e temporariamente, a correlao que alude o pargrafo anterior.- Vide art. 87, VI e XVI, CE.

3

Art. 17 As gratificaes de funo tm os valores fixados em lei.Vide art. 34, XX, CE.

TTULO III DO PROVIMENTO DOS CARGOS CAPTULO I DISPOSIES PRELIMINARES Art. 18 III III IV VVI VII VIII IX Os cargos pblicos so providos por: nomeao; promoo; acesso; transferncia; readmisso; reintegrao; aproveitamento; reverso readaptao.

Art. 19 A primeira investidura em cargo de provimento efetivo depender de habilitao em concurso pblico de provas e ttulos, asseguradas as mesmas oportunidades para todos, observados os casos previstos em lei, em que a investidura dependa tambm de habilitao em curso mantido por instituio oficial do Estado.- Vide art. 37, II e III, CF e art. 27, II e III, CE.

Pargrafo nico. ... vetado ... Art. 20 Excetuados os casos de acumulao previstos em lei e verificados pelo rgo competente, no poder o funcionrio, sem prejuzo do seu cargo, ser provido em outro cargo efetivo.- Vide art. 37, XVI e XVII, CF e art. 27, XVI e XVII, CE.

Art. 21 Compete ao Chefe do Poder Executivo prover, por decreto, os cargos pblicos estaduais, na conformidade da Constituio e das leis em vigor. Art. 22 Pode ser provido em cargo pblico somente quem satisfazer os requisitos seguintes:- Vide art. 27, I, CE.

III III IV VVI VII VIII -

ser brasileiro;- Vide art. 27, I, CE.

ser maior de dezoito anos; haver cumprido as obrigaes e os encargos militares previstos em lei;- Vide art. 143, 1 e 2, CF.

estar em pleno gozo dos direitos polticos; ter boa conduta; gozar de boa sade, comprovada em inspeo mdica; possuir aptido para o exerccio do cargo; ter satisfeito as condies especiais previstas para determinados cargos.

Art. 23 Sob pena de responsabilidade da autoridade que der posse, o ato de provimento dever conter as seguintes indicaes: 4

III -

existncia de vaga, com os elementos capazes de identific-la; em caso de acumulao de cargos, referncias ao ato ou processo em que foi autorizada.Vide art. 37, XVI, CF e art. 27, XVI, CE.

CAPTULO II DA NOMEAO Art. 24 A nomeao ser feita: Iem carter vitalcio, nos casos expressamente previstos nas Constituio;- Vide arts. 95, I e 128, I, a, CF.

II -

em carter efetivo, quando se tratar de nomeao para classe singular ou para classe inicial de srie de classes;- Vide art. 41 e 1, CF e art. 36 e 1, CE.

III IV -

em comisso, quando se tratar de cargo que, em virtude de lei assim deva ser provido;- Vide art. 37, V, CF; art. 27, V, CE e art. 12 desta lei.

em substituio, no impedimento legal de ocupante de cargo em comisso.- Vide art. 12 desta lei.

Art. 25 A nomeao observar o nmero de vagas existentes, obedecer rigorosamente ordem de classificao no concurso e ser feita para a respectiva classe singular ou classe inicial da srie de classes, atendido o requisito de aprovao em exames de sade, ressalvados os casos de incapacidade fsica parcial, que, de acordo com a lei, no impeam o exerccio do cargo.- Vide art. 37, II CF e art. 27, II, CE.

A