O correio - Ed 871

  • View
    225

  • Download
    7

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Um jornal de verdade

Text of O correio - Ed 871

  • LAGUNA/SC - ANO XVIII - EDIO 871 - LAGUNA/SC 15/08/2012 - R$ 2,00 - JORNAL BISSEMANAL O Senhor meu pastor, nada me faltar

    Laguna: 3646-5123 / 9926-6333Brao do Norte: 3658-2446 / 9627-3120

    Fone: 3646-2488Fone: 3646-2488

    Dr. Mauro Srgio Fernandes da Silva CRM 8789 - Pediatra

    Rua. Voluntrio Fermiano. 60 Laguna SC

    A sade de sua criana merece a ateno de um especialistaDiretor Tcnico

    Mauro Srgio Fernandes da Silva CRM 8789 - Pediatra

    RQE 4329

    Agora em novo endereo px. a Colnia de Pescadores Temos sala de Vacinas

    Semana Nacional da Pessoa com Deficincia Intelectual e Mltipla Evento ser vivido pela

    Apae no perodo de 21 a 28 de

    agosto.

    ESGA, DNIT e consrcio promovem semana de oficinas A equipe de Interao Social da ESGA (Em-presa de Superviso e Gerenciamento Am-biental), em conjunto com o DNIT econsrcio Ponte de Laguna (Camargo Corra-Aterpa/M.Martins-Construbase), realizam desde tera--feira, 14, at quinta-feira, 16, oficinas para educao no trnsito em Laguna (SC). As palestras so direcionadas aos alunos do ensino fundamental e mdio da escola Saul Olyssa, localizada no bairro Cabeudas, na margem esquerda da rodovia federal.

    (Pgina 12)

    Google Street View j est disponvel para

    Laguna e regio (Pgina 08)

  • O CORREIO P. 02

    O PODER DA PALAVRA

    Advocacia & Assessoria

    Dr. Victor Baio PereiraOAB/SC 15.896

    Atanazio Lameira atanaziolameira@brturbo.com.

    EXPEDIENTEFundado em 29.07.1995

    Direo Geral: PAULO SRGIO SILVAJORNAL O CORREIO. LTDA. ME.

    C.G.C. 03.002.178/0001-60 Insc. Mun. 54.0375

    Redao e Administrao:Rua Voluntrio Fermiano, 52 - Centro Fone: (48) 3644-3959 - Laguna/SC

    Nmero Avulso: R$ 2,00 Assinatura Semestral (Bissemanal) R$ 100,00

    Tiragem: 1.000 exemplaresOs artigos assinados so de

    responsabilidade de seus autores. Circulao quartas e aos sbados :

    Laguna, Capivari de Baixo, Tubaro, Garopaba, Imbituba, Paulo Lopes, Imaru e Jaguaruna.

    E-mail: ocorreio@ocorreio.net hp:http://www.ocorreio.net

    Este jornal filiado:

    Visite o meu: Blog: athanaziolameira.blogspot.com

    LAGUNA/SC 15/08/2012

    Hora do cafezinho

    Paulo Srgio Silva

    Reinventando o Profissionalartigo

    Mello Jr - www.gmtreinamentos.com.br - mello@gmtreinamentos.com.br

    Causas cveis: aes possessrias, indenizatrias e de famlia.

    Rua Raulino Horn - Centro - Fone 3644-6882 LAGUNA/SC

    A fora do sexofemininoOstrogloditas que ainda vivem nas ca-vernas, por favor, se orientem e semo-dernizem antes de serem atropelados pelo poder das mulheres.

    A porta de sadaPeouma pausa, para que os bons po-lticos apaream. Peo um adeus, para aquelasvelhas repousas achem a porta de sada.

    O martelo daesperanaBatam o martelo da esperana, da justia, do ideal de liberdade. Bata o martelo dafraternidade, da igualdade. Bata o martelo da amizade, da alegria, do amor e dobem comum.

    A viagem com acara e coragemA viagem sem passagem. A viagem sem bagagem. A viagem nua e crua somente com acara e coragem. A viagem que transforma. A viagem inova. A viagem que passeiapelo destino. A viagem que ensaia o desatino.

    Um dia cinzentoA covardia daquele dia cinzento. O sol se escondia e no havia nenhu-mapossibilidade de mostrar a cara. Ficamos a espera, mas infelizmente o astro reipediu licena e permaneceu na penumbra.

    Um pai deverdade Umpai de verdade no abandona nem na dificuldade. Um pai pode exagerar, masjamais deixar um filho sem aju-da. Um pai erra s vezes na bondade demais.Precisa exercer a paternidade com sua presena, carinho e disposio de ficar perto.

    Embora o mercado faa esta diferena por questo de foco, perfil de consumidor e marketing, consumo con-sumo, consumidor cliente e cliente cliente. uma redundncia com certeza, mas cito esta comparao para chamar a ateno do modismo que se instalou em nosso pas. As grandes empresas esto focando seus produtos nas classes C e D, pois tornaram-se a bola da vez e nessa migrao, al-gumas redes de supermer-cados esto se instalando nos bairros para competir com os mercadinhos; na moda, as confeces criam a segunda marca; outra marca famosa de tubos e co-nexes criou uma empresa para ganhar este cliente; um gigante da informtica lana computadores portteis a preos populares! Posso fa-

    lar com conhecimento de causa, j que tenho estu-dado nestes dois ltimos anos os caminhos do vare-jo para as classes C e D e o poder de consumo destes CLIENTES, que cresceu em torno de 72%e 45% respectivamente, fazendo o mercado agir com uma velocidade e voracidade espantosa. Porm, est na hora de deixar de lado este mo-dismo que rotula a classe ou apelar para o chavo, j irritante, de consumido-res populares. No preci-samos colocar na placa da empresa que est sendo inaugurada que seus pro-dutos so populares ou para cliente popular pois pode melindrar o cliente que sabe que seu poder de compra est abaixo de outras classes e que

    no precisa ser rotulado ou lembrado disso, alm de ter a impresso que por ser po-pular no ter atendimento e produto com qualidade. Cliente cliente! Devemos es-tar atentos ao mercado e bus-car o perfil do cliente ideal e por si j faz a separao em termos do poder de compra, no entanto o cliente no gos-ta de ser chamado de popular e devemos nos atentar para esta situao. Por exemplo: eu compro em qualquer tipo de loja que oferea um bom ambiente, bons produtos, bons preos e sem dvida um bom atendimento. No sou classe e sim um cliente como qualquer outro. Quer dizer que se busco lojas com preos mais atraentes onde alguns chamam de popular sou um cliente popular e sem condies de comprar em lojas especializadas, por

    exemplo? Hoje um televisor em torno de R$ 270,00 um televisor com preo atra-ente e no popular e quem por algum motivo resolver compra-lo no diminuiu de classe, muito menos no perdeu poder de compra, apenas supriu uma neces-sidade. Propositadamente repeti vrias vezes algumas palavras justamente para mentalizar e observar o que no soa bem aos ouvidos dos clientes. Acredito, o cami-nho criar um termo mais simptico, menos agressivo e que no afugente nossos consumidores. O lado bom desta histria que no se discute mais que o con-sumidor est comprando mais, pagando melhor, me-lhorando o padro de vida e sendo mais feliz. Isso no tem classe! Vamos refletir. E agir!!!

    O consumo no tem classe social.

    A Caixa Econmica Federal e o Banco do Brasil comeam a pagar, a partir desta quarta-feira (15), o valor de 1 salrio mnimo referente ao Abono Salarial PIS/PASEP calendrio 2012/13. Ao todo, sero cerca de 21,4 mi-lhes de beneficiados.

    Tem direito ao beneficio os trabalhadores que tiveram os dados informados na RAIS pelo empregador e que tenham sido cadastrados no PIS/PASEP h pelo menos cinco anos; tenham trabalhado com carteira assinada ou ter sido nomeado efetivamente em cargo pblico, durante pelo menos 30 dias no ano-base; e tenham recebido em mdia at 02 (dois) salrios mnimos de remunerao mensal durante o perodo trabalhado.

    O governador Raimundo Colombo participar, nesta quarta-feira, 15, em Braslia, de evento no Palcio do Planalto, onde a presidenta Dilma Rousseff anunciar o Programa de Concesso de Rodovias e Ferrovias. Nele, esto previstos investimentos da iniciativa privada na melhoria da infraestrutura de transportes e logstica e, consequentemente, no impulso da economia do pas. A cerimnia est marcada para 10 horas e contar ainda com a presena de lideranas empresariais e proprietrios de empresas do ramo de transporte rodovirio e ferrovirio.A perspectiva que o pacote de concesses seja incorpo-rado ao Programa de Acelerao do Crescimento (PAC), com envolvimento da Casa Civil e de trs ministrios (Transportes, Planejamento e Fazenda). J o valor dos investimentos deve ultrapassar os R$ 90 bilhes em 5 anos. Hoje, as condies das estradas encarecem o frete e prejudicam diversos setores da nossa economia, desde a indstria e a agricultura at os prestadores de servios. Este um grande gargalo que impede o crescimento eco-nmico dos estados, expressa Colombo.

    Os servidores tcnico-administrativos da UFSC re-abriram a reitoria s 18 horas da tarde desta tera--feira, dia 14, como forma de manifestar confiana nas negociaes entre o governo federal e o Comando Nacional de Greve (CNG).As chaves foram entregues por Teresinha Ceccato, integrante do Comando Local de Greve (CLG), para o diretor do Departamento de Segurana, Leandro Luiz de Oliveira, na presena de Carlos Vieira, chefe do gabinete da reitoria, e Juarez Nascimento e Joana Maria Pedro, Pr-reitores.O chefe do gabinete e o chefe da segurana vistoria-ram alguns ambientes como o gabinete da reitoria e a Pr-reitoria de Administrao para constatarem que nenhuma violao ou depredao aconteceu. A Reitoria retorna s atividades normais e o CLG volta a funcionar no hall do prdio.

  • O CORREIO P. 03

    AUTO POSTO BELA IGUABA

    Avenida Getlio Vargas, 381Magalhes - Laguna / SC

    Atendimento de alta qualidade

    (48) 3644-0381 / 9109-1803 / 105-4040

    LAGUNA/SC 15/08/2012

    VIUQREPRTERMeu confrade de lides jornalsticas, amigo e leitor deste bissemanal veculo de comunicao -, BUJ: Quando o LUIZ PAULO CARNEIRO tomou con-hecimento do teor do teu simptico E-MAIL, o mesmo, diante da beleza das reminiscncias alusivas a sua meritria trajetria, to forte foi a sua emoo que o dominou, onde LUIZ PAULO CARNEIRO teve que se conter para que as lgrimas no rolassem pelas suas faces. Dizia LUIZ PAULO: Wilke, se, de h muito, o meu estimado amigo JOS CARLOS NATIVIDADE -, BUJ, desfruta invejvel situao profissional na nossa querida e progressista cidade de Brusque, simultaneamente, na con-dio de brilhante jornalista, empre-stando os seus sbios conhecimentos na rea da comunicao, graas sua indiscutvel competncia, dinamismo, seriedade e, sobretudo, imparcialidade em tudo o que JOS CARLOS NATIVI-DAD