of 37 /37
Polímeros Polímeros polímeros não bioquímicos Naturaissintetizados pela própria Natureza Sintéticos– sintetizados pelo homem. Todos os polímeros são Todos os polímeros são macromoléculas, porém nem todas as macromoléculas, porém nem todas as macromoléculas são polímeros macromoléculas são polímeros.”

Polímeros polímeros não bioquímicos Naturais– sintetizados pela própria Natureza Sintéticos– sintetizados pelo homem. Todos os polímeros são macromoléculas,

Embed Size (px)

Text of Polímeros polímeros não bioquímicos Naturais– sintetizados pela própria Natureza...

  • Slide 1
  • Polmeros polmeros no bioqumicos Naturais sintetizados pela prpria Natureza Sintticos sintetizados pelo homem. Todos os polmeros so macromolculas, porm nem todas as macromolculas so polmeros Todos os polmeros so macromolculas, porm nem todas as macromolculas so polmeros.
  • Slide 2
  • Macromolculas Macromolculas molculas grandes, de elevado peso molecular, que decorre de sua complexidade qumica, podendo ou no ter unidades qumicas repetidas (meros). tamanhoestrutura qumicainteraesintra intermoleculares Os polmeros so macromolculas caracterizadas por seu tamanho, estrutura qumica e interaes intra e intermoleculares.
  • Slide 3
  • grau de polimerizao designa o nmero de meros da cadeia polimrica. n ou DP (degree of polymerization) oligmeros oligmeros - polmeros de baixo peso molecular (peso molecular da ordem de 10 3 ).
  • Slide 4
  • Resinas Exsudao de plantas, normalmente sob a forma de gotas slidas ou como lquidos muito viscosos, de cor amarelada, transparentes, encontradas no tronco de rvores como o pinheiro, o cajueiro, a mangueira, etc.
  • Slide 5
  • Polmeros sintticos ou Resinas sintticas quando aquecidos, amolecem e apresentam o mesmo tipo de comportamento das resinas. Ex: o polietileno, o poliestireno e outros polmeros podem ser includos entre as resinas sintticas
  • Slide 6
  • intensidade varivel da influncia do PM sobre as propriedades do material figura 1
  • Slide 7
  • Geralmente os polmeros contm misturas de molculas, de pesos variados, apresentando o que se chama de polimolecularidade Geralmente os polmeros contm misturas de molculas, de pesos variados, apresentando o que se chama de polimolecularidade.
  • Slide 8
  • Configuraes dos Polmeros Taticidade Polmero isottico Polmero isottico todos os tomos de carbono assimtricos gerados tm a mesma configurao. Polmero sindiottico Polmero sindiottico os tomos de carbono assimtricos gerados tm alternncia de configurao. Polmero Attico Polmero Attico (Heterottico) os tomos de carbono assimtricos gerados no tm qualquer ordem, seguem ao acaso.
  • Slide 9
  • Slide 10
  • Classificao dos Polmeros quanto presena de Ramificaes Polmeros Lineares v Polmeros Lineares cadeias sem ramificaes VPolmeros Ramificados VPolmeros Ramificados cadeias com ramificaes Polmeros Reticulados V Polmeros Reticulados cadeias com ligaes cruzadas
  • Slide 11
  • fusibilidade solubilidade Propriedades diferentes surgem no polmero, decorrentes de cada tipo de cadeia, especialmente em relao fusibilidade e solubilidade.
  • Slide 12
  • Classificao dos Polmeros Origem do Polmero v Origem do Polmero Naturais Naturais foram produzidos pela Natureza, padres em que se basearam os pesquisadores. Sintticos Sintticos produzidos pelo homem.
  • Slide 13
  • Nmero de Monmeros envolvidos na cadeia macromolecular Homopolmeros Homopolmeros - apenas um mero de partida. Copolmeros Copolmeros - mais de um tipo de mero.
  • Slide 14
  • seqncia dos meros seqncia dos meros copolmeros aleatrios ou randmicos copolmeros aleatrios ou randmicos seqncia aleatria. copolmeros alternados copolmeros alternados - perfeita regularidade de sequenciao, dispondo-se as unidades qumicas diferentes de modo alternado. copolmeros em bloco copolmeros em bloco - alternam-se seqncias de unidades qumicas iguais. grafitizado ou enxertado grafitizado ou enxertado - no caso particular desses blocos existirem como ramificaes polimricas, partindo do esqueleto principal da macromolcula.
  • Slide 15
  • Mtodo de Preparao do Polmero Mtodo de Preparao do Polmero polmeros de adio polmeros de adio simples reao de adio sem subprodutos. Ex. preparao do PE. polmeros de consdensao polmeros de consdensao reao em que so abstradas pequenas molculas (H 2 O, CO 2, HCl,...) dos monmeros de partida. ciclizao ciclizao, abertura de anel abertura de anel, modificao de outros polmeros modificao de outros polmeros (hidrlise, esterificao, acetalizao etc.) modificao das propriedades iniciais em grau controlvel.
  • Slide 16
  • Estrutura Qumica da Cadeia Polimrica (grupos funcionais na macromolcula) Estrutura Qumica da Cadeia Polimrica (grupos funcionais na macromolcula) poli-hidrocarbonetos (saturados ou insaturdos), poliamidas, polisteres, politeres, poliacetais, poliuretanos, etc.
  • Slide 17
  • Encadeamneto da Cadeia Polimrica Encadeamneto da Cadeia Polimrica cabea-cauda, cabea-cabea, cauda-cauda e mista.
  • Slide 18
  • Configurao dos tomos da Cadeia Polimrica Configurao dos tomos da Cadeia Polimrica cis trans
  • Slide 19
  • Cadeias macromoleculares em homopolmeros e copolmeros MonmeroPolmeroRepresentao AHomopolmero...A A A A A... BHomopolmero....B B B B B... A + Bcopol mero alternado...A B A B A... em bloco...A A B B... grafitizado B B......A A A A... aleatrio...A B B A B...
  • Slide 20
  • Nomenclatura dos Polmeros Na origem do polmero v Na estrutura do mero v Em siglas
  • Slide 21
  • Origem do Polmero para os homopolmeros prefixo poli seguido do nome do monmero. Ex: poliestireno Quando o nome do monmero uma expresso, esta deve estar contida entre parnteses. Ex: poli(metacrilato de metila).
  • Slide 22
  • para os copolmeros Sequncia irregular (desconhecida) copolmero aleatrio definido pela partcula co. Ex. poli[estireno-co-(metacrilato de metila)]. Sequncia regular (proporo conhecida) monmero de maior quantidade enunciado primeiro
  • Slide 23
  • Estrutura do mero pode apresentar vantagens ou no, conforme a complexidade do grupamento repetido. Um copolmero alternado pode ser considerado um homopolmero cujo mero seja originado de ambos os monmeros de partida. Ex: poli(tereftalato de etileno).
  • Slide 24
  • Pelo sistema de origem do polmero: copoli(cido tereftlico/glicol etilnico).Siglas Esse sistema utiliza abreviaes de denominaes usuais.
  • Slide 25
  • Exemplos: PE (polietileno) HDPE (polietileno de alta densidade) LDPE (polietileno de baixa densidade) LLDPE (polietileno linear de baixa densidade) UHMWPE (polietileno de altssimo peso molecular)
  • Slide 26
  • PMMA [poli(metacrilato de metila)] PA6 (poliamida 6) PVC [poli(cloreto de vinila)] PVAc [poli(acetato de vinila)] PET [poli(tereftalato de etileno)] ABS (terpolmero de acrilonitrila, butadieno e estireno) EVA (copolmero de estireno e acrilonitrila)
  • Slide 27
  • No caso das borrachas ou elastmeros dinicos, alm das denominaes cientficas, comum, industrialmente, serem empregadas siglas referentes aos monmeros e natureza elastomrica do produto. Exemplos: IR (borracha de poliisopreno) BR (borracha de polibutadieno)
  • Slide 28
  • CR (borracha de policloropreno), IIR (borracha de copolmero de isobutileno e isopreno) SBR (borracha de copolmero de butadieno e estireno) NBR (borracha de copolmero de butadieno e acrilonitrila)
  • Slide 29
  • NR borracha natural proveniente da seringueira, Hevea brasiliensis.
  • Slide 30
  • Alm dos sistemas de nomenclatura apresentados, so comuns expresses originadas de nomes comerciais de grande popularidade, como ocorre com as poliamidas, que recebem a denominao generalizada em Portugus de nilons, baseado na marca NYLON, que se tornou um substantivo comum.
  • Slide 31
  • Reaes de Polimerizao geralmente reaes em cadeia as molculas dos monmeros necessitam de um agente iniciador para que surja um centro ativo, que pode ser um radical livre ou on. Esse centro ativo vai adicionando, rpida e sucessivamente, outras molculas de monmeros, surgindo uma cadeia em crescimento, com um centro ativo em uma das extremidades.
  • Slide 32
  • agente de terminao interrupo do crescimento da cadeia por algum mecanismo (combinao, desproporcionamento ou transferncia de cadeia), surgindo um grupo terminal.
  • Slide 33
  • o encadeamento das unidades monomricas pode ser feito: cabea-cauda, cabea-cabea, cauda- cauda e mista.
  • Slide 34
  • Condies para uma micromolcula formar um Polmero estrutura qumica do monmero deve apresentar funcionalidade igual a 2 funcionalidade 2 polmero linear, com ou sem ramificaes, comportamento termoplstico. funcionalidade 3 polmero com ligaes cruzadas, apresentando estrutura reticulada, comportamento de termorrgido
  • Slide 35
  • Monmeros olefnicos mais importantes polme ro monmero substituintes R R R R PEEtileno H PPPropileno CH 3 H PS Estireno C6H5 C6H5 H BR Butadieno CH CH 2 H IRIsopreno C(CH 3 ) CH 2 H PVC Cloreto de vinila Cl H
  • Slide 36
  • Monmeros olefnicos mais importantes polme ro monmero substituintes R R R R CRCloropreno C(CCl) CH 2 H PAN Acrilonitrila CN H PAA cido acrlico COOH H PBA Acrilato de Butila COO C 4 H 9 H PVA c Acetato de vinila OCOCH 3 H PIB Isobutileno CH 3 H
  • Slide 37
  • A formao da cadeia polimrica contendo grupos ster ou amida pode ser alcanada atravs da reao de monmeros dicarbonilados, bifuncionais. As policondensaes com esses monmeros so importantes na construo de macromolculas especiais, conhecidas como polmeros de engenharia de alto desempenho - aplicao em peas de equipamentos de alta tecnologia