Click here to load reader

POLUIÇÃO DA ÁGUA Prof. Regis Romero. DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NO PLANETA

  • View
    104

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of POLUIÇÃO DA ÁGUA Prof. Regis Romero. DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA...

  • Slide 1
  • POLUIO DA GUA Prof. Regis Romero
  • Slide 2
  • DISTRIBUIO DA GUA NO PLANETA
  • Slide 3
  • O que est sendo feito com os corpos hdricos?
  • Slide 4
  • qualquer alterao nas caractersticas fsicas, qumicas e/ou biolgicas das guas, que possa constituir prejuzo sade, segurana e ao bem estar da populao e, ainda, possa comprometer a fauna ictiolgica e a utilizao das guas para fins recreativos, comerciais, industriais e de gerao de energia (CONAMA). qualquer alterao nas caractersticas fsicas, qumicas e/ou biolgicas das guas, que possa constituir prejuzo sade, segurana e ao bem estar da populao e, ainda, possa comprometer a fauna ictiolgica e a utilizao das guas para fins recreativos, comerciais, industriais e de gerao de energia (CONAMA). O QUE POLUIO HDRICA? O QUE CAUSA A POLUIO HDRICA? Crescimento populacional; Alto grau de urbanizao Crescimento populacional; Alto grau de urbanizao Desenvolvimento da indstria e seus despejos complexos; Desenvolvimento da indstria e seus despejos complexos; Aumento da produo agrcola, que resulta numa carga mais pesada de pesticidas e fertilizantes no ambiente. Aumento da produo agrcola, que resulta numa carga mais pesada de pesticidas e fertilizantes no ambiente.
  • Slide 5
  • Slide 6
  • Consuntivos (que retiram da gua) abastecimento humano dessedentao de animais indstria irrigao No consuntivos (que no retiram da gua) gerao de energia eltrica recreao/lazer harmonia paisagstica conservao da flora e fauna navegao pesca diluio de despejos Usos da gua
  • Slide 7
  • Distribuio do consumo de gua no planeta Fonte: WRI (1998).
  • Slide 8
  • Fontes poluidoras guas superficiais: Esgoto domstico; Esgoto domstico; Efluentes industriais; Efluentes industriais; guas pluviais, carreando impurezas do solo ou contendo esgotos lanados nas galerias; guas pluviais, carreando impurezas do solo ou contendo esgotos lanados nas galerias; Resduos slidos (lixo); Resduos slidos (lixo); Pesticidas; Pesticidas; Fertilizantes; Fertilizantes; Detergentes; Detergentes; Precipitao de poluentes atmosfricos (sobre o solo ou a gua); Precipitao de poluentes atmosfricos (sobre o solo ou a gua); Alterao nas margens dos mananciais, provocando carreamento do solo, como consequncias da eroso. Alterao nas margens dos mananciais, provocando carreamento do solo, como consequncias da eroso. guas subterrneas : Infiltrao de: esgotos a partir de sumidouros ou valas de infiltrao (fossas spticas); esgotos depositados em lagoas de estabilizao ou em outros sistemas de tratamento usando disposio no solo; esgotos aplicados no solo em sistemas de irrigao; guas contendo pesticidas, fertilizantes, detergentes e poluentes atmosfricos depositados no solo; outras impurezas presentes no solo; guas superficiais poludas; Vazamento de tubulaes ou depsitos subterrneos; Percolao do chorume resultante de depsitos de lixo no solo; Resduos de outras fontes: cemitrios, minas, depsitos de materiais radioativos.
  • Slide 9
  • F ONTES POLUIDORAS ou Pontual Descarga de efluentes a partir de indstrias e de estaes de tratamento de esgoto So bem localizadas, fceis de identificar e de monitorar Difusa Escoamento superficial urbano, escoamento superficial de reas agrcolas e deposio atmosfrica Espalham-se por toda a cidade, so difceis de identificar e tratar
  • Slide 10
  • Slide 11
  • Slide 12
  • Slide 13
  • Slide 14
  • CLASSIFICAO DA POLUIO HDRICA o Bacteriana -> Contato com dejetos humanos portadores de organismos patognicos, por via direta e por esgotos sanitrios. o Orgnica -> Recebimento de grande quantidade de matria orgnica, proveniente de esgotos domsticos ou industriais; o Qumica -> Presena de substncias provenientes de processos industriais, uso de pesticidas e de fertilizantes. o Radioativa -> Recebimento de descargas radioistopos de usinas nucleares. o Trmica -> Elevao da temperatura da gua aos receber despejos com temperatura elevada provenientes de destilarias, usinas atmica, etc.
  • Slide 15
  • Os esgotos domsticos, muitos tipos de resduos industriais, os dejetos agrcolas e especialmente os pecurios, so constitudos preponderantemente de matria orgnica, elemento que serve de alimento aos seres aquticos, sejam peixes, sejam bentos, plncton, bactrias, etc. quanto maior o volume de matria orgnica esgotos for lanado em um corpo dgua, maior ser o consumo (demanda) de oxignio usado na respirao dos seres aquticos (em especial, das bactrias decompositoras). Quando todo o oxignio se extingue, as bactrias e outros seres que dependem do oxignio para a respirao tambm so extintos e em seu lugar surgem outros seres microscpicos capazes de se alimentar e respirar na ausncia do oxignio. POLUIO ORGNICA
  • Slide 16
  • Diluio Diluio Sedimentao Sedimentao Estabilizao bioqumica Estabilizao bioqumica AUTODEPURAO DAS GUAS
  • Slide 17
  • CARACTERSTICAS DAS ZONAS DE AUTODEPURAO Zona de Degradao: Incio ponto de lanamento dos despejos; gua turva (cor acinzentada); Precipitao de partculas lodo no leito do corpo dgua; Proliferao de bactrias (consumo de matria orgnica); Reduo da concentrao de oxignio dissolvido; Limite da 1 zona concentrao de oxignio atinge 40% da concentrao inicial; No h odor; Presena de oxignio no permita a decomposio anerbia.
  • Slide 18
  • Zona de Decomposio Ativa: Incio oxignio atinge valores inferiores a 40% da concentrao de saturao; gua cor cinza-escura, quase negra; Bancos de lodos no fundo em ativa decomposio anaerbia; Desprendimento de gases mal cheirosos (amnia, gs sulfdrico, etc); Oxignio dissolvido pode zerar ou ficar negativo; Biota aerbia substituda por outra anaerbia; Ambiente ftido e escuro; Oxignio passa a ser reposto ar atmosfrico ou fotossntese; Populao de bactrias decresce; gua comea a ficar mais clara (ainda imprprio p/ os peixes); Fim da 2 zona oxignio elevar-se a 40% da conc. de saturao.
  • Slide 19
  • Zona de Recuperao: Incio 40% de oxignio de saturao; Trmino gua saturada de oxignio; gua mais clara e lmpida; Proliferao de algas que reoxigenam o meio; Amnia oxidada a nitritos e nitratos (+ fosfatos fertilizam o meio, favorecendo a proliferao de algas); Cor esverdeada intensa (alimento p/ crustceos, larvas de insetos, vermes, etc., que servem de alimentos p/ os peixes); Diversificao da biocenose.
  • Slide 20
  • Zona de guas Limpas: gua caractersticas diferentes das guas poludas; gua encontra-se eutrfica; No limpa, devido a presena das algas (cor verde); gua recuperou-se, melhorou suas capacidade de produzir alimento protico (piorou no quesito de potabilidade); Pssimo aspecto esttico; Grande assoreamento nas margens; Invaso de plantas aquticas indesejveis.
  • Slide 21
  • EUTROFICAO E EUTROFIZAO Eutroficao resultante da fertilizao das guas por despejos orgnicos domsticos ou industriais, despejos de resduos da agricultura, poluio do ar ou por afogamento da vegetao em represas (processo desencadeado pelo homem); Eutrofizao resultante da fertilizao das guas pelo escoamento das guas de chuva nos solos, que arrasta nutrientes para os corpos dgua (origem natural); Ambos os processos caracterizam-se pelo envelhecimento precoce de um corpo dgua, devido a grande quantidade de nutrientes.
  • Slide 22
  • Slide 23
  • Causa: lanamento de nutrientes na gua, principalmente nitrognio e fsforo (oriundos, principalmente, de esgoto domstico, efluentes industriais e fertilizantes); Reao em cadeia: crescimento excessivo de algas e plantas aquticas em um corpo dgua aumento de oxignio proliferao de pequenos animais que utiliza as algas como alimentos proliferao de peixes que se alimentam desses pequenos animais; Quebra do equilbrio ecolgico mais produo de matria orgnica do que o sistema capaz de assimilar; Aumento das algas alteraes qualitativas surgimento de novas espcies e desaparecimentos de outras; Estgio final (ecossistema agonizante) pouca profundidade, altos dficits de oxignio, organismos mortos flutuantes e grande quantidade de colches de algas. EUTROFICAO E EUTROFIZAO
  • Slide 24
  • mais comum em guas paradas (lagos, lagoas represas), pois no serem favorecidas pelas condues de cursos dgua como a velocidade de escoamento e turbidez; Problemas devido a proliferao excessiva de algas: Sabor e odor; Toxicidade; Turbidez e cor; Aderncia s paredes dos reservatrios e tubulaes (lodo); Prejuzos no tratamento da gua; Uso de tcnicas modernas para controle e correo dos efeitos da eutroficao alto investimento. EUTROFICAO E EUTROFIZAO
  • Slide 25
  • Problemas devido s plantas aquticas: Prejuzos aos usos navegao e recreao; Assoreamento; Reduo gradual do reservatrio; Cobertura da gua com diminuio da penetrao da luz solar; Entupimento de canalizaes e grades; Danos bombas e turbinas hidreltricas. EUTROFICAO E EUTROFIZAO
  • Slide 26
  • MEDIDAS DE CONTROLE DA POLUIO HDRICA Regularizao da vazo do rio; Adio de uma fonte qumica suplementar; Diagnstico ambiental; Aplicao de uma legislao eficaz; Tratamento dos despejos.
  • Slide 27
  • M EDIDAS PREVENTIVAS Implantao de Sistemas de Esgotamento Sanitrio e Estaes de Tratamento; Coleta e destino adequado do lixo; Controle da utilizao de fertilizantes e pesticidas; Controle da eroso; Modificaes no processo industrial e tratamento dos resduos industriais; Ordenamento do uso e ocupao do solo; Afastamento das fontes de poluio (disposio no solo a 1,50m do lenol, fossa seca a 15m de