Portfolio 2009

  • View
    216

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Personal portfolio

Text of Portfolio 2009

  • Portfolio

    2009

    Brbara Santos

    Audiovisual e Multimdia4/4 de um, 2008Micro-curta metragem experimental, 3Com a paticipao de Joana Ribeiro Santos e sonoplastia por Bernardo Drummond

  • Portfolio

    2009

    Brbara Santos

    Audiovisual e Multimdia Cuide de si! Cuide de todos!, 2009Spot publicitrio de 15Campanha de sensibilizao proposta Quercus para a necessidade de poupar gua

  • Portfolio

    2009

    Brbara Santos

    Audiovisual e MultimdiaSTILL LIFE, Simetria Assimtrica, 2009Sequncia interactiva, narrativa no linearCom a paticipao de Marta Pais e Henrique Branco

    Menu de navegao (em cima) e contedos de botes(em baixo). A sequncia constituda no total por 24 filmes de 1 cadaDisponivel on-line em www.assimetrica.weebly.com

  • Portfolio

    2009

    Brbara Santos

    Audiovisual e MultimdiaEscrevo um carta..., 2008Documentao de performanceCom a paticipao de Joana Ribeiro Santos

  • Portfolio

    2009

    Brbara Santos

    Design grficoRodo Rail logistic, 2007Conjunto de cartazes para a empresa Rodo RailPVC impresso, formato A2

  • Portfolio

    2009

    Brbara Santos

    jan tsch

    ichold (d

    esigner

    de tipo

    s,

    tipogra

    fo, aut

    or e pro

    fessor),

    nascido

    em

    1902 n

    a alema

    nha, c

    onsider

    ado po

    r

    muitos

    autores

    como o

    pai do

    movim

    ento

    que ma

    rcou o in

    cio da

    mentalid

    ade

    moder

    na em t

    ipografi

    a.

    os princ

    pios t

    cnicos d

    a nova

    tipogr

    afia

    so tod

    os norte

    ados pe

    la ideia

    de clare

    za.

    Entre o

    s ponto

    s abord

    ados po

    r Tschic

    hold

    relativo

    s com

    posio

    espacia

    l, os qu

    e

    mais in

    cluem o

    bserva

    es exc

    lusivam

    ente

    tipogr

    ficas s

    o: valor

    es relat

    ivos

    express

    ividade

    dos tip

    os; a or

    tografi

    a

    tradicio

    nal vers

    us a ma

    iscula

    e estud

    os

    relativo

    s man

    eira ide

    al de pr

    ojectar

    cartes

    de visit

    a e mat

    eriais p

    ublicit

    rios.

    tschicho

    ld levav

    a o fun

    cionalism

    o ao

    extremo

    , acredi

    tando

    ser o se

    ntido d

    as

    palavras

    o verda

    deiro re

    spons

    vel pela

    forma de

    um pro

    jecto, a

    ausnc

    ia de

    dinamis

    mo do

    eixo ce

    ntral inc

    omoda

    extrema

    mente t

    schicho

    ld, que a

    conside

    ra

    pretens

    iosa e a

    ntiquad

    a, por i

    mpor u

    ma

    rigidez a

    rtificial

    aos pro

    jectos.

    em opo

    sio

    a esta e

    sttica,

    ele pro

    pe qu

    e a form

    a

    derive

    sempre

    da fun

    o do te

    xto. par

    a

    atingir

    a comp

    osio i

    deal, se

    ria

    impresc

    indvel

    incorpo

    rar a as

    simetri

    a,

    dispens

    ar valor

    ao esp

    ao em

    branco

    ,

    explora

    r os con

    trastes

    e fazer

    uma

    utiliza

    o no i

    ntensiv

    a da cor

    .

    em 192

    5, com

    apenas

    23 ano

    s, publi

    ca o ma

    ni-

    festo

    Element

    are Typ

    ograph

    ie

    (tipogr

    afia ele

    mentar)

    , cuja b

    ase deu

    origem

    ao

    livro d

    ie neue

    typogr

    aphie,

    a sua

    principa

    l obra.

    die neu

    e typog

    raphie

    (a nova

    tipogr

    afia) fo

    i

    publica

    da em 1

    928, po

    ssivelm

    ente a

    melhor

    obra d

    o sculo

    XX sob

    re tipog

    rafia, f

    oi

    tambm

    a prim

    eira ob

    ra que c

    ompree

    ndeu as

    mudan

    as soc

    iais, ind

    ustriais

    e da

    comunic

    ao q

    ue estav

    am a ac

    ontece

    r, pela

    primeira

    vez um

    a obra r

    elaciona

    o desig

    n

    tipogr

    fico e e

    ditorial

    com as

    tendn

    cias art

    sti-

    cas e as

    necessi

    dades s

    ociais, a

    o mesm

    o temp

    o

    em que

    discute

    a com

    posio

    dos te

    xtos e a

    organiz

    ao d

    as pgin

    as.

    o contraste o elemento mais importante para o design grfico.

    jan tschichold

    cartaz

    tipog

    rafia

    1902 / 19742006

    CART O POSTAL

    o branco irradia luz central para todos os lados, fazendo com que as informaes impressas saltem aos olhos do leitor. o uso consciente do espao em branco fundamental, o sentido da forma justamente a contra-forma a seu redor. vazios e cheios tm igual importncia, uma vez que a rea no impressa justamente aquela que ilumina a rea impressa. o layout construdo tem como objectivo garantir de todas as formas a apreenso da mensagem pelo observador. o conceito de assimetria, ao contrrio do que possa parecer, no necessariamente uma afirmao limitadora por parte de tschichold. de certa forma, ele diz justamente o inverso: com a construo assimtrica o designer tem sua disposio uma gama variada de solues possveis para organizar a composio dos elementos na pgina.

    o branco irradia luz central para todos os lados, fazendo com que as informaes impressas saltem aos olhos do leitor. Outra recomendao essencial a utilizao de tipografias sem serifa, o acabamento nas extremidades dos caracteres visto como mais um rudo desnecessrio, em oposio limpeza das tipografias sem serifa. at mesmo as diferenas formais entre os caracteres caixa-alta e caixa-baixa era vista como excesso - o ideal seria uma composio toda em caracteres caixa-baixa. valores como serenidade e limpeza, provenientes neste tipo de composio, tornariam mais fcil o processo de leitura, entre os caracteres em caixa baixa h maior diferena formal do que entre aqueles em caixa alta, um texto composto exclusivamente em maisculas, por exemplo, seria bem mais difcil de ler do que o contrrio, visto a ausncia das linhas descendentes e ascendentes que existeem alguns caracteres caixa baixa.

    pione

    iro da

    tipog

    rafia

    mode

    rna

    15 nov

    2006

    universi

    dade de

    lisboa

    faculdad

    e de bel

    as-artes

    exposi

    o

    vida e o

    bra

    Design grficoJan Tschichold, 2006Cartaz para exposiaoPapel, formato A2

    Design grficoJan Tschichold, 2006Desdobrvel aberto (exterior e interior)Papel, formato A3

  • Portfolio

    2009

    Brbara Santos

    actum a nobis pueris est, et quidem fedulo Angele; quod meminiffe te certo fcio; ut fructus studiorum nostrorum, quos ferebat illa aetas n tam maturos, q uberes, fem

    perubi aliquos promeremus: nam frue dolebas aliquid, frue gaudebas; quae duo funt tenerorum animorum maxime propriae affectiones; continuo habebas aliquid a me, quod legeres, uel gratulationis, uel consolationis; imbecillum tu quidem illud, et tenue; sicuti nascentia omnia, et incipientia; fed tamen quod effet satis amplum futurum argumentum amoris summi erga te mei. Verum postca, q annis crescentibus et studia, et rudicium increuere; nsq; totos tradidimus graecis magistris erudiendus; remiffiores paulatim facti fumus ad scribendum, aciam atiam minus quotidie audentiores.

    PETRI BEMBI DE AETNA AD ANGELUM CHABRIELEM LIBER.

    F[Aldo Manuzio, pgina do livro De Aetna (Sobre o Etna), de Pietro Bembo, Veneza, 1496.]

    began printing books with the hope of producing some

    which would have a definite claim to beauty, while at

    the same time they should be easy to read and should

    not dazzle the eye, or trouble the intellect of the

    reader by eccentricity of form in the letters. I have always been a

    great admirer of the calligraphy of the Middle Ages, & of the

    earlier printing which took its place. As to the fifteenth-century

    books, I had notice that they were always beautiful by force of the

    mere typography, even without the added ornament, with which

    many of them are lavishly supplied. And it was the essence of my

    undertaking to produce books which it would be a pleasure to look

    William Morris, Note by William Morris on His Aims in Founding the Kelmscott Press, Londres, 1898.

    NOTE BY WILLIAM MORRIS ON HIS AIMS

    IN FOUNDING THE KELMSCOTT PRESS

    upon as pieces of printing and arrangement of type.

    I

    Design grficoManifestos, 2006Papel, formato A2Cartazes sobre movimentos artsticos na histria do design

    O minimal foi um processo muito fugaz. Entre 1963 e 1969, den-iu-se uma problemtica nova, que se traduziu num processo de questionamento sobre o estatuto do objecto no espao concreto da sua apresentao e o papel do observador. Foi um processo central para muitas das mudanas posteriores, muito mais importante do que o estabelecimento de uma qualquer linguagem das formas puras ou de um novo geometrismo. Nesse sentido, esta exposio centra-se numa leitura de um conjunto de obras da Coleco Berardo, na tentativa de situar o ncleo central de obras minimais (obras de Dan Flavin, Donald Judd, Sol LeWitt e Carl Andre) em relao aos seus referenciais e aos seus desenvolvim-entos posteriores a partir da ideia de localizao especca. Este aspecto ser o o condutor da exposio, partindo de uma ideia simples: o carcter mais marcante do trabalho do conjunto de ar