Proteinas APS

  • View
    24

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Proteinas

Transcript

19

UNIVERSIDADE PAULISTA

CURSO DE NUTRIO

APS ATIVIDADES PRTICAS SUPERVISIONADAS

SO PAULO2014ALEXANDRE RICARDO BRITO DE OLIVEIRA - R.A: C357BF-5ELIANE DELFINO DA SILVA - R.A: C1337H-6JESSICA ALVES DE SOUZA - R.A: C130IF-1JULIANA OLIVEIRA DE SOUZA - R.A: C16CDJ-0LILIANE NASCIMENTO GUARINO - R.A: C338DH-1MUNIQUE LOPES - R.A: C341CJ-1RUTE DE LIRA AZEVEDO R.A: C26415-6

PROTENAS

Atividades Prticas Supervisionadas trabalho apresentado como exigncia para a avaliao do segundo bimestre, em disciplinas dos 2/1 semestres, do curso de NUTRIO da Universidade Paulista sob orientao da Prof. Denise Langanke Santos.

SO PAULO2014RESUMO

Protenas so compostos orgnicos de alto peso molecular, formadas pelo encadeamento de aminocidos. Representam aproximadamente de 50% a 80% do peso seco da clula, sendo portanto, o composto orgnico mais abundante de matria viva. Esto presentes em diversos tipos de alimentos e quando ingeridas, so absorvidas e participam em praticamente todos os processoscelulares, desempenhando um vasto conjunto de funes no organismo. So encontradas em alimentos de origem animal, consideradas completas, e alimentos de origem vegetal, consideradas incompletas, motivo pelo qual as protenas tem sido um tema polmico entre especialistas sobre os hbitos alimentares adotado por diferentes grupos sociais como os vegetarianos. Este trabalho tem como objetivo apresentar as caractersticas estruturais, funcionais e nutricionais das protenas, alm de esclarecer a importncia para os profissionais de nutrio, no conhecimento sobre a questo do valor biolgico, afim de orientar e elaborar dietas adequadas para suprir s necessidades nutricionais dos indivduos, especialmente para adeptos das dietas vegetarianas.

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Estrutura de um aminocido.8Figura 2 - Tabela de aminocidos.9Figura 3 - Ligao peptdica.14Figura 4 - Protenas globulares e fibrosas.15Figura 5 - Estruturas das protenas.16Figura 6 - Estruturas tridimensionais das protenas.17Figura 7 - Estrutura primria das protenas.17Figura 8 - Estrutura secundria das protenas.18Figura 9 - Estrutura terceria das protenas.19Figura 10- Estrutura das hemcias.19Figura 11- Pirmide Alimentar Adaptada.25

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ADH - Hormnio Antidiurtico ou VasopressinaAIDS - Sndrome da Imunodeficincia AdquiridaCOOH - Grupo Funcional Carboxila.CRN-3 - Conselho Regional de Nutricionistas SP-MSCelula T - Glbulos BrancosDNA - Deoxyribonucleic Acid (cido Desoxirribonuclico)DRI - Dietary Reference Intakes (Ingesto Diria Recomendada)FNA - Fator Natriurtico AtrialHDL - High Density Lipoproteins (lipoprotenas de alta densidade)IDR - Ingesto Diria RecomendadaKcal - QuilocaloriaLDL - Low Density Lipoproteins (lipoprotenas de baixa densidade)Na+ - SdioNPY - Neuropeptideo YNH2 - Grupo AminaONU - Organizao das Naes UnidasR - RadicalRDA - Recommended Dietary Allowances (recomendaes de ingesto diria)RNA - Ribonucleic Acid (cido ribonucleico)UNEP- Programa das Naes Unidas para o Meio Ambiente

LISTA DE SMBOLOS

% - Percentual - Alfa

SUMRIO

1.INTRODUO62.PROTENAS82.1Os Aminocidos e a Constituio das Protenas82.2As Principais Funes dos Aminocidos102.3Peptdeos e Polipeptdeos132.4Organizao Estrutural das Protenas162.5Funo das Protenas202.6Valor Nutricional das Protenas222.7Digestibilidade243ALIMENTOS FONTE253.1Pirmide Alimentar254NECESSIDADES DIETTICAS284.1Recomendaes Diria - RDA/DRI285CONSIDERAES FINAIS30REFERNCIAS:32ANEXO 1..33ANEXO 2..34ANEXO 3..35ANEXO 4..36ANEXO 5..37

1. INTRODUO

Existe uma relao direta entre nutrio, sade e qualidade de vida. As pesquisas comprovam que uma alimentao saudvel tem um papel fundamental na promoo da sade e at mesmo no tratamento de doenas. (PHILIPPI, 1999). H milhares de anos Hipcrates dizia: que teu alimento seja teu remdio, e que teu remdio seja teu alimento (HIPCRATES). Os alimentos possuem nutrientes, que aps o processo de digesto, so utilizados pelo organismo para seu desenvolvimento, manuteno e funcionamento, alm de fornecerem energia. Esto divididos em macronutrientes (carboidratos, protenas e gorduras) e micronutrientes (vitaminas, minerais, gua e fibras). Todos os nutrientes so essenciais e cada um tem um papel fundamental para o organismo. Assim, no podemos dizer que um nutriente seja mais ou menos importante que o outro.As protenas so um macronutriente constitudas por uma ou mais cadeias de aminocidos. Seu nome deriva da palavra Grega proteios, que significa de principal importncia. Encontram-se milhares de protenas diferentes no nosso organismo, e cada uma delas tem um papel diferente e essencial. Hormonas, como a insulina, que controlam o acar sanguneo; enzimas, como as amilases, lipases e proteases que so cruciais na digesto dos alimentos; anticorpos, que nos ajudam a combater as infeces, protenas musculares, que nos permitem a contrao, alm de estarem envolvidas nosprocessosde coagulao sangunea, transportam substancias no nosso organismo, entre outros. Assim, as protenas so efetivamente essenciais vida! (FOGAA, 2008)As protenas so compostas por vinte tipos diferentes de aminocidos, dos quais oito no so sintetizados pelo organismo humano, chamados essenciais, que devem ser obtidos atravs da alimentao. (SILVA, 2007)As protenas esto disponveis em alimentos de origem animal e vegetal, sendo as de origem animal consideradas de alto valor biolgico, pois apresentam em sua composio todos os aminocidos essenciais em quantidade adequada para atender as necessidades dos seres humanos, enquanto as de origem vegetal, de baixo valor biolgico, devido a escassez de um ou mais aminocidos essenciais, razo pela qual as dietas vegetarianas tem sido alvo de muitas crticas e discusses entre profissionais de nutrio. Contudo, vrios estudos tem apontado para as vantagens da dieta vegetariana na preveno de doenas crnicas no transmissveis. Tambm o primeiro foi o relatrio do UNEP (Programa das Naes Unidas para o Meio Ambiente) ambiental Priority Products and Materials, de 2010, em que se recomendava que a humanidade se afastasse do consumo de alimentos de origem animal como forma de diminuir os impactos ambientais de sua alimentao. (COUCEIRO, SLYWITCH, LENZ, 2008). Esses fatos destacam a importncia do profissional de nutrio em conhecer os princpios das dietas vegetarianas, com nmero de adeptos atualmente significativo e crescente em todo o mundo, na expectativa de que, com base em evidncias cientficas, possam orientar e elaborar dietas adequadas, com ateno especial para a questo da qualidade nutricional das protenas vegetais, garantindo atravs da alimentao, a obteno de quantidades adequadas de aminocidos essenciais para suprir s necessidades nutricionais dos indivduos adeptos das dietas vegetarianas.

2. PROTENAS

2.1 Os Aminocidos e a Constituio das Protenas

As protenas esto presentes em todas as clulas e tecidos do nosso corpo. Podemos encontra-las nos msculos, ossos, cabelos, unhas e pele, constituindo 20% do peso corporal total. So os compostos orgnicos mais comum em um organismo, os mais abundantes depois da gua e tambm os de maior variedade molecular. Esto presentes em todas as estruturas celulares, desde a membrana at o ncleo, tambm nas substncias intercelulares, hormnios, anticorpos, etc. (SILVA, 2007)Quimicamente, as protenas so polmeros de alto peso molecular, cujas unidades bsicas so os aminocidos, ligados entre si atravs de ligaes peptdicas. As propriedades de uma protena so determinadas pelo nmero e espcie de aminocidos, tambm por sua sequncia na molcula. Nem todos os aminocidos participam necessariamente de uma protena, mas na grande maioria esses compostos contm na molcula grande quantidade de um mesmo aminocido. Alguns aminocidos so encontrados em poucas protenas, porm em concentraes elevadas. o caso da hidroxiprolina, pouco distribuda na natureza, mas constituindo em torno de 12% da estrutura do colgeno Estruturalmente, cada aminocido formados por um grupamento carboxila (COOH), um grupamento amina (NH2) e radical (R) que determina um dos vinte tipos de aminocidos. (fig.1) Figura 1 - Estrutura de um aminocido.

Fonte: Brasil Escola, 2014.A cadeia lateral R determina as propriedade de cada aminocido. Essencialmente, apenas 20 tipos de aminocidos so responsveis por produzir todas as protenas, seja qual for a forma de vida. (fig.2). (ALVES, 2007)

Figura 2 - Tabela de aminocidos.

Fonte: Info Escola, 2011.

2.2 As Principais Funes dos Aminocidos

Cada um dos vinte aminocidos possui diferentes funes no organismo, como por exemplo influenciar em nosso humor, concentrao, agressividade, ateno, sono e desejo sexual. Abaixo apresentam se algumas funes:cido Asprtico: aumenta a resistncia e bom para fadiga crnica e depresso, rejuvenesce a atividade celular, a formao de clulas e metabolismo, dando-lhe uma aparncia mais jovem, protege o fgado, ajudando a expulso de amnia. Este aminocido tambm ajuda a facilitar o movimento de certos minerais atravs do sangue.cido Glutmico: atua como um neurotransmissor excitatrio no sistema nervoso central, crebro e espinal medula. um aminocido importante no metabolismo dos acares e gorduras, ajuda no transporte de potssio no lquido cefalorraquidiano, atua como combustvel para o crebro, ajuda a corrigir perturbaes de personalidade e utilizado no tratamento da epilepsia, retardo mental, distrofia muscular e lceras.Arginina: Este aminocido considerado um Viagra natural, aumentando o fluxo sanguneo para o pnis. Retarda o crescimento de tumores e cancro, melhorando o sistema imunitrio, aumenta o tamanho e atividade da glndula timo, que produz as clulas T, componentes essenciais do sistema imunolgico. Ajuda na desintoxicao do fgado por amonaco neutralizante, reduz os efeitos de toxicidade crnica de lcool. Auxilia na perda de peso, uma vez facilita um aumento da massa muscular e diminuio da gordura corporal. Ta