Questionamento Ponto a Ponto RIMA URE Barueri Carapicuiba Santana de Parnaiba

Embed Size (px)

Text of Questionamento Ponto a Ponto RIMA URE Barueri Carapicuiba Santana de Parnaiba

  • Projeto URE de Barueri Tratamento Trmico de Resduos Slidos Urbanos para Gerao de Energia

    RIMA Pgina: Capa

    Observao

    Referncia

    A rota tecnolgica da incinerao no a mais eficiente1 para a administrao municipal e nem a que melhor promove o desenvolvimento nacional sustentvel2

    Onde o estudo comparativos das rotas tecnolgicas luz dos objetivos e diretrizes da Poltica Nacional de Resduos Slidos, Lei Nacional de Saneamento e Poltica Nacional de Mudanas Climticas que comprova luz de critrios sociais, econmico/financeiros, sanitrios e ambientais, que a rota incinerao + aterro a mais benfica para Barueri, Carapicuba e Santana de Parnaba?

    1 CF - Art. 37. A administrao pblica direta e indireta de qualquer dos Poderes da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios obedecer aos princpios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficincia 2 - Lei de licitaes 8666, artigo 3: a licitao destina-se a garantir (...) a seleo da proposta mais vantajosa para a administrao e a promoo do desenvolvimento nacional sustentvel.

    1

  • utilizando a URE como destino final para o lixo domstico, sero implantados programas de aumento da coleta seletiva

    RIMA Pgina: 7

    Observao

    Referncia

    A incinerao um obstculo ampliao dos programas de coleta seletiva. No faz parte da equao econmica do incinerador a maximizao da captao de resduos secos para obteno de poder calorfico? A incinerao e a coleta seletiva no competem pelos mesmos resduos? A necessidade de potencial calorfero para a incinerao (PCI), conferido essencialmente por papel, papelo, e embalagens plsticas, torna a reciclagem um obstculo ao prprio modelo econmico do incinerador; quanto mais reciclados forem jornais, papis e embalagens, menos lucrativo ser os incinerador e maior ser o custo de garantia econmica para o poder pblico, ou seja, para o contribuinte; 60% dos materiais recuperados no Brasil por programas de coleta seletiva inclusive os que integram catadores - so papis, papeles e plsticos1.

    1 -Pesquisa Ciclosoft, CEMPRE, 2010; disponvel em http://www.cempre.org.br/ciclosoft_2010.php

    2

  • utilizando a URE como destino final para o lixo domstico, sero implantados programas de aumento da coleta seletiva

    RIMA Pgina: 7

    Observao

    Referncia

    A incinerao um obstculo ampliao dos programas de coleta seletiva. A caracterstica industrial dos incineradores e o alto custo dessas usinas impem um modelo de negcios no longo prazo. O setor pblico precisar garantir sua alimentao por pelo menos 30 anos; os municpios de Barueri, Carapicuba e Santana de Parnaba com a implantao do incinerador estaro se comprometendo a no reciclar uma boa quantidade de resduos secos por todo o perodo de operao (30 anos) afrontando a PNRS- para manter a demanda de abastecimento do incinerador. A Frana, por exemplo, recentemente se viu criticada por ter que importar lixo seco da vizinha Alemanha, para manter em funcionamento alguns de seus incineradores .

    1 -Pesquisa Ciclosoft, CEMPRE, 2010; disponvel em http://www.cempre.org.br/ciclosoft_2010.php

    3

  • Atualmente, esse tipo de tratamento (URE) est presente em diversos pases como Estados Unidos, Blgica, Inglaterra, Espanha, Itlia e Cingapura, sendo que algumas esto em operao h mais de 30 anos.

    RIMA Pgina: 13

    Observao

    Referncia

    Esse tipo de tratamento no se expande nos EUA desde 1995 e a rota tecnolgica que mais se expande na Europa a da reciclagem associada biodigesto/compostagem .

    O volume de resduos destinados coleta seletiva e a compostagem cresceu na comunidade europeia nos ltimos quinze anos quase 3 vezes mais que a incinerao; e desde 1995 no se construiu um nico incinerador nos EUA, segundo estudo1 recm entregue pela Fundao de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Federal de Pernambuco ao BNDES.

    1 - Pesquisa Cientfica BNDES FEP no 02/2010 - contrato 11.2.0519.01 - Anlise das diversas tecnologias de tratamento e disposio final de resduos slidos no Brasil, Europa, Estados Unidos e Japo

    4

  • Em ltima anlise, a URE converte o lixo em energia eltrica.

    RIMA Pgina: 13

    Observao

    Referncia

    Em ltima anlise no so aceitveis os custos sociais e econmicos e os riscos sanitrios e ambientais de converter o lixo em energia eltrica pela incinerao.

    O aproveitamento da energia contida nos resduos bem maior pela reciclagem que pela incinerao1, que destri a matria orgnica que poderia revitalizar o solo; a incinerao a rota tecnolgica que mais produz GEE2, que menos gera postos de trabalho por unidade de lixo processada3, apresenta riscos sanitrios e ambientais indesejados4,5 e maiores custos econmicos (onde o estudo comparativo da melhor rota tecnolgica?)

    1 - WASTE MANAGEMENT AND ENERGY SAVINGS: BENEFITS BY THE NUMBERS. Anne Choate, Lauren Pederson, Jeremy Scharfenberg, ICF Consulting, Washington DC. Henry Ferland, U.S. Environmental Protection Agency, Washington DC 2- WASTE MANAGEMENT OPTIONS AND CLIMATE CHANGE. Final report to the European Commission, DG Environment. Alison Smith; Keith Brown; Steve Ogilvie; Kathryn Rushton; Judith Bates; July 2001; AEA Technology; 3- Disponvel em http://www.ilsr.org/recycling/recyclingmeansbusiness.html; Institute for Local Self-Reliance, 1997 4- Statement of Evidence; Particulate Emissions and Health; Proposed Ringaskiddy; Waste-to-Energy Facility; Professor C. Vyvyan Howard MB. ChB. PhD. FRCPath.; June 2009 5- Systematic review of epidemiological studies on health effects associated with management of solid waste Daniela Porta, Simona Milani, Antonio I Lazzarino, Carlo A Perucci and Francesco Forastiere, disponvel em http://www.ehjournal.net/content/8/1/60

    5

  • Em ltima anlise, a URE converte o lixo em energia eltrica.

    RIMA Pgina: 13

    Observao

    Referncia

    Em ltima anlise no so aceitveis os custos sociais e econmicos e os riscos sanitrios e ambientais de converter o lixo em energia eltrica pela incinerao.

    A gerao de energia eltrica a partir da incinerao de resduos o mais ineficiente dos sistemas de recuperao de energia. Do ponto de vista do aproveitamento energtico de resduos slidos, a reciclagem dos resduos secos combinada digesto anaerbia dos resduos midos superior da reciclagem associada ao aproveitamento de gs de aterro e este, por sua vez, superior da reciclagem associada incinerao1.

    1 - NOTA TCNICA DEN 06/08 Avaliao Preliminar do Aproveitamento Energtico dos Resduos Slidos Urbanos de Campo Grande, MS; Ministrio das Minas e Energia, Empresa de Pesquisa Energtica, Rio de Janeiro, novembro de 2008;

    6

  • A cinza resultante da queima ser depositada em aterro sanitrio

    RIMA Pgina: 13

    Observao

    Referncia

    Onde sero dispostos os resduos perigosos gerados no processo de incinerao1? Quanto melhor for o controle de poluio do ar, mais txica se torna a cinza que pode conter metais txicos e dioxinas; Essas cinzas exigem acondicionamento e tratamento adequados em funo de sua toxidade2

    1 - Resoluo CONAMA 316/2002 Art. 43. Todo material no completamente processado dever ser considerado resduo e ser submetido a tratamento trmico. 1o As cinzas e escrias provenientes do processo de tratamento trmico, devem ser consideradas, para fins de disposio final, como resduos Classe I - Perigoso. 2o O rgo ambiental poder autorizar a disposio das cinzas e escrias como resduos Classe II (no perigoso, no inerte) e Classe III (no perigoso, inerte), se comprovada sua inertizao pelo operador. 2 -FINANCIAMENTO TECNOLOGIA SUJA O BANCO MUNDIAL E A INCINERAO. Neil Tangri. Disponvel em http://www.essentialaction.org/waste/bankrolling/summary_portuguese.htm

    7

  • A URE contar com um eficiente sistema de tratamento de gases, acoplado diretamente na sada dos gases da caldeira, a fim de garantir que as emisses geradas pela queima do lixo atendam aos padres exigidos pela legislao vigente.

    RIMA Pgina: 13

    Observao

    Referncia

    Os padres exigidos pela legislao vigente so permissivos face aos recomendados pela OMS Pelos padres usados at hoje pela CETESB (So Paulo 25/05/2011), a quantidade tolervel de poeira respirada em um dia de at 150 microgramas por metro cbico. O novo padro estabelece na primeira etapa 120. Na segunda, daqui a trs anos, sero 100 microgramas por metro cbico. Na terceira, sem prazo determinado, ficar em 75. Mas a Organizao Mundial da Sade (OMS) considera aceitvel um nvel bem menor, de at 50 microgramas por metro cbico (...) com os nveis mais rgidos em vigor, o nmero de ocorrncias de ar inadequado pela presena de um dos principais poluentes - o material particulado (MP) - deve explodir. Se em 2008 e 2009 j valessem os novos limites, a Regio Metropolitana teria registrado 1.855 ocorrncias de ar inadequado, que provoca riscos sade da populao. No padro atual, no entanto, s foram trs registros.

    Fonte: http://www.afeevas.org.br/exibe_noticia.php?news=48

    8

  • A URE contar com um eficiente sistema de tratamento de gases, acoplado diretamente na sada dos gases da caldeira, a fim de garantir que as emisses geradas pela queima do lixo atendam aos padres exigidos pela legislao vigente.

    RIMA Pgina: 13

    Observao

    Referncia

    O sistema de tratamento de gases NO eficaz, segundo admite o prprio RIMA, no mnimo para os Nox (associados efeitos adversos na sade respiratria).

    O incinerador ir emitir por pelo menos 30 anos compostos persistentes, bioacumulativos e txicos? Quais so eles?

    H monitoramento sistemtico da bacia atmosfrica da rea de influencia do empreendimento para todos esses compostos?

    No h incinerador que no lance na atmosfera algum tipo