Revista Capital 27

  • View
    155

  • Download
    9

Embed Size (px)

Transcript

TURISMO Maputo vai ter Carta Econmica

PORTUGAL Cnsul: Investe-se num pouco de tudo

PONTO DE MIRA Blocos de integrao vitais aos mercados financeiros

Publicao mensal da S.A. Media Holding . Maro de 2010 . 60 Mt . 350 Kwz . 25 Zar . 4 USD . 3,5 EUR

O calcanhar de Aquiles da Economia

Economys Aquiles heelRevista Capital 1

N27 . Ano 03

OPINO

tdm

2 Revista Capital

CTA

Revista Capital 3

4 Revista Capital

EditorialO cordo umbilicalnomenclatura scio econmica tem coisas que a razo (e o cidado comum), s vezes, tm dificuldade em compreender. H os pases de economia emergente, os pases em vias de desenvolvimento, os pases desenvolvidos, os ditos desenvolvidos e at j se falou em pases do terceiro mundo e de outros mundos, no paralelos, mas bem reais e com problemas concretos que urge resolver. Moambique estar num dos casos anteriormente citados e, como todos os pases, procurar atingir o patamar superior e afastar-se cada vez mais do estdio inferior. Neste preciso momento discute-se o Oramento Geral de Estado e, como em quase todos os anos, faz-se apelo ao velho aforismo de: cada cabea sua sentena. Para uns a culpa do governo que no governou bem nos anos anteriores e no transmitiu confiana aos doadores, enquanto que, para outros, a culpa destes porque colocam a fasquia demasiado alta e se intrometem na gesto do pas enquanto se deviam apenas preocupar com a vigilncia da correcta aplicao dos seus fundos. Estes ltimos esquecem-se que muito difcil estabelecer a fronteira entre superviso de investimento de Estado e intromisso em assuntos de Estado. Afinal, quando se d e quando se recebe, uma coisa essencial, a confiana mtua. O Oramento Geral do Estado continua a contar com uma percentagem bastante elevada de fundos provenientes da doao de pases terceiros e estes, antes de se entenderem com o pas alvo das suas atenes, devem entender-se primeiro entre si e falar a uma s voz. Foi justamente no dealbar destas negociaes que se verificou a visita oficial do Primeiro Ministro portugus a Moambique e que, pela dimenso da comitiva e importncia dos dossiers em anlise, se revelou um acontecimento de monta nas relaes entre os dois pases. Moambique e Portugal mesmo se nunca viveram realmente de costas voltadas, terse-o inmeras vezes encarado de esguelha, com um olhar oblquo e deixaram escapar algumas oportunidades de aproveitar o facto de falarem a mesma lngua e estarem umbilicalmente ligados nascena, mesmo se o corte do cordo se possa ter revelado difcil de realizar e traumatizante na sequncia. Armando Guebuza e Jos Scrates trabalharam bastante em conjunto, assim como as respectivas delegaes. Os memorandos que estiveram sobre a mesa abordam questes econmicas mas no s; da cooperao militar cultural, da educao s preocupaes com as alteraes climticas, os dois pases manifestaram abertamente a vontade de continuarem na senda do entendimento e do progresso, na continuidade, alis, do que se verifica j nos ltimos anos. Portugal ser actualmente um dos principais pases parceiros de Moambique, no aspecto econmico, e poder s-lo tambm em outras reas da sociedade que, embora no paream primeira vista, podero revelar-se cruciais no futuro.

A

Ricardo Botas

ricardo.botas@capital.co.mz

Ficha TcnicaPropriedade e Edio: Southern Africa Media Holding, Lda., Capital Magazine, Rua da S, 114 3. andar, 311 / 312 Telefone/Fax +258 21 329337 Tel. +258 21 329 338 revista.capital@capital.co.mz Director Geral: Ricardo Botas ricardo.botas@capital.co.mz Directora Editorial: Helga Neida Nunes helga.nunes@capital.co.mz Redaco: Arsnia Sitoe; Srgio Mabombo sergio.mabombo@capital.co.mz Secretariado Administrativo: Mrcia Cruz revista.capital@capital.co.mz ; Cooperao: CTA; Ernst & Young; Ferreira Rocha e Associados; PriceWaterHouseCoopers, ISCIM, INATUR Colaboradores: Ednilson Jorge; Ftima Mimbire Colunistas: Antnio Batel Anjo, Benjamin Bene, E. Vasques; Edgar Baloi; Federico Vignati; Fernando Ferreira; Gonalo Marques (Ferreira Rocha & Associados); Hermes Sueia; Joca Estvo; Jos V. Claro; Leonardo Jnior; Levi Muthemba; Manuel Relvas (Ernst & Young); Maria Uamba; Mrio Henriques; Nadim Cassamo (ISCIM/IPCI); Nelson Sate; Paulo Deves; Ragendra de Sousa, Rolando Wane; Rui Batista; Samuel Zita, Sara L. Grosso Fotografia: Helga Nunes (Capa), Joca Faria; Luis Muianga; Sara Diva; 999 Ilustraes: Marta Batista; Pinto Zulu; Raimundo Macaringue; Rui Batista; Vasco B. Design e Grafismo: SA Media Holding Departamento Comercial: Neusa Simbine neusa.simbine@capital.co.mz; Mrcia Naene marcia.naene@capital.co.mz Impresso: Magic Print Pty, Jhb Distribuio: Ana Cludia Machava - ana.claudia@capital.co.mz; Nito Machaiana nito.machaiana@capital.co.mz ; SA Media Holding; Mabuko, Lda. Re-gisto: n. 046/GABINFO-DEC/2007 - Tiragem: 7.500 exemplares. Os artigos assinados reflectem a opinio dos autores e no necessariamente da revista. Toda a transcrio ou reproduo, parcial ou total, autorizada desde que citada a fonte.

Revista Capital 5

SumrioPORtugal

12

Investe-se num pouco de tudoQuem so, como vivem, onde investem as comunidades estrangeiras que escolheram Moambique como terra de trabalho e vivncia? Um novo espao peridico na Revista CAPITAL que se inicia com uma entrevista Cnsul Geral de Portugal em Maputo, Graa Gonalves Pereira realizada a poucos dias da visita do Primeiro Ministro Portugus ao territrio moambicano.

tuRISmO

17

Carta Econmica do Turismo Promove inteligncia de mercadoDiversas instituies sediadas em Maputo resolveram criar o Grupo Consultivo de Turismo da Cidade de Maputo e pretendem que se transforme num organismo inovador que ir divulgar as potencialidades tursticas desta metrpole. Srgio Mabombo entrevistou Quirin Laumans, director da Organizao Holandesa para o Desenvolvimento que integra o grupo agora criado.

ENtREvISta

24

As pedras no sapato da economiaOs desafios de ordem econmica que Moambique enfrenta, entre o impacto da crise econmica e diante da recuperao dos seus ndices de desenvolvimento, servem de pano de fundo grande entrevista que Helga Nunes realizou a Joo Mosca, doutorado em economia e agrria e sociologia rural e onde este reflecte sobre a actualidade do pas e aponta problemas e solues.

14

PORtugal

23

EfEItO COlatERal

Sofid garante euros para MoambiqueAs divisas constituem um dos elementos preponderantes para o desenvolvimento da economia de qualquer pas. Aproveitando a visita do Primeiro Ministro Portugus a Moambique foi rubricado um protocolo que institui o fundo luso-moambicano para apoio aos investimentos de Portugal em Moambique e nesse mbito que a Sofid pretende exercer a sua actividade. 6 Revista Capital

Nmeros que nos desafiamHelga Nunes compilou relatrios, analisou documentos, investigou decises e prope-nos uma reflexo sobre diversos nmeros relacionados com a economia de Moambique e com projectos de desenvolvimento que nem sempre, no seu incio, mostram todo o seu potencial.

34

ambIENtE

Hora do planeta estreia em MoambiqueO Fundo Mundial para a Natureza (WWF) vai implementar pela primeira vez em Moambique neste ms de Maro, a Hora do Planeta, a exemplo do que j acontece em mais de 4 mil cidades espalhadas por todo o mundo. Florncio Marerua, presidente do WWF Moambique explica o que representa esta iniciativa que visa essencialmente reduzir o impacto do aquecimento global.

40

fISCalIdadEA tributao das mais-valias auferidas por entidades no residentesCludia Ado, consultora na empresa PricewaterhouseCoopers efectua neste nmero uma breve abordagem a este assunto onde se debrua sobre o conceito que o abrange e sobre a prpria determinao das mais-valias. Um tema sempre interessante numa economia como a moambicana onde inmeras sociedades no residentes e prestatrias de servios exercem a sua actividade.

48

OPINIOAngola, um pas de contrastesOs contrastes que se deparam ao visitante que demanda Angola, suas terras e suas gentes, aqui apresentados por Carlos Ferreirinha, presidente da MCF, Consultoria & Conhecimento, especializada nas ferramentas do Luxo e Premium, com actuao no Brasil e Amrica Latina.

50

EStIlOS dE vIda

Do cinema aos livros, passando pela msica de Lhasa de Sela, pela arquitectura, pelo filme Invistus e por um arroz de pato de se lhe tirar o chapu, tudo isso encontra nos estilos de vida, alm de uma fotolegenda que tem muito que lhe diga e que requer mais ateno destes publicitrios que, desta vez, so mesmo uns exagerados.

Revista Capital 7

bOlSa dE valORES

CapitoonEM ALTAPORTUGAL. Governo portugus duplica crdito para o Banco Luso Moambicano de Investimentos, no mbito do fortalecimento das suas relaes econmicas com Moambique. Neste contexto, ser criado, em Moambique, o Banco Luso Moambicano de Investimentos (BLMI). Para o efeito, o ministro moambicano das Finanas, Manuel Chang, e o presidente da Caixa Geral de Depsitos (CGD), Fernando Faria Oliveira, assinaram um memorando de entendimento, que visa o segundo aditamento linha de crdito concessional celebrada em Julho de 2008, entre o Governo moambicano e a CGD. O aditamento amplia a linha de crdito dos anteriores 200 milhes de euros para um montante mximo de 400 milhes de euros.

FRICA DO SUL. A economia sul-africana dever crescer 2,3% este ano e 3,6% em 2011, depois de sofrer uma contraco de 1,8% em 2009, disse ontem o ministro sul-africano das finanas da frica do Sul, Pravin Gordhan. Na apresentao, perante o Parlamento, do Oramento do Estado para 2010/2011, Pravin Gordhan traou ambiciosas metas de criao de postos de trabalho e melhoria nas prestaes do sector pblico. TELEFONIA MVEL. O nmero de assinantes de telefone mvel na frica passou de 10 milhes em 2000 para 180 milhes em 2007, segundo um estudo do Banco