Click here to load reader

TEORIA DA COMUNICAÇÃO

  • View
    347

  • Download
    4

Embed Size (px)

Text of TEORIA DA COMUNICAÇÃO

TEORIA DA COMUNICAO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

NAIARA ROCHA

Processo de Comunicao - o emissor : a pessoa que tem algo, uma idia, uma mensagem, para transmitir, ou que deseja comunicar;

- o codificador: o tipo, ou a forma que o emissor ir exteriorizar;- a mensagem: a expresso da idia que o emissor deseja comunicar; - o canal: o meio pelo qual a mensagem ser conduzida; - o decodificador: o mecanismo responsvel pela decifrao da mensagem pelo receptor; - o receptor: o destinatrio final da mensagem, idia etc.

Cultura de Massa

A massa tudo o que no se avalia a si prprio nem no bem nem no malmediante razes especiais, mas que se sente como toda a gente e todavia, no se aflige por isso, antes de sente vontade ao reconhecer-se idntico aos outros. (Wolf pg. 07)

Blumer elenca as caractersticas de massa como: 1) participantes oriundos de todas as profisses e categorias sociais; 2) grupos annimos (os elementos no se conhecem entre si); 3) pouca interao ou troca de experincias; 4) organizao frgil (p. 177).

A presena do conceito de sociedade de massa fundamental para a compreenso da teoria da Hipodrmica que, por vezes, se reduz a uma ilustrao de algumas das caracterstica dessa sociedade.

Teoria Hipodrmica

Tratava toda a massa de indivduos de forma idntica, supondo que a informao atingisse a todos da mesma maneira e sem resistncia.

Para Lasswell as tcnicas de propagandas funcionariam como uma injeo ou ainda uma bala mgica que faria o publico se comportar de acordo com o que o governo no importa qual governo- desejasse

O esquema E - R (Estmulo Resposta) essencial para a Teoria Hipodrmica. Assim, os meios de comunicao de Massa (MCM) enviariam estmulos que seriam imediatamente respondidos pelos receptores.

A mdia vista como uma agulha, que injeta seus contedos diretamente no crebro dos receptores, sem nenhum tipo de barreira ou obstculo.

Essa viso dos MCM como onipresentes e onipotentes foi corroborada por diversos fenmenos miditicos da primeira metade do sculo passado. Exemplo: foi a transmisso radiofnica do romance A Guerra dos Mundos, de H.G. Wells, realizada no dia 30 de outubro de 1938. Para dar maior realismo narrativa, Welles transformou a histria em um noticirio jornalstico.

O resultado foi um pnico generalizado.

Modelo de Lasswell baseado na Teoria Hipodrmica, este modelo, criado por Lasswell, apontava as falhas da mesma e foi um dos responsveis pela sua defasagem. O Modelo de Lasswell apontava cinco questes cruciais para a compreenso correta da mensagem miditica: Quem? Diz o qu? Atravs de que canal? A quem? Com que efeito?. A partir da obteno das respostas para tais perguntas, a mensagem era caracterizada como clara e completa

Na prtica dois pontos desse programa foram privilegiado - anlise dos efeitos - anlise dos contedos

3 funes do processo comunicativo -Vigilncia do meio -Estabelecendo Relaes -Transmisso de herana social

DeFleur & Ball-Rokeach apontam o Fundo Payne (pesquisas realizadas para investigar a inuncia de lmes nas crianas) como o incio da pesquisa emprica em comunicao a partir da dcada de 1920:

a princpio, os lmes pareceram ter inunciadireta, imediata e ampla nas crianas que os assistiam,contudo, tais concluses no se sustentaram quando outros veculos e outras audincias foram investigados. De maneira geral, medida que a pesquisa aprimorada foi concluda e um maior acervo de concluses acumulado, tornou-se cada vez mais claro que o conceito da bala mgica no combinava com os fatos

A Teoria das Balas Mgicas foi aos poucos abandonada e muitos tericos armaram depois que se tratava de uma teoria extremamente ingnua.

Teoria da Persuaso

diferentemente da Hipodrmica, baseada em aspectos psicolgicos, e defende que a mensagem enviada pela mdia no assimilada imediatamente pelo indivduo, dependendo de vrias perspectivas individuais. Portanto essa Teoria no seria de dominao ou manipulao como a Hipodrmica e sim de persuaso

O indivduo tende a se interessar por informaes que estejam inseridas em seu contexto scio-cultural e poltico, e com as quais ele esteja de acordo.

Bibliografia

BLUMER, H.. A massa, o pblico e a opinio pblica. In: COHN, G. Comunicao e indstria cultural. So Paulo: Editora da Universidade de So Paulo- Companhia Editora Nacional, 1971. p. 177-86. DeFLEUR, M., BALL-ROKEACH, S. Teorias da comunicao de massa. 5

ed., Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

HOHLFELDT, Antonio; MARTINO, Luiz C.; FRANA, Vera Veiga. Teorias da comunicao: conceitos, escolas e tendncias. 7 ed. Petrpolis: Vozes, 2007. LASSWELL, H. D. A estrutura e a funo da comunicao na sociedade. In: COHN, G. Comunicao e indstria cultural. So Paulo: Editora da Universidade de So Paulo - Companhia Editora Nacional, 1971. p.105-17. WOLF, Mauro. Teorias da comunicao. 6 ed. Lisboa: Editorial Presena, 2001.

Search related