of 22/22
TRABALHO TRABALHO ORIGENS ORIGENS HISTÓRICAS HISTÓRICAS

TRABALHO TRABALHO ORIGENS HISTÓRICAS. A princípio, o trabalho era considerado um castigo. Em sentido pejorativo, externava-se pela força física. Em Roma,

  • View
    106

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of TRABALHO TRABALHO ORIGENS HISTÓRICAS. A princípio, o trabalho era considerado um castigo. Em...

  • Slide 1
  • TRABALHO TRABALHO ORIGENS HISTRICAS
  • Slide 2
  • A princpio, o trabalho era considerado um castigo. Em sentido pejorativo, externava-se pela fora fsica. Em Roma, era executado pelos escravos. Durante o feudalismo, era trocado por proteo e pelo uso da terra (servido). Os nobres no trabalhavam. Na fase pr- industrial, existiam as Corporaes de Ofcio (Mestres, Companheiros e Aprendizes): Jornadas de trabalho de at 18 horas. Ao final do sculo XVIII, as corporaes foram extintas; a revoluo francesa estabelece a liberdade contratual. O direito social ao trabalho pela primeira vez reconhecido. Por outro lado, o liberalismo econmico pregava um Estado alheio rea econmica, quando muito, assumindo o papel de rbitro. Era o Laissez Faire, Laissez Passer. A Revoluo Industrial transforma o Trabalho em Emprego. Ao trmino da 1 guerra mundial evolui-se para o Constitucionalismo Social.
  • Slide 3
  • No Brasil, as primeiras constituies, tratam apenas sobre a forma de organizao do Estado. A Constituio de 1934 a primeira a tratar especificamente do Direito do Trabalho. A de 1937, marca um perodo intervencionista do Estado nas relaes trabalhistas. Surge em 1943 a CLT, aprovada em decreto-lei. Com a redemocratizao, a CF de 1946 rompe com o corporativismo, mas mantm direitos adquiridos anteriormente. A CF de 1988, inova trazendo um ttulo especfico sobre o tema, albergando vrios direitos trabalhistas. No mbito da legislao ordinria, leis especficas tratam dos empregados domsticos, do trabalhador rural e do trabalhador autnomo. Tambm mudanas na CLT ocorreram em relao a direitos do trabalhador de forma geral.
  • Slide 4
  • DIREITO DO TRABALHO CONCEITO
  • Slide 5
  • Conjunto de princpios, normas e instituies aplicveis relao de emprego e situaes equiparveis, tendo em vista a melhoria da condio social do trabalhador, atravs de medidas protetoras e da modificao das estruturas sociais
  • Slide 6
  • Natureza Jurdica Pblica Pblica Privada Privada Social Social Mista Mista Unitria Unitria
  • Slide 7
  • Fontes do Direito do Trabalho Fonte material Fonte material Fontes formais Fontes formais
  • Slide 8
  • Fonte material Complexo de fatores sociais, psicolgicos, econmicos, histricos, etc., que influenciam na criao da norma jurdica e que o Direito procura recepcionar. Complexo de fatores sociais, psicolgicos, econmicos, histricos, etc., que influenciam na criao da norma jurdica e que o Direito procura recepcionar.
  • Slide 9
  • Fontes Formais Constituio Federal Constituio Federal Leis (complementar, delegada, ordinria, Medida Provisria e Decreto) Leis (complementar, delegada, ordinria, Medida Provisria e Decreto) Portarias Portarias Sentena normativa Sentena normativa Acordo e conveno coletiva de trabalho Acordo e conveno coletiva de trabalho
  • Slide 10
  • Fontes Controversas Portarias, avisos, instrues e circulares (arts. 192 e 193, CLT) Portarias, avisos, instrues e circulares (arts. 192 e 193, CLT) Convenes e tratados internacionais Convenes e tratados internacionais Jurisprudncia Jurisprudncia Smulas (EC n. 45/04, Smulas (EC n. 45/04, art. 103-A) art. 103-A) Precedentes normativos Precedentes normativos Laudo arbitral (art. 114, 1, Laudo arbitral (art. 114, 1, CF/88) CF/88)
  • Slide 11
  • Fontes Controversas Princpios Princpios Equidade Equidade Usos e Costumes (art. 8, CLT) Usos e Costumes (art. 8, CLT) Doutrina Doutrina Regulamento de empresa Regulamento de empresa Analogia Analogia Clusulas contratuais Clusulas contratuais
  • Slide 12
  • Hierarquia das Fontes Constituio Federal Constituio Federal Smulas do STF em matria constitucional Smulas do STF em matria constitucional Convenes e tratados internacionais Convenes e tratados internacionais Leis (complementar, ordinria, delegada) Leis (complementar, ordinria, delegada) MP MP Decreto Decreto Sentena normativa Sentena normativa CCT e ACT CCT e ACT Costume Costume
  • Slide 13
  • Aplicao da lei trabalhista no tempo Imediatismo e irretroatividade Imediatismo e irretroatividade
  • Slide 14
  • Aplicao da lei trabalhista no espao Territorialidade (enunciado 207, TST), lex loci executionis contracti Territorialidade (enunciado 207, TST), lex loci executionis contracti Nacionalidade Nacionalidade
  • Slide 15
  • Relaes do Direito do Trabalho com outros ramos do direito Constitucional: indivduo-social ao lado do indivduo-poltico Constitucional: indivduo-social ao lado do indivduo-poltico Administrativo: intervencionismo e funcionamento interno dos rgos Administrativo: intervencionismo e funcionamento interno dos rgos Penal: poder disciplinar; captulo especfico no CP Penal: poder disciplinar; captulo especfico no CP Civil: bero e aplicao subsidiria (art. 8, par. nico, CLT) Civil: bero e aplicao subsidiria (art. 8, par. nico, CLT)
  • Slide 16
  • Relaes do Direito do Trabalho com outros ramos do direito Processo civil: idem; semelhana institucional Processo civil: idem; semelhana institucional Direito internacional pblico: tratados e convenes internacionais Direito internacional pblico: tratados e convenes internacionais Direito previdencirio: proximidade; execuo de ofcio Direito previdencirio: proximidade; execuo de ofcio Direito empresarial: empregadores Direito empresarial: empregadores
  • Slide 17
  • Princpios do Direito do Trabalho Funes dos Princpios: Informadora (fase pr-jurdica) Interpretativa (aplicao e interpretao) Normativa (fonte integradora, art. 8, CLT)
  • Slide 18
  • Princpios especficos Princpio da Proteo Princpio da Proteo Princpio da Irrenunciabilidade de Direitos Princpio da Irrenunciabilidade de Direitos Princpio da Primazia da Realidade Princpio da Primazia da Realidade Princpio da Continuidade da Relao de Emprego Princpio da Continuidade da Relao de Emprego
  • Slide 19
  • Princpios especficos Princpio da Proteo: Deve proporcionar uma forma de compensar a superioridade econmica do empregador em relao ao empregado, garantindo-lhe superioridade jurdica. Desmembra-se em: In dubio pro operario, na aplicao da norma mais favorvel ao trabalhador e da aplicao da condio mais benfica ao trabalhador
  • Slide 20
  • Princpios especficos Princpio Irrenuncibilidade: Os direitos trabalhistas so irrenunciveis pelo trabalhador. Entretanto, em juzo, poder o trabalhador negociar concesses recprocas. Existem direitos de indisponibilidade absoluta, que no permite concesses, como por exemplo os direitos relativos a medicina e segurana do trabalho
  • Slide 21
  • Princpios especficos Princpio da Primazia Relativa: No direito do Trabalho, os fatos assumem importncia maior que os documentos. A realidade ftica privilegiada em relao a forma ou estrutura.
  • Slide 22
  • Princpios especficos Princpio da Continuidade da relao de emprego: Por ele, h a presuno de que o contrato de trabalho ter validade por tempo indeterminado. A exceo so os contratos por tempo determinado. O TST, inclusive, enfatiza que o nus de provar o trmino do contrato de trabalho do empregador.