Aula 3 gestão tributária na formação do preço de venda

  • View
    17

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

Slide 1

1

Especializao emControladoria e AuditoriaAUDITORIA E GESTO FISCAL E TRIBUTRIACoordenador: Prof. Mestre Manoel Silva

Prof. damo da Cruz BarbosaMestre em Controladoria e Contabilidade

Prof. damo Cruz22

GESTO TRIBUTRIA NA FORMAO DO PREO DE VENDA

ObjetivosOBJETIVO GERAL:Demonstrar os elementos e a formao do preo de venda de um produto (mercadoria ou servio), em uma abordagem simples e eficiente.

OBJETIVOS ESPECFICOS:Perceber os custos importantes e a maneira correta de agreg-los a formao do preo de venda;Conhecer quais os tributos relevantes na formao do preo de venda ;Analisar a formao do preo de venda, considerando os aspectos mercadolgicos.3Prof. damo Cruz

ROTEIROTERMINOLOGIAS UTILIZADAS NA FORMAO DO PREO DE VENDA;REGIMES DE TRIBUTAO FEDERAL;TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE O PREO DE VENDA;A QUESTO DOS ENCARGOS FINANCEIROS E O PREO DE VENDA;FORMAO DO PREO DE VENDA;ANLISE DE PREO PARA TOMADA DE DECISO

4Prof. damo Cruz

TERMINOLOGIAS UTILIZADAS NA FORMAO DO PREO DE VENDA5Prof. damo Cruz

5

GASTOS

Sacrifcio financeiro com que a entidade arca para a obteno de um produto ou servio qualquer, sacrifcio esse representado por entrega ou promessa de ativo (normalmente dinheiro).INVESTIMENTOSSo todos os bens e direitos registrados no ativo das empresas para baixa em funo de venda, amortizao, consumo e desvalorizao. Ou seja, gasto ativado em funo de sua vida til ou de benefcios atribuveis a futuros perodos.6Prof. damo Cruz

CUSTOS todo gasto que representa a aquisio de um ou mais bens ou servios usados na produo de outros bens e/ou servios. (DUBOIS, 2008, p. 16). os gastos que no se relacionem a produo no podero ser considerados como custos.

CUSTOS DIRETOS: A apropriao de um custo ao produto se d pelo que efetivamente ele consumiu.

CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAO: A apropriao de um custo ao produto ocorre por intermdio de rateio.7Prof. damo Cruz

CUSTOS FIXOS: So aqueles cujos valores so os mesmos, qualquer que seja o volume de produo da empresa, dentro de um intervalo relevante. (DUBOIS, 2008, p. 28)CUSTOS VARIVEIS: So custos que se alteram na proporo direta da alterao do volume, dentro de um intervalo relevante de atividade. (MAHER, 2001, p. 75)8Prof. damo Cruz

DESPESA

o gasto em que a empresa incorre para manter a sua estrutura organizacional e, tambm, visando obteno de receitas. As despesas tem como caracterstica o reconhecimento destas apenas no momento do fato gerador.

DESPESAS FIXAS: So consideradas como fixas quando apresentam o mesmo valor, qualquer que seja o volume de vendas da empresa.DESPESAS VARIVEIS: So consideradas como variveis quando ocorrem em funo do volume de vendas da empresa.9Prof. damo Cruz

PERDA todo gasto no qual a empresa incorre quando um certo bem ou servio consumido de maneira anormal s suas atividades. Um gasto que no pode ser previsto.DESPERDCIO

o gasto que se apresenta pelo fato de no ocorrer o aproveitamento normal de todos os seus recursos. No identificado de maneira imediata, mas somente com boas prticas de controle este poder ser diagnosticado.10Prof. damo Cruz

Mark-UP o valor originalmente adicionado ao custo. a margem de comercializao. Representa a diferena percentual entre o preo de venda em relao ao preo de compra. (Dicionrio Accounting: The language of Businnes, 2004)

Crditos Descontveis

No momento da opo pelo Regime de Tributao a empresa est optando tambm pelo tipo de clculo dos tributos incidentes sobre o produto. H dois mtodos de clculos: cumulatividade e no-cumulatividade11Prof. damo Cruz

Crditos Descontveis

Cumulatividade: os tributos so calculados pelo faturamento, excluindo quaisquer crditos do tributo j recolhido pelo fornecedor e destacado no documento fiscal;No-cumulatividade: os tributos pagos pelo fornecedor serviro de crditos descontveis nas entradas, e estes sero deduzidos no momento da apurao dos tributos devidos pelas sadas.

Portanto, crditos descontveis diz respeito ao direito de abater dos dbitos tributrios, os tributos j recolhidos nas etapas anteriores a negociao.12Prof. damo Cruz

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE O PREO DE VENDA13Prof. damo Cruz

13

TRIBUTOMTODOALQUOTABASE CLCULOREGIMEIRPJCUMULATIVO15%Lucro LquidoREALIRPJCUMULATIVO15%Lucro PresumidoPRESUMIDOCSLLCUMULATIVO9%Lucro LquidoREALCSLLCUMULATIVO9%Lucro PresumidoPRESUMIDO

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE O PREO DE VENDATributos Federais sobre o LucroTRIBUTOFATURAMENTO(a) LUCRO(b)ALQUOTA(a x b)VALOR DO TRIBUTOIRPJ (REAL)1.000,00100,0015%R$ 15,00IRPJ (PRESUMIDO)1.000,0080,00 *15%R$ 12,00

Exemplo:* Lucro Presumido sobre revenda de mercadorias14Prof. damo Cruz

TRIBUTOMTODOALQUOTABASE CLCULOREGIMEPISCUMULATIVO0,65%FaturamentoPRESUMIDOPISNo-CUMULATIVO1,65%FaturamentoREALCOFINSCUMULATIVO3%FaturamentoPRESUMIDOCOFINSNo-CUMULATIVO7,6%FaturamentoREAL

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE O PREO DE VENDATRIBUTO(a) CMV(b)CRDITO(a x 1,65%)(c) FATURAMENTO(d)DBITO(b x alq.)(d b)VALOR DO TRIBUTOPIS (REAL)800,0013,201.000,0016,50R$ 3,30PIS (PRESUMIDO)0,000,001.000,006,50R$ 6,50

Exemplo:15Prof. damo CruzTributos Federais sobre o Faturamento

TRIBUTOMTODOALQUOTABASE CLCULOREGIMEVriosCUMULATIVOvriasFaturamentoSIMPLES

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE O PREO DE VENDAFonte: LC 136/2011

* No pode haver crditos descontveisReceita Bruta 12M(a)Alquota(b) Receita do ms(a x b)VALOR DO TRIBUTO2.520.00010,23%200.000R$ 20.460*

Exemplo:16Prof. damo CruzSimples Nacional

Simples Nacional TABELA COMRCIO a partir de 2012

MP 192/2012 reduziu de 0,5% a 2%

Simples Nacional

Medida Provisria 192-2012 (reduz o ICMS no Estado da Paraba):

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE O PREO DE VENDAICMS - Crditos Descontveis

ALQUOTASSITUAO0%Isento, Substituio ou No Tributado7%Origem Sul/Sudeste12%Origem N/ND/Centro Oeste17%Operaes Internas25%Oper. Internas Superfluos Simples NacionalO valor de ICMS pago pelo fornecedorFreteO valor do ICMS destacado

Obs.: O crdito a ser aproveitado pelo contribuinte limitado ao que estiver destacado no documento fiscal.19Prof. damo Cruz

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE O PREO DE VENDAIPI - Valor pago pela compra (comrcio)

O valor destacado no documento fiscal e pago ao fornecedor das mercadorias, no caso de destinatrio comrcio, deve ser incluso como no custo contbil, j que trata-se de um custo do produto.

20Prof. damo Cruz

A QUESTO DOS ENCARGOS FINANCEIROS E O PREO DE VENDA21Prof. damo Cruz

21

A QUESTO DOS ENCARGOS FINANCEIROS E O PREO DE VENDADevemos partir do princpio de que os custos permanentes e decorrentes da operacionalidade da empresa devem ser inclusos na formao do preo de venda para que o resultado no seja maquiado.

22Prof. damo Cruz

A QUESTO DOS ENCARGOS FINANCEIROS E O PREO DE VENDAIOF

Assim entendido, o Imposto sobre Operaes Financeiras, que incidiu provisoriamente sobre financiamento feito pela empresa para sanar dificuldades de liquidez no deve ser incluso no preo.23Prof. damo Cruz

A QUESTO DOS ENCARGOS FINANCEIROS E O PREO DE VENDATAXA DE ADMINISTRAO DO CARTO DE CRDITO

Estes gastos financeiros tem vnculo direto com a operao de venda e devem ser inclusos no preo de venda, ponderando as variaes das taxas dos diversos cartes e o considerando o volume de vendas a vista e no carto, para assim no onerar os custos elevando o preo, nem tampouco onerar o resultado deixando de incluir o justo.24Prof. damo Cruz

FORMAO DO PREO DE VENDA25Prof. damo Cruz

25

Definio

a atividade de marketing preocupada com a colocao de preos para novos produtos e ajuste de preos para produtos existentes.

Estratgia de Formao de Preos

o elemento de tomada de deciso da empresa, preocupado com o estabelecimento de preos que atrairo o mercado-alvo, permitindo assim alcanar os objetivos de lucro.Formao do Preo de Venda26Prof. damo Cruz

26

Custo utilizado na formao do preo de vendaINDSTRIA

Valor da nota fiscal (com abatimento se houver)(-) IPI Faturado(-) ICMS Includo(-) PIS sobre o Valor dos Materiais(+) Frete da Compra (FOB)(-) ICMS do Frete(-) PIS do Frete(-) ndice de Produtividade (perda/aproveitam.)(=) Custo para Estoque Formao do Preo de Venda27Prof. damo Cruz

27

Custo utilizado na formao do preo de vendaCOMRCIO

Valor da nota fiscal (com IPI)(-) ICMS Includo(-) PIS (aplicar alq.sobre o valor mercadoriais sem o IPI)(+) Frete da Compra (FOB)(-) ICMS do Frete(-) PIS do Frete(+) Percentual ICMS ST por Entrada (% Antec.)(=) Custo Lquido Formao do Preo de Venda28Prof. damo Cruz

28

Custo utilizado na formao do preo de vendaSERVIO

Valor da nota fiscal (sem o IPI)(-) ICMS Includo(-) PIS(+) Frete da Compra (FOB)(-) ICMS do Frete(-) PIS do Frete(=) Custo para Estoque Formao do Preo de Venda29Prof. damo Cruz

29

Formao do Preo de VendaELEMENTOS BSICOS

Custo da aquisio e crditos descontveis;Gastos fixos;Gastos variveis;Margem de lucro desejada.30Prof. damo Cruz

Utilizaremos o seguinte exemplo para demonstrar o clculo do preo das mercadorias no comrcio:Calcular o preo de venda de uma mercadoria adquirida a R$ 100,00, com as seguintes condies: Formao do Preo de VendaFornecedor: ParabaComisso: 2%Taxa de Administrao do Carto: 5%Regime de tributao: Lucro Real IR+CSLL = R$ 625,00Margem de Lucro: 10%Total gastos fixos: R$ 5.000,00

31Prof. damo Cruz

1 Clculo: Custo de Aquisio e Crditos DescontveisDESCRIO%VALORCusto de Aquisio100%100,002. Crdito de PIS1,65%(1,65)3. Crdito de COFINS7,6%(7,60)4. Crdito de ICMS17%(17,00)5. (1-2-3-4) Custo Lquido 73,75%73,75

Fonte: BERNARDI, Manual de Formao do Preo de Venda, 2004.Formao do Preo de Venda32Prof. damo