of 63/63
QUALIDADE DE VIDA APRENDEMOS NA ESCOLA? PROF.ª MS. IZABEL LAMENHA 09 de Abril de 2010 Componente Curricular Educação e Saúde I 1

Aula presencial 2011.1

  • View
    913

  • Download
    4

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Pólo de São BentoObs. Os vídeos não aparecem.

Text of Aula presencial 2011.1

  • 1. 1QUALIDADE DE VIDAAPRENDEMOS NA ESCOLA?Componente Curricular Educao e Sade I09 de Abril de 2010 PROF. MS. IZABEL LAMENHA

2. 2Voc est aqui? 3. Pensamento 5%20%75%0%20% 40% 60% 80%3 4. Vamos refletir O LEGADO4 5. Nesta aula, seremos capazes de:5 Refletir sobre Educao e Sade naOBJETIVOSEscola, usando como ponto de partidans mesmos. Tomar conscincia da adoo de estilosde vida saudveis e ativos; Praticar(...) 6. 6Agenda Histria; Sade;Parte 1 Estresse; Privao de Sono; Atividade Fsica Educao e Sade; Tudo isso na escola;Parte 2 E, agora... Aprendizes? Consideraes Finais Despedida 7. 7 Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 8. 8 Primeira ParteProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 9. COMO ANDA A MINHA SADE?Atividade Fsica Controle de riscos Estresse Sono Alimentao9 Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 10. 10 Um Pouco de Histria Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 11. Ao longo dos tempos...11 Homem das CavernasHomem Moderno Nmade; Agricultura; Desorganizao social; Organizao societria; Luta pela sobrevivncia; Avanos Tecnolgicos; Vida ativa. Sedentrio.Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 12. Diagnstico Atual12 Sade DoenaProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 13. Fenmeno do Destreinamento13 Sedentarismo TecnologiaM Alimentao Polito (2010) discute sobre o ponto de vista do ser humano e sua relao direta com o sedentarismo advindos das facilidades e comodidades do estilo de vida moderno e das convenincias alimentares, levando-o ao processo de destreinamento fsico. Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 14. Fenmeno do Destreinamento14 Oliveira (2005) cita que o baixo nvel de atividade fsica fator decisivo para o adoecimento fsico e emocional. Diante das evidncias de que o homem moderno utiliza-se cada vez menos de suas potencialidades corporais para enfrentar as mazelas de hoje;O mesmo autor comenta que o caminho paraquebra dessa realidade a promoo demudanas no estilo de vida das pessoas.Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 15. Ministrio da Sade:15 Pesquisa sobre sade dos brasileiros (2009)Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 16. Primeira concluso16Falta deatividadefsica ADOECIMENTOProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 17. 17 Sade Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 18. 18 Definio FLECK, Marcelo Pio de Almeida. O instrumento de avaliao de qualidade de vida da Organizao Mundial da Sade (WHOQOL- 100): caractersticas e perspectivas. Cinc. sade coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, 2000. 19. MODELO Ideal de Sade19 Social Intelectual Fsica Sade EspiritualEmocionalALMEIDA FILHO, Naomar de. O conceito de sade: ponto-cego da epidemiologia?. Rev. bras. epidemiol., So Paulo, v.3, n. 1-3, Dec. 2000. 20. MODELO Ideal de Sade20 SocialComunidade, amizades efamiliaresIntelectualFsica SadeEspiritual EmocionalProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 21. MODELO Ideal de Sade21 SocialAtividade Fsica eNutrioIntelectualFsica SadeEspiritual EmocionalProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 22. MODELO Ideal de Sade22 SocialIntelectualFsica SadeControle do estresse e apoio emocionalEspiritual EmocionalProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 23. MODELO Ideal de Sade23SocialIntelectual Fsica SadeEspiritualEmocional Amor, esperana e caridade Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 24. MODELO Ideal de Sade24Social Educao, realizao ecarreira IntelectualFsicaSade Espiritual EmocionalProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 25. Melhoria das condies de vida25 1 Mudana de hbitos saudveisControle dos riscos 2 Controle do estresse 3 Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 26. Melhoria das condies de vida26Mudana de hbitos saudveis; 1 2 Controle de riscosControle do estresse; 3 Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 27. Melhoria das condies de vida27 Mudana de hbitos; 1Controle de riscos; 2 3Controle do Estresse Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 28. Segunda concluso28 Falta de exerccio fsico Controle de riscos ADOECIMENTOProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 29. 29 EstresseProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 30. 30 Definio 31. Diferenas Individuais Relaes sociais, amizadese familiaresRealidadeAfetividadeSegundo a viso que cada umtem da realidade;Segundo a sensibilidade Indivduoafetiva da pessoa;Segundo a valorizao dopassado ou das perspectivas Perspectivasdo futuro. Sabendo que cada pessoa reage de forma diferente aos estmulos da vida, elas31 tambm tero limiares diferentes de esgotamento por estresse: 32. Diferenas Individuais Realidade AfetividadeSegundo a viso que cada umtem da realidade; Segundo a sensibilidadeIndivduo afetiva da pessoa; Segundo a valorizao do passado ou das perspectivas Perspectivas do futuro. Objetivos, planos, motivaes, sobretudorealizaes, nos mbito32 Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? profissional, por exemplo. 33. Homeostase33 Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 34. Cortisol34 1 Os corticides e os hormnios andrognicos so as substncias mais relacionadas com o estresse. O cortisol o corticide mais abundante no organismo.2 3 Os nveis de cortisol variam, e exerce efeitos importantes: . sobre o metabolismo das protenas, carboidratos e lipdeos, 4 5 sobre a tonicidade dos msculos e outros tecidos sobre a integridade do miocrdio6 7 sobre as respostas antiinflamatrias.Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 35. Cortisol358 O cortisol influi tambm na conservao da glicosesntese de protenas 9 10 na regulao de cidos graxos em nos tecidos adiposos.Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 36. Terceira concluso36 Falta de Estresse exerccio fsico RiscosADOECIMENTOProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 37. Privao de Sono37Dificuldade de DormirAcordar frequentemente a noiteAcordar muito cedoSono no revigorante Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 38. Distrbios Associados ao Sono38 Sem repouso noturno adequado, o organismo aumenta a produo Resistncia a Insulinade cortisol, adrenalina e noroadrenalina, hormnios associados aoestresse. Em excesso, eles tornam as clulas resistentes insulina, o quedificulta o processamento da glicose e predispe a diabetes tipo 2. O cortisol, adrenalina e noroadrenalina so vasoconstritores. Quatro horas e meia de sono por noite ao longo de cinco noites, Hipertensoreduzem em 50% a capacidade de dilatao dos vasos, o quepode levar a hipertenso. Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 39. Distrbios Associados ao Sono39 Noites mal dormidas podem alterar os impulsos eltricos que Doenas do Coraoregulam os batimentos cardacos do corao. Com isso, aumentam os riscos de ocorrncia da arritmias entre aspessoas com propenso ao problema. Provoca reduo nos nveis de CD4, CD8 e clulas T, os principaisagentes de defesa do organismo. Baixa Imunidade Dormir pouco pode, portanto, aumentar a vulnerabilidade dasdoenas infecciosas. Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 40. Distrbios Associados ao Sono40 Causam desequilbrio na produo dos neurotransmissores responsveis por ativar ou inibir a transmisso dos impulsos Dor Crnica relacionados dor, alm de aumentar a percepo dolorosa. O organismo reduz durante o sono, a sntese de adrenalina, o hormnio do apetite, e aumenta a de leptina, responsvel pela Obesidade saciedade. Quando uma pessoa se priva de repouso ideal, a fabricao dessas substncias fica desregulada, o que favorece ao ganho de peso.Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 41. Quarta e quinta concluses41 SonoFalta deEstresse atividade fsicaAlimentao Riscos ADOECIMENTOProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 42. 42 Qualidade de VidaProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida e Atividade Fsica 43. 43 Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida e Atividade Fsica 44. 44 Conceito A OMS definiu qualidade de vida como: a percepo do individuo de sua posio de vida, no contexto da cultura e do sistema de valores nos quais ele vive, considerando seus objetivos, expectativas, padres e preocupaes (FLECK, 2000).FLECK, Marcelo Pio de Almeida. O instrumento de avaliao de qualidade de vida da Organizao Mundial da Sade (WHOQOL-100): caractersticas e perspectivas. Cinc. sade coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, 2000. 45. Outra perspectiva45 Minayo (2000) diz que qualidade de vida uma noo eminentemente humana que se aproxima do grau de satisfao encontrado: na vida familiar; na vida amorosa; Social, e Ambiental.Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida e Atividade Fsica 46. 46 Atividade Fsica Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida e Atividade Fsica 47. Vamos refletir47 48. 48 Definio A atividade fsica pode ser entendida como qualquer movimento produzido pela musculatura esqueltica que provoque gasto calrico acima dos nveis de repouso. Dessa forma as atividades domsticas, no trabalho, transporte e mesmo um programa de exerccios fsicos esto reunidos sob o termo atividade fsica (ARAJO; ARAJO, 2000). Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida e Atividade Fsica 49. 49 Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 50. Tipos de Atividade Fsica50 Aerbios Anaerbios um exerccio de longa durao, Utiliza uma forma de energia contnuo e de baixa e moderadaque independe do uso do intensidade, havendo o uso de oxignio, de alta intensidade e oxignio. curta durao, envolvendo um So exemplos: esforo intenso. Caminhar, correr, andar, So exemplos: pedalar,nadar (noa corrida de 100 metros rasos, competitivo), danar. os saltos, o arremesso de peso, exerccios resistidos (musculao). Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida e Atividade Fsica 51. Benefcios da Atividade Fsica Auxilia na melhoria da fora e do tnus muscular, esqueltico Msculo Melhoria da flexibilidade, Fortalecimento dos ossos e das articulaes. Perda de peso e da porcentagem de gordura corporal, Reduo da presso arterial em repouso, Sade Fsica Reduo do risco de problemas cardacos, Melhora do diabetes, Diminuio do colesterol total e aumento do HDL-colesterol. Melhora o fluxo de sangue para o crebro, Ajuda na reduo da ansiedade e do estresse e no tratamento da depresso, Mental Sade Ajuda na regulao das substncias relacionadas ao sistema nervoso, Auxilia tambm na manuteno da abstinncia de drogas e na recuperao da auto-estima51 52. Como escolher a atividade ideal?52PrefernciaPessoalAptido Qualidade Aderncia e necessria de Vidacontinuidade Risco associado 53. Por onde comear?53 Avaliao Fsica Medidas Antropomtricas (dobras cutneas, dimetros sseos, permetros e circunferncias); Composio Corporal (Percentual de Gordura, Massas: Gorda, ssea, Residual, Muscular e Magra), ndice de Massa Corporal, Relao Cintura / Quadril, Somatotipo, etc...; Flexibilidade, Testes de Aptido Cardiorrespiratria (em ergmetros ou na pista); Teste de Lactato (Limiar e MLSS); Testes de Fora, de Impulso, etc.... Avaliao MdicaProf. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida e Atividade Fsica 54. Para no desistir...54 Evite fazer exerccios fsicos sob o sol forte; Tome gua moderadamente antes, durante e depois da atividade fsica; Use roupas leves, claras e ventiladas; No faa exerccios em jejum, mas evite comer demais antes da atividade fsica; Use sapatos confortveis e macios.Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida e Atividade Fsica 55. 55 Programa de Treinamento Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 56. Exerccio56 Poderoso remdio; Conhecemos as vantagens, porm: Existem duas barreiras: tempo e esforo. Alternativa... Os maiores benefcios para a sade se origina de quantidades moderadas de atividades (HASKELL, 1999) Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 57. Atividade Fsica57AerbioManuteno do Ganhos para tnus e da forasade e muscular, melhoria preveno de da QV. doenas30 ou mais deintensidade moderada,quase todos os dias dasemana.Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 58. 58 Segunda ParteO que aprendemos na escola? Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 59. Educao e Sade59 Peter Drucker sobre as relaes entre planejamento e a construo do futuro, diz: Planejar no diz respeito s aes do futuro, mas ao impacto futuro das aes do presente. Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 60. Futuro60 O objetivo principal das ESCOLAS na anlise do futuro torn-lo melhor. Tendncias, previses e ideias sobre o futuro permitem detectar oportunidades e ameaas mais cedo, permitindo que as organizaes educacionais definam seu posicionamento e o nvel dos investimentos necessrios. Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 61. 61 A taxa de mudana est se acelerando. Todos ns vamos passar o resto de nossas vidas no futuro. Portanto, se quisermos ser prticos, devemos concentrar nossa ateno sobre as tendncias e ideias que esto moldando o futuro. Quais sero essas mudanas? O que elas significam para voc, sua famlia, sua carreira, sua comunidade, seus investimentos ou sua escola? Prof. Ms. Izabel Lamenha Qualidade de Vida, aprendemos na escola? 62. Obrigada!62 63. 63MinicurrculoPossui graduao em Educao Fsica pelo Centro Universitrio de Joo Pessoa-UNIP(2000), Especializao em Educao Distncia (2008) e Mestrado em PsicologiaEscolar pela Pontifcia Universidade Catlica de Campinas-SP (2003). Atualmente coordenadora Grupo Educacional do Unip Virtual, professora titular do CentroUniversitrio de Joo Pessoa-UNIP, no curso de Psicologia e demais ps-graduaes eProfessora-mediadora da Universidade Federal da Paraba, curso de Pedagogia Distncia. Tem experincia na rea de Pesquisa em Psicologia, com nfase em Psicologiado Esporte, atuando tambm nos seguintes temas: Motivao, Estresse, CompetnciasPsicolgicas, Handebol, Educao Fsica Escolar e Educao Distncia. ENTREM EM CONTATO! [email protected]