Click here to load reader

Aula3 capitulo19

  • View
    430

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Aula3 capitulo19

  • O Mercado de Bens em uma Economia Aberta

    Agora precisamos saber distinguir a demanda interna por bens e a demanda por bens produzidos internamente.

    Parte da demanda interna recai sobre bens estrangeiros, e parte da demanda por bens produzidos internamente vem de estrangeiros.

    Demanda Interna por bens Demanda por bens produzidos internamente

    GICZ

    XQGICZ

  • A relao IS para economias abertas

    Numa economia aberta, a demanda por bens domsticos dada por:

    At o momento, examinamos apenas C + I + G. Mas agora temos de fazer dois ajustes: Primeiro, devemos subtrair as importaes. Segundo, devemos adicionar as exportaes.

    XQGICZ

  • A relao IS para economias abertasDeterminantes demanda por bens produzidos internamente

    Demanda Interna

    Determinantes das importaes

    Um aumento da renda domstica, Y, leva a um aumento das importaes.

    Um aumento da taxa real de cmbio, , leva a uma diminuio das importaes, Q.

    C I G C Y T I Y r G ( ) ( , )( ) ( , )

    ),( YQQ ),(

  • A relao IS para economias abertasDeterminantes demanda por bens produzidos internamente

    Determinantes das exportaes

    Um aumento na renda estrangeira, Y*, leva a um aumento das exportaes.

    Um aumento na taxa real de cmbio, , leva a um aumento das exportaes.

    X X Y ( , )* ),(

  • A relao IS para economias abertasDeterminantes demanda por bens produzidos internamente

    A demanda domstica por bens uma funo crescente da renda (produto). [Figura (a).] A demanda interma por bens produzidos internamente obtida ao subtrair o valor das importaes da demanda domstica e somar as exportaes. [Figura 19.1 (b).]

  • A relao IS para economias abertasDeterminantes demanda por bens produzidos internamente

    A linha DD traa a demanda interna C+I+G, como funo do produto.

    A inclinao da reta positiva mas inferior a 1. O aumento de renda aumenta a demanda mas em propores inferiores a um.

    Para chegar a demanda por bens produzidos internamente temos que subtrais as importaes.

    Isso feito na figura b, que possibilita traar a linha AA: a distncia entre a DD e AA igual ao valor das importaes, . Q

  • A relao IS para economias abertasDeterminantes demanda por bens produzidos internamente

    AA mais plana que DD pois, a medida que a renda aumenta, parte da demanda interna adicional recai sobre os bens estrangeiros.

    O aumento da renda provoca um aumento da demanda por bens produzidos internamente.

  • A relao IS para economias abertasDeterminantes demanda por bens produzidos internamente

  • A relao IS para economias abertasDeterminantes demanda por bens produzidos internamente

    As exportaes so representada pela reta ZZ, acima da AA. A distncia entre ZZ e AA corresponde as exportaes.

    Como as exportaes no dependem do produto interno, a distncia entre ZZ e AA constante, de modo que as duas retas so paralelas.

    Na figura (c), pode-se caracterizar o comportamento das exportaes liquidas como uma funo do produto.

    )( QX

  • A relao IS para economias abertasDeterminantes demanda por bens produzidos internamente

    Para o nvel de produto Y, por exemplo, as exportaes so dadas pela distncia AC e as importaes pela distncia AB, de modo que as exportaes lquidas so dadas pela distncia BC.

    A relao entre exportaes lquidas e produto dada pela figura (d), pela reta NX.

    As exportaes lquidas so uma funo decrescente do produto: quando o produto aumenta, as importaes aumentam e as exportaes no so afetadas, o que conduz a uma queda nas exportaes lquidas.

  • A relao IS para economias abertasDeterminantes demanda por bens produzidos internamente

    chamamos de o nvel de produto no qual o valor das importaes exatamente igual ao das exportaes, de modo que as exportaes lquidas igual a zero.

    Os nveis de produto acima de aumentam as importaes e provocam um dficit comercial.

    Os nveis de produto abaixo de fazem diminuir as importaes, gerando um supervit comercial.

    TBY

    TBY

    TBY

  • Produto de Equilbrio e Balana Comercial

    O mercado de bens est em equilbrio quando o produto domstico igual demanda tanto domstica quanto estrangeira por bens domsticos:

    Reunindo as relaes que derivamos para os componentes da demanda por bens domsticos, Z, temos:

    Y Z

    ),(),(),()( * YXYQGrYITYCY

  • Produto de Equilbrio e Balana Comercial

    O mercado de bens est em equilbrio quando o produto domstico (produto interno) igual demanda por bens domsticos. No nvel de produto de equilbrio, a balana comercial pode mostrar um dficit ou um supervit.

    A reta ZZ plota a demanda como uma funo do produto, figura (a). A figura (b) traa as exportaes lquidas como uma funo decrescente do produto.

    O grfico demonstra que o produto esta acima do produto de equilbrio para o qual o comrcio exterior esteja em equilbrio, ou seja, Y> .

    O produto de equilbrio esta associado a um dficit correspondente a distncia BC.

    TBY

  • Produto de Equilbrio e Balana Comercial

  • Aumento da Demanda Interna e EstrangeiraO Aumento da Demanda Interna

    Suponhamos que a economia esteja em recesso e que o governo aumente seus gastos para tirar a economia deste estgio.

    O que ocorrer com o produto e com a balana comercial?

    Suponhamos que a economia esteja em equilbrio de modo que Y = TBY

  • Aumento da Demanda Interna e EstrangeiraO Aumento da Demanda Interna

    O que acontece com o aumento dos gastos do governo?

    Para qualquer nvel de produto a demanda sermaior em , de modo que a reta da demanda se elevar em , de ZZ a ZZ.

    O produto se desloca de A par A e o produto aumento de Y para Y.

    O aumento do produto provoca um dficit comercial igual a BC.

    GG

  • Aumento da Demanda Interna e EstrangeiraO Aumento da Demanda Interna

  • Aumento da Demanda Interna e EstrangeiraO Aumento da Demanda Interna

    H duas diferenas importantes a serem notadas entre economias abertas e fechadas: H agora um efeito sobre a balana comercial. O

    aumento do produto de Y para Y leva a um dficit comercial igual a BC. As importaes sobem e as exportaes no se alteram.

    O efeito dos gastos do governo no produto menor do que seria numa economia fechada. Isso significa que o multiplicador menor na economia aberta. Pois, o aumento da renda recai tanto sob os produtos internos quanto nos produtos estrangeiros.

  • Aumento da Demanda Interna e EstrangeiraO Aumento da Demanda Estrangeira

    Consideramos um aumento da renda estrangeira Y*.

    O que ocorrer com o produto interno e com a balana comercial?

    Suponhamos que a economia esteja em equilbrio de modo que Y = .

    A figura mostra a demanda interna por bens representada pela reta DD.

    TBY

  • Aumento da Demanda Interna e EstrangeiraO Aumento da Demanda Estrangeira

    A diferena entre DD e ZZ igual as exportaes lquidas, NX.

    Se o comrcio estiver em equilbrio a reta ZZ e DD se cruzam.

    Imaginamos um aumento na renda estrangeira, .

    Os efeitos diretos consistiro no aumento das exportaes, que chamaremos de .

    Y

    X

  • Aumento da Demanda Interna e EstrangeiraO Aumento da Demanda Estrangeira

    A reta de demanda por bens produzidos internamente ZZ se desloca para cima em resposta ao aumento da Y*.

    Quando as exportaes aumentam em para um nvel dado de produto, a reta que representa as exportaes lquidas como uma funo do produto na figura (b) tambm se desloca para cima em , de NX para NX.

    O novo equilbrio se da em A com um nvel de produto Y.

    X

    X

  • Aumento da Demanda Interna e EstrangeiraO Aumento da Demanda Estrangeira

    O aumento do produto estrangeiro conduz a maiores exportaes de bens produzidos internamente, o que, por sua vez, eleva o produto interno e a demanda por bens por meio do multiplicador.

    O que acontea com a balana comercial? No novo equilbrio do produto Y, a demanda interna

    dada por DC. E a demanda por bens produzidos internamente dada por DA.

    As exportaes lquidas so dadas por CA, embora as importaes aumentem, elas no anulam o aumento das exportaes e a balana comercial melhora.

  • Aumento da Demanda Interna e EstrangeiraO Aumento da Demanda Estrangeira

  • Aumento da Demanda Interna e Estrangeira

    At aqui, derivamos dois resultados bsicos: Um aumento da demanda domstica leva a um

    aumento do produto domstico, mas leva tambm a uma deteriorao da balana comercial.

    Um aumento da demanda domstica estrangeira leva a um aumento do produto domstico e a uma melhora da balana comercial.

  • Depreciao, Balana Comercial e Produto

    Lembre-se de que a taxa real de cmbio dada por:

    Em palavras: A taxa real de cmbio, , igual taxa nominal de

    cmbio, E, multiplicada pelo nvel de preos estrangeiro, P*, dividido pelo nvel de preos internos, P.

    Quais sero os efeitos da depreciao sobre a balana comercial?

    PEP*

  • Depreciao, Balana Comercial e ProdutoA Condio de Marshall-Lerner

    Esta condio deve-se aos dois economista Alfred Marshall e Abba Lerner que foram os primeiros a formul-la.

    As exportaes lquidas so dadas por:

    Ou QXNX

    ),(),( * YQYXNX

  • Depreciao, Balana Comercial e ProdutoA Condio de Marshall-Lerner

    Como a taxa real de cmbio entra em trs lugares, essa equao deixa claro que a depreciao real um aumento de - afeta a balana comercial por meios de trs canais. X aumenta. Os bens nacionais ficam mais baratos; Q diminui. Os bens