Click here to load reader

Paradigmas do Pensamento Ocidental

  • View
    2.394

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Paradigmas do Pensamento Ocidental

PARADIGMAS DO PENSAMENTO OCIDENTAL

PARADIGMAS DO PENSAMENTO OCIDENTAL1 BIMESTRE SEGUNDA ETAPA

Um novo tempo Paradigmas Eu Racional DescartesAtividade OnLineExerccios de Fixao

Anomia

o estado da sociedade em que desaparecem os padres normativos de conduta e de crena e o indivduo, em conflito ntimo, encontra dificuldade para conformar-se s contraditrias exigncias das normas sociais (de acordo com a definio mais sociolgica apresentada pelo dicionrio Houaiss).

Um Novo Tempo

...as transformaes que se operaram por meio da revoluo dos costumes e do vertiginoso avano da cincia e da tecnologia continuam por marcar fortemente as sociedades no sculo XXI.

...um mundo revirado, pautado pela anomia, onde emerge uma nova ordem mundial em que a velocidade geral das coisas ganha notvel impulso, comprimindo tempo e espao.

O dinheiro viaja para onde quiser, e cada vez mais fcil vender e comprar pela internet, como, por exemplo, de sapatos a computadores, de cursos de filosofia a frango assado, de revistas em quadrinhos a msicas que nem foram lanadas em CD.

Conceitos complexos como os de globalizao e sociedade da comunicao e da informao esto na ordem do dia, constituindo-se em processos irreversveis nas sociedades do mundo inteiro.

Paradigmas Paradigma ummodelo ou padro a seguir.Etimologicamente, este termo tem origem no gregoparadeigmaque significamodelo ou padro, correspondendo a algo que vai servir de modelo ou exemplo a ser seguido em determinada situao.

Paradigmas do mundo ocidental ...a cincia, em todas as suas fases de evoluo, nos mostra que a teoria e a prtica cientficas so baseadas em uma viso de mundo, ou seja, a cincia procura explicar os fenmenos que lhe interessam de uma maneira apropriada aos critrios aceitos como sendo cientficos.

todo conhecimento humano est vinculado a uma poca, fruto de um momento histrico e possui, por isso, suas limitaes tanto que mesmo teorias bem-sucedidas em um dado momento podem ser revistas, aprimoradas ou at substitudas por outras.

Como acreditamos que estudar essas grandes mudanas pode nos ajudar a perceber o que est por trs do que a gente consegue pensar, e tambm pode nos mostrar melhor que natural e bom que as coisas e as ideias mudem, vamos mostrar um breve panorama desses grandes modelos muito influentes no mundo ocidental, indicando tambm o modo como eles foram sendo alterados.

Viso orgnica

A imponncia das catedrais medievais mostram muito do poder que a Igreja tinha na Idade Mdia e tambm uma viso que considerava tudo no mundo integrado e subordinado a um ser superior, em direo do qual onde as torres mais altas se erguiam.

A viso de mundo que predominava na Europa da Idade Mdia (de 450 a 1400 d.C.)....tudo sobre a terra era visto como um grande organismo interligado e, para a Igreja, tudo era comandado por Deus. As pessoas buscavam sempre o sentido mais geral do que viam ou viviam, subordinando a uma ordem superior a lgica das coisas do mundo.

Se um bezerro nascesse doente, isso podia ser visto como um mau sinal para toda a comunidade; J uma pessoa leprosa era vista como algum castigado por Deus e a chuva nunca era s um fenmeno fsico, mas uma bno.

A estrutura cientfica que prevalecia nessa viso de mundo orgnica se assentava em duas autoridades: Aristteles e a Igreja. No sculo XIII, Toms de Aquino ainda combinou o abrangente sistema da natureza de Aristteles com a teologia e a tica crist e, assim fazendo, estabeleceu a estrutura conceitual que permaneceu inconteste durante toda a Idade Mdia.

A caracterstica marcante do perodo a transformao dos textos bblicos em fonte de autoridade cientfica e, de modo geral, a existncia de uma atitude de preservao/contemplao da natureza, considerada sagrada, um verdadeiro cdigo vivo que nos mostrava concretamente, atravs das mensagens inscritas no mundo fsico, a palavra divina.

Toms de Aquino Nasceu em 1225 num castelo da cidade de Aquino, no reino de Npoles, Itlia. Fez a sntese do cristianismo com a viso aristotlica do mundo. A partir dele, a Igreja passou a ter uma Teologia (fundada na revelao) e uma Filosofia (baseada no exerccio da razo humana) que se fundem numa sntese definitiva: f e razo.

Aristteles Filsofo grego, aluno de Plato e professor de Alexandre, o Grande, considerado um dos maiores pensadores de todos os tempos e criador do pensamento lgico. Viveu entre (384 a.C. 322 a.C.)

Viso cartesiana

A mquina uma boa metfora de um dos grandes paradigmas que j nortearam a nossa viso de como funcionava o mundo e mesmo o ser humano.

A partir do sculo XV, com os primeiros estudos sistemticos de Galileu Galilei, inicia-se uma mudana na base do conhecimento da poca, que abalou a crena no geocentrismo, dominante tanto entre os sbios como na igreja. Contudo, a principal contribuio de Galileu foi para o mtodo cientfico, pois a cincia se assentava numa metodologia aristotlica.

Segundo Aristteles, os cus eram divinamente perfeitos e os corpos celestes s podiam se mover segundo a mais perfeita das formas: o crculo. Contrariando essa viso, a abordagem matemtica no subordinava mais o conhecimento a explicaes transcendentais e se tornaria a marca registrada da fsica dos sculos XVII e XVIII (por essa razo, alis, que Galileu seria chamado o Pai da Fsica Matemtica).

Galileu Galilei Nasceu em Pisa, na Itlia, em 15 de fevereiro de 1564, e morreu em 1642. Foi um fsico, matemtico, astrnomo e filsofo italiano que teve um papel preponderante na chamada Revoluo Cientfica. O mtodo emprico, defendido por ele, criou um corte efetivo com o mtodo aristotlico mais abstrato utilizado nessa poca.

Contemporneo de Galileu, Descartes apresentou o Discurso do mtodo, com os seguintes pressupostos: jamais acolher alguma coisa como verdade sem evidncia concreta; dividir cada um dos conceitos em tantas partes quantos possvel para resolv-las; partir da ordem dos conceitos mais simples para os mais complexos para conduzir degrau a degrau o conhecimento e buscar em toda parte enumeraes to completas e revises to gerais que provocasse a certeza de nada omitir.

Ren Descartes Nasceu em 1596 e morreu em 1650, tendo sido um filsofo, fsico e matemtico francs. Notabilizou-se, sobretudo, por seu trabalho na filosofia e na cincia.

Aliada ao pensamento cartesiano, a influncia de Isaac Newton foi significativa na cincia moderna, pois ele props a mais completa sistematizao matemtica da concepo mecanicista da natureza. Newton apresentou o universo e o ser humano como uma mquina.

Essa viso de mundo-mquina deu origem ao mecanicismo e possibilidade de trabalhar o raciocnio pela induo e pela deduo.

Esse conhecimento cientfico lgico-dedutivo caracteriza-se pelo mecanicismo e passa a ser a nica forma legtima de fazer cincia.

Essa abordagem passou a ser um novo paradigma, a prpria viso da realidade. O conhecimento cientfico passou a ser sintetizado em manuais. O sculo XVIII, alis, acabou ficando conhecido como Sculo das luzes, exatamente na medida em que esse tipo de pensamento se torna dominante nesse perodo, o assim chamado Iluminismo.

Isaac Newton Nasceu em 1643 e morreu em 1727. Foi um cientista ingls, mais reconhecido como fsico e matemtico, embora tenha sido tambm astrnomo, alquimista, filsofo natural e telogo. Foi o primeiro a demonstrar que o movimento de objetos, tanto na Terra como em outros corpos celestes, so governados pelo mesmo conjunto de leis naturais. De personalidade sbria, para ele a funo da cincia era descobrir leis universais e enunci-las de forma precisa e racional.

Viso PositivistaAs ideias de Darwin sobre a evoluo j apontavam para um mundo em constante movimento.

J no sculo XIX, as ideias evolutivas de Darwin introduziram um novo modo de pensar e fizeram com que os cientistas abandonassem a concepo cartesiana de que o mundo era uma mquina perfeita construda por Deus. A partir de Darwin, o universo passou ento a ser descrito como um sistema em evoluo, em permanente estado de mudana, no qual formas mais simples podiam acabar por desenvolver estruturas complexas.

...o que podemos notar que o modelo de racionalidade que fundamenta a cincia moderna, que se constituiu no sculo XVI com o domnio das cincias naturais, permanece at o sculo XIX, estendido s cincias sociais emergentes.

Charles Robert Darwin Naturalista britnico nascido em 12 de fevereiro de 1809 e morto em 1882. Alcanou fama ao convencer a comunidade cientfica da ocorrncia da evoluo e propor uma teoria para explicar como ela se d por meio da seleo natural e sexual.

A revoluo quntica Voc j viu essa equao antes? de Einstein e revolucionou a maneira como, hoje em dia, podemos ver o mundo.

nas primeiras trs dcadas do sculo XX surgem teorias que fazem desmoronar a sua racionalidade. Descobertas no campo da fsica, culminando no que depois ficou conhecido como a relatividade e a fsica quntica, questionaram alguns dos principais conceitos da viso de mundo cartesiana baseada na mecnica newtoniana.

A teoria quntica foi formulada durante as trs primeiras dcadas do sculo XX por um grupo internacional de fsicos, entre eles Albert Einstein, Max Planck, Werner Heisenberg e depois Niels Bohr. Essa teoria introduziu o conceito de pacotes de energia, ou quantum, dando origem mecnica quntica e teoria quntica da matria.

Albert Einstein Nascido em 1879 e morto em 1955, foi um fsico terico alemo radicado nos Estados Unidos. conhecido por desenvolver a Teoria da Relatividade. Recebeu o Nobel de Fsica de 1921. Seu trabalho terico possibilitou o desenvolvimento da energia atmica, apesar de no prever tal possibilidade.

Outra contribuio significativa que conduz a uma concepo holstica e dinmica do universo a que Capra elabora: uma nova compreenso dos sistemas vivos nom