Roteiro Audiovisual

Embed Size (px)

Text of Roteiro Audiovisual

Slide 1

ArtesEnsino MdioTema da aula:Paradigmas de RoteiroMonomito

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Narrativa

- Narrativa clssica

- Desconstruo da narrativa(quebra com as regras de seqncia linear do tempo,seqncias embaralhadas e ordem invertida dos quadros)

- Paradigmas

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Perodo Homrico (1100-800a.C)

Perodo Arcaico (600-480a.C)

Perodo Clssico (480-323a.C)

Perodo Helnico (323-31a.C)

A cultura grega influenciou a arte e cultura de todos os perodossubsequentes da civilizao ocidental: democracia, individualismo,razo, jogos olmpicos, etc.Arte Grega:

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Teatro Grego Ditirambo: Procisso em homenagem Dionsio (Perodo Arcaico)

Grandes dionsias, tambm chamadasDionsias Urbanas, festival que tinha lugar na Primavera, em honra deDionisio.

Coro: narradores, intermedirios entre atorese platia (representaes, canes, danas)

Histrias e mitos relacionados divindade

Desenvolvimento do uso de mscaras

Criao do dilogo

Dois estilos: Tragdia e Comdia

Theatron = local onde se vCEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Teatro Grego(arquitetura)

Teatro de Dionsio(desenho do sc.XIX)

Teatro de Mileto(Aydin, Turquia)

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Anfiteatro Grego

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Literatura na Grcia AntigaPerodo Clssico

- Epopias de Homero: Ilada, Odissia

Fbulas de Esopo, sc.VI a.C.:A cigarra e a formiga, A Raposa e a Cegonha

pico

Lrico

Dramtico

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Significando "ao" emgrego, a palavra "drama" vem associada representao teatral na Potica de Aristteles

Catarse: Funo do teatro para Aristteles

Segundo os dicionriosHouaisseAulete, "drama" pode significar: "forma narrativa em que se figura ou imita a ao direta dos indivduos", "texto emversoouprosa, escrito para ser encenado" ou mesmo a "encenao desse texto". Por analogia, pode ser, ainda, "qualquer narrativa no mbito da prosa literria em que haja conflito ou atrito"DramaGneros literrios: DramticoDrama = aoTexto literrio para ser encenado, para o teatroOrigem nos festivais religiosos dedicados DionsioDois tipos: a tragdia e a comdia

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Tspis de tica (610 550 aC) teve a grande ousadia de pr um ator a dialogar com ocoro, sendo-lhe assim atribuda a "inveno" doteatro

Criou o conceito de "monlogo" ao apresentar-se naGrande DionisacadaGrcia Antiga, no Sculo V a.C. em Atenas, munido demscarae vestindo uma tnica, interpretando o deus Dionsio

Dramaturgia Arte de compor peas teatraisCEFET-RJ - Coordenao de Artes

Surgimento da Tragdia no Sc. VI a.C.(Perodo Clssico)

Temas oriundos da religio ou saga dos heris

Gnero mais antigo

squilo, Sfocles, Eurpedes

Atores todos homens, uso de mscaras, tnicas, mmica

Tragdia CEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

15

O teatro deve representar o palcio dos reis da Prsia. Ver-se-, ao lado, o tmulo de Dario. Coro Somos, entre os persas, chamados os Fiis. Guardies deste rico e soberbo palcio, aqui estamos, enquanto eles marcham contra a Grcia. Foi nossa experincia, que o filho de Dario, Xerxes, nosso rei e senhor, confiou os cuidados do imprio (...)

Corifeu Saudamos-te, rainha, a primeira entre as mulheres da Prsia, me de Xerxes, viva de Dario, tu que partilhaste o leito do deus dos Persas, que puseste no mundo um deus.

AtossaEis porque deixo a soberba morada e o leito em que outrora recebi Dario; sinto a alma roda de cuidados. Amigos, estou, no ntimo, receosa. Nossos excessivas riquezas podem se esgotar; a base do poder que Dario, no sem a ajuda dos deuses, ergueu, pode ruir.

Coro Ah, desastre irreparvel, pasmoso, inaudito, inesperado. triste nova. Persas, vs que escutais, derramais lgrimas.

Os Persas, de squilo (472 a.C .)

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

16

Surgimento da Comdia no Sc. V a.C. (488 a.C.)

Crtica aos governantes, educao dos sofistas, guerra.

Festivais dedicados Dionsio:Grandes Dionsias e Lenias

Mscara teatral do tipoPrimeiro Escravo, personagem tpico da Comdia Nova. Mrmore, sculo II a.C., Museu Arqueolgico Nacional de Atenas.

Comdia CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Vnus de Calmaco(cpia moderna)MuseuEstatalPushkinde Belas Artes Moscou/Rssia

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Statua del Toro Farnese(sc. II a.C.)Museo Archeologico Nazionale. Npoles, Itlia

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

campus MontanhaAltar de Pergamo - Nereu e Oceano(detalhe)PergamonmuseumBerlim, Alemanha

ESTRUTURA DA NARRATIVA CLSSICA

Incio: Personagem e objetivo (1.ato) Geralmente no incio de algum filme os personagens principais so apresentados e contextualizados. So apresentadascaractersticasfsicas, psicolgicas e sociais. Com algumas definies, j possvel vislumbrar osobjetivosde cada personagem, coerentes com suas personalidades, em relao a histria contada no filme. Eles podem permanecer os mesmos at o final ou serem alterados de acordo com a trajetria da histria.

Meio: Obstculo (2.ato)Osobstculosque impedem a concretizao de objetivos especficos so apresentados como forma de entreter e prender a ateno do espectador. Justifica a razo de existir do filme. So os obstculos que promovem e justificam as aes dos personagens de acordo com seus objetivos.

Fim: Soluo (3.ato) Aps os obstculos serem apresentados, asoluopara cada um deles apresentada. ofinaldo filme, que mostra se a soluo foi concretizada. Filmes clssicos geralmente terminam com finais felizes.

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Narrativa Clssica Aristotlica:Estrutura em trs atos: incio, meio e fim. Manuais de roteiro. Ex: Syd Field, exposio, conflito e resoluo

A Jornada do Heri:- O Heri de Mil Faces, Joseph Campbell (1949) e A Jornada do Escritor, de Christopher Vogler (1990)

- Influenciou o cinema de Hollywood, Disney,George Lucas e Spielberg (Star Wars)

- Estrutura de arqutipos baseada em Carl Junge na mitologia grega

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Arqutipos

Heri:Aquele que se sacrifica por um bem coletivo. (e Anti-Heri)

Mentor:Figura mais experiente que motiva e fornece dons ou ferramentas para o Heri durante sua Jornada.

Guardio de Limiar:Personagem ou situaes que impedem a entrada do Heri na Jornada. Limite entre o cotidiano do Heri e sua aventura.

Arauto:Anuncia para o Heri o chamado aventura. Pode ser o Mentor, o Vilo ou simplesmente um objeto como, por exemplo, uma carta.

Camaleo:Personagem com personalidade dbia, nunca se sabe ao certo se ele est do lado do bem ou do mal. Por exemplo, o aliado que se revela inimigo no final ou o inimigo que salva o Heri em algum momento.

Sombra:Normalmente o Vilo da histria e deseja a destruio do Heri. Personificao dos monstros internos de medos e traumas do subconsciente.

Pcaro:Personagem de alvio cmico para equilibrar a seriedade da histria. Serve tambm para derrubar ostatus quodo Heri e quebrar seu orgulho.

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Estgio Um: Mundo Comum Cotidiano do Heri, sua zona de conforto.

Estgio Dois: Chamado Aventura Heri recebe um chamado a uma aventura inesperada.

Estgio Trs: Recusa do Chamado Heri normalmente recusa ao chamado pois prefere ficar em sua zona de conforto.

Estgio Quatro: Encontro com o Mentor Heri encontra um Mentor que o motiva e fornece dons para a aventura.

Estgio Cinco: Travessia do Primeiro Limiar Heri enfrenta os guardies entre seu mundo comum e o mundo da aventura.

Estgio Seis: Testes, Aliados, Inimigos Heri conhece o mundo especial, suas regras, amigos, inimigos e enfrenta diversos testes.

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

26

Estgio Sete: Aproximao da Caverna OcultaNeste momento o heri se aproxima da grande provao

Estgio Oito: Provao Na grande provao o heri chega no limite entre a vida e a morte na luta contra o Vilo, mas salvo milagrosamente.

Estgio Nove: Recompensa (Apanhando a Espada) Por vencer a provao, Heri conquista uma recompensa.

Estgio Dez: Caminho de Volta Voltando para casa o heri se depara com uma ameaa muito maior. Aqui ele morre.

Estgio Onze: Ressurreio Como recompensa pelo seu sacrifcio, o heri ressucita dos mortos e vence a grande ameaa final, tornando-se um ser superior.

Estgio Doze: Retorno com o Elixir O heri ento volta para casa (mundo comum) ou fica no mundo especial, porm agora como uma nova pessoa, com novos conceitos e totalmente diferente do que era no incio.

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Elaborao de roteiro

- Storyline

Argumento / sinopse

Escaleta

- Primeiro tratamento

CEFET-RJ - Coordenao de Artes

Storyline

- Conta a histria principal do filme

- Resumo em poucas linhas da ao principal da histria

- Conflito, espinha dramtica da trama

- Comeo, meio e fim

Exemplos:Era uma vez um prncipe cujo pai, o rei, foi assassinado por seu prprio irmo com o fim de ficar com o trono. Este crime conduziu o jovem a uma crise existencial que deu em uma onda de mortes, incluindo a sua. Hamlet, de Shakespeare

CEF