of 54/54
o SÉRIE MELIPONICULTURA - N 07 o SÉRIE MELIPONICULTURA - N 07 o SÉRIE MELIPONICULTURA - N 07 Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa Bruno de Almeida Souza Carlos Alfredo Lopes de Carvalho Rogério Marcos de Oliveira Alves Carleandro de Souza Dias Lana Clarton

Serie meliponicultura n7

  • View
    95

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Serie meliponicultura n7

  • oSRIE MELIPONICULTURA - N 07oSRIE MELIPONICULTURA - N 07oSRIE MELIPONICULTURA - N 07

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa

    Bruno de Almeida Souza

    Carlos Alfredo Lopes de Carvalho

    Rogrio Marcos de Oliveira Alves

    Carleandro de Souza Dias

    Lana Clarton

  • oSRIE MELIPONICULTURA - N 07

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa

    Bruno de Almeida Souza

    Carlos Alfredo Lopes de Carvalho

    Rogrio Marcos de Oliveira Alves

    Carleandro de Souza Dias

    Lana Clarton

    PROMOO:

    Insecta - Ncleo de Estudo dos Insetos

    Grupo de Pesquisa Insecta Centro de Cincias Agrrias, Ambientais e Biolgicas

    Universidade Federal do Recncavo da Bahia

    APOIO:

    Programa de Ps-Graduao em Cincia Animal - UFRB

    Programa de Ps-Graduao em Cincias Agrrias - UFRB

    Fundao de Amparo Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB

    Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico - CNPq

    Cruz das Almas - Bahia2009

  • C331

    Souza, B. de A.

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa / Bruno de A. Souza, Carlos Alfredo L. de Carvalho, Rogrio M. de O. Alves, Carleandro de Souza Dias, Lana Clarton - Cruz das Almas: Universidade Federal do Recncavo da Bahia: Bruno de A. Souza, 2009.

    46 p. : il. (Srie Meliponicultura; 7)

    Bibliografia

    1. Meliponicultura - manejo. 2. Meliponicultura - mel. 3. Meliponicultura - Brasil. I. Carvalho, C.A.L. de II. Alves, R. M. de O. III. Dias, C. de S. IV. Clarton, L.

    CDD - 20 ed.63814

    CAPADetalhe da entrada da colnia de munduri (Melipona asilvai) em toco de catingueira (Caesalpinia pyramidalis) (frente) (Foto: C.A.L. de Carvalho); aspecto do favo de cria, potes de alimento e colheita do mel (fundo) (Foto: C.A.L. de Carvalho) e das estrias de barro na entrada do ninho (fundo) (Foto: R.M.de O. Alves)

    a1 edio 2009

    Ficha Catalogrfica

    Impresso no Brasil - Printed in Brazil

    2009

    Copyright 2009 by Bruno de A. Souza, Carlos Alfredo L. de Carvalho, Rogrio Marcos de O. Alves, Carleandro de Souza Dias e Lana Clarton.

    ISBN: 978-85-61346-03-4

  • Autores

    BRUNO DE ALMEIDA SOUZA

    Embrapa Meio-Norte, Ncleo de Pesquisas com Abelhas, Av. Duque de Caxias, 5650, Teresina-PI, 64006-220; E-mail: [email protected]

    CARLOS ALFREDO LOPES DE CARVALHO

    Centro de Cincias Agrrias, Ambientais e Biolgicas - UFRB, Cruz das Almas-BA, 44380-000; E-mail: [email protected]

    ROGRIO MARCOS DE OLIVEIRA ALVES

    Programa de Ps-Graduao em Cincias Agrrias, Centro de Cincias Agrrias, Ambientais e Biolgicas - UFRB, Cruz das Almas-BA, 44380-000.

    Instituto Federal de Ensino, Cincia e Tecnologia Baiano, R. Baro de Camaari, n. 118, Centro, Catu-BA; E-mail: [email protected]

    CARLEANDRO DE SOUZA DIAS

    Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrcola - EBDA

    Estao Experimental de Itaberaba, Coordenao de Apicultura e Meliponicultura. Rua Helio Borges s/n, Bairro So Joo, Itaberaba-BA, 46880-000; E-mail: [email protected]

    LANA CLARTON

    Programa de Ps-Graduao em Cincias Agrrias, Centro de Cincias Agrrias, Ambientais e Biolgicas - UFRB, Cruz das Almas-BA, 44380-000.

    Grupo de Pesquisa Insecta, Centro de Cincias Agrrias, Ambientais e Biolgicas - UFRB, Cruz das Almas-BA, 44380-000; E-mail: [email protected]

    Distribuio:

    Grupo de Pesquisa INSECTANcleo de Estudo dos Insetos

    Centro de Cincias Agrrias, Ambientais e Biolgicas - UFRB,CEP: 44380-000, Cruz das Almas - BA.

    Fone/Fax: (75) 3621-2002www.insecta.ufrb.edu.br

  • CONTEDO

    APRESENTAO

    1. CARACTERSTICAS E IMPORTNCIA DO GNERO Melipona

    2. A MUNDURI - HABITAT

    3. HBITOS DE NIDIFICAO

    4. ARQUITETURA DO NINHO

    5. MATERIAIS UTILIZADOS PARA CONSTRUO DO NINHO

    6. POPULAO E COMPORTAMENTO DEFENSIVO

    7. INSTALAO DO MELIPONRIO

    8. CAIXA PARA CRIAO RACIONAL

    9. MANEJO

    10. ALIMENTAO ARTIFICIAL

    11. ATIVIDADE EXTERNA

    12. PASTAGEM

    13. PRODUTOS

    14. CONSIDERAES FINAIS

    15. BIBLIOGRAFIAS

  • APRESENTAO

    Estima-se que exista cerca de 30.000 espcies de abelhas no mun-do, cada uma dessas apresentando diferentes comportamentos, nveis de sociabilidade, preferncias alimentares, dentre outros. Devido a grande diversidade de espcies e para facilitar o estudo de seus hbitos e a melhor forma de criao, essas abelhas esto divididas em diversas famlias, sub-famlias, tribos e subtribos. As espcies da subtribo Meliponina, conhecidas como abelhas sem ferro, abelhas indgenas, abelhas nativas, ou ainda, simplesmente por meliponneos ou melponas, so muito populares em muitos pases tropicais e subtropicais das Amricas Central e do Sul, frica e Oceania. Juntamente com as abelhas africanizadas (Apis mellifera), des-tacam-se como agentes polinizadores pela sua abundncia na natureza, ampla distribuio geogrfica e atrao pelas flores, de onde obtm alimen-to, abrigo, calor e material para construo do ninho.

    Como ocorre com as abelhas africanizadas, as abelhas sem ferro tambm so criadas racionalmente em muitas partes do mundo, com os mais diversos objetivos, desde simples passatempo at como objeto de pro-funda pesquisa, para explorao agrocomercial ou turstica, decorao eco-paisagstica, permacultura e educao ambiental. No Brasil, por exemplo, a Meliponicultura tem sido uma atividade desenvolvida em quase todas as regies por pequenos e mdios produtores.

    Cerca de 200 espcies de abelhas sem ferro j foram catalogadas no Brasil, porm, acredita-se que esse nmero seja muito maior, chegando a pelo menos o dobro desse nmero.

    Algumas espcies so tpicas das reas semi-ridas brasileiras, especialmente aquelas pertencentes ao gnero Melipona, como a munduri (Melipona asilvai), tambm conhecida como manduri, papa-terra, uru-u-mirim ou rajada.

    A munduri uma das abelhas sem ferro mais conhecidas pelos ser-tanejos em vrias partes do semi-rido nordestino. Ela caracterizada pela populao rural como uma abelha sestrosa o que, no serto, tem a cono-tao positiva de um animal manhoso, esperto, que consegue sobrevi-ver e produzir mel sem chamar a ateno do meliponicultor.

    Muitos agricultores do semi-rido tm se empenhado na criao das abelhas africanizadas e algumas espcies de abelhas nativas, como as mandaaias, jata e jandara. A munduri relegada ao segundo plano ou mesmo no criada, sendo apenas alvo de aes extrativistas por parte

  • dos meleiros. Esse quadro preocupante, pois devido ao intenso desma-tamento, a desertificao causada pelo mau uso do solo, queimadas, a pobreza e outros problemas scio-ecolgicos que afligem a caatinga nor-destina, essa espcie corre srio risco de reduo de colnias nessa regio.

    Desejamos que o trabalho apresentado neste 7 nmero da Srie Meliponicultura seja uma ferramenta importante para pesquisadores, estu-diosos, tcnicos, extensionistas, criadores e demais interessados na pre-servao e/ou criao comercial dessa abelha. Muitas das informaes apresentadas so resultado dos estudos efetuados pelos autores no meli-ponrio do Grupo de Pesquisa INSECTA do Centro de Cincias Agrrias, Ambientais e Biolgicas, da Universidade Federal do Recncavo da Bahia, localizado em Cruz das Almas; no meliponrio da vila de Pedra Branca, Santa Teresinha-BA, e em meliponrios de criadores dos municpios de Ita-beraba, Conceio do Coit, Serrinha e Tucano, Estado da Bahia.

  • Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 01

    1. CARACTERSTICAS E IMPORTNCIA DO GNERO Melipona

    Apesar da importncia das abelhas para a manuteno da estrutura da fauna e da flora tropical, as espcies de abelhas sem ferro tm diminudo em grande velocidade, devido a uma influncia negativa do homem sobre o meio onde elas habitam. A fragmentao desse ambiente gera, como conseqncias diretas, a diminuio na oferta dos locais para abrigo e alimentao, a destruio de colnias e uma acentuada reduo na capacidade de suporte das reas de reserva florestal.

    Dentre as espcies mais ameaadas, encontram-se as pertencentes ao gnero Melipona, da subtribo Meliponina, com o maior nmero de espcies descritas (Kerr et al., 1996; Silveira et al., 2002). Este gnero destaca-se tambm por ser um dos mais populares, relacionando um grande nmero de espcies conhecidas como mandaaias (Melipona quinquefasciata, M. quadrifasciata quadrifasciata, M. quadrifasciata anthidioides e M. mandacaia), uruus (M. scutellaris, M. crinita, M. fuliginosa, M. flavolineata e M. rufiventris), jandara (M. subnitida), tiba (M. compressipes) e a munduri (M. asilvai).

    As espcies de Melipona ocorrem exclusivamente na regio Neotropical (do sul da Amrica do Sul at as montanhas do norte do Mxico, na Amrica Central). O desenvolvimento da criao racional das colnias dessas abelhas possibilita a explorao econmica de seus produtos (Meliponicultura), que serve de suporte econmico para muitas pessoas proporcionando-lhes uma fonte alternativa de renda.

    Para que esta atividade seja bem sucedida imprescindvel o conhecimento da bioecologia destes insetos sociais, com a finalidade de se determinar as tcnicas de manejo dispensadas sua produo e reproduo.

    Neste contexto, a abelha munduri se destaca no semi-rido como uma das mais criadas, especialmente no Estado da Bahia. Sua ocorrncia foi registrada por R.M.O. Alves (informao pessoal), nas regies do semi-rido do Estado da Bahia, sul do Piau e norte de Minas Gerais (Figura 1). Esta informao est de acordo com relatos de Camargo & Pedro (2008), que registraram essa espcie para os Estados de Alagoas, Bahia, Cear, Esprito Santo, Minas Gerais, Paraba, Pernambuco, Piau, Rio Grande do Norte e Sergipe. Ressalta-se que a Munduri foi descrita em 1971 pelo Padre Moure com material proveniente de Maracs, Bahia (Figura 2).

  • Souza et al.02

    Figura 1 - Regio semi-rida do Brasil: possvel rea de distribuio da abelha munduri (Melipona asilvai) (Fonte: IBGE, 1988).

    Figura 2 - A abelha munduri (Melipona asilvai).

  • 2. A MUNDURI - HABITAT

    A munduri habita naturalmente regies de caatinga brasileira, sendo criada de modo extrativista para a produo de mel. As poucas informaes existentes sobre a espcie em seu ambiente so fruto de observaes da populao local, que a considera uma abelha sestrosa (manhosa, dengosa).

    A regio semi-rida do Nordeste do Brasil caracterizada pela existncia de uma vegetao xerfita (adaptadas a clima de semi-aridez ou desrticos), precipitao baixa e irregular, e com altas temperaturas, sendo observada uma baixa riqueza de espcies de abelhas sem ferro quando comparada ao cerrado e mata atlntica (Carvalho, 1999; Castro, 1994, 2001). No semi-arido brasileiro, encontra-se o bioma das caatingas.

    Este bioma apresenta fortssima entrada de energia solar, com mdias trmicas elevadas oscilando entre 26 a 29, ao lado de precipitaes relativamente escassas e muito irregulares, com medias anuais que variam entre 250 a 800 mm. No entanto, no se trata de um deserto estril, mas sim de um complexo fisiogrfico - climtico, hidrolgico e ecolgico - tipicamente de semi-rido (Absaber, 1974, Zanella, 2000). Muitas espcies vegetais e animais que ocorrem apenas nesta regio esto em estado crtico, algumas em ameaa de extino.

    No Estado da Bahia a distribuio da munduri abrange a rea de caatinga baixa, alcanando a altitude de 500 m no municpio de Santa Teresinha-BA. Em regies de alta umidade (litoral) o desenvolvimento das colnias normalmente prejudicado.

    3. HBITOS DE NIDIFICAO

    Um dos principais fatores limitantes para a expanso de uma espcie de abelha o local que ela escolhe para construir seus ninhos. Normalmente as abelhas sem ferro utilizam como substratos para instalao de suas colnias cavidades pr-existentes, naturais ou artificiais, como ocos de rvores vivas e mortas, fendas de rochas, cavidades no solo, caixas de luz eltrica e ninhos abandonados ou ativos de formigas e cupins. Algumas espcies apresentam tambm ninhos areos.

    No ambiente natural de ocorrncia da munduri, no semi-rido baiano, a umburana ou imburana (Amburana cearensis) a espcie vegetal mais procurada para construo de suas colnias (37%) (Figura 3). Essa espcie, tambm, utilizada por outras abelhas, como a mandaaia e

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 03

  • a jandara. Outras rvores utilizadas para nidificao pela munduri so: aroeira (Myracrodruon urundeuva), umbuzeiro (Spondias tuberosa) e quixabeira (Sideroxylon obtusifolium). Colnias de munduri tambm foram localizadas por outros autores em caatinga-de-porco (Caesalpinia pyramidalis), umburana-de-cambo (Commiphora leptophloeus), algaroba (Prosopis juliflora) e barana (Schinopsis brasiliensis) (Figura 4). Essas informaes demonstram que os ninhos da munduri so encontrados ocupando preferencialmente aquelas espcies vegetais tpicas da vegetao da caatinga, reforando a necessidade de preservao desse ecossistema. Espcies exticas comumente introduzidas nessa regio, como a algarobeira, tem sido utilizada por espcies de abelhas nativas como substrato de nidificao, sugerindo uma adaptao em funo da reduo da disponibilidade de substratos fornecidos por espcies nativas.

    12,5%

    25,0%

    37,5%

    12,5%

    12,5%

    aroeira (Myracrodruon urundeuva) algaroba (Prosopis juliflora)

    umburana (Amburana cearensis) quixabeira (Sideroxylon obtusifolium)

    umbuzeiro (Spondias tuberosa)

    Figura 3 - Espcies vegetais utilizadas pela munduri (Melipona asilvai) para nidificao nos municpios de Tucano e Itaberaba, regio semi-rida do Estado da Bahia, Brasil (Souza, 2003).

    Uma anlise dos aspectos fsicos de algumas madeiras utilizadas para construo de ninhos demonstra que a umburana e a algaroba

    -3apresentam densidade inferior a 0,90 g.cm . Essa caracterstica pode favorecer a formao de ocos, que so utilizados pelas abelhas para nidificao. Outras caractersticas das espcies vegetais mais usadas para nidificao pela munduri so apresentadas nas Tabelas 1 e 2.

    A avaliao da ocupao dos espaos pr-existentes nas espcies vegetais indicou que o volume mdio da cavidade dos cortios foi de 2,73

    Souza et al.04

  • Figura 4 - Espcies vegetais utilizadas para nidificao pela abelha munduri (Melipona asilvai) e respectivo detalhe do tronco: (A) Algarobeira (Prosopis juliflora); (B) Umburana-de-cambo (Commiphora leptophloeus).

    litros, embora as colnias no ocupassem todo o espao disponvel. Este valor serve de referncia para a estimativa do dimensionamento das caixas racionais.

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 05

  • Tabela 1 - Caractersticas fsicas das madeiras provenientes das espcies vegetais utilizadas para nidificao pela abelha munduri (Melipona asilvai) nos municpios de Itaberaba e Tucano, Estado da Bahia (Souza, 2003).

    EspcieNome

    Vulgar

    Densidade

    (g.cm -3)Caractersticas da madeira

    Amburana cearensis Umburana ou imburana

    0,60Madeira moderadamente pesada, macia, moderadamente durvel quando exposta a intempries.

    Myracrodruon urundeuva

    Aroeira 1,19Madeira muito pesada, grande resistncia mecnica, praticamente imputrescvel.

    Prosopis juliflora Algarobeira 0,85 -

    Sideroxylon obtusifolium

    Quixabeira 0,93Madeira pesada, dura, porm fcil de trabalhar, de textura fina e baixa durabilidade quando exposta.

    Spondias tuberosa Umbuzeiro -Madeira leve , mole, fcil de trabalhar, baixa durabilidade natural.

    Fonte: Lorenzi, 1998; Lorenzi, 2000; Embrapa, 2003

    Tabela 2 - Dimenses dos substratos arbreos utilizados para nidificao pela abelha munduri (Melipona asilvai) nos municpios de Itaberaba e Tucano, Estado da Bahia (Souza, 2003).

    Caractersticas n Variao Mdia dp

    Comprimento da cavidade do tronco (cm) 4 70,00 - 130,00 96,00 25,00

    Dimetro da cavidade do tronco (cm) 5 5,20 - 10,00 6,77 1,90

    Volume da cavidade do tronco (L) 4 1,49 - 3,52 2,73 0,964

    Espessura da madeira (cm) 3 6,25 - 7,50 6,78 0,64n = nmero de amostras, dp = desvio padro.

    4. ARQUITETURA DO NINHO

    As caractersticas dos ninhos de munduri apresentadas a seguir foram obtidas no estudo da arquitetura e estrutura de colnias desta espcie realizado por Souza (2003), onde foram levantados dados referentes ao nmero de favos por colnia, altura da rea de cria, dimenso dos favos e clulas de cria, altura de pilares, dimenses e capacidade de armazenamento dos potes de alimento (mel e plen). Estes dados encontram-se relacionados na Tabela 3 e sero discutidos a seguir.

    Souza et al.06

  • Tabela 3 - Caracterizao dos ninhos da abelha munduri (Melipona asilvai) nos municpios de Itaberaba e Tucano, Estado da Bahia (Souza, 2003).

    Caractersticas n Unidade Variao Mdia dp

    Nmero de favos/colnia 11 Colnia 4 - 8 5,55 1,21

    Espao ocupado pela rea de cria nos cortios (altura em cm)

    5 Cortio 12,00 - 16,00 14,20 1,48

    Favos de cria - comprimento (cm) 48 Favo 2,70 - 8,00 5,44 1,25

    Favos de cria - largura (cm) 54 Favo 1,13 - 7,20 4,13 1,33

    Pilares - altura (cm) 17 Pilar 0,34 - 0,44 0,40 0,03

    Dimetro das clulas de cria (cm) 18 Clula 0,40 - 0,54 0,45 0,04

    Altura das clulas de cria (cm) 18 Clula 0,70 - 0,85 0,76 0,06

    Volume das clulas de cria (mL) 18 Clula 0,09 - 0,12 0,10 0,01

    Nmero de clulas por cm de favo de cria 10 Favo 5,05 - 7,34 5,87 0,79

    Altura dos potes de mel (cm ) 47 Pote 1,80 - 3,00 2,40 0,31

    Dimetro dos potes de mel (cm) 47 Pote 1,40 - 2,79 2,03 0,31

    Volume dos potes de mel (mL) 199 Pote 1,00 - 10,00 4,10 1,64

    Altura dos potes de plen (cm) 23 Pote 1,82 - 3,21 2,67 0,39

    Dimetro dos potes de plen ( cm) 23 Pote 1,41 - 3,05 2,28 0,42

    Peso da massa de plen depositadas em potes fechados (g)

    6 Pote 3,68 - 6,18 4,46 0,96

    n = nmero de amostras, dp = desvio padro.

    4.1 Entrada

    A entrada dos ninhos das abelhas sem ferro caracterstica de cada espcie, apresentando variaes quanto aos materiais empregados na sua construo, forma e tamanho. Muitas vezes estas estruturas encontram-se relacionadas ao sistema de defesa da colnia. Nas espcies de Melipona, entre elas a mexicana xunan-cab (M. beecheii) e a tiba (M. compressipes), a entrada tem ainda a finalidade de orientar as abelhas campeiras, pois possuem alta refletncia ao ultravioleta devido s substncias glandulares aplicadas sua estrutura.

    A entrada da colnia de munduri segue o padro de outras espcies do gnero Melipona: formada por um orifcio com dimetro aproximado de 0,4 cm, envolto por uma estrutura composta por raios concntricos, aparentemente constituda apenas por barro, distribudos em semi-crculo na sua parte inferior. Esse orifcio de entrada permite a passagem de

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 07

  • apenas uma campeira por vez (Figura 5).

    Alguns autores relatam a presena de excrementos de animais misturados ao barro utilizado para formar a entrada da colnia da munduri. Tambm, em colnias fracas, durante perodos de baixas temperaturas, pode-se observar que a entrada da colmia fechada pelas abelhas com barro e/ou fezes de animais.

    Internamente o tnel de entrada das colnias da munduri constitudo por cerume, ligando o meio externo diretamente rea de cria.

    Figura 5 - Entrada da colnia da abelha munduri (Melipona asilvai): (A) parte externa da entrada da colnia, detalhando os raios concntricos feitos de barro e o orifcio de acesso parte interna do ninho com uma abelha-guarda; (B) tnel interno de acesso ao ninho.

    4.2 rea de cria

    O espao ocupado pela rea de cria da munduri possui uma amplitude de 12,0 a 16,0 cm de altura (14,20 cm + 1,48 cm) dentro da cavidade do cortio, mesmo havendo disponibilidade de mais espao para sua ampliao (96,00 cm + 25,00 cm de altura da cavidade). A ocupao desse espao depende das condies climticas e de florada locais, o que ocasiona o efeito sanfona, isto , a colnia cresce em perodos de condies favorveis e diminui em perodos desfavorveis.

    A criao das abelhas sem ferro em cortios ou caixas rsticas pode dar a impresso de que a colnia ocupa todo o espao disponvel. Esta situao reforada pelo fato do meliponicultor no realizar um manejo constante s colnias, abrindo as caixas poucas vezes ao ano. Em muitos

    Souza et al.08

  • casos a aferio manual do peso do cortio/caixa rstica o nico parmetro de manejo, indicativo da presena ou no de mel. So poucos os casos em que o meliponicultor abre os cortios para verificar o estado da colnia e a ocupao do espao interno. Considerando o efeito sanfona, recomendvel a reduo desse espao, utilizando caixas racionais, que permitem ao meliponicultor manipular o espao interno disponvel s abelhas, adicionando mdulos na disponibilidade de alimento, e retirando no perodo de entre-safra.

    Os favos ou discos de cria da munduri seguem o padro apresentado por outras espcies do gnero Melipona, isto , compactos, sendo construdos em forma de discos superpostos (Figura 6). Esta conformao dos favos de cria pode ser vista como um fator facilitador do processo de multiplicao artificial de colnias desta espcie, uma vez que se torna mais fcil a separao dos discos, quando comparados com os favos compactos helicoidais e os favos em cachos observados em outras espcies de abelhas sem ferro.

    Figura 6 - rea de cria da colnia da abelha munduri instalada em cortio.

    O nmero de favos de cria numa colnia de munduri pode variar de 4 a 8 (5,55 + 1,21), com dimenses de 5,44 + 1,25 cm de comprimento e 4,13 + 1,33 cm de largura. As clulas de cria apresentam dimetro mdio de 0,45 + 0,04 cm, altura de 0,76 + 0,06 cm e volume de 0,10 + 0,01 mL. O nmero de clulas de cria encontrado por unidade de rea de favo foi 5,87 +

    -20,79 clulas.cm .

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 09

  • Os discos de cria encontram-se separados por pilares de cerume de 0,40 + 0,03 cm de altura. Este dado serve de referncia para o espao que deve ser deixado entre os favos de cria e o assoalho da caixa racional, quando da transferncia da colnia do tronco para a caixa.

    O invlucro revestindo a rea de cria encontrado apenas nos perodos de baixa temperatura e em colnias mais fracas, sendo ausente em colnias fortes nesse mesmo perodo (Figura 7). A temperatura na rea de cria, mensurada com um termohigrmetro instalado nessa regio

    2 (Figura 8), varia em funo da temperatura ambiente ao longo do dia (R = 0,84) (Figura 9).

    Figura 7 - Detalhe do invlucro envolvendo os discos de cria de Melipona asilvai.

    Algumas espcies de meliponneos apresentam dependncia das condies climticas locais e de cavidades apropriadas para a instalao de suas colnias, facilitando o controle da temperatura interna. Esta mesma dependncia pode ser observada para a munduri. Esta observao serve de alerta para que se evite a introduo de espcies de abelhas sem ferro em locais onde naturalmente no ocorram, j que muitas delas necessitam de condies especficas para que se desenvolvam de forma satisfatria.

    Souza et al.10

  • Figura 8 - Termopar instalado em caixa racional habitada por munduri (Melipona asilvai).

    y = -0,056x2 + 1,2985x + 24,952

    R2 = 0,84

    26,0

    27,0

    28,0

    29,0

    30,0

    31,0

    32,0

    33,0

    34,0

    26,2 26,8 27,8 27,9 29,4 29,5 29,5 30,5 30,9 31,2 31,2 33,5

    Temperatura ambiente (C)

    Tem

    pera

    tura

    na

    re

    ade

    cria

    (C

    )

    Figura 9 - Relao entre temperatura ambiente (C) e temperatura da rea de cria (C) de Melipona asilvai ao longo do dia.

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 11

  • A forma de construo das clulas de cria das munduris do tipo sucessivo, com uma nica clula tratada por processo (Figura 10). Este mesmo comportamento verificado para outras espcies do gnero, como nas uruus (M. scutellaris e M. rufiventris). Este procedimento torna possvel a presena de clulas em diversos estgios de construo nas colnias. tambm devido a este fato que se observa diferena no tempo em que os adultos emergem das clulas de cria, sendo que o processo se d normalmente da parte central do disco para as extremidades.

    Figura 10 - Processo de construo sucessiva dos favos de cria da abelha munduri (Melipona asilvai), detalhando clulas operculadas e outras ainda em construo.

    4.3 rea de alimento

    Os potes de alimento da munduri, bem como as suas clulas de cria, so construdos com cera ou cerume (cera + resina), sendo esta uma caracterstica tambm relatada para outras abelhas, como as abelhas africanizadas (Apis mellifera), abelhas-das-orqudeas (subtribo Euglossina) e nas mamangavas sociais (Bombus sp.). Encontram-se dispostos tanto acima quanto abaixo dos discos de cria. Apresentam formato ovalado e em contato entre si (Figuras 11 e 12).

    Muitos autores citam como usual a ocorrncia de uma distribuio irregular dos potes de alimento dentro do local de nidificao pelas diversas espcies de meliponneos, de forma a aproveitar todas as reentrncias da cavidade. Estes potes geralmente situam-se fora da massa central de

    Souza et al.12

  • favos. Tambm tpica a disposio encontrada em certos ninhos acomodados em ocos de madeiras, onde os potes encontram-se tanto abaixo como acima do conjunto de favos, sendo que os de plen precedem os potes com mel.

    As dimenses dos potes de mel de munduri podem variar de 1,8 a 3,0 cm de altura (2,40 + 0,31 cm) e 1,40 a 2,79 cm de dimetro (2,03 + 0,31 cm). Os volumes dos potes de mel variam de 1,0 a 10,0 mL (4,10 + 1,64 mL).

    J os potes de plen apresentam altura variando de 1,82 a 3,21 cm (2,67 + 0,39 cm) e dimetro de 1,41 a 3,05 cm (2,28 + 0,42 cm). O peso da massa de plen contido nos potes pode ser de 3,68 at 6,18 g (4,46 + 0,96 g).

    Figura 11 - Estrutura do ninho da abelha munduri (Melipona asilvai) instalado em cortio, detalhando discos de cria e reas de alimento.

    Figura 12 - Potes de alimento da abelha munduri (Melipona asilvai): (A) potes de plen; (B) e (C) medio dos potes de mel e dos potes de plen.

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 13

  • 5. MATERIAIS UTILIZADOS PARA CONSTRUO DO NINHO

    Em adio s limitaes de disponibilidade de um local para nidificao, a existncia de materiais utilizados pelas abelhas para a construo dos ninhos no meio ambiente pode determinar o sucesso reprodutivo de determinadas espcies.

    A munduri apresenta o hbito de coletar grandes quantidades de barro para a construo do ninho e vedao das fendas. Foi possvel verificar a presena de batume (mistura de barro com cerume) com espessura variando entre 0,77 e 2,20 cm. A presena de resina no batume de difcil visualizao devido ao alto grau de mistura com o barro (Figura 13). A parte interna do batume decorada com cavidades circulares.

    O comportamento de coleta de barro para construo do batume e da entrada da colnia caracterstico para as espcies do gnero Melipona. O batume empregado para a confeco de paredes divisrias do ninho, chegando a apresentar espessura que varia de 8 a 12 cm, com a finalidade de reforar as paredes naturais do ninho ou ento para limitar o espao disponvel. A munduri mantm o batume principalmente nas regies de baixas temperaturas e/ou de alta umidade.

    Figura 13 - Materiais utilizados pela abelha munduri (Melipona asilvai) para a construo do ninho - batume: (A) batume na parte superior do ninho com detalhe do acmulo de fezes; (B) caixa com a parte superior do ninho completamente vedada com batume.

    Souza et al.14

  • Tambm so encontrados depsitos de resina nas colnias de munduri instaladas tanto em cortios como em caixas racionais. Estes depsitos apresentam grande diversidade de cores e esto localizados prximos ao tnel de acesso interno da colnia e dos discos de cria (Figura 14).

    O uso da resina coletada pelos meliponneos (prpolis e geoprpolis) comum na medicina popular. Alm do barro e resina, a munduri tambm pode apresentar o hbito de coletar fezes de animais, sendo verificada a presena de excrementos de aves e de bovinos. Observaes iniciais sugerem que esta coleta foi feita devido inexistncia de barro mido em decorrncia da poca seca do ano. Esse comportamento implica em maiores cuidados por parte dos criadores para a escolha do local de instalao do meliponrio e no manejo das colnias.

    Figura 14 - Depsito de resina coletada pela abelha munduri (Melipona asilvai): (A) em caixa racional; (B) em cortio.

    A utilizao de excrementos de vertebrados verificada com grande freqncia em algumas espcies de meliponneos para a construo de diversas estruturas de seus ninhos. Este comportamento foi observado por Nogueira Neto (1997), para diversas espcies do gnero Melipona, como M. scutellaris, M. quadrifasciata e M. subnitida.

    H ainda dvidas sobre qual o papel das fezes e outros materiais no-higinicos utilizados pelas abelhas. Roubik (1989) afirma no existir ainda prova de que a coleta de fezes pelas abelhas seja feita somente para sua utilizao como material de construo, mas tambm como fonte de nitrognio ou fosfato. Este autor sugere ainda que este tipo de material possa ser utilizado por algumas espcies de abelhas tropicais como material para produo de substncias germicidas. Em outro estudo, pesquisadores constataram a eficincia das amostras de prpolis e geoprpolis produzidas por abelhas nativas provenientes do Nordeste do

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 15

  • Brasil sobre algumas bactrias perigosas sade humana. Foi observado que a cupinheira (Partamona sp.), espcie de abelhas sem ferro que coleta fezes para a construo do ninho, apresentou prpolis com maior atividade inibitria sobre Staphylococcus aureus e Enterococcus sp., do que a prpolis de A. mellifera e das demais espcies de meliponneos estudadas. Alm disso, a prpolis dessa espcie apresentou tambm atividade inibidora sobre Escherichia coli.

    Devido ao hbito anti-higinico apresentado pela munduri, a utilizao de sua geoprpolis ou resina deve ser feita com cautela, sendo necessrios ainda a realizao de estudos mais especficos com relao ao comprometimento, ou no, destes produtos para utilizao humana.

    De forma semelhante, para a explorao do mel so necessrios estudos microbiolgicos, isso porque, durante a manipulao das colnias, partes das fezes eventualmente coletadas por essas abelhas, podem cair sobre os potes de armazenamento e contaminar o produto. Alm disso, os potes de mel so formados por resinas e cera que tambm podem ser contaminadas com esse material.

    Em nossos estudos, no foi observado depsito de cera nas colnias de munduri. A cera naturalmente a matria-prima mais importante das abelhas, resultante do seu metabolismo, mas que depende diretamente de recursos coletados na natureza.

    6. POPULAO E COMPORTAMENTO DEFENSIVO

    Estimativas feitas em nove colnias de munduri mostraram que esta espcie apresentou populao mdia de 1.034 indivduos (ovos, larvas, pupas e adultos). A maior populao observada foi da ordem de 1.868 indivduos.

    Outras espcies do gnero Melipona apresentaram estimativas populacionais em torno de 7.000 indivduos, como por exemplo M. rufiventris. Por outro lado, a espcie M. quadrifasciata anthidioides possui populao mdia de 900 indivduos adultos.

    O comportamento defensivo apresentado pela munduri variado, sendo observada desde uma certa timidez, com as abelhas escondendo-se quando molestadas, chegando a dar a impresso de que a colnia est abandonada, at a extrema defensividade (ou agressividade, conforme outros autores), medida que se faz intervenes mais detalhadas na colnia (Figura 15).

    Souza et al.16

  • Figura 15 - Comportamento defensivo das operrias de munduri: (A) timidez, abelhas escondidas dando aparncia de abandono do ninho; (B) agressividade, abelhas utilizando as mandbulas como instrumento de defesa e se enrolando no cabelo do observador.

    De forma geral, podemos classificar o comportamento defensivo da manduri em: a) baixa agressividade ou defensividade, com abelhas permanecendo dentro do ninho; b) mdia agressividade ou defensividade, caracterizado pela sada de algumas abelhas do ninho, sobrevoando a rea e o observador, sem apresentar algum comportamento de ataque, e c) alta agressividade ou defensividade, com abelhas atacando o observador, enrolando no cabelo ou utilizando as mandbulas como instrumento de ataque.

    Este ltimo comportamento semelhante ao adotado pelas operrias de munduri contra os fordeos, importante praga das abelhas sem ferro, que geralmente ocorrem durante o processo de transferncia ou multiplicao de enxames.

    Os fordeos so mosquitos (Diptera: Phoridae) so capazes de destruir colnias fracas e/ou mal manejadas (Figura 16), uma vez que as suas larvas so vidas pelo plen encontrado nos potes de alimento e nas clulas de cria das abelhas.

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 17

  • Figura 16 - Ataque de fordeos (Diptera: Phoridae) a colnias de abelhas munduri (Melipona asilvai) em Itaberaba-BA: (A) viso geral da colnia atacada, detalhando favos de cria destrudos; (B) detalhe da postura de fordeos em potes de alimento.

    7. INSTALAO DO MELIPONRIO

    Os cuidados para a instalao do meliponrio (conjunto de colnias de abelhas sem ferro mantidas em caixas racionais) para criao da munduri seguem as recomendaes padro para as demais espcies de Meliponneos.

    Os seguintes pontos devem ser observados: instalao prxima a residncias, em terreno limpo e utilizao de cavaletes para fixar as colnias (ou penduradas no beiral das casas). O local do meliponrio deve ser sombreado e arejado, com disponibilidade de gua, sem interferncia de ventos fortes e prximo s floradas (evitar distncias maiores que 500 metros). Em ecossistemas como a caatinga, onde a munduri naturalmente ocorre, a existncia de gua fundamental (mximo de 100 metros de distncia) (Figura 17).

    Souza et al.18

  • Estes procedimentos, alm de facilitar o manejo das colnias, possibilitam uma vigilncia constante contra inimigos naturais e o roubo das caixas.

    Um aspecto que deve ser observado na criao das abelhas sem ferro diz respeito ao hbito de algumas espcies coletarem fezes de animais em substituio ao barro nas pocas secas do ano. Esse comportamento foi observado para a munduri. Por isso, recomenda-se no instalar meliponrios prximos a criao de porcos, galinhas e outros animais. Este problema pode ser evitado atravs do fornecimento de barro limpo e mido nos arredores do meliponrio.

    Figura 17 - Meliponrio para criao racional da abelha munduri (Melipona

    asilvai) em Pedra Branca-BA.

    As caixas racionais devem ser pintadas de cores diferentes para ajudar as abelhas na localizao das colnias e para a conservao da madeira.

    A distribuio das colmias no meliponrio varia de acordo com a espcie e com a disponibilidade de espao. Como a munduri uma abelha que apresenta baixo grau de territorialidade, pode-se utilizar distncias de dois metros entre os cavaletes para caixas instaladas em bases individuais. Distncias menores tambm podem ser utilizadas, mas dificultam o trnsito do meliponicultor entre as caixas. Em sistemas de criao em estantes, essa distncia pode ser reduzida para 10 cm entre caixas. A altura das caixas racionais nos sistemas de cavaletes ou de estantes deve ser em torno de 50 cm.

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 19

  • 8. CAIXA PARA CRIAO RACIONAL

    O manejo eficiente das colnias de meliponneos depende em grande parte de um modelo de caixa racional adequado ao desenvolvimento das colnias. Assim, para cada espcie a ser manejada necessrio um ajuste na forma e nas dimenses das caixas, o que depende da arquitetura do ninho e da biologia da abelha.

    Para se ter uma estimativa do tamanho da caixa racional a ser utilizada, alguns pesquisadores tomam como referncia as dimenses dos substratos naturais (cortios, buracos de cupins, formigas e outros) utilizados pelas abelhas para construo de seus ninhos.

    Existem diversos modelos de caixas racionais para criao de abelhas sem ferro. A caixa modelo INPA (Figura 18) tem sido a mais indicada para espcies do gnero Melipona, como a uruu, mandaaia, uruu-amarela e tiba-do-maranho, facilitando o processo de multiplicao e de manejo das colnias.

    Figura 18 - Esquema de caixa racional para criao de abelhas sem ferro (modelo INPA) (rea do ninho com 10 cm x 10 cm x 5 cm, sobreninho 10 cm x 10 cm x 5 cm, melgueiras com dimenses de 10 cm x 10 cm x 4,0 cm).

    Souza et al.20

  • As observaes sobre o desenvolvimento das colnias de munduri nas caixas racionais modelo INPA, permitem afirmar que este modelo adapta-se de forma satisfatria a esta espcie, possibilitando a multiplicao com o mnimo de interveno do meliponicultor sobre a colnia, proporcionando o seu rpido restabelecimento (Mtodo da Perturbao Mnima) (Figura 19).

    No recomendado o uso de caixas com volume maior que 1 litro para a rea de cria. Em caixas com dimenses exageradas, alm de se ter um maior tempo para ser completamente ocupada pela colnia (observando-se logicamente os limites biolgicos da espcie), h tambm um maior consumo de alimento pelas abelhas para obteno de energia necessria para o desenvolvimento das atividades internas da colnia (Figura 20) e tambm estimulam as abelhas a produzirem batume delimitador de espao em excesso para uma melhor regulao da temperatura e do espao na colnia.

    Figura 19 - Caixa racional modelo INPA: (A) diviso pelo mtodo de Perturbao Mnima em abelha munduri (Melipona asilvai); (B) detalhe da ala de diviso com disco de cria nascente (vista inferior).

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 21

  • Figura 20 - Colnia de abelha munduri (Melipona asilvai) instalada em caixa racional modelo INPA e mantida com alimentao artificial a base de xarope de acar comum com essncia de baunilha: detalhe do tamanho do favo de cria em relao largura da caixa.

    9. MANEJO

    A munduri uma espcie pouco criada pelos caboclos, sob o argumento da baixa produtividade e por ser uma abelha sestrosa, o que no corresponde realidade, pois a anlise da relao populao x produo demonstra que essa espcie pode, quando criada na sua regio de origem e em caixas racionais, alcanar produtividade de 1,5 litros/caixa/ano. Considerando-se que a sua populao de 1.200 indivduos em mdia, com 50% sendo operrias trabalhando na produo de matrias primas, se obtm a relao de 3 caixas de munduri / 1 de mandaaia, ou 10 caixas de munduri para 1 de uruu.

    A concorrncia com as espcies de mandaaias, que habitam a mesma regio e produzem mel em maior quantidade, dificulta a criao de munduri, pois a preferncia do meliponicultor por espcies de porte e produo maiores. Esse fato tem levado a destruio de colnias das espcies de pequeno porte.

    O calendrio de manejo para essa espcie obedece s condies de clima do local, observando que a manuteno de alimento artificial durante o perodo de escassez fundamental para a obteno de alta produo de mel no perodo de safra (Tabela 4).

    Souza et al.22

  • TABELA 4 - Proposta de calendrio de manejo para colnias de abelha munduri (Melipona asilvai) no semi-rido baiano.

    N. Atividades Perodo01 Recolhimento de enxames Novembro a maro

    02 Troca de rainha A cada ano e meio. 03 Reviso de produo Dezembro/fevereiro/maio *04 Reviso de manuteno A cada 15 dias *05 Reviso de seca Aps abril *06 Diviso de famlias Dezembro a abril*

    07 Alimentao de subsistncia Setembro/Outubro a Novembro*08 Alimentao estimulante Dezembro a julho*09 poca de colheita de mel Dezembro a Junho*10 Colheita de plen De acordo com a disponibilidade11 Colheita de prpolis De acordo com a disponibilidade

    12 Limpeza da rea do meliponrio Manter limpo o ano inteiro13 Controle de inimigos (traas, percevejos,

    formigas, fordeos )Observar a cada 15 dias.

    14 Controle de batume Mensalmente

    * em pocas de precipitao normal

    Recolhimento de enxames

    A captura de enxames deve ser realizada em poca de florada ou em situaes onde a colnia corra risco, como em casos de desmatamento, incndios, entre outros. Ao recolher o enxame, visualizar os favos de cria nova e transportar para a caixa, realizando a mesma operao para os favos de cria nascente. Favos de cria nova machucados atraem forideos.

    A rainha, se encontrada, dever ser capturada e transferida para a caixa racional. Os tombos e batidas durante a abertura do cortio, normalmente, fazem com que a rainha se esconda nos potes de mel ou de plen. O meliponicultor dever ter o mximo de ateno durante o procedimento de retirada desses potes de forma a evitar mutilar ou mesmo esmagar a rainha.

    Os potes de plen nunca devem ser colocados de imediato na caixa nova, mesmo que estes estejam inteiros. Dessa forma, pode-se evitar ou reduzir o ataque das moscas conhecidas por fordeos. O uso de armadilhas com vinagre recomendado apenas em caso de infestao, e nunca de maneira preventiva, pois pode vir a se constituir em um atrativo para esses insetos.

    Somente retirar enxames da natureza em caso de acidentes ou quando no for reduzir o nmero de famlias na natureza. Todos esses passos devem ser notificados ao rgo ambiental.

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 23

  • O contedo dos potes de mel deve ser retirado e armazenado para, posteriormente, ser devolvido colnia como alimento puro ou misturado com alimentao artificial. Os potes de plen devem ter seu contedo retirado e armazenado, e seu cerume, aps lavado e seco sombra, pode ser devolvido ao enxame para reaproveitamento. O sambur (plen) coletado deve ser guardado em geladeira ou seco para uso na alimentao artificial.

    Para que as abelhas localizem mais facilmente a entrada da nova caixa, recomenda-se colocar um anel feito com cerume da prpria colnia no orifcio de entrada. Alm disso, a caixa dever ser colocada no mesmo local e posio em que se encontrava a colnia quando alojada no cortio. Aps um dia da operao de translado, tambm recomendado realizar uma reviso para limpeza do lixo depositado, observao da presena de inimigos e colocao de alimentao artificial. Uma nova reviso feita a cada dois dias at o estabelecimento do enxame. Nesse perodo, fornecida alimentao suplementar a cada 5 dias, aumentando as chances de estabelecimento da colnia na nova caixa. Caso esse processo seja realizado em local distante do meliponrio, recomendvel deixar o enxame em seu local original durante um curto espao de tempo, afim de que o mesmo receba o maior nmero de campeiras possvel.

    Troca de rainha

    O procedimento de troca de rainhas realizado no incio das floradas, quando verificamos que a rainha fisogstrica est com as asas gastas ou com postura deficiente. De maneira geral, essa substituio pode ser feita a cada 1,5 anos para que no se tenha uma diminuio da produo. Algumas rainhas so boas poedeiras, podendo ser mantidas por mais tempo.

    Reviso de produo

    realizada no incio da florada para observar o desenvolvimento do enxame e preparar a colnia para produo. Durante essa reviso, os potes mofados devem ser retirados, verificar o desenvolvimento do ninho, populao de campeiras, colocao de melgueira e retirar o batume em excesso.

    Reviso de manuteno

    Realizada periodicamente, geralmente a cada 15 dias, durante o perodo de florada e tambm no perodo seco. A presena de batume,

    Souza et al.24

  • inimigos, desenvolvimento da colnia e reserva de alimento so verificadas.

    Reviso de seca

    realizada no final das chuvas que, na maioria das regies onde existe esta espcie, ocorre no perodo de maro a abril. O criador deve retirar as melgueiras, observar o desenvolvimento do enxame, reserva de alimento, retirar lixo e fornecer alimentao de manuteno.

    Diviso de famlias

    Procedimento feito durante o perodo de florada, quando h produo de machos pelas colnias e as famlias esto em pleno desenvolvimento. Quando as colnias esto instaladas em caixas racionais do modelo INPA, a diviso feita atravs da separao do sobreninho e ninho, e colocao de novos mdulos vazios sobre estes, inserindo um anel de cera no orifcio do novo ninho e levando a caixa para outro local. Nesse mtodo, no precisamos nos preocupar em ter somente favos de cria nascente. O ninho que est com favos (caixa me) deve ser mantido no local e colocado sobre ele um sobreninho vazio com tampa e alimentador. A rainha dever estar onde se encontram os favos novos (ver Figura 19).

    O fornecimento de alimento estimulante aps a diviso permite s abelhas reestruturar o ninho mantendo a temperatura necessria ao desenvolvimento das crias.

    poca de colheita de mel

    No existe definio de uma poca certa para a realizao da colheita, pois essa atividade regida pelas condies climticas locais e desenvolvimento das colnias. O perodo se inicia logo aps as primeiras chuvas, quando aparecem as plantas anuais e rasteiras, e pode se prolongar at o final das chuvas, quando florescem as rvores como aroeira e barana.

    O meliponicultor deve estar atento ao momento ideal para realizar essa colheita. realizando revises a cada 15 dias e verificando a quantidade de potes de mel operculados.

    As melgueiras devem ser levadas at o local de beneficiamento do mel, onde os potes devero ser esvaziados usando-se bomba de suco ou seringa e devolvidos colnia para nova produo. No se recomenda esperar que todos os potes de mel estejam fechados para se efetuar a colheita, uma vez que o excesso de chuvas ou a sua falta pode prejudicar a produtividade. A retirada do mel pode ser compensada, se necessrio, pela

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 25

  • alimentao artificial.

    Por apresentar um elevado teor de umidade, o mel colhido dever ser submetido a processos de conservao, atravs de refrigerao ou de desumidificao. Apesar de ser bastante utilizada, a conservao sob refrigerao exige que o produto seja mantido permanentemente nesta condio para que no sofra (ou retarde) o processo de fermentao. Com isso, a tcnica de desumidificao tem surgido como ferramenta para prolongar a vida de prateleira dos mis produzidos pelas abelhas sem ferro, mesmo quando mantidos temperatura ambiente.

    Limpeza do meliponrio

    A manuteno do cho do meliponrio limpo impede a proliferao de inimigos como: formigas, lagartos e outros. Evita perda de materiais e facilita combate ao cupim.

    Controle de inimigos

    Os principais inimigos das munduris so:

    1. Lagartixas ou catende so frequentes em criaes em cortios ou caixas penduradas em alpendres. Devem ser colocadas protees na entrada confeccionadas de garrafas PET, zinco ou outro material qualquer. Essa proteo impede o acesso do inimigo s abelhas.

    2. Aranhas e pssaros manter o meliponrio limpo de galhos baixos e excesso de rvores.

    3. Homem manter as caixas prximas a habitaes que inibem a ao de pessoas mal-intencionadas.

    4. Fordeos dptero (mosca) de movimentos rpidos, muito comum em lixo fermentado. atrada pelo odor do plen ou alimento larval quando das revises ou translado de favos. Ataca preferencialmente colnias fracas e com excesso de espao, pois essas caractersticas exigem maior gasto de energia das operrias para a manuteno da temperatura adequada ao desenvolvimento da cria e o fortalecimento da colnia. A munduri tem se mostrado bastante tolerante aos fordeos, no sendo uma praga muito comum em suas colnias. Algumas das medidas preventivas ao ataque dos fordeos so: manuteno das colnias fortes, no transferir potes de plen quando da captura e no manejar excessivamente colnias fracas em pocas midas.

    Controle de batume

    Devido a hbitos prprios da abelha, e s condies climticas do

    Souza et al.26

  • seu habitat, comum o aparecimento de batume em excesso sendo necessria a sua retirada frequente se o objetivo da criao a produo de mel. A compensao retirada deste batume ser feita por meio do manejo e fornecimento de alimentao artificial, de forma a auxiliar na termorregulao da colnia. O excesso de batume prejudicial por dificultar o manejo, porm constitui uma defesa da colnia, sendo utilizado para delimitao de espao, ventilao do ninho e proteo contra inimigos.

    10. ALIMENTAO ARTIFICIAL

    A alimentao artificial das colnias deve ser feita pelo meliponicultor nas pocas de escassez de plantas em florao ou quando as condies climticas forem desfavorveis.

    Esta alimentao se faz necessria para os meliponneos, pois estudos revelam que essas abelhas reduzem sua atividade externa quando h escassez de alimento at que as condies ambientais sejam favorveis. Nesses perodos comum encontrar na colnia apenas a rainha e operrias sem a existncia de favos de cria.

    A munduri mostra adaptao ao sistema de alimentao artificial, aceitando facilmente soluo composta de uma parte de acar comum + uma parte gua + essncia de baunilha ou ch de capim santo + 1 colher de

    C

    Figura 21 - Alimentao artificial de colnias de abelhas munduri (Melipona asilvai): (A) alimentador tipo Pernambuco; (B) alimentador interno; (C) Alimentador Eiratama.

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 27

  • A quantidade oferecida deve ser de 100 mL a cada 5 a 7 dias, evitando o acmulo de alimento nos potes. Ao oferecer o alimento comum as operrias consumirem todo o volume do alimentador no primeiro dia, o que leva ao criador a encher novamente o alimentador antes dos 5 dias. Esse fato deve ser evitado, porque o objetivo da alimentao artificial a manuteno ou utilizao do alimento para consumo prprio e no como material a ser estocado. O fornecimento de plen tambm necessrio para permitir um aumento da postura da rainha em pocas pr-florada e para multiplicao de enxames.

    11. ATIVIDADE EXTERNA

    A atividade de vo de M. asilvai varia ao longo dos meses. Souza et al. (2006) observaram que, no ms de janeiro, ocorreu o maior fluxo de entradas e sadas das abelhas na Vila de Pedra Branca, Santa Teresinha-BA. Nos meses de junho e julho ocorreram chuvas de intensidade varivel ao longo dos dias de coleta de dados, sendo que em junho se constatou a menor atividade das abelhas.

    No foi observada correlao significativa entre a umidade relativa e a entrada e sada das abelhas da colnia. J a temperatura apresentou correlao positiva (p < 0,05) para o movimento de entrada de abelhas (Figura 22).

    Os fatores meteorolgicos, a fisiologia do inseto e os mecanismos de secreo e qualidade do nctar produzido pelas plantas podem ser fatores que influenciam nessa atividade externa das abelhas (Roubik, 1989).

    Alguns autores relatam a influncia dos fatores climticos sobre a atividade de vo dos meliponneos. A temperatura, a intensidade luminosa e a umidade relativa foram os fatores que mais influenciaram na atividade externa de Tetragonisca angustula (Iwama, 1977). Para Plebeia pugnax, Hilrio et al. (2001) verificaram atividade de vo com temperaturas entre 22C e 34C e em todas as leituras de umidade relativa, que variaram de 30% a 100%. Estes mesmos autores no verificaram influncia da intensidade luminosa sobre a atividade de P. pugnax.

    Analisando a atividade externa de M. asilvai com relao coleta de alimento e materiais para construo do ninho possvel verificar que as atividades de entrada e sada das abelhas da colnia apresentaram alta correlao com a coleta de plen (p < 0,01) e a entrada de abelhas sem carga aparente (p < 0,01 para a entrada e p < 0,05 para a sada das abelhas).

    Souza et al.28

  • 0,0%

    20,0%

    40,0%

    60,0%

    80,0%

    100,0%

    JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR

    Indi

    vd

    uos

    RESINA BARRO PLEN SCA DETRITO LIVRE

    ENTRADA SADA

    0

    50

    100

    150

    200

    250

    300

    350

    400

    450

    ENTRADA

    SADA

    Nm

    ero

    deab

    elh

    as

    15,00

    18,00

    21,00

    24,00

    27,00

    30,00

    60,00

    65,00

    70,00

    75,00

    80,00TEMPERATURAUMIDADE

    Tem

    pera

    tura

    (C) U

    midade

    (%)

    79

    196

    174

    334

    106

    189

    274

    403

    176

    345

    Figura 22 - Variao da temperatura e da umidade relativa em Santa Teresinha-BA, fluxo mensal de abelhas campeiras de Melipona asilvai, e distribuio da atividade de vo e material transportado: junho/2002 a maro/2003 (SCA = abelha sem carga aparente) (Souza et al., 2006).

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 29

  • O transporte de detritos tambm apresentou correlao positiva com o movimento de entrada e sada das abelhas da colnia, entrada de abelhas sem carga aparente e com a entrada de abelhas com carga de plen (p < 0,05 para todos). A maior disponibilidade de alimento sugere maior estmulo postura da rainha e ao crescimento da colnia, influenciando diretamente sobre a quantidade de detritos produzidos.

    Souza et al. (2006) no encontraram correlao significativa entre a coleta de resina e os demais parmetros analisados neste estudo. Com relao ao barro, foi observada maior atividade de coleta nos meses de maior umidade, sendo verificada correlao positiva (p < 0,05) com este fator climtico.

    M. asilvai coleta grandes quantidades de barro para ser usado na construo da colnia. A ausncia de barro mido, devido a elevadas temperaturas e umidade baixa, pode fazer com que esta abelha colete fezes de animais como material substituto ao barro, implicando em maiores cuidados relacionados ao manejo desta espcie por quem se proponha a cri-la.

    Quanto atividade de coleta de plen por M. asilvai, Souza et al. (2006) observaram incremento a partir do ms de agosto, no sofrendo grande variao at o ms de maro, quando ocorre o principal perodo de florao das espcies na regio de Pedra Branca, sugerindo ocorrncia de maior disponibilidade de nctar e plen para as abelhas.

    Com relao a atividade de vo ao longo do dia, observou-se que o incio efetivo ocorre a partir das 06:00 horas, sendo verificado, esporadicamente, atividade antes deste intervalo de hora. A atividade externa da colnia se estendeu at o intervalo das 18:00 horas, no sendo observado movimentos aps esse horrio (Figura 23).

    O incio efetivo da atividade de vo de M. asilvai ocorreu com valores mdios de temperatura de 21,0C e de umidade relativa do ar de 84,5% (06:01 a 07:00 horas), sendo observado pico de atividade no intervalo de 13:01-14:00 horas, quando a temperatura foi de 27,4C e a umidade de 60,6%. A atividade externa das abelhas foi finalizada s 18:00 horas, com temperatura de 26,0C e umidade de 61,0%. A interrupo da atividade externa de M. asilvai, a partir das 18:00 horas foi verificada mesmo com a temperatura e a umidade permitindo condies de atividade de vo. A intensidade luminosa e a disponibilidade de recursos trficos neste horrio podem ter influenciado na atividade dessas abelhas.

    Souza et al.30

  • 0

    50

    100

    150

    200

    250

    300

    Nm

    ero

    de

    abe

    lha

    s

    ENTRADA

    SADA

    20,0

    21,0

    22,0

    23,0

    24,0

    25,0

    26,0

    27,0

    28,0

    29,0

    50,0

    55,0

    60,0

    65,0

    70,0

    75,0

    80,0

    85,0

    90,0TEMPERATURAUMIDADE

    Te

    mp

    erat

    ura

    (C)

    Um

    idade

    (%)

    0%

    20%

    40%

    60%

    80%

    100%

    12

    :01-

    13

    :00

    Ind

    ivd

    uo

    s

    Horrio

    RESINA BARRO PLEN SCA DETRITO SAINDO

    ENTRADA SADA

    1

    63

    0

    156

    189

    272293286

    267266

    196

    167

    98

    22

    Figura 23 - Variao da temperatura e da umidade relativa em Santa Teresinha-BA, fluxo horrio de abelhas campeiras de Melipona asilvai, e distribuio da atividade de vo e material transportado: junho/2002 a maro/2003. (SCA = abelha sem carga aparente) (Souza et al., 2006).

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 31

  • Situao semelhante foi observada por Iwama (1977) em colnias de T. angustula, onde a atividade se encerrou ao entardecer, com temperaturas mais altas do que aquelas nas quais se iniciava a atividade externa. O incio da atividade de vo dessa espcie ocorreu entre 17C e 24C e foi encerrado entre 18C e 23C.

    Hilrio et al. (2001) e Ramalho et al. (1989) observaram que espcies diferentes de abelhas, habitando a mesma regio, podem possuir diferentes horrios de atividade externa ao longo do dia, alm da explorao de diferentes recursos florais, estando este fato relacionado com diferentes estratgias de forrageamento e preferncias florais, evitando uma possvel competio inter-especfica.

    A disponibilidade de alimento pode sofrer variaes relacionadas a alteraes ambientais, sendo que os ciclos dirios ou sazonais influenciam tanto a atividade interna quanto externa das abelhas (Hilrio et al., 2000).

    Souza et al. (2006), observaram um aumento na atividade de vo de M. asilvai medida que a temperatura ambiente tende a aumentar e a umidade relativa a diminuir, apresentando maior fluxo das 10:00 s 15:00 horas.

    Roubik (1989) afirma existirem alguns padres de forrageamento, sendo o pico de coleta de plen no incio da manh e o de nctar no fim da manh. Segundo este autor, pode ainda existir um segundo pico de coleta desses recursos trficos no fim da tarde. De forma geral, M. asilvai tambm coletou mais plen na parte da manh, seguindo esta tendncia sugerida.

    De uma forma geral, verificou-se que a temperatura e a umidade relativa do ar influenciaram na atividade de coleta de alimento e materiais para construo do ninho pela munduri.

    12. PASTAGEM

    O ecossistema onde a munduri ocorre caracterizado por vegetao de caatinga, abrangendo as variaes de acordo com a regio, sendo o clima quente e seco predominante. Nas reas de ocorrncia da munduri no Estado da Bahia so registrados os seguintes tipos de caatinga:

    Caatinga Arbrea Densa

    Presente na regio de Irec, a caatinga arbrea densa formada por um denso substrato lenhoso composto por fanerfitas deciduais, espinhentas, geralmente com folhagens microfoliadas sobre um tapete herbceo anual. Seus componentes apresentam outras variveis chegando alguns a alcanar 10 m. demarcada por um longo perodo seco

    Souza et al.32

  • e um curto perodo chuvoso, s vezes com chuvas torrenciais eventuais e dois perodos secos entremeados de curta poca chuvosa (30 a 60 dias). Conhecida tambm como mata seca, tem como caracterstica estrutural um denso substrato lenhoso de arvoretas caduciflias e grande nmero de cactceas colunares. Apresenta rvores com troncos de botijas dos gneros Cavanillesia e Chorisia. As espcies mais comuns so: barana, Aspidosperma sp. e leguminosas espinhentas dos gneros Piptadenia e Mimosa (Fonte: IBGE, 1981).

    Caatinga Arbrea Aberta

    Caracterstica da vila de Pedra Branca, municpio de Santa Teresinha, esta formao apresenta um estrato lenhoso aberto composto tambm por fanerfitas residuais sobre um tapete herbceo estacional. decorrente da intensa interveno do homem que degrada a vegetao atravs de sucessivos cortes. As espcies mais comuns so: Spondias tuberosa (umbu), Cnidoscullus phyllacanthus (faveleira), imburana-de-cambo, quiabento e Pereskia sp. Ocorre tambm em reas deprimidas apresentando raquitismo arbreo em conseqncia da adaptao a um ambiente adverso extremamente seco, com solos muitas vezes salinizados. As espcies mais freqentes so: barana, imburana, umbu, Syagrus sp., Mimosa sp. e Jatropha sp. (Fonte: IBGE, 1981).

    As plantas visitadas pela munduri so ainda pouco conhecidas face aos estudos exguos do espectro polnico do mel e do plen armazenado. Anlises polnicas de amostras de mel e observaes de campo da visitao s flores forneceram algumas informaes sobre a flora visitada na regio do semi-rido da Bahia (Tabela 5 e Figura 24).

    As floradas das regies onde ocorre a espcie so demarcadas pela poca das chuvas, geralmente de novembro a maio, espaadas e com curta durao (Tabela 6), necessariamente dependentes do regime pluviomtrico e colorao predominante de flor branca. As famlias predominantes no espectro polnico do mel so: Myrtaceae (Eucalipto), Euphorbiaceae (velame), Anacardiaceae (aroeira), Mimosaceae (calumbi) e Convolvulaceae (azulzinha).

    O manejo da pastagem fundamental para o sucesso da criao. Deve o criador investir no plantio de espcies fornecedoras de nctar, plen e resina, e que so visitadas pela abelha munduri. Estas devem ser plantadas nas cercas, pomares e jardins da propriedade quando da poca de chuvas, constituindo-se em futuro recurso a ser explorado. Alm disso, o uso da cerca viva desonera o produtor da aquisio de estacas e tambm livra o meio ambiente da destruio de espcies da flora e da fauna.

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 33

  • TABELA 5 - Plantas visitadas pela abelha munduri (Melipona asilvai) na regio do semi-rido baiano durante os anos de 2002 e 2003.

    NOME CIENTIFICO NOME VULGAR FAMILIA RECURSO COLETADO

    Acacia bahiensis Calumbi Mimosaceae Nctar

    Bursera lepthoploeus Umburana de cambo Burseraceae Nctar e resina

    Cardiospermum corindum Balozinho Sapindaceae Nctar

    Croton acontifolius Cassutinga Euphorbiaceae Nctar

    Croton sanderianus Marmeleiro preto Euphorbiaceae Nctar

    Croton sp.1 Velame Euforbiaceae Nctar

    Croton sp.2 Velamo Euphorbiaceae Nctar

    Eupatorium sp. Assa peixe Asteraceae Nctar e plen

    Gochnatia sp. Candeia Asteraceae Nctar

    Herissantia sp. Malva branca Malvaceae Nctar

    Jacquemontia ferruginea Azulzinha Convolvulaceae Nctar e plen

    Lippia sp. Cambar Verbena ceae Nctar

    Mimosa arenosa --- Mimosaceae Plen

    Mimosa verrucosa Jurema Mimosaceae Plen

    Myracrodruon urundeuva Aroeira Anacardiaceae Nctar

    Myrcya sp. Boca doce Myrtaceae Nctar e plen

    Piptadenia moniliformis Angico / jacar Mimosaceae Plen

    Piptadenia sp. Angico Mimosaceae Plen

    Portulaca sp. Beldroega Portulacaceae Plen

    Prosopis juliflora Algaroba Mimosaceae Plen e nectar

    Ricinus communis Mamona Euphorbiaceae Plen

    Schinopsis brasiliensis Brauna Anacardiaceae Nctar

    Serjania sp. Cip uva Sapindaceae Nctar

    Sida galheirensis Malva Malvaceae Nctar

    Sidastrum sp. Malva preta Malvaceae Nctar

    Solanum paniculatum Jurubeba Solanaceae Plen

    Syagrus sp. Licuri Palmae Plen

    Trixis sp. --- Asteraceae Nctar

    Walteria rotudifoliaMalva veludo

    Malva de folha prateadaSterculiaceae Nctar

    Ziziphus cotinifolia Ju Rhamnaceae Nctar

    Souza et al.34

  • Figura 24 - Plantas visitadas pela abelha munduri (Melipona asilvai) na regio do semi-rido baiano durante os anos de 2002 e 2003: velame (Croton sp.1), algaroba (Prosopis juliflora), aroeira (Myracrodruon sp.), beldoegra (Portulaca sp.), cassutinga (Croton sp.2) e malva (Sida sp.).

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 35

  • TABELA 6 - Ciclo de florao na regio semi-rida do Estado da Bahia, rea de ocorrncia da abelha munduri (Melipona asilvai).

    MESES DESCRIO

    Novembro a fevereiro Florao de arbustos e plantas rasteiras

    Maro a maio Florao de rvores e arbustos

    Junho a agosto Florao de algarobeira, umbu e umburana

    Setembro a outubro Escassez de floradas

    13. PRODUTOS

    Diversos produtos das abelhas so passveis de explorao, possibilitando seu uso como alimento (mel e sambur), que pode ser revertido em renda, possibilitando a melhoria da situao econmica do meliponicultor.

    Depois da polinizao, sem dvida alguma, o principal produto de explorao proporcionado pelas abelhas o mel.

    A anlise do mel de munduri demonstrou que os valores mdios encontrados para este produto se enquadram na maioria dos parmetros fsico-qumicos exigidos pela legislao brasileira que define padres para o mel de abelhas melferas, estabelecendo os requisitos mnimos de qualidade que o mel destinado ao consumo humano deve possuir. A nica exceo foi a umidade (Tabela 7).

    Na definio dos valores dessa legislao no foram considerados os mis de abelhas sem ferro, cuja caracterstica marcante teor de umidade mais elevado que o da abelha africanizada.

    Individualmente, dos parmetros que estavam fora dos padres previstos pela legislao brasileira para o produto mel, a umidade o que merece maior ateno por parte do meliponicultor, pois o contedo de gua no mel influencia na sua viscosidade, no peso especfico, na maturidade, na cristalizao e no sabor, alm de condicionar sua conservao e palatabilidade.

    Souza et al.36

  • TABELA 7 - Caractersticas fsico-qumicas de amostras de mis de

    Melipona asilvai (Hymenoptera: Apidae: Meliponina) (Souza

    et al., 2004; Carvalho et al., 2005).

    Parmetros n Variao Mdia dpEspecificaes

    Brasileira 4

    Umidade (%) 11 26,80 - 32,00 29,49 1,46 Mximo 20%

    HMF1 (mg.kg -1) 10 0,52 - 7,93 2,44 2,17 Mximo de 60 mg.kg-1

    AT2

    (%) 11 67,72 - 84,99 73,84 5,03 -

    AR3

    (%) 11 66,00 - 76,20 68,89 3,11 Mnimo de 65%

    Sacarose (%) 11 1,13 - 8,35 4,70 2,49 Mximo de 6%

    Viscosidade (mPa.s) 11 36,00 - 168,00 66,55 37,87 -

    Condutividade ( S) 11 287,50 - 525,00 362,86 69,36 -

    pH 11 3,14 - 3,40 3,27 0,09 -

    Acidez (meq.kg -1) 11 21,50 - 80,50 41,64 16,75 Mximo de 50 meq.kg-1

    ndice de formol (mL.kg-1

    ) 11 3,50 - 10,00 5,27 1,99 4,5 a 15,0 mL.kg-1

    1 2 3 4 HMF = hidroximetilfurfural; AT = acares totais; AR = acares redutores; BRASIL (2000); n= nmero de amostras.

    A presena de umidade elevada nos mis de meliponneos considerada normal, no entanto a presena de levedos pode ativar a fermentao, desde que as condies sejam favorveis como, por exemplo, a elevada temperatura de estocagem do produto. Portanto, maiores cuidados devem ser observados por parte do produtor no que diz respeito higiene na manipulao do mel durante a coleta e no processo de armazenamento, que deve ser feito sob refrigerao. Para evitar a depreciao do produto, dando-lhe uma maior vida til, a coleta pode ser feita com seringa descartvel (Figura 25) quando o produtor possui pequena quantidade de colnias ou com bomba de suco quando o nmero de colnias maior,

    A munduri possui potencial para produo de mel que varia entre 1,0 a 1,5 litros/caixa/ano, quando em regies de florada regular e abundante. Em Salgadlia, municpio de Conceio de Coit-BA, a produtividade foi de 1,0 litro/caixa/ano, em sistema de criao racional utilizando caixas INPA no ano de 2005.

    Demais produtos da munduri como o sambur (plen), que tem potencialidades de ser usado como fonte de alimento protico, a cera e a

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 37

  • geoprpolis, usadas em artesanatos, tambm podem ser explorados, mas merecem ainda maiores estudos sobre sua composio e uso. A espcie pouco criada e a utilizao de seus produtos ainda est restrita ao mel.

    Figura 25 - Colheita do mel da abelha munduri (Melipona asilvai) instalada em caixa racional utilizando seringa, Serrinha-BA.

    Aps a colheita do mel este deve ser armazenado em ambiente refrigerado e comercializado em embalagens pequenas para consumo rpido, de forma a evitar a sua fermentao. A manuteno do mel temperatura ambiente no recomendvel, pois adultera as suas caractersticas, porm, sabe-se que produes obtidas em pequenos criatrios e de criadores de poucos recursos econmicos e sociais passam pelo processo de aquecimento (fervura do mel) elevando seu HMF e destruindo diversos compostos e microrganismos presentes, evitando assim sua fermentao. A prtica de consumir mel fermentado (azedo) h tanto tempo tem levado aos consumidores a no reconhecer o gosto do produto original, pois sabemos que normalmente o mel doce. O processo de desumidificao do mel da munduri proporciona uma maior vida de prateleira, permitindo a sua permanncia temperatura ambiente e agregando maior valor ao produto, sendo uma tcnica de facil utilizao e baixo custo (Fonseca et al., 2006).

    Souza et al.38

  • 14. CONSIDERAES FINAIS

    A abelha munduri uma espcie de abelha nativa tpica de reas do semi-rido brasileiro. Apesar de muito conhecida pela populao local, ainda pouco explorada para a obteno de produtos, o que se reflete em pouca preocupao pela sua persistncia no ambiente.

    Esperamos que as informaes apresentadas neste nmero da Srie Meliponicultura contribuam para que se desperte o interesse pela criao desta abelha e, por meio da explorao dos seus mais diversos usos, como explorao agrocomercial ou turstica, decorativa, ecopaisagstica, instrumento de educao ambiental, a sua preservao seja garantida e problemas scio-econmicos da regio reduzidos.

    15. BIBLIOGRAFIAS

    ALVES, R.M. de O.; CARVALHO, C.A.L. de; SOUZA, B. de A.; SODR, G. da S.; MARCHINI, L.C. Caractersticas fsico-qumicas de amostras de mel de Melipona mandacaia Smith (Hymenoptera: Apidae). Cincia e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.25, n.4, p.644-650, 2005.

    CAMARGO, J. M. F.; PEDRO, S. R. M. Meliponini Lepeletier, 1836. In Moure, J. S., Urban, D. & Melo, G. A. R. (Orgs). Catalogue of Bees (Hymenoptera, Apoidea) in the Neotropical Region. 2008. Online version. Available at http://www.moure.cria.org.br/catalogue. Accessed Nov/04/2009.

    CARVALHO, C.A.L. de; ALVES, R.M. de O.; SOUZA, B. de A. Criao de abelhas sem ferro: aspectos prticos. Salvador-BA: SEAGRI-BA. 2003. 42 p. (Srie Meliponicultura, 1).

    CARVALHO, C.A.L. de; SOUZA, B. de A.; SODR, G. da S.; MARCHINI, L.C.; ALVES, R.M. de O. Mel de abelhas sem ferro: contribuio para a caracterizao fsico-qumica. Cruz das Almas-BA: Grfica e Editora Nova Civilizao. 2005. 32 p. (Srie Meliponicultura, 4).

    EMBRAPA. Algarobeira - uma alternativa para a regio semi-rida ? Disponvel em: Acesso em: 02/12/2003.

    .

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 39

  • FONSECA, A.A. de O.; SODR, G. da S.; CARVALHO, C.A.L. de; ALVES, R.M. de O.; SOUZA, B. de A.; CAVALCANTE, S.M.P.; OLIVEIRA, G.A.; MACHADO, C.S.; CLARTON, L. Qualidade do mel de abelhas sem ferro: uma proposta para boas prticas de fabricao. Cruz das Almas: Nova Civilizao, 2006. 70p. (Srie Meliponicultura, 5).

    HILRIO, S.D.; IMPERATRIZ-FONSECA, V.L.; KLEINERT, A. de M.P. Flight activity and colony strength in the stingless bee Melipona bicolor bicolor (Apidae, Meliponinae). Revista Brasileira de Biologia, v.60, n.2, p.299-306, 2000.

    HILRIO, S.D.; IMPERATRIZ-FONSECA, V.L.; KLEINERT, A. de M.P. Responses to climatic factors by foragers of Plebeia pugnax Moure (in litt.) (Apidae, Meliponinae). Revista Brasileira de Biologia, v.61, n.2, p.191-196, 2001.

    IBGE. Ministrio das Minas e Energia. Levantamento dos recursos naturais. Projeto Radam-Brasil. Folha 24/Salvador, v. 30, 1981.

    IWAMA, S.A. Influncia de fatores climticos na atividade externa de Tetragonisca angustula (Apidae, Meliponinae). Boletim de Zoologia da Universidade de So Paulo, v.2, p.189-201, 1977.

    KERR, W.E.; CARVALHO, G.A.; NASCIMENTO, V.A. Abelha uruu: biologia, manejo e conservao. Belo Horizonte: Acanga, 1996, 144p.

    LORENZI, H. rvores brasileiras: manual de identificao e cultivo de aplantas arbreas nativas do Brasil. Instituto Plantarum, v.2, 2 . ed., 1998.

    376p.

    LORENZI, H. rvores brasileiras: manual de identificao e cultivo de aplantas arbreas nativas do Brasil. Instituto Plantarum, v.1, 3 . ed., 2000.

    376p.

    NOGUEIRA NETO, P. Vida e criao de abelhas indgenas sem ferro. Editora Nogueirapis, So Paulo. 1997. 445p.

    OLIVEIRA, C.M. Hbitos de nidificao de abelhas sem ferro do

    Souza et al.40

  • gnero Melipona Illiger, 1806 (Hymenoptera; Apidae; Meliponinae) em reas de caatinga do baixo-mdio So Francisco. Monografia, Feira de Santana, UEFS. 2002. 32p.

    RAMALHO, M.; KLEINERT-GIOVANNINI, A.; IMPERATRIZ-FONSECA, V.L. Utilization of floral resources by species of Melipona (Apidae, Meliponinae): floral preferences. Apidologie, v.20, n.3, p.185-195, 1989.

    ROUBIK, D.W. Ecology and natural history of tropical bees. Cambridge Tropical Biology Series, 1989. 514p.

    SOUZA, B. de A. Melipona asilvai (Hymenoptera: Apidae): aspectos bioecolgicos de interesse agronmico. Dissertao de Mestrado, Cruz das Almas, AGRUFBA, 2003. 68f.

    SOUZA, B. de A.; CARVALHO, C.A.L. de; SODR, G. da S.; MARCHINI, L.C. Caractersticas fsico-qumicas de amostras de mel de Melipona asilvai (Hymenoptera: Apidae). Cincia Rural, Santa Maria, v.34, n.5, p.1623-1624, 2004.

    SOUZA, B. de A.; CARVALHO, C.A.L. de; ALVES, R.M. de O. Flight activity of Melipona asilvai Moure (Hymenoptera: Apidae). Brazilian Journal of Biology, So Carlos, v.66, n.2B, p.731-737, 2006.

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 41

  • Anexos

  • Anexo 1 - Abelha munduri (Melipona asilvai): A- Aspecto do ninho em caixa racional; B- entrada com abelha guarda; C- Pote com sambur (plen); D- Potes de alimento e rea de discos de cria; E- Mdulo de diviso de colnia instalado em caixa racional tipo INPA; F- Colnia instalada em colmia feita em seco de tronco escavado; G- Aspecto dos potes de mel em colnia instalada na colmia de tronco escavado; H- Colheita do mel com seringa em colnia instalada na colmia de tronco escavado.

    Munduri (Melipona asilvai): a abelha sestrosa 45

  • A B

    C

    D E

    F G

    Anexo 2 - Abelha munduri (Melipona asilvai): A- Caixa INPA habitada; B- melgueira expondo potes de mel; C- Aspecto do favo de cria nascente com espao resultado da emergncia de adultos no centro; D- Rainha; E- Etapa de diviso dos mdulos, expondo favos e potes de alimento na parte inferior - detalhe dos favos de cria nascente no espao do mdulo superior; F- Aspecto do favo de cria nova, com clula aberta e ovo exposto; G- Aspecto geral de um meliponrio em sistema de agricultura familiar.

    Souza et al.46

  • U F R B

    ISBN: 978-85-61346-03-4ISBN: 978-85-61346-03-4