BIOCOMBUSTÍVEIS: OPORTUNIDADES E DESAFIOS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis

  • View
    106

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of BIOCOMBUSTÍVEIS: OPORTUNIDADES E DESAFIOS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo,...

  • Slide 1
  • BIOCOMBUSTVEIS: OPORTUNIDADES E DESAFIOS Ministrio de Minas e Energia Secretaria de Petrleo, Gs Natural e Combustveis Renovveis Departamento de Combustveis Renovveis Ricardo Gomide ricardo.gomide@mme.gov.br Rio de Janeiro, 26.07.2011 Ricardo Gomide ricardo.gomide@mme.gov.br Rio de Janeiro, 26.07.2011
  • Slide 2
  • MOBILIDADE URBANA TRANSPORTE NIBUS METR & TREM CARRO BICICLETA TRAO ANIMAL EFEITOS ADVERSOS POLUIO SONORA POLUIO DO AR RESDUOS INEQUIDADE SOC. DESEQUILB. URB. ENERGIA DERIV. PETRLEO GS NATURAL BIOCOMBUSTVEIS ELETRICIDADE EFICINCIA PLANEJAMENTO URBANO PLANOS E REGRAS ORDEN. TERRITORIAL GESTO DO TRFEGO INVESTIMENTO INFRAESTRUTURA CUSTO CONFORTO TEMPO DE TRAJETRIA ACESSIBILIDADE SEGURANA DISPONIBILIDADE PROCESSO DECISRIO
  • Slide 3
  • MOBILIDADE URBANA TRANSPORTE NIBUS METR & TREM CARRO BICICLETA TRAO ANIMAL EFEITOS ADVERSOS POLUIO SONORA POLUIO DO AR RESDUOS INEQUIDADE DESEQUILBRIO ENERGIA DERIV. PETRLEO GS NATURAL BIOCOMBUSTVEIS ELETRICIDADE EFICINCIA PLANEJAMENTO URBANO PLANOS E REGRAS ORDEN. TERRITORIAL GESTO DO TRFEGO INVESTIMENTO INFRAESTRUTURA BIOCOMBUSTVEISBIOCOMBUSTVEIS
  • Slide 4
  • CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECONOMIASOCIEDADE AMBIENTE
  • Slide 5
  • Fonte: MME. 5 FONTES RENOVVEIS NOS TRANSPORTES: UM INDICADOR DE SUSTENTABILIDADE Situao Brasileira (em contedo energtico TEP)
  • Slide 6
  • Fonte: MME. 6 FONTES RENOVVEIS NOS TRANSPORTES: UM INDICADOR DE SUSTENTABILIDADE Situao Brasileira (em contedo energtico TEP) Biocombustveis: EUROPA = 3,5% BRASIL 20% (+5,7 vezes) Biocombustveis: EUROPA = 3,5% BRASIL 20% (+5,7 vezes) Fonte: Nature (Outlook Policy: Fuelling politics Jun/2011)
  • Slide 7
  • 7 ENERGTICOS NOS TRANSPORTES: RESUMO 40 ANOS +95% +28% +44% +51% Perodo 1970-2010: Cresceu 442% Perodo 1970-2010: Cresceu 442% Destaques ltima dcada: - Retorno do Etanol - Biodiesel - Gs Natural Destaques ltima dcada: - Retorno do Etanol - Biodiesel - Gs Natural Fonte: MME. Rodovirio Coletivo e Cargas Rodovirio Individual
  • Slide 8
  • 8 APENAS TRANSPORTE RODOVIRIO Fonte: MME. Participao renovvel (2010) Ciclo Otto: 39% Ciclo Otto: 39% (transporte individual) Ciclo Diesel: 5% Ciclo Diesel: 5% (transporte coletivo/cargas) Participao renovvel (2010) Ciclo Otto: 39% Ciclo Otto: 39% (transporte individual) Ciclo Diesel: 5% Ciclo Diesel: 5% (transporte coletivo/cargas)
  • Slide 9
  • IMPORTNCIA DOS BIOCOMBUSTVEIS Fatores estratgicos: Diversificao da matriz Ampliao das fontes renovveis Segurana energtica Fatores socioeconmicos: Gerao de emprego e distribuio de renda Agregao de valor s matrias-primas agrcolas Fortalecimento da indstria nacional Multiplicidade de empresas Fatores ambientais: Reduo de emisses poluentes Balano CO2 e mitigao do aquecimento global Visibilidade internacional do Pas como uma economia verde
  • Slide 10
  • DESAFIOS PARA BIOCOMBUSTVEIS NO MUNDO 1. Baixa competitividade, pequena escala, preo mais elevado 2. Resistncias geopolticas a uma nova dinmica energtica 3. Status Quo orientado para combustveis fsseis 4. Debates sobre uso da terra, alimentos, mudanas climticas 5. Matria-prima precificada no mercado no-energtico 6. Barreiras e restries ao comrcio internacional 7. Pouco conhecimento agrcola em novas matrias-primas
  • Slide 11
  • Etanol Forte crescimento da demanda interna Expanso moderada da exportao Introduo de projetos comerciais de 2 gerao Desenvolvimento de carros hbridos bicombustvel PERSPECTIVAS PARA OS PRXIMOS 10 ANOS Fonte: MME / PDE 2011-2020 (verso em consulta pblica) Crescimento da demanda
  • Slide 12
  • Biodiesel Novos percentuais de mistura obrigatria Incio das exportaes de biodiesel Reduo de custos de produo e diversificao Desenvolvimento do veculo flex-diesel: B100 + Diesel + Etanol Desenvolvimento do veculo flex-diesel: B100 + Diesel + Etanol Novos substitutos renovveis: diesel de cana Novos substitutos renovveis: diesel de cana PERSPECTIVAS PARA OS PRXIMOS 10 ANOS Crescimento da demanda interna (Cenrio B5) Fonte: MME / PDE 2011-2020 (verso em consulta pblica)
  • Slide 13
  • DIESEL RENOVVEL A PARTIR DE ACARES O diesel o principal combustvel consumido no pas Processo de converso microbial de acares Diversas empresas de tecnologia Apresenta-se como uma demanda extra para cana-de-acar Contribuir para manter preos de etanol e acar em patamares melhores para o produtor
  • Slide 14
  • BIOGS Necessidade de despertar o interesse pblico e privado Agregao de valor a resduos, inclusive da cana-de-acar Tecnologia disponvel no mercado Mercado ainda mais focado na gerao eltrica a partir de oportunidades especficas Diversos casos concretos em andamento em outros pases
  • Slide 15
  • Etanol Celulsico Algas 2 GERAO Quanto tempo? A que custo? A espera por novas tecnologias no pode ser desculpa para falta de aes. A 1 gerao uma tecnologia dominada, competitiva e pode ser adotada. Bom/timo x Sonho
  • Slide 16
  • ESTUDOS DE CASO
  • Slide 17
  • NIBUS UTILIZANDO 100% DE ETANOL Projeto BEST ( Bio Ethanol Sustainable Transport ), uma iniciativa de 1993 da Unio Europeia, coordenada pela prefeitura de Estocolmo (Sucia) com apoio da Scania Projeto j realizado em Madrid (ESP), Roterd (HOL), La Spezia (ITA), Somerset (UK), Dublin (IRL) e Nanyang (CHI). 600 nibus utilizando etanol + aditivo especial na Sucia Projeto iniciado no Brasil em 2007 Demonstrao em So Paulo (50 nibus )
  • Slide 18
  • NIBUS UTILIZANDO 100% DE BIODIESEL Testes iniciados em 2009 na Linha Verde em Curitiba 6 nibus movidos a B100 de soja 60 mil km por ms Expanso do projeto para mais 150 nibus at 2012 Reduo de 25% da fumaa Reduo de 30% de CO
  • Slide 19
  • NIBUS E CAMINHES UTILIZANDO O DIESEL DE CANA Transformao do caldo de cana em hidrocarbonetos Provvel produo comercial em menos de dois anos Perspectiva de preo competitivo com o diesel fssil Os motores no requerem adaptao Testes de laboratrio em nibus utilizando 100% de diesel de cana Testes em frota de nibus em So Paulo (10% de diesel de cana)
  • Slide 20
  • NIBUS HBRIDO (ELTRICO + ETANOL) O prottipo integra o Projeto Veculo Eltrico da Itaipu Lanado em dezembro de 2010, com participao do ento presidente Lula e outros 11 chefes de Estado da Amrica do Sul, na 40 Cpula de Presidentes do Mercosul Autonomia de 300 km (sendo 60 km puramente eltrico)
  • Slide 21
  • Iniciativa: Prefeitura do Rio de Janeiro, Fetranspor, Volvo e CCI Testes em andamento no Rio de Janeiro J passou pelas cidades de Curitiba e So Paulo 30% menos de gases de efeito estufa 30% de economia de combustvel NIBUS HBRIDO (ELTRICO + DIESEL + BIODIESEL)
  • Slide 22
  • Projeto Iveco, FPT, Bosch e Razen: Iveco Trakker Testes em andamento em Barra Bonita (SP) Projeto Delphi, Valtra e Agco: trator flex diesel-etanol Tecnologia FLEX: diesel-etanol-biodiesel Iveco Trakker Bi-Fuel Etanol-Diesel Motor Valtra
  • Slide 23
  • So muitas as alternativas tecnolgicas. Existem experincias e estudos de casos em todo o mundo. Os biocombustveis so parte da soluo do transporte urbano. Contribuem para a reduo das principais emisses, entre outras externalidades positivas. O biodiesel ainda tende a ser a 1 opo (predominncia do ciclo diesel em veculos pesados). Busca pela viabilidade tcnica e econmica de novas rotas produtivas (biodiesel de 2 gerao e diesel de cana). Mas o etanol tambm apresenta casos de sucesso em veculos pesados. Perspectiva da introduo comercial da tecnologia flex biodiesel-diesel-etanol num futuro prximo. A principal barreira atual equilibrar a questo econmica. O biodiesel e o etanol tendem a apresentar maior custo por quilmetro rodado. Preocupaes sobre a revenda posterior do veculo. CONSIDERAES FINAIS
  • Slide 24
  • BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTVEIS RENOVVEIS Publicao mensal destinada a consolidar informaes conjunturais sobre os combustveis renovveis. Destina-se a pblico em geral e distribudo em meio eletrnico para lista de e-mails cadastrados. Disponvel para download gratuito em www.mme.gov.br/spg/menu/publicacoes.html Para nova incluso: dcr@mme.gov.br
  • Slide 25
  • Muito Obrigado!

Recommended

View more >