Click here to load reader

Indios Do Parana

  • View
    238

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Indios Do Parana

COLGIO ESTADUAL JOO MANOEL MONDRONE. SRIE: 2 ANOS Professora de Histria: Stefnia Schier

APOSTILA DE HISTRIA DO PARANBRASO

BANDEIRA

Medianeira, setembro de 2011.

2

ndice:

1- Localizao do estado........................................................................................................................... pgina 03 2- Indgenas - os povos nativos do estado do Paran............................................................................... pgina 03 3- Colonizao do Paran Espanha e Portugal...................................................................................... pgina 07 4- O Ouro no sculo XVII........................................................................................................................... pgina 09 5- O Gado e o Tropeirismo no sculo XVIII............................................................................................... pgina 10 6- A Erva Mate e a Madeira no sculo XIX................................................................................................ pgina 11 7- O Caf no norte do estado do sculo XX .............................................................................................. pgina 18 8 - A colonizao das regies Oeste e Sudoeste ...................................................................................... pgina 19 9 - A Industrializao e a economia atual .................................................................................................. pgina 22 10 - Referncias Bibliogrficas .................................................................................................................. pgina 23

3

1- Localizao e dados gerais do estado do Paran:Paran um termo que vem do Guarani e significa rio grande ou semelhante ao mar (para = mar e na = semelhante). O Paran uma das 27 unidades federativas do Brasil. Est situado na regio Sul do pas e tem como limites So Paulo (a norte e leste), oceano Atlntico (leste), Santa Catarina (sul), Argentina (sudoeste), Paraguai (oeste) e Mato Grosso do Sul (noroeste). Ocupa uma rea de 199.880 Km. Sua capital Curitiba e outros importantes municpios so Londrina, Maring, Cascavel, Toledo, Ponta Grossa, Foz do Iguau, Francisco Beltro, So Jos dos Pinhais, Guarapuava, Paranagu, Apucarana, Umuarama, Campo Mouro, Paranava, alm de outras cidades da Regio Metropolitana de Curitiba como Araucria, que possui o segundo PIB do estado. De acordo com PIB, o Paran o quinto estado mais rico do Brasil, atrs de So Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. O Paran apresenta uma estreita plancie no litoral, e a serra do Mar a borda dos Planaltos e Serras de Leste-Sudeste. Aps a Depresso Perifrica, no centro-leste do estado, surgem os Planaltos e Chapadas da Bacia do Paran. Os rios da Bacia Hidrogrfica do Rio Paran drenam a quase totalidade do estado. Os principais cursos d'gua so, alm do prprio rio Paran, o Paranapanema, o Iguau, o Tibagi, o Iva e o Piquiri.

Mato Grosso do Sul

So Paulo

Paraguai

Argentina

Uruguai

Oceano Atlntico

O clima paranaense predominantemente subtropical mido. A temperatura varia entre 4 C e 21 C, e o clima mais frio na poro sul planltica. Os ndices pluviomtricos oscilam de 1.500 mm a 2.500 mm anuais. Originalmente, cerca de metade do territrio paranaense era recoberto pela Mata de Araucrias. Nas partes mais elevadas dos planaltos, manchas de campos so comuns.

2- Os povos nativos do estado do Paran:O termo ndios designa os povos nativos encontrados nas Amricas, nos sculos XV e XVI, por navegantes e conquistadores europeus que buscavam uma rota para as ndias (sudeste asitico), para onde iam busca de ampliao do seu comrcio. Em final de 1400 quando os europeus comearam a chegar na Amrica, no mesmo espao onde situase o estado do Paran, habitavam cerca de 200 mil ndios pertencentes a duas famlias lingusticas: J e TUPIGUARANI. 2.1 - A ocupao do territrio paranaense: Supe-se que entre 12 mil e 15 mil anos atrs, parte da regio sul do Brasil e do nordeste da Argentina era ocupada por povos caadores/coletores. Estes primeiros habitantes vieram de reas prximas do Oceano Pacfico e do centro-oeste brasileiro, encontrando no Paran um clima frio e seco.

4Tradies arqueolgicas e periodizao: CARACTERSTICAS E CONJUNTOS: PERODO: 10 mil anos atrs 8 mil anos atrs 4 mil anos atrs 2 mil anos atrs Caadores/coletores: Umbu, Humait, Sambaquis fluviais. Pinturas e gravuras rupestres: Planalto e Geomtrica Pescadores, caadores Sambaquis litorneos. e coletores:

Agricultores e ceramistas: Itarar-Taquara Agricultores e ceramistas: Tupi-Guarani

Eles eram povos nmades que viviam em acampamentos temporrios, inclusive em abrigos sob rochas, e se alimentavam da caa de animais e da coleta de frutos, razes e mel, e eram conhecidos pelos diferentes materiais lascados que produziam como pontas de projteis. Por causa de alguns alimentos de sua dieta, como o caramujo-gastropodo, no vale do Rio Ribeira e afluentes, alguns grupos chegaram a fazer pequenos morros de conchas chamados de sambaquis fluviais, onde podem ser identificados vestgios de suas habitaes e sepultamentos. Parte das pinturas rupestres dos Campos Gerais e das gravuras rupestres do Segundo Planalto est relacionada a esse perodo, mas a arte rupestre continuou a ser feita at cerca de 300 anos: pinturas de animais associadas s representaes geomtricas, alm de seres humanos, geralmente em vermelho ou preto. H sete mil anos, quando o clima se tornou mais quente e mido, a ocupao do territrio passou a se intensificar com as populaes de caadores/coletores Umbu, Humait e de Sambaquis. No litoral, faziam moradas temporrias para a pesca e a coleta de moluscos e gastrpodos, sucessivas vezes na mesma rea, ou construram aterros com conchas para se proteger da oscilao do mar. Erguiam verdadeiros morros artificiais, os sambaquis litorneos, com at 21 metros de altura, como o sambaqui do Guaraguau, em Pontal do Paran. Esto catalogados pelo menos 300 sambaquis no litoral do Paran.

Sambaqui do Guaraguau Praia de Pontal do Sul, PR. (fonte: site da Secretaria de Educao do Estado do Paran historia.seed.pr.gov.br).

2.2 - Os ancestrais dos Kaingang e Xokleng (Famlia lingustica J). Os primeiros povos agricultores e ceramistas chegaram ao Paran h quatro mil anos, vindos do planalto central brasileiro. Ocupavam de preferncia as terras altas do sul do pas. Ao longo do tempo, dispersaram-se por todo o territrio paranaense, desde o litoral at o oeste, no Rio Paran. Eram ancestrais dos ndios conhecidos como Guaian, Coroado, Gualacho e Pinar, e representados atualmente pelos Kaingang e Xocleng. Viviam em aldeias com at 300 pessoas, em grandes casas retangulares cobertas com folhas de palmeiras, algumas parcialmente subterrneas, as quais no Paran ficaram conhecidas como buracos de bugre. No centro da casa, com duas ou outras aberturas usadas como portas, havia sempre uma ou mais fogueiras que ajudavam na iluminao, no aquecimento, na preparao dos alimentos e tambm serviam para espantar insetos.

5

Aldeia Kaingang

Nas proximidades da aldeia faziam roas para plantar no sistema da coivara com pequenas derrubadas de mata e limpeza por meio de queimadas, algumas variedades de milho, abbora, feijo, amendoim e mandioca. Em tempos de inverno parte da aldeia se dividia em grupos menores para fazer grandes deslocamentos. Dedicavam-se ento caa, pesca coleta de mel, razes e frutos como o pinho. Tradicionalmente os ancestrais dos Kaingang enterravam os mortos em estruturas subterrneas forradas com folhas de palmeira cobertas com montes de terra que pareciam pequenas pirmides. Os Xokleng cremavam os mortos e ambos os grupos faziam cemitrios em abrigos rochosos onde pintavam e gravavam cenas de seu cotidiano. Sua cermica usada para fazer peas em pequeno volume e espessura fina com eventual engobo negro ou vermelho ou marcaes em tecido, malha carimbos e incises na face externa dos vasilhames. Tambm confeccionavam cestos em taquara, alguns impermeabilizados com cera de abelha para armazenar lquidos. Tambm usavam porongos como vasilhames.

Dividiam-se em grupos formados por cls grandes famlias cada qual identificado por um tipo de pintura corporal. Algumas pinturas eram feitas com um carimbo de madeira. Costumavam marcar seu territrio com esses mesmos smbolos clnicos em abrigos rochosos e em troncos do pinheiro araucria. Caavam com arco e flechas, arpes e armadilhas. Preferiam animais de pelo como as antas, porcos do mato, catetos quatis, cachorros-do-mato e alguns tatus. Preparavam uma paoca de pinho para misturar com a carne. Filhotes de animais, como os papagaios, gavies, macacos e quatis eram capturados e criados nas aldeias.

6Aves grandes como jacutinga, jacu e macuco, serviam como alimento. 2.3 - Anscestrais dos Tupi/Guarani (Famlia Tupi-Guarani): Os ancestrais dos ndios Tupi e Guarani apareceram em territrio paranaense h dois mil anos, provavelmente vindos da Amaznia. De incio, eles ocuparam os vales dos grandes rios e depois praticamente todo o Paran, inclusive o litoral porque preferiam reas de mata atlntica e da floresta pluvial tropical para caa e pesca. Sua cermica era decorada com pinturas geomtricas, vermelhas e pretas sobre engobo branco ou incises e marcaes em com unhas e a polpa dos dedos. Eram comuns os cachimbos cermicos assim como o hbito de beber a erva-mate com gua fria ou quente. Lminas de machado polidas e lascadas, alm de lascas de pedra eram usadas para descarnar animais e desbastar madeira. Alm dos vasilhames de cermica, usavam porongos e cestos em taquara para guardar alimentos e cargas. Excelentes canoeiros usavam os rios como importante meio de transporte. Os Guarani eram agricultores e cultivavam mandioca, milho, batata-doce e feijes. Ainda realizavam a pesca, a caa e a coleta de frutos, razes e mel. Moravam em aldeias com formato circ

Search related