JORNAL EXPRESSO - 10ª Edição

  • View
    270

  • Download
    49

Embed Size (px)

DESCRIPTION

JORNAL EXPRESSO - 10 Edio

Transcript

  • CompaCto e CompletoexpressoJorNa

    l

    Fortaleza, 30 de abril a 6 de maio de 2010

    Ano I - Edio 10

    louis mello

    A um empate do tetra leo encara Vov

    Aliana Cid-Tasso vem salvar ninho tucanoPG. 24 PG. 3

    Mais que uma deciso Eleies 2010

    Natasha svetlana: princesa do gelo em flerte paralisante no EXPRESSO PG. 26

    Greve branca da Pm desafia Governo do estado

    Drogas e pnico: escolas estaduais pedem socorroPGS. 10,11,12,13

    PG. 14

  • Alerta geral

    Pimentel desmente o que ningum disse sobre apoio do governadorO deputado Jos Pimentel (foto), em entrevista ao programa Cear Agora, comandado pelos jornalistas Luzenor de Oliveira e Donizette Arruda, acusou a imprensa de estar fofocando a respeito de sua pretensa candidatura a sena-dor na chapa encabeada pelo governador Cid Gomes. Disse o parlamentar que o PSB, partido de Cid, nunca manifestou nenhum veto presena dele como postulante ao Senado na chapa governador. verdade, pois nem o go-vernador Cid Gomes, nem o seu partido iriam externar esse tipo de restrio. A explicao simples: tendo um acordo firmado para apoiar os nomes de Euncio Oliveira e Tasso Jereissati para o Senado, no seria conveniente ao governador, nem a qualquer poltico prximo ao Palcio Iracema, manifes-tar-se sobre o assunto. Portanto, Pimentel procura desmentir o que ningum disse: a posio de Cid quanto a uma eventual candidatura de Pimentel a senador. uma postura mineira: nem sim, nem no.Po

    ltic

    a

    o gigantesco esforo de obter mais um mandato

    no Senado, o Galeguim dos Olhos Azuis est conseguindo muitos colaboradores, alm do governador Cid Gomes e do deputado Euncio Oliveira (pelos motivos j expostos aqui). Um deles o ex-ministro Ciro Gomes, que, alijado da disputa presidencial deste ano, encontrou um bom pretexto para apoiar o ex-correligionrio de PSDB Tasso Jereissati.

    Esse engajamento de Ciro na luta pela reconduo de Tasso para o Senado to ostensivo que at mesmo a mdia do Sul tem registrado o fato. Ainda recentemente, no site da revista poca, o jornalista Paulo Moreira Leite escreveu: Na pior fase de sua vida poltica, com a reeleio ameaada no Cear, Tasso necessita do imenso prestgio de Ciro Gomes e de seu irmo, o governador Cid Gomes, para conseguir renovar o mandato em Braslia. E Moreira Leite ainda relembra: Em 2002, o tucano Tasso abandonou a

    candidatura de seu colega de partido Jos Serra para apoiar o concorrente presidencial Ciro Gomes. O que se pergunta, oito anos depois, se Ciro Gomes est devolvendo o gesto na mesma moeda.

    Na imprensa do Cear, ento, o acordo Cid-Tasso-Euncio, coadjuvado por Ciro Gomes e outros, o assunto colocado muito mais claramente. Pelo

    menos pelo EXPRESSO, revelando e antecipando o que vem acontecendo nos bastidores, em matria de sucesso estadual.

    Resumo da pera: Tasso forma um balaio poltico para no deixar apagar a estrela. Logicamente, a dele, porque a do seu PSDB cearense est, como se diz no interior, com o seu foquito ameaando queimar...

    Xyco Theophilo

    Caldeiroos ColABoRADoRes Do GAleGuim, oiTo ANos DePois xycotheophilo@jornalexpressoceara.com.brIvo encrenca com Luizianne, que encrenca com Ciro, que no sei porque deixou de encrencar com Serra, que encrenca com Dilma, que se encrenca e se atrapalha, pois j no sabe mais com quem deve encrencar a cada vez. No Cear, a encrenca se amplia. Tasso com Pimentel, este com Euncio, que se encrenca, pois no sabe se vai para as graas do governador ou se fica na corrente de Dilma, Lula, Luizianne.

    O prximo a se meter nessa encrenca Domingos Filho que vai arranjar encrenca com Catanho, Cartaxo. Na prxima edio, a encrenca continua...

    TuDo Pelo AmoROs lderes do PSB, PMDB e PT acham difcil fechar um acordo para que os trs partidos marchem unidos e apiem o candidato a governador em sua reeleio. O arranjo para evitar que um racha entre os partidos prejudique o palanque no Estado da pr-candidata do PT ao Palcio do Planalto, Dilma Rousseff, e fortalea a candidaturas da oposio no grande colgio eleitoral que o Cear, onde Lula teve cerca de 90% dos votos. At o dia 22 de maio, data limite dada pela prefeita, que guardou bom estoque de Maracujina sugerida, a tendncia Cid, Vice do PT (quem ser, quem ser?), Euncio e Pimentel. Tudo que discrepar ser beicinho e tchau - tchau.isoNomiA s De PAGAmeNToComo neste ano houve um crescimento de aproximadamente 9,25% no nmero de eleitores do

    Pas, - que era de 115,2 milhes e, atualmente, de quase 126 milhes -, cresceu tambm o nmero de votos necessrios para que um parlamentar seja eleito. Esse nmero varia de Estado para Estado. Em So Paulo, so necessrios quase 100 mil. J em Roraima, pouco mais de 29 mil votos so suficientes. Na hora do pagamento, tudo igual seja qual for o lugar. A enorme diferena deve-se ao clculo das bancadas. Aqui, tudo vai depender ainda dascoligaes nas proporcionais e na majoritria. Voltaremos ao assunto.

    2 Fortaleza, 30 de abril a 6 de maio de 2010expressoJorNal

    opinio Por Ossian Lima | EDITOr DE POLTICa

    Por via das dvidas...Cmara aprova ttulo de cidadania para serraDepois da pr-candidata do PT Presidncia da Repblica, Dilma Rousseff, agora a vez do pr-candidato tucano a presidente, Jos Serra (foto). Ele foi contemplado, tera-feira, com t-tulo de cidadania fortalezense. A Cmara Mu-nicipal aprovou a proposta por 23 votos a favor e duas abstenes (Eliana Gomes PCdoB, e Joo Alfredo, do PSOL). A iniciativa partiu no de um tucano, mas de Marcelo Mendes, do PTC, legenda que forma, ao lado de outros pequenos partidos, a Frente da Cidadania. Essa frente quer lanar candidato a uma vaga de senador, mas Marcelo sonha em disputar o Governo do Esta-do. Pelo menos, para no ver Cid Gomes (PSB) ganhar no WO.(Do blogdoeliomar.com.br)

    1

    2

    uma campanha uma maratona

    de muitos quilmetros. Quem

    tentar correr, vai chegar cansado

    (lula da silva)

    N

    CiD, TASSO E CiRO: aliana vem de longe

  • O acordo fechado pelo senador Tasso Jereissati com o governador Cid Gomes e outras lideranas polticas locais no faz parte de um projeto voltado unicamente para a reeleio do peessedebista. Est no bojo de um plano de salvar da extino o ninho tucano no Cear. Do apogeu da dcada de 90 do sculo passado, chegou a um processo de fragilizao eleitoral que hoje preocupa os seus filiados, notadamente aqueles que pensam em renovar mandatos: os deputados federais e estaduais.

    Plano de resgate

    3expressoJorNal

    Fortaleza, 30 de abril a 6 de maio de 2010

    Acordo Cid-Tasso quer salvar ninho tucano da extino

    Nos primeiros anos de sua exis-tncia, o PSDB no teve dificul-dades para se dar bem, poltica e eleitoralmente. Comeou por

    Agora, ciente do definhamento de seu PSDB no Cear, o senador Tasso Jereissati agarra-se a todos os aliados possveis. Primeiro, tenta garantir a renovao da cruz que seria passar mais oito anos no Senado. Segundo, tenta evi-tar o mais possvel a reduo das cadeiras que os tucanos tm hoje na bancada cearense na Cmara e Assembleia .

    Nessa linha de puro pragmatismo, invocan-do afinidades anteriores, buscou logo fechar acordo com Cid Gomes e com Euncio Oliveira. Muito claras as bases do entendimento: Cid, que teve o apoio integral dos tucanos no seu primeiro governo, contaria com o apoio destes para se reeleger, oferecendo, em contrapartida, apoio reeleio de Tasso. Por sua vez, Eun-cio, candidato ao Senado, formaria dobradinha com Tasso na disputa das duas vagas para o Senado.

    Portanto, o panorama que se desenha, po-der at no deixar dvidas quanto reeleio

    de Tasso para o Senado. Porm, no permitir uma outra dvida: a de que, no Cear, o ninho tucano est desmantelado e, para se manter, est na dependncia direta do socorro de ou-tras foras.

    Por essas e outras razes, a ningum sur-preende a sbita deciso do senador de passar a ideia de que o PSDB cearense no morreu, est ativo. Assim promove reunies regionais, s quais comparecem mais pessoas integrantes de claques organizadas do que propriamente parlamentares, prefeitos, vereadores e outros militantes do partido.

    Preferem dialogar com o governador Cid Go-mes, os secretrios estaduais e outros interlo-cutores, mais prximos do que o doutor Tasso, desfrutando a animao poltica do Planalto. Pareceu durante muito tempo haver esquecido o caminho dos sertes cearenses, que procura reaprender agora, em busca de votos para si e da salvao do seu ninho da extino.

    apoiar os governos Fernando Collor e Itamar Franco, o que lhe foi incutindo o hbito de viver sombra frondosa do poder. Logo em seguida, sob as bnos do ento presidente Itamar Franco, o PSDB conquistou a Repblica,

    na pessoa de Fernando Henri-que Cardoso. Este tomou gosto pelo cargo, a ponto de, a que custo sabe a sociedade, conse-guir do Congresso a aprovao de emenda Constituio per-mitindo a reeleio presidencial.

    Dessa forma, o PSDB no teve que se esforar muito para nos estados crescer, sendo exemplar o caso do Cear, onde estabe-leceu uma hegemonia de que resultaram: trs mandatos de governador para o dono da sigla

    aqui, o hoje senador Tasso Jereis-sati; grande parte da bancada cearense no Congresso; a grande maioria dos prefeitos cearenses; e assim por diante. Concretizava-se, ento, o plano gestado pela turma do CIC, capitaneada pelo prprio Tasso e tendo como guru intelectual e estrategista o ex-governador Beni Veras.

    No entanto, o povo cansou do modelo neoliberal dos seguidos governos FHC, principalmente os abusos nos processos de pri-vatizaes, o que, nas eleies de 2002, resultaram na derrota do candidato sucesso presiden-cial, Jos Serra (na poca pre-terido pelo prprio Tasso, que, apesar de tucano, preferiu apoiar o conterrneo e amigo Ciro Go-mes). Resultado: Lula conquis-tou sua primeira eleio para a Presidncia, inaugurando uma era que, se surgiu como um tem-po de festa para o