JORNAL O FOCO ED. 153 | NOTÍCIA COM NITIDEZ

  • View
    233

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Notcias sobre o cotidiano dos municpios de Itagua, Mangaratiba e Seropdica. Informao sobre poltica e os bastidores do poder. Cultura, Esporte, Comportamento e muito mais...

Transcript

  • O FOCOwww.jornalofoco.com.br

    JORNAL

    Diretor: thiago Melo

    ano 6 | eDio 153 | 28 De seteMbro a 4 De outubro De 2012

    FALE CONOSCO REDAO2687-0694redacao@jornalofoco.com.br PARA ANUNCIAR2687-0406comercial@jornalofoco.com.br

    Rio-Santos

    Pedestres arriscam-se na pistamuncipes preferem passar por buracos improvisados para atravessar a pista a

    caminhar at a passarela. desde a duplicao, atropelamentos aumentaram em 45% Nem o movimento in-

    tenso de veculos ou o his-trico de acidentes com v-timas fatais inibem a tra-vessia arriscada de pedes-tres na rodovia Rio-Santos.

    Mulheres com crianas, ciclistas e at mesmo ido-sos aventuram-se na tra-vessia perigosa. Segundo os moradores vizinhos rodovia, o movimento de pedestres que atravessam as pistas frequente. A justificativa para inutiliza-o das passarelas a dis-tncia da rea residencial.

    A Polcia Rodoviria Fe-deral (PRF) iniciar, na prxima semana, campa-nha para conscientizar mo-toristas e pedestres sobre os riscos na rodovia.

    Itagua e Seropdica

    Debaixo de muita poeira

    Em excesso em Itagua e Seropdica, poeira causa diversos transtornos

    Pgina 3

    Top Model Casa novaItagua recebe nibus do concurso global "Menina Fantstica"

    Vasco inaugura o novo Centro de Treinamento aps sete meses de interdio Pgina 16Pgina 14

    Transporte urbano

    Linhas municipais sem licitaoAs empresas Viao Ita-

    gua e Viao Cidade de Itagua so as linhas de ni-bus que circulam no muni-cpio e ainda atuam sem

    possuir licitao. Alguns nibus encontram-se em mau estado de conservao e outros cometem irregula-ridades, como trafegar com

    as portas abertas. O secre-trio de transportes Nelson Donato esclareceu repor-tagem os motivos da falta de licitao das empresas.

    Pgina 8 Pgina 5

    No quilmetro 400, altura do bairro Jardim Wda, pedestre carrega bicicleta e se arrisca em frente a caminho para atrevessar a rodovia

    giaN COrNaChiNi

    Campanha em Manga-ratiba agita-se mais com fatos que envolveram An-dria Busatto (PDT) e Evandro Capixaba (PSD), postulantes ao cargo mxi-mo do Executivo Munici-pal. Ela teve recurso contra indeferimento de sua can-didatura negado pelo TRE; ele vai preparar defesa em at 10 dias para apresen-tar Comisso Processan-te da Cmara que quer sua cassao. Ambos, porm, mantm-se candidatos.

    Despedida Em campanha

    Rpido ou devagar?

    Morre Clio da Tigresa, aos 60

    Caminhadas em dois estilos

    Empresrio de suces-so e presidente do PSB de Mangaratiba foi vtima de cncer na sexta-feira (21).

    Candidatos a prefeito mostram que corpo a cor-po pode ser feito de duas maneiras diferentes.

    Pgina 13

    Pgina 12 Pginas 10 e 11

    Andria perde no TRE e Capixaba na Cmara

    andria: "vamos ao TSE, sou inocente e candidata" Cmara abre Comisso Processante contra Capixaba

    JuPy JuNiOr ThiagO mElO

  • 2 entrevista JOrNal O FOCOredacao@jornalofoco.com.brfale com a redao (21) 2687-0694www.jornalofoco.com.br

    28 de setembro a 4 de outubro de 2012

    O FOCO difcil aprender a lngua dos sinais? ANDREA DE OLIVEIRA BOTELHO Para os ouvin-tes, como uma segunda lngua. Depende da fora de vontade. como aprender ingls. Para algumas pessoas pode ser dif-cil aprender ingls, e com Libras a mesma coisa. Libras um idioma, e as dificuldades so as mesmas para aprender idiomas em geral. Mas qualquer pessoa pode aprender, algumas tm di-ficuldade, outras no.

    O FOCO O interesse por Libras aumentou? AOB praticamente o mesmo. Com a lei que reconhece Li-bras como idioma [lei 10.436/2002], o interesse aumentou. A lei unificou Libras como a lngua oficial dos surdos na socieda-de brasileira. A primeira lngua a portuguesa. Para ensino de Libras na escola, h um decreto.

    O FOCO A insero do surdo na sociedade melho-rou? AOB Hoje em dia, a incluso do surdo nas escolas acabou com as associaes de surdos. Antigamento era bem melhor do que agora. H mais dificuldade de aprender lngua portugue-sa por causa disso. Era preciso que houvesse uma parceria en-tre as associaes e a escola, e no somente pegar o surdo e co-locar em uma escola para realizar uma incluso. Era preci-so que a comunidade aprendesse Libras para que essa incluso fosse mais efetiva. No s dar aula de lngua de sinais, isso insuficiente. H uma grande falta de intrpretes de Libras, e a lei diz que obrigatrio. Mas no h pessoas capazes de com-preender o surdo em unidades de sade, por exemplo. H v-rias situaes em que o surdo precisa ser compreendido e no . Quanto aos concursos pblicos, h uma cota para deficientes, mas o surdo sempre preterido em favor do deficiente com difi-culdades motoras. O FOCO H mais interesse de pessoas ouvintes em aprender a lngua dos sinais? Onde se aprende?AOL Muita gente se interessa, mas a maioria tem dificulda-

    de. Para adultos mais dif-cil. A proposta bilngue in-teressante, mas est na me-sa do senador em Braslia, a proposta de uma histria bi-lngue. Para aprender, pre-ciso entrar em um curso. Es-ta uma das dificuldades, meu objetivo dar aula pa-ra ouvintes nas cidades. H cursos da Firjan para ouvin-

    tes, mas no est dissemina-do em todos os lugares, pre-ciso investimento para que isso acontea. O importante no desistir.

    O FOCO Quanto tempo uma pessoa precisa para aprender a lngua dos si-nais? Pode-se falar qual-quer coisa, h alguma li-mitao?AOL Mais ou menos trs anos para ter domnio. Po-de-se falar tudo. H estrutu-ra, gramtica. A maioria dos surdos comea a procurar os sinais classificadores, mas a lngua dos sinais s gesto mesmo, no para falar.

    O FOCO Ainda sobre a insero do surdo na so-ciedade, como para as crianas que entram em fase escolar?MCL Noventa por cen-to das crianas nos primei-ros anos entram mais tarde na escola e so analfabetas total, no sabem lngua portuguesa. O trabalho duas vezes maior. A famlia deve usar duas lnguas sempre, a lngua dos sinais e a portuguesa, no s a oral. Eu, por exemplo, que sou surda de nascena: minha me falava "banheiro" comigo, oralmente, eu no entendia. Quando minha me me mostrou o gesto de ba-nheiro, eu entendi. Isso me ajudou a mais tarde oralizar isso, fiz uma ligao. Para o surdo, a comunicao concreta, no abstrata. No a mesma relao que os ouvintes tm com sons e palavras, muito mais corporal e material.

    O FOCO Quais so as principais dificuldades para os surdos na sociedade? Ainda h preconceito?AOL Educao ainda est comeando, apesar da lei. A in-cluso de fato ainda uma dificuldades. H dificuldade pa-ra tudo. O preconceito diminuiu mais ou menos. Porque a maioria dos surdos est afastada da sociedade. A cultura diferente, o pensamento do surdo diferente, ele est em outro mundo, em um mundo silencioso, ele observa muito mais e tambm mais retrado. Se os ouvintes aprendessem

    a lngua dos sinais a vida do surdo seria muito melhor, na polcia, nos hospitais, nas lojas, nos servios em geral, qual-quer lugar. Lado ruim: no se contrata o surdo para traba-lhar. Concurso pblico: abre-se vaga para dar aula de Li-bras, e o ouvinte quem vai fazer a prova. O ouvinte passa, e o surdo no passa. Porque a pimeira lngua a portugue-sa, Libras (ou poderia ser) a segunda lngua. No h pro-vas especficas para surdos em concursos pblicos. A provas so elaboradas para pessoas fluentes em lngua portuguesa, e h surdos que no so hbeis na primeira lngua do Bra-sil. como o brasileiro que vai fazer uma prova no exterior: os candidatos nativos tm mais chance de serem aprovados do que os estrangeiros. Isso serve de comparao para mos-trar o drama que para o surdo tentar se colocar no merca-do de trabalho. A cota de 5% para empregos para deficientes um problema tambm, as empresas sempre preferem cadei-rantes ou pessoas com outro tipo de deficincia. A dificulda-de de comunicao decisiva neste caso. O surdo tem que se virar para trabalhar. preciso que as famlias no prendam o surdo dentro de casa, eles precisam aprender Libras.

    Andrea de Oliveira Botelhoprofessora de libras explica que, para o surdo, h grandes dificuldades. apesar da incluso, sociedade ainda injusta. mas se ouvintes aprenderem a lngua dos sinais, o drama dessas pessoas pode diminuir

    a maioria dos surdos est afastada da sociedade. h dificuldade para tudo, mas as famlias no devem prender o surdo dentro de casa"

    O mundo silencioso dos sinaisjupy junior (colaborou como intrprete renata flvia cravo)jupyjunior@jornalofoco.com.br

    Ela tem 46 anos e h mais de 20 trabalha com lngua de sinais (libras). Sua rotina extensa: ela leciona em angra, Paraty, rio Claro, itagua e mangaratiba. andrea de Oliveira Botelho Pereira surda, mas se comunica com habilidade de poucos, graas aos sinais que aproximam dois mundos, um deles totalmente silencioso. a professora conversou com O FOCO durante um intervalo da aula de capacitao para professores da rede municipal de mangaratiba. a ideia tornar estes profissionais capazes de se comunicar com alunos surdos a fim de diminuir pelo menos um dos entraves sociais que vrias pessoas passam diariamente. andrea explica que a distncia entre esses dois mundos muito grande, e que a injustia social para deficientes est longe de ser alcanada.

    andrea Botelho com sua turma de capacitao: lngua dos sinais aproxima dois mundos

    JuPy JuNiOr

  • 3 cotidiano JOrNal O FOCOredacao@jornalofoco.com.brfale com a redao (21) 2687-0694www.jornalofoco.com.br

    28 de setembro a 4 de outubro de 2012

    Em um dos trechos com o maior ndice de aci-dentes registrados na rodo-via (quilmetro 400), no preciso mais do que cinco minutos de observao pa-ra constatar o motivo do au-mento de acidentes por atro-pelamento. Mesmo prxi-mo a passarelas, pedestres preferem arriscam a vida ao atravessar a Rio-Santos.

    Segundo um morador do bairro Jardim Wda, em Ita-gua, a prtica muito co-mum entre os moradores lo-cais, que j fizeram um bu-raco no muro que div