Redação Forense - 2011.1

  • View
    6.894

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Redação Forense - 2011.1

Ttulo Nmero de aulas por semana Nmero de semana de aula Tema Objetivos

Redao Forense 1 1 Tipos de raciocnio; silogismo: deduo e induo

- Identificar a relao entre fato e norma; - Diferenciar deduo de induo; - Produzir pargrafos argumentativos por meio das duas formas de raciocnio. 1. tipos de raciocnio 1.1. deduo 1.2. induo 2. silogismo 2.1. premissas maior e menor 2.2. deduo 2.3. induo 3. raciocnio argumentativo 4. ponderao de interesses Textos diversos, Internet, Datashow e retroprojetor. O Direito caracteriza-se por ser um conjunto de regras que visam organizao da vida social e pacificao dos conflitos de interesse eventualmente existentes. Portanto, na rea jurdica, fato social e norma so elementos indissociveis. relevante que um advogado, ao produzir suas peas processuais, considere a necessidade de convencer seu auditrio[1] da tese que pretende sustentar. Para tanto, esse profissional tem sua disposio dois mtodos por meio dos quais poder desenvolver seu raciocnio e, assim, persuadir seu interlocutor. So eles o mtodo dedutivo e o indutivo. A deduo, prpria do silogismo, uma inferncia que parte do universal para o particular. Considera-se que um raciocnio dedutivo quando, a partir de determinadas afirmaes (premissas) aceitas como verdadeiras, o advogado chega a uma concluso lgica sobre uma dada questo discutida no processo. Dito em outras palavras, a deduo parte de uma verdade geral (premissa maior), previamente aceita, para afirmaes particulares (premissas menores). A aceitao da concluso depende das premissas: se elas forem consideradas verdadeiras, a concluso ser tambm aceita. Por isso, toda informao da concluso deve estar contida, pelo menos implicitamente, nas premissas. Assim, considere o caso de uma mulher cujos dois filhos, gmeos, recm-nascidos, morreram em uma maternidade, no Par, por infeco hospitalar, onde, em apenas uma semana, mais 17 crianas

Estrutura de contedo

Recursos fsicos Aplicao prtica e terica

faleceram pelo mesmo motivo. Qual o raciocnio que essa me ou o advogado que a representa - deveria seguir para chegar concluso de que faz jus indenizao por danos morais? Tabela 1: PREMISSA MAIOR (norma) PREMISSA CONCLUSO MENOR (juno das (fato) premissas) O Cdigo de Os dois filhos A clnica tem Defesa do da autora e o dever de Consumidor mais 17 indenizar a estabelece, em seu crianas autora, mesmo art. 14, que o morreram em que no tenha fornecedor de decorrncia de agido com servios responde, infeco culpa, porque independentement hospitalar. houve defeito e da existncia de na prestao de culpa, pela seus servios. reparao dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos prestao dos servios.

Voc deve ter percebido que houve, no grfico anterior, a subsuno do fato norma, ou seja, buscaram-se os fatos que se encaixassem norma adequada para defender a tese escolhida. Esse procedimento dedutivo. Mas ser que esse mtodo sempre o mais apropriado para redigir pargrafos argumentativos? Veremos que no. Suponha que um advogado pretendesse sustentar, em juzo, no ano de 2002, que seu cliente com 75 anos de idade e com grau de escolaridade elevado - foi ludibriado ao assinar um contrato de concesso de crdito em um banco que faz propagandas na televiso, oferecendo altas taxas de juros, com facilidade de crdito para os aposentados. O advogado pretende conseguir a anulao do contrato, sem o pagamento dos juros pactuados no momento de sua assinatura. Por que deve o negcio jurdico ser desfeito? Que tipo de vcio foi observado? A proposta argumentativa do advogado sustentar que, em decorrncia da idade do contratante, ele era mais vulnervel que outra pessoa mais jovem. Lembre que o Estatuto do idoso[2] somente foi sancionado pelo Presidente da Repblica em outubro de 2003[3]. A argumentao seguiria o seguinte raciocnio: Tabela 2:

O Estado protege de maneira peculiar as mulheres nas relaes de trabalho[4] porque h Ento... situaes especficas em que ela est em desvantagem em papel do relao aos homens. Estado proteger os mais fracos, O Estado protege, com tal como o maiores garantias, as caso dos idosos. crianas e os adolescentes[5] porque so mais fracos que os adultos. O Estado protege os consumidores[6] nas relaes de consumo porque h situaes especficas em que eles esto em desvantagem relativamente s empresas.

QUESTO Agora que voc j compreendeu o que caracteriza a deduo e a induo, leia o caso concreto que se segue e produza um texto argumentativo por deduo, de cerca de quinze linhas, em que se realize uma ponderao entre os seguintes interesses: proteo da segurana do consumidor na prestao de servios versus interesse pblico na concesso e na manuteno do servio de transportes. CASO CONCRETO Mariana Costa encontrava-se dentro de coletivo da empresa Transporte Amigo S/A que faz o trajeto Centro-Campo Grande. Assim que entrou na Avenida Brasil, uma das principais vias expressas do Rio de Janeiro, um passageiro daquele nibus anunciou o assalto e subtraiu, de todos os passageiros, carteiras, relgios, bolsas e aparelhos celulares. Mariana, que passou por grande susto, teve crise nervosa que lhe levou a ser atendida em hospital prximo ao local do roubo. Dessa passageira, o agressor levou R$ 1.500,00 que seriam usados para pagamento de credirio na Loja Mais Mais; carteira com todos os documentos; aparelho de telefone celular avaliado em R$ 800,00. Na semana seguinte ao evento, Mariana Costa ajuizou ao indenizatria. Pediu ressarcimento pelos danos patrimoniais, calculados em R$2.300,00, e pelos danos morais R$ 20.000,00. Assevera que ficou na mira de um revlver por cerca de 15 minutos e correu risco de morte. Afirma que a prestadora de

servio de transporte no lhe garantiu um direito bsico do consumidor, qual seja, a segurana. Diz ainda que os assaltos naquele ponto do itinerrio so freqentes. A r, em resposta, sustenta tratar-se de caso fortuito a ocorrncia de assalto. No h como prever onde e quando atuaro os assaltantes, o que impede a empresa de atuar de forma repressiva. Alis, tal obrigao do Estado, nico responsvel pela segurana pblica. A r anexou tambm diversos julgados do Tribunal de Justia Fluminense, em que se reflete sobre a possvel inviabilidade da atividade econmica e a funo social que prestam essas empresas de transporte. Em tabela demonstrativa, indica que a Segurana Pblica do Estado registrou, no ms anterior propositura da ao. 323 assaltos naquela cidade. Considera que, em mdia, 30 passageiros so vitimados por cada evento. Pondera, enfim, que se todos esses passageiros ajuizarem ao judicial em face das empresas, o gasto com indenizaes supera, em muito, os lucros da atividade. Sustenta que haveria desinteresse geral pela concesso do direito de transportar e isso geraria um caos urbano que precisa ser considerado pela nocividade evidente. Consultado sobre a questo, consultor especializado garante que cada Tribunal de Justia vem se posicionando de maneira distinta, ou seja, h aqueles que reconhecem o direito indenizao nesses casos e aqueles que negam tal direito.

[1] Sobre

esse

assunto,

leia

o

captulo

3.2

de

FETZNER, Nli Luiza Cavalieri; TAVARES JR, Nelson Carlos; VALVERDE, Alda da Graa Marques. Lies de argumentao jurdica: da teoria prtica. Rio de Janeiro: Forense, 2010. [2] Estudo interdisciplinar: aps sete anos tramitando no Congresso, o Estatuto do Idoso foi aprovado em setembro de 2003 e sancionado pelo presidente da Repblica no ms seguinte, ampliando os direitos dos cidados com idade acima de 60 anos. Mais abrangente que a Poltica Nacional do Idoso, lei de 1994 que dava garantias terceira idade, o estatuto impe penas severas para quem desrespeitar ou abandonar cidados da terceira idade. Disponvel em: Acesso em: 03 fevereiro 2008. [3] Estudo interdisciplinar: leia sobre a questo da aplicao da lei no tempo.

[4] Estudo interdisciplinar: leia, a esse respeito, o artigo 7 da Constituio e seus incisos; a CLT tambm rene dispositivos no mesmo sentido. [5] Estudo interdisciplinar: a melhor fonte para verificar essa afirmao o Estatuto da Criana e do Adolescente (ECA). [6] Estudo interdisciplinar: o Cdigo de Defesa de Consumidor brasileiro ainda visto por muitos como a legislao mais completa e bem produzida, no mundo, para tutelar os interesses do consumidor e evitar os abusos dos prestadores de servios e fornecedores de produtos.

Ttulo Nmero de aulas por semana Nmero de semana de aula Tema Objetivos

Redao Forense 1 2 Lgica Formal e Lgica do Razovel no discurso jurdico.

- Diferenciar Lgica Formal de Lgica do Razovel; - Compreender e aplicar o princpio da razoabilidade como norteador da atividade interpretativa do Direito; - Desenvolver estratgias criativas e consistentes de argumentao.

Estrutura de contedo

1. Lgica Formal 2. Lgica do Razovel 3. Coerncia argumentativa 4. Estratgias de persuaso

Recursos fsicos Aplicao prtica e terica

Internet, Datashow, Textos diversos e jurisprudncia. O Direito uma cincia dinmica. Sempre que nos encontramos diante de uma questo jurdica nova, devemos nos perguntar qual a melhor maneira de resolver a lide que se nos apresenta. Quando um caso concreto trata de questo j prevista em lei, os processos silogsticos de subsuno do fato norma auxiliam confortavelmente o advogado na soluo do problema. Como, porm, solucionar temticas inditas? De que maneira a analogia e os princpios gerais do Direito podem subsidiar raciocnios jurdicoargumentativos persuasivos? Percebemos que, em situaes tais, a habilidade argumentativa pautada pela razoabilidade sobrepe-se necessidade do conhecimento da norma positivada que pouco contribui para dirimir o conflito de interesses entre as partes. Um dos casos singulares em que se observa esse problema a polmica ao judicial na qual os herdeiros de Humberto de Campos, ilustre escritor brasileiro, pedem a declarao judicial de que as obras psicografadas pelo mdium Francisco Cndido Xavier, atribudas ao esprito do escritor, no so desse autor, ou que, uma vez identificadas como de sua autoria, sejam pagos os direitos autorais aos seus sucessores.

Compreendida essa realidade, propomos que seja lido o texto adiante, redigido por Maurcio Lopes de Oliveira,[1] que esclarece sobre esse processo. TEXTO Marcelo Souto Maior, Jornalista que publicou a biografia de Francisco Cndido Xavier (As Vidas de Chico Xavier, Ed. Rocco, 1996), relata que no incio do ano de 1944, o mdium abriu um envelope enviado pela Oitava Vara Cvel do Rio de Janeiro e assustou-se. A viva e os trs filhos do escritor Humberto de Campos moviam um processo contra ele e a Federao Esprita Brasileira. O fato era que a editora da Federao Esprita Brasileira havia publicado cinco obras, duas delas j em terceira edio, atribudas ao esprito do falecido escritor, psicografadas pelo mdium Francisco Cndido Xavier. Essas publicaes deixaram a viva de Humberto de Campos, Catarina Vergolino, numa situao incmoda, pois mantinha contrato com outra editora, que publicava a obra de seu marido, produzida por ele em vida. Diante de seu silncio, os editores poderiam supor que ela lucrava com os ttulos pstumos. Na verdade, Catarina no tinha recebido um tosto, sequer havia sido consultada. Assim sendo, a viva do referido homem de letras constituiu advogado e promoveu ao declaratria, em face da Federao Esprita Brasileira e de Chico Xavier, colocando a Justia no seguinte dilema: declarar que as obras no eram do esprito de Humberto de Campos, fazendo cessar a publicao; ou declarar que as obras eram do esprito de Humberto de Campos, reconhecendo os direitos autorais de seus herdeiros, dando-lhes participao nos lucros. Catarina requereu todos os meios de provas cientficas possveis, exigindo demonstraes medinicas para verificao da sobrevivncia e operosidade do esprito de Humberto de Campos. Propunha exames grficos dos textos escritos por Chico Xavier, alm de provas testemunhais. Queria ter a certeza de que as cinco obras atribudas ao esprito do escritor foram mesmo ditadas pelo morto. O Advogado Miguel Timponi, catlico praticante, apresentou sua contestao. Timponi sustentou que afirmar ou negar que as obras fossem de Humberto de Campos seria decretar a

oficializao

de

um

princpio

religioso,

filosfico

ou

cientfico, o que o magistrado jamais poderia fazer, dada sua inerente neutralidade diante de tais princpios. Argumentou, ainda, que depois de morto, o indivduo no pode adquirir direitos e que os herdeiros de Humberto de Campos no poderiam ser reconhecidos como sucessores de direitos patrimoniais sobre uma obra que inexistiu durante a vida do autor. Finalmente Timponi alegou que Humberto de Campos, ser humano que deixou de existir, no tem qualquer relao com o esprito, que sobrevive de acordo com os cnones do espiritismo. Assim, a designao "Esprito de Humberto de Campos", presente nas obras medinicas, no compromete o nome do escritor. Como testemunha em favor dos rus, Timponi convocou o prprio esprito de Humberto de Campos, que se manifestaria atravs do mdium Chico Xavier. De fato, durante todo o processo, o esprito se manifestou, demonstrando seu descontentamento com a situao. Em uma de suas mensagens psicografadas, o esprito lembrou que no prefcio de seu primeiro livro, ditado sete anos antes, havia mencionado o fato de finalmente estar livre dos contratos com sua editora, enaltecendo as vantagens do autor fantasma. Coube ao Juiz Joo Frederico Mouro Russel dirimir a controvrsia. Em sentena de 23 de outubro de 1944, o Juiz Russel salientou que a existncia da pessoa natural termina com a morte, e que, conseqentemente, com a morte se extingue a capacidade jurdica de adquirir direitos mors omniasolvit. Merece destaque o seguinte trecho da referida sentena: Ora, nos termos do art. 10 do Cdigo Civil "a existncia da pessoa natural termina com a com morte"; a morte por se conseguinte,

extinguem todos os direitos e, bem assim, a capacidade jurdica de os adquirir. No nosso direito absoluto o alcance da mxima mors omniasolvit. Assim, o grande escritor Humberto de Campos, depois de sua morte, no poderia ter adquirido

direito

de

espcie

alguma

e,

conseqentemente, nenhum direito autoral poder da pessoa dele ser transmitido para seus herdeiros e sucessores. Nossa legislao protege a propriedade intelectual em favor dos herdeiros at certo limite de tempo aps a morte, mas, o que considera, para esse fim, como propriedade intelectual, so as obras produzidas pelo de cujus em vida. O direito a essas que se transmite aos herdeiros. No pode, portanto, a suplicante pretender direitos autorais sobre supostas produes literrias atribudas ao esprito do autor. Como se tratava de ao declaratria, o Juiz Russel assim concluiu sua sentena: Do exposto, conclui-se que, no caso vertente, no h nenhum interesse legtimo que d lugar ao proposta. Alm disso, a ora intentada (ao declaratria) no tem por fim a simples declarao de existncia ou inexistncia de uma relao jurdica, nos termos do nico do art. 2 do Cdigo de Processo, e sim a declarao da existncia ou no de um fato (se so ou no do esprito de Humberto referidas de na Campos inicial), as do obras qual

hipoteticamente, caso ocorra ou no, possam resultar relaes jurdicas que a suplicante enuncia de modo alternativo. contm Assim formulada, pedido a inicial constitui mera consulta; no nenhum positivo, certo e determinado, sobre o qual a Justia se deva manifestar. Como observa, a tal com razo, a contestao, declaratria, presente como ao est

formulada a concluso inicial, jamais poderia ser julgada improcedente, se fosse admissvel. Posto isso, julgo a suplicante carecedora da ao proposta e a condeno nas custas. Esta sentena foi confirmada, em 3 de novembro de 1944, por acrdo da Quarta Cmara do Tribunal do Distrito Federal. Se julgar necessrio, leia, ainda, os esclarecimentos que seguem, presentes na mesma publicao eletrnica. A psicografia e o direito patrimonial do autor A idealizao da personalidade indispensvel ao mundo jurdico, uma vez que o direito se concebe como uma organizao da vida, onde, sob a gide tutelar da lei, se expande a faculdade dos indivduos. Essa faculdade, assegurada pela ordem jurdica, a irradiao de um foco a personalidade. No nosso Direito, a personalidade jurdica tem comeo no nascimento com vida. Conseqentemente, com a morte termina a personalidade jurdica, deixando de existir capacidade para aquisio de direitos. Nesse sentido, Caio Mrio da Silva Pereira assim doutrina: "A personalidade, como atributo da pessoa humana, est a ela indissoluvelmente ligada. Sua durao a da vida" (Instituies de Direito Civil, vol. I, Forense, 1978, pg. 203). A inevitvel concluso que o morto deixa de ser pessoa. Resta, entretanto, sua herana. Essa herana, que se caracteriza pelo conjunto de bens e direitos, patrimnio que o de cujus possuiu, se transmite aos herdeiros justamente porque o falecido deixou de ser capaz de ter direitos e obrigaes na ordem civil. Logo, o direito hereditrio o complexo dos princpios segundo os quais se realiza a transmisso do patrimnio de algum que j no mais existe. O patrimnio transmitido , justamente, a herana. No caso dos direitos patrimoniais do autor, estes nascem com a criao da obra, e so transmitidos por sucesso causa mortis, sobrevindo, ento, herdeiros e legatrios titularidade destes direitos. Uma vez que estes direitos patrimoniais esto

relacionados, intrinsecamente, com o meio de comunicao que exteriorizou a criao, o patrimnio corresponde a uma obra, inexistindo direitos sobre o que no se fez luz. Aceitando-se ou no a tese da sobrevivncia do esprito, no h dvida de que esprito no capaz de direitos e obrigaes. Assim, a obra de pensamento do esprito, psicografada, posteriormente desagregao do corpo fsico, no faz parte do patrimnio do de cujus, que deixou de ter personalidade jurdica. No h que se questionar, portanto, direitos patrimoniais de autor sobre obras que no integravam porque no existiam o patrimnio deixado aos herdeiros. A psicografia e o direito moral do autor O jurista grego Georges Michalids-Nouaros, Doutor em Direito pela Universidade de Atenas, escreveu que ledroit moral as base laprotection de lapersonnalit de lauteur. (Le Droit Moral de lAuteur, Librairie Arthur Rousseau, 1935, pg. 65). Segundo Carlos Alberto Bittar: Os direitos morais so vnculos perenes que unem o criador sua obra, para a realizao da defesa de sua personalidade. Como os aspectos abrangidos se relacionam prpria natureza humana e desde que a obra emanao da personalidade do autor que nela cunha, pois, seus prprios , a esses sagrao, dotes direitos no intelectuais constituem

ordenamento jurdico, da proteo dos mais ntimos componentes da estrutura psquica do seu criador. (Direito de Autor, Forense Universitria, 1994, pg. 44). As obras psicografadas so expostas nas livrarias com a declarao inequvoca da sua natureza, isto , como sendo produo medinica. Os livros psicografados so sempre publicados por editoras espritas, fato que especializa a obra. O nome da pessoa que psicografou sempre o mais destacado, aparecendo no alto da capa, lugar

normalmente reservado ao nome do autor. J o nome da pessoa falecida, que teria ditado a obra, aparece acompanhado da expresso "ditado pelo esprito de" ou "do esprito de". Logo, no h risco de dvida ou engano. evidente que o consumidor, ao se deparar com um livro psicografado, ditado pelo esprito de algum clebre escritor ou artista, verificar que no se trata de uma das obras criadas pela referida pessoa em vida. Isto se aplica aos que acreditam no fenmeno, pois, para esses, o esprito difere da pessoa, preexistindo antes de seu nascimento, subsistindo aps sua morte. Tambm qualquer A os cticos, por o desacreditarem, esprito no deixou e a no faro que, a relao obra entre pessoa

definitivamente, no mais existe. psicografada que fere, de portanto, existir. personalidade daquele Esta

permanecer intocada, relacionada s obras produzidas em vida, permanecendo devidamente resguardados os direitos morais do autor. Questo Realize uma pesquisa na Internet sobre casos de difcil soluo, em virtude do ineditismo que apresentam, e procure identificar como o judicirio resolveu a matria. De posse desse material, debata em sala de aula o caso concreto apresentado no texto de Maurcio Lopes de Oliveira e produza um texto argumentativo de cerca de vinte linhas que reflita sobre a seguinte proposio: possvel conciliar os saberes cientfico, religioso, moral e cultural na prestao jurisdicional? Lembre-se de que a razoabilidade deve ser o norte de todos os seus raciocnios...

[1] MAURCIO LOPES DE OLIVEIRA Bacharel em Direito pela Pontifcia Universidade Catlica do Rio de Janeiro; Membro do Centro de Estudos de Direitos das Criaes Imateriais da Universidade de Montpellier, Frana, onde Mestrando em Direito e diplomado pelo Centro de Estudos Internacionais da Propriedade Industrial da Universidade de

Strasbourg, &Labrunie

Frana, S/C

e Membro do escritrio Gusmo So Paulo. Disponvel em:

Ltda.,

. Acesso em 18 de setembro de 2010.

Ttulo Nmero de aulas por semana Nmero de semana de aula Tema Objetivos

Redao Forense 1 3 Lgica do Razovel e a organizao do pensamento.

- Reconhecer o status de norma atribudo modernamente aos princpios; - Compreender a relevncia norteadora dos princpios interpretao do texto legal; - Associar razoabilidade a valores reproduzidos em princpios do Direito. 1. Lgica do Razovel 2. princpios gerais do Direito e regras 3. Organizao hierrquica das fontes do Direito na estrutura argumentativa: princpios, razoabilidade, lei, doutrina, e jurisprudncia. Textos diversos, Internet, Datashow e retroprojetor. O texto adiante foi retirado da pgina 25 da obra Programa de Direito do Consumidor[1], do Desembargador Srgio Cavalieri Filho, publicada pela Editora Atlas. Faa a leitura e reflita sobre o contedo do texto. Busque, tambm, na Internet, outras fontes. As normas jurdicas, ensina a moderna dogmtica, podem ser divididas em duas grandes categorias: regras e princpios. Segundo Luiz Roberto Barroso (A nova interpretao constitucional, Renovar, 2003, p. 30-31), a sistematizao que fez do tema Ronald Workin ganhou curso universal e passou a constituir o conhecimento universal na matria, da qual nos valemos a seguir. Regras so proposies normativas que contm relatos objetivos, descritivos de determinadas condutas, aplicveis a hipteses bem definidas, perfeitamente caracterizadas, sob a forma de tudo ou nada. Ocorrendo a hiptese prevista no seu relato, a regra deve incidir de modo direto e automtico, pelo mecanismo da subsuno. O comando objetivo e no d margem a elaboraes mais sofisticadas acerca da sua incidncia. A aposentadoria compulsria aos 70 anos um bom exemplo de regra que incide automaticamente

Estrutura de contedo

Recursos fsicos Aplicao prtica e terica

quando o servidor atinge essa idade. (...) Princpios so valores ticos e morais abrigados no ordenamento jurdico, compartilhados por toda a comunidade em dado momento e em dado lugar, como a liberdade, a igualdade, a solidariedade, a dignidade da pessoa humana, a boa-f e outros tantos. Na lio do j citado Luis Roberto Barroso, princpios espelham a ideologia da sociedade, seus postulados bsicos e seus fins, indicando uma determinada direo a seguir. Embora venham de longa data, somente na dogmtica jurdica moderna conquistaram o status de norma jurdica, superando a crena de que teriam uma dimenso puramente axiolgica, tica, sem eficcia jurdica (ob. cit., p. 129). Diferentemente das regras, princpios so, pois, enunciaes normativas de valor genrico; contm relatos com maior teor de abstrao; no especificam a conduta a ser seguida e incidem sobre uma pluralidade de situaes. Questo Faa uma pesquisa na Internet e selecione um caso concreto interessante que possa ser resolvido pela leitura dos princpios constitucionais. Imprima esse texto e entregue-o ao seu professor, que dever avaliar a validade da argumentao principiolgica no caso concerto. Debata com seus colegas, em sala de aula, as motivaes de sua escolha. [1] CAVALIERI, FILHO, Srgio. Programa de Direito do Consumidor. 3. ed. So Paulo: Atlas, 2010, p. 25.

Ttulo Nmero de aulas por semana Nmero de semana de aula Tema Objetivos

Redao Forense 1 4 Parecer tcnico-jurdico: ementa.

- Conhecer a estrutura de um parecer tcnico-formal; - Compreender a funo que a ementa exerce dentro do Parecer; - Reconhecer as caractersticas da ementa do Parecer. 1. 2. 3. 4. Estrutura do Parecer Caractersticas da Ementa Estrutura da Ementa Contedo da Ementa

Estrutura de contedo

Recursos fsicos Aplicao prtica e terica

Datashow, retroprojetor e peas processuais. O Parecer uma pea textual de aspecto formal prprio, redigida por autoridade competente, que emite uma opinio sobre o assunto consultado, devidamente fundamentada, que lhe d credibilidade para seu convencimento. A forma de um parecer jurdico: No existe uma forma definida por qualquer dispositivo legal para apresentao de um parecer [...], portanto na CF, art. 129, VIII, e na Lei Orgnica Nacional do Ministrio Pblico (Lei 8.625/93, conhecida pela sigla LONMP) h a recomendao (art. 43, III) de que dever do Ministrio Pblico sempre indicar os fundamentos jurdicos em seus pronunciamentos processuais. Alis, ressalte-se, nenhum parecer pode deixar de ter fundamentos. (REVISTA REDAO JURDICA: a palavra do advogado. Rio de Janeiro: Edipa Ltda., n8, 2004.) Elementos do Parecer: 1 - Ementa: apresentao sucinta, em no mximo oito linhas, do objeto de consulta. Inicia sempre pelo fato antijurdico e apresenta uma viso panormica dos fatos, provas e circunstncias analisados e do ponto de vista defendido pelo parecerista. 2 - Relatrio: a narrao da histria processual, marcada pela iseno, que apresenta a narrao dos fatos importantes e as circunstncias em que ocorreram, o que possibilita uma transio lgica e coerente para a fundamentao. 3 -Fundamentao: argumentao baseada em sustentao principiolgica, legal, doutrinria e jurisprudencial, bem como em recursos polifnicos (religio, mdia, opinio pblica, famlia, moral, costumes, etc), tcnicas argumentativas e estratgias discursivas, para buscar o convencimento sobre o ponto de vista defendido quanto ao assunto da

consulta. 4 - Concluso: fecho do parecer. O parecerista apresenta uma proposta ou sugesto para a soluo do caso concreto analisado. 5 - Parte Autenticativa: tendo em vista a responsabilidade civil, o parecer deve ser datado, assinado e apresentar o nmero da carteira de identidade profissional (OAB, por exemplo) de quem o emite. Informaes sobre a EMENTA: Em um parecer tcnico-formal, a ementa um texto informativo, que visa apenas ao entendimento do caso concreto, numa tica simplificada. Por isso, devem ser delineados somente o fato gerador do conflito, os nexos de referncia (trs a cinco) e o entendimento do caso concreto. Quanto aos nexos de referncia, esses so um importante auxlio para a construo da fundamentao; so um verdadeiro fio condutor das idias a serem discutidas na parte argumentativa do documento. A ementa no pode apresentar verbos; deve se localizar ao extremo da margem direita e conter, no mximo, oito linhas. A capacidade de sntese, nesse item, importantssima, pois a ementa do Parecer tcnico-formal deve conter frases nominais e palavras-chaves. Eis dois exemplos de ementa sobre a possibilidade de realizao de aborto de feto anenceflico. A primeira ementa visa a negar a possibilidade do aborto; a segunda a defend-lo: Ementa INTERRUPO TERAPUTICA DE GESTAO direito fundamental vida preservao de valores morais observncia estrita da norma jurdica segurana jurdica - Parecer favorvel negativa ao procedimento de aborto. Ementa INTERRUPO TERAPUTICA DE GESTAO dignidade da pessoa humana ponderao de interesses razoabilidade prejuzos psicolgicos para a me desatualizao da norma jurdica Parecer favorvel autorizao do aborto. Observe uma ementa que no segue as orientaes indicadas por seu professor. Separao de corpos. A autora afastou-se do lar. Fumus boni juris. Periculum in mora. Impossibilidade de convivncia. Liminar. Alcoolismo. Art. 888, VI do CPC. Art. 223 do CC.

Questo Identifique todos os problemas observados na ementa anterior e, em seguida, rescreva-a de acordo com as orientaes dadas em sala de aula. Acrescente ou retire informaes, se necessrio. No deixe de incluir em sua ementa os princpios do Direito aplicveis.

Ttulo Nmero de aulas por semana Nmero de semana de aula Tema Objetivos

Redao Forense 1 5 Parecer tcnico-jurdico: ementa (2)

- Conhecer a estrutura de um parecer tcnico-formal; - Reconhecer as caractersticas da ementa do Parecer; - Produzir ementas. Recomenda-se a aula dialogada. Datashow, retroprojetor e peas processuais. Esquematicamente, apresentamos as principais orientaes para a produo da ementa do Parecer tcnico-formal. Ocupa a metade direita da pgina; Deve utilizar, no mximo, 8 linhas; Divide-se em trs partes: - Fato (Relatriofato gerador do conflito) - Nexos de referncia (fundamentao) - Entendimento (concluso) redigido somente com frases nominais, ou seja, sem verbos; A ementa do Parecer (ementa simples sem dispositivo) distingue-se da ementa do Acrdo (ementa complexa).

Procedimentos de ensino Recursos fsicos Aplicao prtica e terica

Atente, ainda, para as seguintes caractersticas: Redija todo o fato com letras maisculas Use de 3 a 5 nexos de referncia; Inicie o entendimento por Parecer favorvel a...; Separe cada informao por .

Questo Leia o relatrio, a fundamentao e a concluso do Parecer que se apresenta e, de forma compatvel com esse contedo, redija uma ementa para essa pea. No deixe de respeitar, tambm, todas as orientaes j explanadas. RELATRIO No dia 18 de janeiro ltimo, o rompimento de um duto da Petrobras ocasionou o vazamento de 1.292 toneladas de leo para a baa da Guanabara, durante quatro horas e meia, numa rea de cerca de 50 quilmetros quadrados, atingindo dez praias em

torno da baa, afetando vrias espcies, entre peixes e aves, impedindo o trabalho de 600 pescadores, com graves danos ao ecossistema, em especial da rea de manguezal. O duto, que liga a Refinaria Duque de Caxias REDUC, ao terminal martimo da Ilha Dgua, j tinha apresentado vazamento anterior, em maro de 1997, jogando ao mar 600 toneladas de leo e destruindo quatro mil metros quadrados de manguezais. A Petrobras, que assumiu prontamente a responsabilidade de promover a limpeza da baa, foi multada pelo IBAMA por crime ambiental, em mais de 50 milhes de reais, sendo ainda instada a prestar assistncia s inmeras famlias de pescadores que ficaram sem possibilidade de trabalho. Tcnicos da empresa concluram que alteraes do solo do fundo da baa, alm do assoreamento, foram responsveis pela deformao e conseqente rompimento do duto. Entretanto, admitiram que uma falha operacional aumentou a dimenso do desastre. Segundo o relatrio da estatal, j era para estar sendo usado um programa de monitoramento automtico dos dutos, em teste desde outubro de 1999 e, se o operador tivesse sido mais gil nos procedimentos necessrios, o vazamento teria sido contido em apenas meia hora, minimizando seus efeitos. Trs empregados, operador, supervisor e gerente de operaes do terminal de Ilha Dgua foram punidos e destitudos dos cargos, acusados de lentido. O Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado do Rio de Janeiro CREA/RJ, constituiu uma Comisso Extraordinria para investigar a possibilidade do rompimento do duto ter sido causado por possveis erros tcnicos na rea de engenharia e concluiu, preliminarmente, que para um acidente ecolgico de tal proporo concorrem vrios eventos, impossvel de ser atribudo a um fator isolado, desconectado de uma complexa rede de relaes causais. O Presidente do Sindipetro de Duque de Caxias, Nilson Cesrio, denunciou a existncia, na REDUC, de um sistema instalado para detectar anormalidades no fluxo de leo bombeado que no funcionou no dia do acidente. O Diretor da Federao nica dos Petroleiros, Jos Arajo Celso, acrescentou que tal fato ocorreu porque um dos componentes do sistema o pressostato foi retirado para reparo, h um ano, e, at hoje, no foi reinstalado. Afirmou, ainda, que um sensor ultra-som de monitoramento do duto, importado h nove meses, tambm no foi instalado. Alm disso, foi denunciada pelo Sindicato a poltica de reduo de custos adotada pela Petrobras, mantendo apenas dois operadores para monitorar os 14 quilmetros do duto avariado. A COPPE Coordenao dos Programas de

Ps-Graduao de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em seu relatrio divulgado em 30 de maro de 2000, concluiu que o duto, que deveria estar livre na baa e enterrado no canal que desgua na baa, tinha situao oposta, chegando a ter sobre ele uma camada de quase trs metros de lama, num trecho da baa com grande assoreamento. Tambm a proximidade de outro duto provocou o choque entre eles, fazendo com que a tubulao dobrasse e rompesse. Em 25 de abril de 2000, a Petrobras assinou um termo de ajustamento de conduta com o Ministrio Pblico Federal, em que se compromete a cumprir uma srie de medidas para evitar desastres ambientais. A elaborao de um plano de inspeo das suas atividades, dutos e instalaes, que possam gerar impacto na baa de Guanabara e no litoral uma das exigncias do termo. O descumprimento das clusulas resultar em multa diria de R$ 20 mil. O Programa de Excelncia em Gesto Ambiental e Segurana Operacional elaborado pela Petrobras prev a priorizao das questes do meio ambiente e tem, dentre suas metas, a certificao de qualidade pela ISO 14001 e BS 8800 de todas as suas instalaes e unidades operacionais, alm da superviso automatizada de todos os dutos operados. Para tanto, sero necessrios investimentos de 1 bilho e 800 milhes de reais, at o final de 2003, triplicando a mdia anual de recursos destinados questo ambiental at o ano passado. o relatrio. FUNDAMENTAO Fenmenos da natureza, assoreamento da baa, erros operacionais ou tcnicos, sistemas que no funcionam, peas avariadas e no instaladas, poltica irresponsvel de reduo de custos, enfim, inmeras e discutveis podem ser as razes do vazamento de cerca de 1,3 toneladas de leo nas guas da baa de Guanabara, mas os danos ecolgicos resultantes so incontestveis e, talvez, irreparveis. Assiduamente agredida pelo despejo industrial, de esgotamento sanitrio e de lixo, decorrente do desenvolvimento urbano e industrial s suas margens, a baa de Guanabara, que sofreu uma mudana radical na qualidade de suas guas, flora, fauna, balneabilidade das praias e declnio da pesca, j foi vtima de dois grandes vazamentos em oleodutos da Petrobras nos ltimos trs anos. As reas de manguezal atingidas no primeiro acidente, em 1997, que ainda se recuperavam, agora correm o risco de s voltarem formao original dentro de cinco anos, e as famlias de 600 pescadores esto com sua sobrevivncia ameaada, dada a impossibilidade de manter sua atividade laboral. As concluses da comisso tcnica da

Petrobras, assim como a punio aplicada aos empregados julgados lentos nas suas atividades, ainda que visem identificar causas e responsabilidades para efetiva adoo de providncias, no serviro para aplacar os efeitos dos vazamentos j ocorridos e no se constituem em procedimentos eficazes na preveno de novas ocorrncias. Tem razo o CREA/RJ, quando afirma, antes mesmo da concluso dos estudos pela Comisso Extraordinria, que o acidente no pode ser atribudo a um fator isolado, mas para ele concorreram vrios eventos, uma complexa rede de relaes causais. As denncias do Sindipetro e da Federao nica dos Petroleiros, assim como o relatrio da COPPE confirmam aquela concluso. O Programa de Excelncia elaborado pela Petrobras, exigindo a triplicao do oramento destinado s questes ambientais, ratifica o entendimento que as providncias adotadas at ento eram insuficientes e ineficientes para prevenir danos ambientais. Sabe-se que a atividade petrolfera gera grande impacto desde a fase de explorao at a queima dos combustveis. Sabe-se, tambm, que as empresas de petrleo trabalham no limiar do alto risco, j que sua matria-prima altamente poluente. No entanto, os investimentos para remediar essa situao geralmente tm ficado aqum do que seria necessrio, e os rgos pblicos de fiscalizao ambiental tambm tem se mostrado ineficazes, dada a prpria inexistncia de uma poltica clara de proteo ambiental. A interveno do Ministrio Pblico Federal, dada a presso da opinio pblica e das denncias j citadas, obrigou a Petrobras a assumir o compromisso de adoo das medidas preventivas propostas, reformulando todo seu programa de atuao. Porm, cabe ainda ao Poder Pblico tornar transparentes as aplicaes dos recursos provenientes da multa aplicada e paga pela estatal, garantindo a sua reverso em prol de programas de reabilitao da prpria baa de Guanabara e, ainda, a fiscalizao ininterrupta de todas as atividades que possam resultar em danos ecolgicos, instando os responsveis a adotar os procedimentos necessrios de preservao e controle. CONCLUSO As medidas administrativas previstas para sano em casos de danos ambientais como o causado pelo acidente com o oleoduto da Petrobras foram adotadas e levadas a efeito, cabendo, entretanto, ressaltar que as graves conseqncias ao ecossistema esto longe de serem solucionadas. O Programa de Excelncia , possivelmente, o resultado mais eficaz da atuao do Poder Pblico no caso, dado seu carter preventivo, porm a empresa

deve ser instada a participar, efetivamente, do processo de recuperao da rea atingida, utilizandose, se necessrio, as vias judiciais. Recomenda-se s autoridades governamentais, a reviso da poltica de proteo ambiental, com a reestruturao dos rgos de fiscalizao, de forma a torn-los eficazes e, ainda, a criao de mecanismos da sociedade civil que ajudem a tornar efetivas as medidas de alerta e preveno de acidentes ecolgicos de qualquer espcie. Rio de Janeiro, 29 de maio de 2000

Maria Ligia de Oliveira

Ttulo Nmero de aulas por semana Nmero de semana de aula Tema Objetivos

Redao Forense 1 6 Caractersticas da narrativa jurdica - Recuperar as principais caractersticas da narrativa jurdica; - Compreender que a narrativa jurdica pode ser simples ou valorada; - Relacionar o Relatrio do Parecer s caractersticas da narrativa simples. 1. Tipos de narrativa jurdica 1.1. Narrativa simples 1.2. Narrativa valorada 2. Caractersticas da narrativa 2.1. Seleo de fatos 2.2. Organizao cronolgica informaes 2.3. Tempo e pessoa verbais 2.4. Polifonia 2.5. Modalizao Textos variados. O texto base utilizado nesta aula possibilita compreender as muitas verses que um fato pode promover. A modalizao em certos trechos evidente. De forma semelhante, autor e ru constroem suas verses sobre os fatos juridicamente importantes da lide em que esto envolvidos. Ao parecerista, porm, cabe compreender a totalidade dos eventos relevantes ocorridos e selecionar tudo quanto possa orientar uma opinio tcnica, justa, fundamentada. Em outras palavras, funo de um parecerista apreciar com cautela todas as informaes recebidas e conjug-las em uma narrativa imparcial que auxiliar na soluo justa do conflito jurdico. Questo Partindo do raciocnio anteriormente exposto, pede-se a leitura de cinco verses sobre um fato e, em seguida, a produo de uma narrativa imparcial. Esse procedimento auxiliar, posteriormente, na produo dos relatrios jurdicos. Quem Jorge?[1] Relato das pessoas sobre o ocorrido no dia X. Relato do garom: Eu conheo Jorge. Todas as noites est aqui calado, olhos de conquistador, cigarro e usque... No de hoje que

Estrutura de contedo

das

Recursos fsicos Aplicao prtica e terica

ele vem seguindo uma lourinha que vem algumas vezes aqui. Ele olha a moa como quem quer devor-la viva, mas no diz nada... Parece ter medo! Ontem, no entanto, saiu atrs dela, bateu a porta e no pagou a despesa. Esse Jorge um BOA VIDA, um sabido. Deve tomar dinheiro das garotas com aquela cara de anjo... Relato da vizinha: Ai! Meu Deus, no sei se telefono polcia ou se chamo D. Sofia no planto. Aconteceu um crime no apartamento do Jorge. Eu nunca me enganei com esse cara! Jorge tarado, um criminoso. Eu vi, ningum me contou. A moa deitada, toda nua num sof, com a cabea cada, e sob ela uma poa de sangue. Jorge com uma faca na mo ao me ver correu atrs de mim e eu apavorada tranquei-me no apartamento da madame e ele ainda esmurrou a porta. Ele queria me matar! Deus me livre! Cruzes! Relato da me de Lcia: Lcia nunca fez isso... So cinco e quinze da madrugada e ela no chegou! O que ter acontecido com minha filha? Lcia no tem namorado. Sai do escritrio, faz um lanche no barzinho e volta cedo para pintar seus quadros. s vezes vai casa de um coleguinha, mas nunca o faz sem me avisar. Dormir fora de casa? No! Nunca dormiu! E se o pai dela acorda e sabe que ela no voltou... Lcia uma menina ingnua, gosta de um rapaz, mas no deixa que ele saiba. Tem medo de demonstrar que simpatiza com o moo e que ele possa consider-la frvola. Acha-o simptico, triste, to sozinho... Lcia poderia conseguir um namorado, pois lhe serviria de companhia, ao menos. Que ter acontecido com minha filha! Se ela no chegar at as seis horas, terei de tomar uma providncia... Relato do pai de Jorge: A situao de Jorge me preocupa. Largou os estudos; vive trancado naquele quarto, no trabalha... Se eu morrer de uma hora para outra, que ser de Jorge? Dou-lhe tudo, mas no consigo a sua amizade, nem ao menos a sua companhia... Nunca o vi com namorada e ele encontrasse uma moa de boa famlia, poderia normalizar sua vida... Depois da morte de sua me, Jorge sumiu de casa, apareceu um dia pedindo-me uma mesada e solicitando-me que deixasse viver a sua vida... Paulo, seu irmo, mais novo, mas est formado, trabalha numa companhia de minerao onde o Engenheiro Chefe. Paulo sempre foi mais estudioso, inteligente; alis, o melhor aluno do colgio. Jorge nunca deu para os estudos... Anda, agora, s voltas com mulheres, bebendo... Vi-o, ontem, com uma loura... Esse rapaz vai liquidar a sua mocidade e a sua sade.

Preciso falar com meu filho! Relato do Jorge: Eis, a seguir, como Jorge relata o que ocorreu no dia X. Quando mame morreu eu tinha 16 anos; Paulo, meu irmo, 14. Fiquei s porque papai sempre gostou mais de Paulo. Paulo que sabia tudo, Paulo que seria o orgulho da famlia... A morte de mame foi um golpe para mim. S para mim, pois papai no necessitava de mame: tinha outra companhia. Paulo foi levado para o Rio, onde estudou Engenharia. Foi entregue ao tio Celino, homem de recursos e posio. Sempre gostei de arte. Nunca fui bom aluno, bem sei, mas tinha desde menino, uma inclinao acentuada para o desenho no colgio. Mame ficou muito satisfeita, mas papai disse-me apenas que aquilo no significava muita coisa, que eu deveria imitar Paulo estudando mais... Minha vocao era aquela. Resolvi estudar pintura e hoje tenho um atelier no pequeno apartamento onde moro, que aluguei com os recursos que meu pai me d. Dou aulas em casas de famlia e ganho para as minhas telas, os meus pincis, as minhas tintas e o meu usque, que no chega a ser um vcio, mas um meio de abafar a solido. Conheci h alguns meses uma moa, sei agora que se chama Lcia. Apaixonei-me por ela sem nunca haver dito. Queria consagrar a minha melhor obra a essa moa e martirizei-me com a ideia de pintar o seu retrato... Pint-la toda na perfeio de seu corpo e na beleza de seu rosto... Ontem noite no resisti. Ao v-la sair do bar, onde habitualmente nos encontramos, corri atrs dela e quase em desespero, disse-lhe quem era e o que queria. Disse-lhe mais: que a amava. Recebi um sorriso fraterno. S minha me sorria assim para mim... Parecia que j nos conhecamos h muito. Lcia no se ops a ideia de acompanhar-me ao apartamento. Disse-me apenas que era uma moa pobre, que gostava de seus pais e no queria voltar levando tristezas para eles, nem amargura para sua vida. Lcia mostrou-se confiante. Assim, caminhamos os dois, a p, at o meu apartamento. Lcia ficou encantada com os meus quadros. E eu, com o seu talento. Dei-lhe tinta e pincel e ela passou a noite a fabricar uma tela que eu chamei de infncia, porque era pura e ingnua... Depois Lcia pousou para mim e eu trabalhei at as cinco horas da madrugada, diante do melhor modelo, do mais perfeito modelo que j tive. Pintei-a com amor e ela com amor deixou-se pintar... Lcia dormiu depois de trs horas em que esteve imvel diante de mim, deitou-se no sof, cabelos cados e dormiu. Tinha, no entanto,

derramado no cho um vidro de guache vermelho e eu, mesmo cansado, fui remover com uma faca de limpar telas, a tinta derramada no cho. Quando Raimundinha, a moa que mora no apartamento ao lado, passou no corredor, quis falar-lhe para que trouxesse alguma fruta, leite e ovos. Raimundinha parecia estar apavorada e correu. Fui atrs dela para explicar-lhe o meu desejo. Ela trancou-se por dentro, assustada!... Lcia acordou s sete horas. Fui lev-la em casa e, pessoalmente, expliquei a sua me o que ocorreu. Lcia e eu ficamos noivos e casaremos brevemente. Iremos, juntos, participar de uma Exposio Nacional de Pintura. Sei que o retrato de Lcia vai levantar o primeiro prmio. Eu serei feliz com Lcia... [1]Autoria desconhecida.

Ttulo Nmero de aulas por semana Nmero de semana de aula Tema

Redao Forense 1 7 Elementos da narrativa forense: narrativa a servio da argumentao

Objetivos

- Aprimorar o estudo da narrativa iniciado no segundo semestre; - Identificar os elementos da narrativa forense no caso concreto; - Estabelecer relao entre a seleo dos fatos narrados e a produo de argumentos.

Estrutura de contedo

1. Elementos da narrativa jurdica 1.1. Centralidade 1.2. Caractersticas das partes: caractersticas moral, social, psicolgica, profissional, religiosa, fsica, familiar, etc. 1.3. Educao quantitativa e educao qualitativa 1.4. Espao fsico e espao social 1.5. Tempo cronolgico e tempo psicolgico 2. Relao entre as informaes narradas e a funo argumentativa que desempenham Datashow, retroprojetor e textos variados. Vimos at a ltima aula como produzir a ementa. Passaremos, agora, a estudar o relatrio. Esse item do Parecer marcado pela iseno como o parecerista apresenta os fatos importantes que devero ser analisados e possibilita uma transio lgica e coerente da ementa para a fundamentao. Segundo as orientaes sobre a Lgica do Razovel, ao produzir seu relatrio, exige-se do profissional do Direito a apresentao de uma srie de circunstncias observadas no caso concreto, seja em relao queles que participam da lide (partes litigantes), seja em relao ao lugar e tempo em que ocorreram os fatos. Nesse sentido indicamos alguns elementos que possam contribuir para uma narrativa mais completa e consistente. Assinale-se que essas mesmas informaes, no momento em que se vai produzir a argumentao, mostram-se com grande valor persuasivo. A elas chamamos de elementos da narrativa forense. INSERIR narrativa forense QUESTO Leia o caso concreto. AQUI O ANEXO Elementos da

Recursos fsicos Aplicao prtica e terica

Marcelo e Camila so casados h 10 anos. Em 01 de novembro de 2008, quando Camila digitava um trabalho da faculdade no computador utilizado pelo casal, ficou estarrecida: encontrou uma srie de emails comprometedores, armazenados pelo marido, na mquina da famlia. Descobriu que, no perodo de 12 de fevereiro de 2008 a 30 de outubro de 2008, seu marido, usando o apelido homem carente de meia idade, trocava quase diariamente mensagens de natureza ertica com uma mulher que assinava cheia de amor pra dar. Ao ler as mensagens, constatou que o marido se declarara diversas vezes para a internauta, com quem construa fantasias sexuais e praticava sexo virtual. A situao ficou ainda mais grave, porque, nessas ocasies, Marcelo fazia comentrios jocosos sobre o desempenho sexual de Camila e afirmava que ela seria uma pessoa "fria" na cama. Por conta de todos esses fatos, Camila se separou de Marcelo. Cerca de quatro meses aps a separao, ajuizou ao de reparao por danos morais em face do ex-marido, na qual pediu indenizao no valor de 20 mil reais. Em sntese, alegou na Petio Inicial que: a) o ex-marido manteve relacionamento com outra mulher na constncia do casamento; b) a traio foi comprovada por meio de e-mails trocados entre o acusado e sua amante; c) a traio foi demonstrada pela troca de fantasias erticas (sexo virtual) entre os dois; d) precisou passar por tratamento psicolgico para superar a dor que sofria; e) foram violados sua honra subjetiva e seu direito privacidade no casamento. Em sua defesa, o ex-marido alegou a improcedncia do pedido sustentando o seguinte: a) sexo virtual no caracteriza traio; b) houve invaso de privacidade e violao do sigilo das correspondncias; c) os e-mails devem ser desconsiderados como prova da infidelidade; d) no difamou a ex-esposa, ao contrrio, ela mesma denegria sua imagem ao mostrar as correspondncias s outras pessoas. Em entrevista imprensa, a autora afirmou que no houve violao de sigilo das correspondncias. Para ela, no est caracterizada a invaso de privacidade porque os e-mails estavam

gravados no computador de uso da famlia e os cnjuges compartilhavam a mesma senha de acesso. "Simples arquivos no esto resguardados pelo sigilo conferido s correspondncias", concluiu. QUESTO Agora que segue. A que voc j conhece da o conflito, j foi produza, com base nessa leitura, esquema idntico ao primeira linha tabela preenchida para que sirva de exemplo para voc colher as demais informaes no caso concreto. Identifique quantos elementos entender adequado.

Elemento da narrativa jurdica

Informao Pargrafo retirada do textoargumentativo (contextualizao que tome por do real) base a informao selecionada Se a traio, por si s, j causa abalo psicolgico ao Marcelo cnjuge trado, a Caractersti compartilhava com honra subjetiva da ca moral do uma desconhecida foi muito detalhes de suaautora marido mais agredida, ao vida sexual com a saber que seu esposa. marido, alm de tra-la inobservncia do dever conjugal de fidelidade violou a confiana da esposa quando teceu comentrios difamatrios com sua amante quanto sua vida ntima.

Ttulo Nmero de aulas por semana Nmero de semana de aula Tema Objetivos

Redao Forense 1 8 Produo de relatrio de Parecer

Produzir uma narrativa jurdica simples que contemple todas as caractersticas estudadas at este momento do curso.

Estrutura de contedo

1. Relatrio 1.1. Caractersticas e estrutura 2. Redao de texto jurdico Textos diversos, datashow e retroprojetor. Adiante, listamos as principais caractersticas do relatrio jurdico: (A) O relatrio um texto de tipo narrativo; (B) caracteriza-se por ser uma narrativa simples, sem valorao. Sempre que possvel, aponte as alegaes de ambas as partes; (C) todos os fatos relevantes do caso concreto devem ser narrados no pretrito e na 3 pessoa; (D) o que no existir no relatrio no pode figurar como argumento na fundamentao; (E) a organizao dos eventos deve seguir a ordem cronolgica; (F) o primeiro pargrafo deve indicar o fato gerador da demanda e os sujeitos envolvidos; (G) o texto no pode deixar de responder s seguintes indagaes: qual o fato gerador do conflito? Quem so os envolvidos na lide? Onde e quando os fatos ocorreram? Como se desenvolveu o conflito? Por que ocorreu o conflito de interesses? Quais as consequncias dos fatos narrados? (H) sugere-se, para iniciar o primeiro pargrafo, a redao Trata-se de questo sobre...; (I) a paragrafao deve seguir as orientaes tradicionais de um texto redigido em norma culta; (J) cada pargrafo deve receber um recuo inicial de, aproximadamente, 1,5 cm; (K) no h limite mnimo ou mximo de linhas, mas sua narrao deve ser clara e concisa; (L) recorra polifonia; (M) terminado o relatrio, na linha abaixo, use a expresso o relatrio. QUESTO Leia o caso concreto e, em seguida, redija o relatrio jurdico.

Recursos fsicos Aplicao prtica e terica

Caso concreto A americana TerriSchiavo, 41 anos, que vivia em estado vegetativo havia 15 anos, morreu no dia 31 de maro de 2005, no hospital Pinellas Park (Flrida), aps longa batalha judicial entre seu marido, Michael Schiavo, e sua famlia. O tubo que alimentava Terri foi retirado no dia 18 de maro de 2005. Ela era mantida viva artificialmente, e recebia alimentao por meio de um tubo inserido em seu estmago. A informao da morte foi divulgada pelo porta-voz dos pais de Terri, o frei catlico Paul O'Donnell, e por George Felos, advogado de Michael Schiavo, marido da paciente e seu guardio legal. Ainda no foi divulgada a causa da morte de Terri, mas os mdicos previam que ela morreria de inanio em at duas semanas, aps o desligamento do tubo que a alimentava. Logo aps a morte de Terri, seu corpo foi transportado para o departamento de Exames Mdicos do Condado de Pinellas, onde seu corpo passar por necropsia, a pedido do marido. Terri foi motivo de uma das mais polmicas disputas judiciais nos Estados Unidos. A luta envolveu at mesmo o Congresso dos Estados Unidos, e o presidente George W. Bush tambm intercedeu no caso. Em 21 de maro de 2005, o congresso americano aprovou uma lei que determinava que questes judiciais envolvendo violao de direitos humanos deveriam ser tratadas por instncias federais. Entretanto, nenhuma das instncias federais a que os pais de Terri apelaram nos ltimos dias, a Suprema Corte e o Tribunal de Apelaes de Atlanta, aceitou o pedido de reconexo da sonda de alimentao. Michael afirma que a mulher dissera repetidas vezes antes de entrar em estado vegetativo que no gostaria que sua vida fosse mantida artificialmente. Alm disso, ele defende a posio dos mdicos que dizem que o estado de sade de Terri vegetativo persistente era irreversvel. Entretanto, os pais de Terri, Bob e Mary Schindler, acreditam que ela teria um estado menos grave de dano cerebral, denominado "estado de conscincia mnima", e defenderam sua sobrevivncia. Lutavam para mant-la viva argumentando que ela apresentava reaes a eles e que podia melhorar com reabilitao. Quando apelaram pela ltima vez Suprema Corte americana, esta rejeitou a reviso do caso. H 15 anos, o crebro de Terri sofreu graves danos porque seu corao parou de bater por alguns minutos - provavelmente devido a uma parada cardaca. Desde ento, ela se encontrava no que os mdicos chamam de estado vegetativo persistente. Folha de So Paulo OnLine, 2 de abril de 2005

Ttulo

Redao Forense

Nmero de aulas por semana Nmero de semana de aula Tema

1

9

Produo da parte narrativa da Petio Inicial: Dos fatos.

Objetivos

- Produzir uma narrativa jurdica valorada; - Diferenciar a narrativa simples (Relatrio) da narrativa valorada (Dos fatos); - Utilizar os modalizadores na narrativa forense.

Estrutura de contedo

1. Narrativa simples 2. Narrativa valorada 3. Uso de modalizao 4. Seleo e organizao do contedo

Recursos fsicos

Peas processuais, textos diversos, datashow e retroprojetor.

Aplicao prtica e terica

Considere que o discurso jurdico normalmente visto como uma redao de difcil compreenso para aqueles que no fazem parte da comunidade de profissionais do Direito. Os textos jurdicos so redigidos, na maior parte das vezes, para leitores noleigos, no entanto o pblico leitor , na verdade, muito maior. Em outras palavras, os leitores das peas processuais no so apenas os profissionais do direito; so tambm e principalmente as partes interessadas, os litigantes. Por essa razo, o cuidado com os textos jurdicos deve considerar leitores diretos e indiretos, o que exige que essa redao seja um pouco mais clara e simples. Para melhor compreender a questo, leve em considerao a Petio Inicial. Esse texto endereado a um rgo jurisdicional. Seus principais pressupostos so indicados no art. 282 do CPC. No texto, devem estar dispostos a qualificao das partes, os fatos, os fundamentos jurdicos, o pedido e o valor da causa. Na tarefa de construo de um texto dessa natureza, o

operador do direito trabalhar com diferentes tipologias ou seja, servir-se- tanto da narrao, quanto da dissertao e da descrio. H quem possa pensar que, nessa tarefa, o produtor do texto deve se preocupar em trazer uma linguagem rebuscada ao alcance de poucos, no entanto no o que deve acontecer. Aquele que redige uma Petio Inicial deve ter em conta que formalidade no se confunde com rebuscamento. Um texto pode ser simples na linguagem e permanecer formal. QUESTO Leia o caso concreto adiante e produza uma narrativa valorada a favor da parte autora, ou seja, produza a narrativa de uma petio inicial Dos fatos.

Cuida-se de ao indenizatria ajuizada por Marta Gomes em face de Supermercados Po de Mel, na qual pretende a autora obter a reparao de danos morais e materiais sofridos em virtude de ter escorregado no piso molhado de um dos supermercados da r, fato este que lhe provocou leses em seu p direito, no dia 14 de junho de 2003, e acarretou afastamento das atividades habituais por cerca de vinte dias. Alega a demandante ter escorregado no cho molhado porque uma funcionria no isolou um corredor que estava sendo lavado. Afirma que a placa com Piso escorregadio no suficiente para evitar acidentes. Afirma a autora no ter visto a referida placa (cavalete) e, pelo fato de estar o piso molhado e com sabo, no foi possvel se equilibrar. Em razo da queda, sustenta que foi levada por empregados da r a uma clnica conveniada ao plano de sade oferecido pela empresa a seus funcionrios, onde lhe foi recomendado que se dirigisse a um ortopedista, pois no havia na clnica profissional especializado naquele momento. A autora, ento, foi encaminhada ao Centro de Reumatologia e Ortopedia, no qual foi diagnosticada tendinite na face dorsal de seu p direito; o que ensejou a imobilizao de seu p direito por exatos 21 (vinte e um) dias; tendo ficado afastada de seu trabalho e de suas atividades esportivas por todo esse tempo.

Pretendeu a autora, de forma subsequente, obter ante a requerida o reembolso das despesas efetuadas com sua recuperao; o que foi negado pela requerida, ante fundamentao de que a autora havia declarado que, alguns anos antes do fato em referncia, sofrera uma leso no tornozelo direito, pelo que o diagnstico realizado no Centro de Reumatologia e Ortopedia referir-se-ia a esse evento. Requer condenao judicialmente da r ao a autora, portanto, de a pagamento R$865,99

(oitocentos e sessenta e cinco reais e noventa e nove centavos) a ttulo de danos materiais, bem como de compensao pecuniria pelos alegados danos morais sofridos em virtude do mesmo fato. Acompanham a inicial os documentos comprobatrios das despesas mdicas alegadas pela autora. Jurisprudncia TJRJ 0014440-83.2006.8.19.0002 - APELACAO - 1 Ementa DES. RICARDO COUTO - Julgamento: 01/09/2010 SETIMA CAMARA CIVEL RESPONSABILIDADE CIVIL - DANO MORAL - QUEDA DE CLIENTE NAS DEPENDNCIAS DE SUPERMERCADO RESPONSABILIDADE OBJETIVA - INCOMPROVAO DE FATO EXCLUSIVO DA VTIMA.Queda nas dependncias domercado, pela presena de gua no cho. Incidncia do CDC a impor responsabilidade de natureza objetiva.Prova do dano e do nexo de causalidade. Ausncia de prova da culpa exclusiva da vtima, que acarretaria excludente de responsabilidade. Conduta negligente do "supermercado" em deixar de alertar seus clientes enseja o quanto dever moral de ao piso, que indenizar. Para efeitos pela se da idia encontrava molhado. Falha na prestao do servio que quantificao da indenizao, deve ser visto que a reparao vem informada compensatria e punitiva. A indenizao deve ser estipulada dentro do critrio lgico-razovel. Sentena mantida. Recurso conhecido e desprovido.

Doutrina Empresas so responsveis por acidentes sofridos

por clientes[1] As empresas so responsveis pelos acidentes sofridos por seus clientes dentro de seus estabelecimentos. Toda vez que isso ocorrer, elas devero dar assistncia mdica e hospitalar pessoa acidentada, pagar os medicamentos necessrios e indeniz-la pelos danos sofridos. O fornecedor s est isento de pagar uma indenizao se a culpa pelo acidente for exclusiva do consumidor ou de terceiros. A indenizao devida sempre que ficar provado que o local onde ocorreu o acidente apresentava perigo, como no caso de um piso irregular. Placas informando sobre riscos de acidente no retiram a culpa do fornecedor em caso de dano. Uma placa onde se l para tomar cuidado porque o piso est molhado no livra o fornecedor de indenizar o consumidor caso venha a sofrer problemas numa queda. A obrigao da empresa impedir o trnsito de pessoas naquela rea. Em caso de acidente, o consumidor deve encaminhar um pedido de indenizao ao gerente da loja onde ocorreu o acidente. O consumidor pode se precaver fazendo um boletim de ocorrncia na delegacia mais prxima do local. uma forma de preservar seu direito de reclamar futuramente. Se o gerente recusar o pedido, a sada abrir um processo contra a empresa na Justia. Se no tiver testemunhas que tenham presenciado o acidente, o consumidor dever ter o cuidado de guardar a nota fiscal da compra ou um recibo do estacionamento.

Legislao (Cdigo de defesa do consumidor) Art. 2 - Consumidor toda pessoa fsica ou jurdica que adquire ou utiliza produto ou servio como destinatrio final. Pargrafo nico. Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indeterminveis, que haja intervindo nas relaes de consumo.

Art. 3 - Fornecedor toda pessoa fsica ou jurdica, pblica ou privada, nacional ou estrangeira,

bem

como

os

entes de

despersonalizados, produo,

que

desenvolvem criao,

atividades

montagem, importao,

construo,

transformao,

exportao, distribuio ou comercializao de produtos ou prestao de servios. 1 - Produto qualquer bem, mvel ou imvel, material ou imaterial. 2 - Servio qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remunerao, inclusive as de natureza bancria, financeira, de crdito e securitria, salvo as decorrentes das relaes de carter trabalhista.

Art. 6 - So direitos bsicos do consumidor: I - a proteo da vida, sade e segurana contra os riscos provocados por prticas no fornecimento de produtos e servios considerados perigosos ou nocivos; III - a informao adequada e clara sobre os diferentes produtos e servios, com especificao correta de quantidade, caractersticas, composio, qualidade e preo, bem como sobre os riscos que apresentem; VI - a efetiva preveno e reparao de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos; VIII - a facilitao da defesa de seus direitos, inclusive com a inverso do nus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critrio do juiz, for verossmil a alegao ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinrias de experincia;

[1] Disponvel .htm>. Acesso em 10 maio 2007.

em: