Vitória da Advocacia Trabalhista - abrat.adv.br ?· assuntos do interesse da advocacia trabalhista…

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • Braslia | 31 de outubro de 2016 | nmero 49

    ABRAT e AASP promovem Encontro da Advocacia Trabalhista Nacional em So Paulo Pg - 11

    Ilhus sede do I Encontro Interna-cional de Direito do Trabalho do Sul da BahiaPg - 10

    ABRAT presente no Curso da ENA sobre o novo CPC em Gramado Pg - 5

    Satergs debate prerrogativas no Rio Grande do SulPg - 5

    ABRAT garante indispensabilidade deadvogado nos Centros de Conciliao Pg - 4

    Vitria da AdvocaciaTrabalhista

  • 2

    Informativo Associao Brasileira de Advogados Trabalhistas

  • Informativo Associao Brasileira de Advogados Trabalhistas

    3

    Posse festiva da nova diretoria em novembro

    A solenidade de posse da nova diretoria da Asso-ciao Brasileira de Advogados Trabalhistas (ABRAT) para o binio 2016/2018 ser no prximo dia 18 de novembro

    em So Paulo, no Buffet Giardini s 20 horas, seguida de festa, com convite no valor unitrio de R$ 150,00. Infor-maes atravs do email: rparahyba@arrudapinto.com.br

    Compem a diretoria Executiva da ABRAT

    Presidente Roberto Parahyba Arruda Pinto (SP)

    Vice-Presidente Nacional - Alessandra Camarano Martins (DF)

    Secretrio Geral Araari Baptista (RJ)

    Diretor Financeiro Gustavo Villar Melo Guimares (SC)

    Vice-Presidente da Regio Sudeste Alex Santana de Novais

    Vice-Presidente da Regio Sul Jesus Augusto de Mattos

    Vice-Presidente da Regio Centro-Oeste Karlla Patrcia Souza

    Vice-Presidente da Regio Norte - Vitor Martins No (RO)

    Vice-Presidente da Regio Nordeste Roseline Rabelo de Jesus Morais (SE)

    Vice-Presidente do Distrito Federal Elise Ramos Correa

  • 4

    Informativo Associao Brasileira de Advogados Trabalhistas

    174/2016: ABRAT tem papel fundamental na redao final da resoluo que regulamenta conciliao na Justia do Trabalho Assinada a Resoluo 174/2016 do CSJT, que regulamenta polticas de conciliao na Justia do Tra-balho. O texto foi assinado durante a abertura da II Con-ferncia Nacional de Mediao e Conciliao, promovida pelo CSJT. A Associao Brasileira de Advogados Traba-lhistas (ABRAT) teve participao fundamental para a garantia de aspectos relevantes ao Direito do Trabalho, Direitos Sociais e para a advocacia, como por exemplo, o impedimento da mediao em acordos pr processuais, nos conflitos de natureza individual; a realizao das me-diaes por estudantes e pessoas de fora do Poder Judi-cirio Trabalhista e a indispensabilidade do advogado e advogada nas audincias. Na fase de implementao do Projeto, a ABRAT foi convidada pelo juiz auxiliar da vice-presidncia do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Rogrio Neiva, para discusso do Projeto. Estiveram presentes na reunio, a

    presidente da ABRAT, poca, Slvia Lopes Burmeister e o diretor de Relaes institucionais, Nilton Correia. Os dirigentes levaram posicionamentos firmes, quanto presena obrigatria do advogado e advo-gada; no realizao de mediao pr- processual, em conflitos individuais e a presena obrigatria de Juzes nos Ncleos, alm da sua realizao por servidores dos Tribunais. Rogrio Neiva considerou a participao da ABRAT como fator determinante. O tema da indispen-sabilidade do advogado nas audincias nos Centros de Conciliao era objeto de grande divergncia inter-namente, principalmente por conta do jus postulandi previsto em lei. Considero que a atuao da diretoria da Abrat foi determinante para que fosse estabelecida a regra da obrigatoriedade do advogado do reclamante, o que pode ser tratado como uma vitria da advocacia trabalhista,ressaltou Neiva.

    Trs pontos garantidos na Resoluo que merecem destaques:

    CAPTULO I

    DA POLTICA DE TRATAMENTO ADEQUADO DAS DISPUTAS DE INTERESSES NO MBITO DA JUSTIA DO TRABALHO Art. 1. Para os fins desta resoluo, considera-se:I Conciliao o meio alternativo de resoluo de disputas em que as partes confiam a uma terceira pessoa magistra-do ou servidor pblico por este sempre su-pervisionado , a funo de aproxim-las, empoder-las e orient-las na construo de um acordo quando a lide j est instau-rada, com a criao ou proposta de opes para composio do litgio;

    II Mediao o meio alternativo de re-soluo de disputas em que as partes con-fiam a uma terceira pessoa magistrado ou servidor pblico por este sempre su-pervisionado , a funo de aproxim-las, empoder-las e orient-las na construo de um acordo quando a lide j est instau-rada, sem a criao ou proposta de opes para composio do litgio;

    CAPTULO III

    DA ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DOS

    NCLEOS PERMANENTES E CENTROS JU-DICIRIOS DE MTODOS CONSENSUAIS DE SOLUO DE DISPUTAS PODER JUDICIRIO JUSTIA DO TRABALHO CONSELHO SUPE-RIOR DA JUSTIA DO TRABALHO

    Seo I NCLEO PERMANENTE DE MTO-DOS CONSENSUAIS DE SOLUO DE DIS-PUTAS

    Art. 5. Cada Tribunal Regional do Trabalho criar, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias, contados da data de publicao desta Resoluo, um Ncleo Permanente de M-todos Consensuais de Soluo de Disputas NUPEMEC-JT, composto por magistrados e servidores ativos designados, com as se-guintes atribuies:

    Seo II

    Centros Judicirios de Mtodos Consensu-ais de Soluo de Disputas

    1. As sesses de conciliao e mediao realizadas nos CEJUSC-JT contaro com presena fsica de magistrado, o qual pode-r atuar como conciliador e mediador e su-pervisionar a atividade dos conciliadores e mediadores, estando sempre disponvel s partes e advogados, sendo indispens-vel a presena do advogado do reclamante.

    8. Fica vedada a realizao de conciliao ou mediao judicial, no mbito da Justia do Trabalho, por pessoas que no perten-am aos quadros da ativa ou inativos do respectivo Tribunal Regional do Trabalho.Art. 7.

    (...)

    6. As conciliaes e mediaes realizadas no mbito da Justia do Trabalho somente tero validade nas hipteses previstas na CLT, a includa a homologao pelo ma-gistrado que supervisionou a audincia e a mediao pr-processual de conflitos co-letivos, sendo inaplicveis Justia do Tra-balho as disposies referentes s Cmaras Privadas de Conciliao, Mediao e Arbi-tragem, e normas atinentes conciliao e mediao extrajudicial e pr-processual previstas no NCPC.

    7. Podem ser submetidos ao procedi-mento da mediao pr-processual os con-flitos coletivos.

    Resoluontegra da Resoluo pode ser acessada no endereo eletrnico:http://www.csjt.jus.br/c/document_libra-ry/get_file?uuid=235e3400-9476-47a0-8bbb-bccacf94fab4&groupId=955023

  • Informativo Associao Brasileira de Advogados Trabalhistas

    5

    Em cerimnia realizada na Cmara Distrital, em Braslia (DF), para comemorar os 28 anos da Constituio Federal, a ABRAT foi representada pela vice-presidente no DF, Elise Correia. A sesso foi presidida pelo deputado e advoga-do Raimundo Ribeiro. Em seu pronunciamento, Elise Correia afirmou que as garantias e princpios fundamentais expostos e

    assegurados na Constituio Federal no esto sendo observado. Esperamos que a data de hoje, em que come-moramos 28 de promulgao da nossa Carta, sirva para lembrar que a Constituio est em plena vigncia de-vendo ser respeitada pelo Legislativo, Executivo e, so-bretudo, pelo Judicirio, eis que ningum est acima da Carta Magna. Ningum! , disse a vice-presidente.

    Presenas

    Tambm participaram da sesso a deputada constituinte Moema So Thiago; a ex-governadora do Distrito Federal, Maria de Lourdes Abadia; o presidente da Associao Nacional dos Defensores Pblicos Fede-rais, Michelle Leite de Souza Santos e o Diretor Geral da Defensoria Pblica do Distrito Federal, Ricardo Batista.

    A Associao dos Advogados Trabalhistas de Empresas no Rio Grande do Sul (Satergs) realizou em Porto Alegre o I Happy Hour, na sede da OAB Gacha. Segundo o presidente da Satergs, Eduardo Caringi Rau-pp, o intuito desse e dos prximos encontros debater assuntos do interesse da advocacia trabalhista patronal. Discutir o tema das prerrogativas fundamen-tal, sob pena de aflorar uma gerao de juzes superpo-derosos e advogados medrosos, ressaltou Raupp. Em sua palestra, o presidente da OAB/RS, Ricar-do Breier abordou a defesa das prerrogativas dos advo-gados da Justia do Trabalho. Segundo Breier h muitas violaes de prerro-gativas na Justia do Trabalho. s vezes h mais casos [na JT] que em alguma uma delegacia de polcia, em que o advogado, de certa forma, no possui respeito de uma simples audincia at na intromisso dos seus honor-

    rios, afirmou.

    Prerrogativas

    Para mudar o atual cenrio na Justia do Traba-lho, o presidente da Seccional salientou a instalao da Comisso de Defesa, Assistncia e Prerrogativas dos Ad-vogados (CDAP), com a contratao de trs advogados, com planto 24 horas, para atendimentos aos advoga-dos que tiverem suas prerrogativas violadas.

    Servio

    Planto CDAP 24 horas no Rio Grande do Sul: 51.8170-7556

    28: Comemorao da CF com presena da ABRAT

    SATERG rene advogados no Rio Grande do Sul

  • 6

    Informativo Associao Brasileira de Advogados Trabalhistas

    ARTIG

    O JU

    RDICO

    A flexibilizao do Direito do Trabalho e as novasmodalidades de contrato de trabalho propostas pelo Governo Federal

    Alessandra Camarano

    O trabalhador tem mais necessidade de respeito que de po.( Karl Marx)

    A frase do filsofo e co-munista revela a compre-enso que pautou a histria mundial, a partir de altera-es obrigatrias ao mundo

    do trabalho, pela Revoluo Industrial do final do sculo 18. Para uma anlise sobre o atual contexto anunciado pelo Governo Fe-deral, com proposies tramitando no Congresso Nacional, que pretendem fle-xibilizar as relaes de trabalho, faz-se necessrio o resgate histrico do surgi-mento do Direito do Trabalho e das ra-zes que se permearam para o surgimento desse novo ramo jurdico, fincado solida-mente em princpios protetivos e de ga-rantias sociais. A fonte material do Direito do Trabalho se forjou na luta de classes, onde se predominava a fora domi-nante repressiva