Modernismo Portugal

  • View
    4.673

  • Download
    7

Embed Size (px)

Transcript

  • 1. Modernismo a Gerao de Orpheu

2. CONTEXTO HISTRICO

  • PROCLAMAO DA REPBLICA EM 1910:tenso poltica, insatisfao social, perda da autonomia ultramarina.
  • SURGE EM 1915, COM A PUBLICAO DA REVISTAORPHEU.
  • Busca da identidade do povo lusitano.

3. O Modernismo um movimento esttico onde a literatura surge associada sartesplsticas. Improviso, Kandinsky 4. O modernismo rompia com o provincianismo, com as tradies acadmicas, defendendo a liberdade de criao e pesquisa esttica. 5. O Modernismo na literatura apresenta-se como: uma nova linguagem esttica aberta renovao constante: ausncia da mtrica, desprezo da razo, linguagem ousada. Paul Klee, Diana no Vento do Outono 6. Este movimento empreendido pela gerao de: Almada Negreiros Fernando Pessoa Em unssono com a arte e a literatura mais avanadas na Europa. Mrio de S Carneiro 7. FERNANDO PESSOA

  • Para ser grande, s inteiro; nada
  • Teu exagera ou exclui.
  • S todo em cada coisa.
  • Pe quanto sno mnimo que fazes.
  • Assim em cada lago a lua toda
  • brilha, porque alta vive.

8. Fernando Pessoa: A maior revelao de Orpheu. O seu gnio manifestou-se na sua personalidade fragmentria: Alberto Caeiro, lvaro de Campos, Ricardo Reis 9. Ode triunfal de lvaro de Campos 10. Almada Negreiros Pintor Romancista Poeta Crtico de arte - Representa a vanguarda na pintura portuguesa da dcada de 20. - Introdutor do Modernismo em Portugal. 11. Maternidade, de Almada Negreiros 12. AS PESSOAS QUE EU MAIS ADMIRO SO AQUELAS QUE NUNCA ACABAM. A SOMBRA SOU EU A minha sombra sou eu, ela no me segue, eu estou na minha sombra e no vou em mim. Sombra de mim que recebo luz, sombra atrelada ao que eu nasci, distncia imutvel de minha sombra a mim, toco-me e no me atinjo, s sei d que seria se de minha sombra chegasse a mim. Passa-se tudo em seguir-me e finjo que sou eu que sigo, finjo que sou eu que voue que no me persigo. Fao por confundir a minha sombra comigo: estou sempre s portas da vida, sempre l, sempre s portas de mim! Almada Negreiros 13. Mrio de S-Carneiro (1890-1916) EpgrafeA sala do castelo deserta e espelhada. Tenho medo de Mim. Quem sou? De onde cheguei?...Aqui, tudo j foi... Em sombra estilizada,A cor morreu --- e at o ar uma runa...Vem de Outro tempo a luz que me ilumina ---Um som opaco me dilui em Rei... 14. Presencismo segunda gerao do modernismo portugus (1927-1940)

  • Os objetivos da Revista Presena eram:
  • Levar adiante o projeto de modernidade iniciado por Orpheu e varrer resqucios de romantismo, historicismo e decadentismo que ainda perduravam com a gerao anterior. Seus membros defendiam umaliteratura viva(tudo que original).

15. Invvvvvvvvvvvvvenes Isaac Asimov

  • De 20.000 a.C. ao ano zero -77 invenes revolucionrias.
  • A partir do ano zero at ao ano 1000, em apenas mil anos - 24 invenes.
  • 1000 -1500 -40invenes.
  • 1500 a 1600 - 43
  • 1600 a 1700 94
  • 1700 a 1800 150
  • 1800 a1900 - + de 440
  • 1900 a 1988 cerca de 700

16. Quando eu nasci,ficou tudo como estava,Nem homens cortaram veias,nem o Sol escureceu,nem houve Estrelas a mais...Somente,esquecida das dores,a minha Me sorriu e agradeceu. Quando eu nasci,no houve nada de novoseno eu. As nuvens no se espantaram,no enlouqueceu ningum ... P'ra que o dia fosse enorme,bastavatoda a ternura que olhavanos olhos de minha Me... (Jos Rgio)A anlise interior, a introspeco, era o caminho para essa forma de expresso. 17. 3 momento (1940-1947) O neo-realismo

  • Repdio literatura de carter psicolgico e intimista;
  • Proposta de uma literatura engajada;
  • Alves Redol, Verglio Ferreira, Jorge de Sena.

18. Inevitavelmente a corrente modernistareflectiu um esprito de mudana na literatura e nas artes, numa diversidade de experinciasde vanguarda, que vo marcar a cultura do incio do sculo, em Portugal. 19. Para ter uma ideia boa, comece por ter muitas.