28ª Promotoria de Justiça da Capital - mpto.mp.· A 28ª Promotoria de Justiça da Capital, por page 1
28ª Promotoria de Justiça da Capital - mpto.mp.· A 28ª Promotoria de Justiça da Capital, por page 2
28ª Promotoria de Justiça da Capital - mpto.mp.· A 28ª Promotoria de Justiça da Capital, por page 3
28ª Promotoria de Justiça da Capital - mpto.mp.· A 28ª Promotoria de Justiça da Capital, por page 4

28ª Promotoria de Justiça da Capital - mpto.mp.· A 28ª Promotoria de Justiça da Capital, por

Embed Size (px)

Text of 28ª Promotoria de Justiça da Capital - mpto.mp.· A 28ª Promotoria de Justiça da Capital, por

28 Promotoria de Justia da Capital

PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO PRELIMINAR N 05/2009

A 28 Promotoria de Justia da Capital, por seu Promotor de Justia

Substituto em atuao conjunta ao titular da pasta, aos 28 dias de maio de 2009, resolve com

fulcro no seu mister institucional, especialmente conferido no art.10, da Lei 8.625, de 12 de

fevereiro de 1993, com fundamento no artigo 127, "caput", e 129, incisos II e III, da

Constituio Federal, no artigo 25, inciso IV, alnea "b", da Lei n 8.625/93 c/c artigos 49 e 50

da Constituio Estadual, artigos 60 e SS da Lei Complementar Estadual 51/2008, nas

disposies contidas nas Leis n 7.347/85 (Lei da Ao Civil Pblica ou dos Interesses

Difusos e Coletivos), e n 8.078/90 (Cdigo de Defesa do Consumidor), instaurar

PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO PRELIMINAR objetivando instruir inqurito

civil e/ou ao civil pblica em decorrncia do encaminhamento de Representaes

formuladas por diversas entidades de classe da Capital, sob o protocolo n 3037/2009,

questionando o aumento da tarifa do transporte coletivo desta capital em aproximadamente 40

% (quarenta por cento), passando a tarifa unitria ao custo de R$ 2,10 (dois reais e dez

centavos).

Assim o faz, sob os seguintes fundamentos jurdicos:

CONSIDERANDO que a Constituio da Repblica, em seu artigo 129, III,

conferiu ao Ministrio Pblico a tutela dos interesses difusos e coletivos dos cidados,

viabilizando a adoo de mecanismos extrajudiciais e judiciais para soluo de controvrsias

atinentes ao fornecimento de bens e servios populao;

1

28 Promotoria de Justia da Capital

CONSIDERANDO que no plano infraconstitucional o Cdigo de Proteo e

Defesa do Consumidor (Lei 8.078, de 11 de setembro de 1990) outorgou ao Ministrio

Pblico, dentre outros organismos, a defesa dos interesses difusos, coletivos e individuais

homogneos decorrentes das relaes de consumo e o plano urbanstico da capital.

CONSIDERANDO que em sua esfera de atuao pode o Ministrio Pblico

instaurar procedimentos preliminares, inquritos civis, firmar termos de ajustamento de

conduta e ajuizar aes civis pblicas para proteo e defesa do consumidor, com respaldo

nas Leis 7.347/85 e 8.078/90;

CONSIDERANDO que compete ao parquet, em especial, a esta promotoria

zelar pela observncia do contido nos Planos Diretores Locais (PDLs), nas Normas de

Gabarito (NGB), demais normas editalcias de zoneamento urbanstico, nas Leis Federal n.

6.766/79 e na Lei Federal n. 10.257/2001 que inclui a ordem urbanstica dentre os direitos

coletivos e difusos e principalmente o Patrimnio Pblico;

CONSIDERANDO que dever do Ministrio Pblico zelar pela correta

utilizao dos bens de uso comum do povo, tais como praas, reas institucionais, espaos

pblicos, conservao de ruas e avenidas, transporte coletivo, promovendo as medidas

judiciais, extrajudiciais ou administrativas cabveis;

Como diligncias iniciais resolve, nos termos do artigo 8, 1 c/c

artigo 10 da Lei Federal 7.347/1985:

1. Expedir ofcio ao Prefeito Municipal desta cidade, solicitando no prazo

impretervel de 10 (dez) dias a contar do recebimento desta, o fornecimento dos seguintes

documentos:

2

28 Promotoria de Justia da Capital

a) o fornecimento de cpia do ato legal e bem como as suas razes jurdicas

de sano, que autorizou o reajuste de aproximadamente 40 % (quarenta por cento) na tarifa

do transporte coletivo desta capital;

b) o fornecimento de uma cpia do plano de expanso e melhorias na

satisfao dos usurios em relao ao novo sistema de transporte coletivo da capital e bem

como as linhas e horrios de nibus existentes nesta urbe;

c) se houve ou no antes da autorizao do aumento da tarifa, uma audincia

pblica e/ou consulta aos usurios de transporte coletivo e bem como os segmentos

representativos da sociedade (Associaes, Sindicados, Cmara dos Vereadores...);

d) a cpia do contrato de permisso e seus eventuais adendos e/ou

prorrogaes, firmado entre o Pao Municipal e as Permissionrias de Transporte Coletivo

desta capital;

2. Seja oficiado ao SETURB (Sindicato das Empresas de Transporte

Coletivo Rodovirio Urbano de Passageiro dos Municpios do Estado do Tocantins) a fim de

que fornea os seguintes documentos:

a) planilha, critrios e mtodos de clculo para reajuste de tarifas em

observncia as normas editadas pelo GEIPOT Ministrio dos Transportes;

b) quantidade de veculos, situao de conservao da frota, distribuio de

linhas e percentual de mercado de cada uma das quatro permissionrias de transporte coletivo;

c) o detalhamento, critrios e mtodos de clculo que elevaram o valor da

tarifa ao patamar de R$ 2,10 (dois reais e dez centavos) e bem como comparativo com os

valores das tarifas nas demais capitais das unidades federativas brasileiras;

3) Seja dada ampla divulgao e intimados os representantes da petio

acima noticiada, bem como os representantes do Legislativo Municipal e do Executivo

3

28 Promotoria de Justia da Capital

Municipal, dirigentes da SETURB, empresas permissionrios, dirigentes de segmentos da

sociedade, de classe e estudantis para realizao de audincia pblica no prximo dia 04 de

junho s 19 h no auditrio do Sest/Senat - Palmas

Chcara n 36 rea Verde de Palmas, km 2,2 RODOVIA TO 050

Telefone: (63) 2111 3400, com o propsito de discutir a questo do transporte coletivo desta

capital e principalmente a legalidade ou no do aumento da tarifa e bem como outras pautas

concernentes ao assunto.

Posto Isto, nos termos da legislao Ministerial. Dar-se a devida publicao

a este expediente.

Palmas, 28 de maio de 2009.

PAULO ALEXANDRE RODRIGUES DE SIQUEIRA

Promotor de Justia Substituto

4