Apostila do 18º EEOSAA

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • Encontro Esprita da Obra Social Antonio

    Meu irmo, para, pensa, medita, ora

    prprias dificuldades interiores e v, v sinceramente se em teu

    corao deixaste espao para o estudo de ti mesmo e das razes por

    que passas por problemas.

    18o

    Encontro Esprita da Obra Social Antonio de Aquino

    , pensa, medita, ora. Dedica-te a analisar as

    prprias dificuldades interiores e v, v sinceramente se em teu

    deixaste espao para o estudo de ti mesmo e das razes por

    Antonio de Aquino

  • Coordenao Geral: Lucienn Machado

    Coordenao Imediata: Alcides Vieira e Diana Azevedo

    Organizao do Contedo: Equipe de Estudo do Encontro

    Finalizao: Setor Editorial CELD

  • INFORMAES GERAIS

    8h s 8h30min Chegada / Recepo 8h30min s 9h Abertura/Deslocamento 9h Estudo 11h s 11h30min Intervalo 11h30min s 12h55min Estudo 13h Encerramento

    CENTROS PARTICIPANTES

    LOCAL

    Data de Realizao

    Centro Esprita Lon Denis Bento Ribeiro 26/7/2015 Casa do Caminho Taquara 30/8/2015

    NEAA Cancela Preta 2/8/2015

  • Temas estudados at a presente data

    Ano Tema

    1998 1a Jornada da Sade

    1999 2a Jornada Esprita da OSAA

    2000 Fora da Caridade no h

    Salvao

    2001 Qual o Verdadeiro Sentido da

    Palavra Caridade

    2002 O Sentimento e o Trabalho na

    OSAA

    2003 Benevolncia e o Trabalho na

    OSAA

    2004 Piedade

    2005 Indulgncia

    2006 Amor

    2007 Caridade

    2008 A Reencarnao e o Trabalho

    na OSAA

    2009 A Reforma ntima e o Trabalho

    na Casa Esprita

    2010 A Vida com Jesus dentro da

    Casa Esprita

    2011 Ser Cristo Agir no Bem

    2012 O Trabalhador da Obra Social

    e a Oportunidade do Trabalho

    2013 A Transformao Moral pela

    Caridade

    2014 Brasil, Nao Crist, eis a Meta

    por Alcanar

  • Sumrio

    Apresentao do 18o EEOSAA .............................................................. 6

    Biografia de Antonio de Aquino ............................................................. 7

    Introduo: NIMO SEMPRE ............................................................... 9

    Tema Central: ESMORECER, JAMAIS! ................................................ 10

    1o Tpico: NIMO .................................................................................. 13

    2o Tpico: AUTOCONHECIMENTO E F ............................................. 15

    3o Tpico: AO NO BEM .................................................................... 17

    4o Tpico: MUNDO DIFERENTE ........................................................... 17

    Tema II: ESMORECIMENTO NA OSAA: SER QUE PODEMOS? ........ 19

    ANEXOS ............................................................................................... 20

  • 6

    APRESENTAO

    Objetivo Geral:

    Estimular o reconhecimento de nossas potencialidades e de nossa responsabilidade de Esprito Imortal.

    Objetivos Especficos:

    Promover a integrao e o fortalecimento de vnculos entre os trabalhadores da OSAA.

    Criar condies permanentes e constantes de discusses e avaliaes das atividades oferecidas pela OSAA.

    Estimular os participantes a opinar e a inteirar-se do contedo que ser abordado no EEOSAA, chegando ideia de busca pelo progresso espiritual.

    Conduzir os participantes a reflexionar sobre nossa condio de Espritos Imortais.

    Reconhecer a necessidade de fortalecimento da f, atravs de nossa capacidade de observao, reflexo, vontade atuante e ao no bem, conduzindo-nos pelo conhecimento da Lei Divina.

  • 18 Encontro Esprita da Obra Social Antonio de Aquino

    Tema: ESMORECER, JAMAIS!

    7

    BIOGRAFIA DE ANTONIO DE AQUINO

    Itlia Sculo XVII

    Cidade de Pisa. Este foi o bero de nosso querido Antonio de Aquino.

    Bem pouco, infelizmente, se sabe sobre sua vida. Filho de abastada famlia, muito cedo tornou-se rfo de pai e me. Sozinho, j mais adulto, entrou para a vida religiosa, filiando-se a um convento, onde, no seu prprio dizer, fora recebido por esmola.

    Tornou-se um conhecido pregador de sua poca, mas sua pregao no foi em um lugar determinado, fixo. Quando sentiu que esse seu momento havia chegado, saiu a pregar por toda a Europa.

    Como sua pregao era reconhecida pelo seu amor e sinceridade, passou a ser o pregador dos grandes senhores. Assim, ele pregava nos castelos dos ricos.

    Acontece que em suas andanas, comeou a observar que havia muita dificuldade e pobreza no mundo. Concluiu, ento, que o verdadeiro Evan-gelho no poderia se limitar pregao; era necessria a dinmica da modificao interior, que levaria diviso das posses ou pelo menos distribuio da riqueza de modo a diminuir o flagelo de alguns. Assim, conseguiu montar, em um castelo em runas, que lhe foi cedido, um pequeno ncleo onde atendia aos necessitados da regio. Era um ncleo de assistncia social, tal como vemos modernamente.

    Alm de minimizar as dificuldades e as dores daqueles pobres, Antonio de Aquino lhes pregava o Evangelho do Senhor, o verdadeiro Evangelho, aquele que nos leva a mudanas interiores.

    Diz-nos ele, at hoje: o nosso trabalho igual quele que realizaram os seguidores do Cristo. assim que ele vem buscando abrir os olhos dos mais sensveis.

    Em sua escolha de ser divulgador do verdadeiro Cristianismo no agradou Igreja da poca, que pregava o antievangelho, atendendo mais aos interesses dos ricos do que aos do Cristo.

    Antonio de Aquino, o pregador, sacrificara-se pela verdade. Seu mrito perante o Pai lhe fechara a porta perante os homens. Por isso, tornou-se alvo de acusaes falsas. Foi chamado herege, sofreu apodo e foi cruelmente desprezado, vindo a desencarnar, cego, com esse estigma de herege.

    Na desencarnao, encontrou ele a liberdade de cultuar a verdade crist, que foi sua meta, durante toda a vida. desse modo que o vemos at hoje trabalhando por essa verdade.

  • 18 Encontro Esprita da Obra Social Antonio de Aquino

    Tema: ESMORECER, JAMAIS!

    8

    Certamente, por sua experincia em trabalhos junto pobreza e sociedade e por seu imenso amor, ele o esprito responsvel pela Evoluo Social no Brasil, estando ligado a movimentos sociais. Assim, quando o Centro Esprita Lon Denis comeou seu progresso de definio de trabalhos assistenciais, foi escolhido o Esprito Antonio de Aquino para patrono desse servio, exatamente por ser sua caracterstica de trabalho a atuao nesse setor e pelo seu interesse pela evoluo da Sociedade no Brasil. Antonio de Aquino um esprito extremamente preocupado com a pobreza e com a dor, ou melhor, com o alvio dessa dor. Que esse esprito possa ser nosso exemplo, no trabalho assistencial, de amor ao prximo, de humildade, de bondade e de verdadeiro trabalho no bem com Jesus!

    Que o amor nico de Des inspire todas as almas para o bem! Antonio de Aquino

  • 18 Encontro Esprita da Obra Social Antonio de Aquino

    Tema: ESMORECER, JAMAIS!

    9

    INTRODUO

    NIMO SEMPRE

    Nesta guerra em que me encontro todos os dias da minha vida, espero que chegue a minha transformao. J, 14:10 e 14 O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. 4:15.

    Jesus Cristo nos ajude e abenoe, sempre! Quantas vezes encontramos dificuldades enormes em nossa jornada e,

    por conta dessas dificuldades, cansamo-nos ameaando desistir das tarefas que temos por realizar, alegando pretextos vrios, sendo que a maior parte deles se refere ao cansao natural de quem trabalha, de quem est propenso a caminhar na direo do bem.

    Geralmente, o cansao deve-se ao fato de que ainda no conseguimos, em ns mesmos, colocar uma fonte de energia que no cesse de agir sobre ns. Ocorre tambm porque, na maior parte das vezes, nos falta uma fora inquebrantvel, que a nica fora que nos far seguir adiante, a despeito de qualquer problema.

    Alegamos que cansao. Que um desastre qualquer, quando, na verdade, falta de energia interna, a ausncia de fora inquebrantvel, fazendo com que, de incio, nos sintamos cansados. Depois, alegamos que j devemos ter o direito a diminuir o ritmo de trabalho e, finalmente, quere-mos mesmo parar.

    Irmos, alertemo-nos individualmente sobre essa posio mental. Quase sempre, o homem est na Terra para dar passos na direo do progresso. Todas as vezes que h um desestmulo ou que h uma manifestao de fraqueza, o sinal de alerta no sentido de nos chamar a ateno para que movimentemos foras internas capazes de superar problemas. Ainda que, s vezes, o cansao nos acometa; ainda que as dificuldades surjam, cabe no desistir, mas sim descobrir meios que facilitem o desenvolvimento correto do que devemos fazer.

    Estimulando-nos vitria do bem, Jesus Cristo o mestre incansvel e a bondade dele a fora que nos supre de energia, sempre.

    Que ele, Jesus, nos alerte para que as nossas fraquezas internas e que a vontade que temos dentro de ns cumpra o restante do papel de nos alertar para a necessidade de nunca esmorecer.

    Que Deus e que Jesus Cristo lembrem a todos aqueles que esto dispostos a desistir: E se no dia em que reencarnaram os seus guias desistissem de implant-los no local adequado para renascerem?!

    Que se lembrem de seus professores: se estes desistissem de lhes dar aulas?...

  • 18 Encontro Esprita da Obra Social Antonio de Aquino

    Tema: ESMORECER, JAMAIS!

    10

    E a vida, se esta desistisse de ajud-los a viver sempre na direo do Mais Alto?...

    Que Deus a todos ns ajude, nos d foras e nimo, para seguirmos sempre em frente!

    Graas a Deus! O abrao do Hermann para todos os coraes presentes. Muita Paz!

    (CELD, 11/1/2006.)

    (Esprito Hermann, por Altivo C. Pamphiro. Palavras do Corao,