Click here to load reader

COMPARAÇÃO DO TEOR PROTEÍNAS EM MACRÓFITAS · PDF filedestinada ao consumo humano, atividades industriais e agrícolas tem incentivado inúmeras pesquisas destinas ao tratamento

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of COMPARAÇÃO DO TEOR PROTEÍNAS EM MACRÓFITAS · PDF filedestinada ao...

  • COMPARAO DO TEOR PROTENAS EM MACRFITAS AQUTICAS DO

    RIO MOSSOR DETERMINADOS POR MTODOS DIFERENTES.

    Daniel Freitas Freire Martins1

    Licenciado em Qumica UERN

    Doutorando em Qumica UFRN

    Maria de Ftima Vitria de Moura

    Professora do Dep. de Qumica da UFRN

    Dra. em Qumica Analtica pela USP

    Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

    Caixa Postal 1524 - Campus Universitrio Lagoa Nova

    CEP 59072-970 Natal - RN - Brasil

    Luiz Di Souza

    Engenheiro Industrial Qumico FAENQUIL

    Doutor em Cincia e Engenharia dos Materiais UFSCar

    Professor Adjunto IV do Departamento de Qumica UERN

    BR 110 Km 46 Rua Prof. Antnio Campos, s/n Bairro Costa e Silva

    CEP: 59.633.010 Caixa Postal 70 Mossor RN

    Tel: (84) 3315-2241/ Fax: (84) 3315-2185

    Alriberto Germano da Silva

    Licenciado em Qumica UERN

    1 [email protected]

  • RESUMO

    Por necessitarem de altas concentraes de nutrientes para seu desenvolvimento,

    as macrfitas aquticas so utilizadas na recuperao de rios e lagos poludos, pois suas

    razes podem absorver grandes quantidades de substncias txicas. O tratamento de

    ambientes aquticos poludos atravs de macrfitas aquticas, alm de apresentar baixo

    custo, deixa-nos a possibilidade de reciclagem da biomassa produzida. Assim neste

    trabalho analisou-se a quantidade de protenas bruta, aminocidos, cinzas e umidade em

    macrfitas que crescem naturalmente no rio Mossor visando verificar a viabilidade do

    seu uso como rao animal. Os resultados demonstram que os parmetros analisados

    so fortemente influenciados pelo tamanho da planta e que a determinao de protena

    com o mtodo da PBQ vivel e produz resultados semelhantes ao do mtodo Kjeldhal

    para protena bruta. O mtodo da PBQ, no entanto apresenta a vantagem de ser mais

    simples, barato e rpido, alm de possibilitar analisar na mesma amostra a presena de

    aminocidos. Os teores de protena encontrados, principalmente nas plantas menores,

    indicam que as macrfitas so adequadas para a produo de rao animal. A sua

    aplicao como rao, no entanto, depende da verificao do teor de outros compostos

    como os metais pesados, macro e micronutrientes e da digestibilidade da rao

    preparada com a protena vegetal.

    ABSTRACT

    That required high concentrations of nutrients for their development, aquatic

    macrophytes are used in the rehabilitation of rivers and lakes polluted, because their

    roots can absorb large quantities of toxic substances. The treatment of polluted aquatic

    environments by aquatic macrophytes, and has a low cost, makes us the possibility of

    recycling the biomass produced. Thus this study analyzes the amount of crude protein,

    amino acids, ash and humidity in macrophytes that grow naturally in the river Rio

    Grande do Norte in order to verify the feasibility of its use as animal feed. The results

    show that the analyzed parameters are strongly influenced by the size of the plant and

    that the determination of protein with the PBQ method is feasible and produces results

    similar to the Kjeldahl method for crude protein. The method of PBQ, however has the

  • advantage of being simpler, cheaper and faster, plus you can analyze the same sample

    the presence of amino acids. The levels of protein found mainly in smaller plants,

    indicate that macrophytes are suitable for the production of animal feed. Its application

    as feed, however, depend on whether the content of other compounds such as heavy

    metals, macro and micronutrients and the digestibility of the diet prepared with

    vegetable protein.

    1- INTRODUO

    Atualmente a grande e crescente preocupao com gua de boa qualidade

    destinada ao consumo humano, atividades industriais e agrcolas tem incentivado

    inmeras pesquisas destinas ao tratamento e a preveno de ambientes aquticos. Com a

    bacia Hidrogrfica do rio Apodi/Mossor, no estado do Rio Grande do Norte, esta

    situao no seria diferente. gua limpa e de boa qualidade um produto precioso, em

    especial, no semi-rido brasileiro onde este recurso escasso. No estado do Rio Grande

    do Norte, a Bacia Hidrogrfica do Rio Apodi/Mossor tem um curso de 210 Km de

    extenso, ocupa aproximadamente 14.276 Km2 (26,8% do Estado), possui vazo de

    cerca de 360 milhes de m3/ano, e destaca-se como o mais importante recurso hdrico

    superficial de toda a regio oeste-potiguar (Martins et al., 2008).

    Este rio desempenha papel chave no desenvolvimento econmico da regio, fato

    que pode ser constatado pelas atividades agrcolas em suas margens, pelas micro-

    empresas ribeirinhas, pela pesca e outras atividades econmicas, sendo todas elas

    comuns em locais onde h tambm o descarte de efluentes sem tratamento (Martins et

    al., 2008).

    H algum tempo vem se tentando desenvolver mtodos mais eficazes de

    despoluio de ambientes aquticos. As macrfitas aquticas, por necessitarem de altas

    concentraes de nutrientes para seu desenvolvimento, so estudadas para recuperao

    de rios e lagos poludos. No entanto, a utilizao destas plantas em ambientes muito

    contaminados pode trazer diversos prejuzos aos usos mltiplos de rios, lagos e represas,

    dificultando a navegao e a captao de gua, prejudicando a gerao de energia

    eltrica, comprometendo as atividades de lazer, bloqueando o fluxo de gua em canais

  • de irrigao e contribuindo para a diminuio de oxignio dissolvido na gua, podendo

    causar a eutrofizao do corpo aqutico (Henry-Silva et al., 2006, 2008).

    Por outro lado, elas possuem alta capacidade de absoro de nutrientes e, por

    isso, so bastante utilizadas no tratamento de rios e lagos contaminados, efluentes

    provenientes de indstrias txteis, carcinicultura e diversos outros materiais poluentes

    (Henry-Silva e colaboradores, 2000, 2006 e 2008).

    Estudos das absores de nitrato, por cinco espcies de macrfitas (Pharagmites

    australis, Commelina communis, Penniserum purpureum, Ipomoea aqutica, Pistia

    stratiotes) em ambientes aquticos deixaram bastante claro os bons resultados obtidos

    com o uso dessas plantas na retirada de poluentes, como tambm a necessidade de

    mtodos alternativos como este para a resoluo de problemas de contaminao devido,

    especialmente, ao custo necessrio para se obter resultados positivos com outros

    mtodos .

    Estudos anteriores realizados no Rio Apodi?Mossor (MARTINS et al, 2007a,

    2007b [1,2]; MARTINS, DANTAS, SOUZA, 2007 [3]; ALMEIDA et al, 2006 [4].)

    mostram que os nveis de alguns poluentes como, por exemplo, nitrato e fosfato (na

    gua) e cdmio e cromo (no sedimento), encontram-se bastante elevados o que

    comprova que suas guas j esto imprprias para o consumo humano e outros fins.

    Sendo o rio mais importante do oeste potiguar, em especial para as populaes

    ribeirinhas, inquestionvel que se estudem e apliquem medidas para despoluio de

    suas guas. Por necessitarem de altas concentraes de nutrientes para seu

    desenvolvimento, as macrfitas aquticas so utilizadas na recuperao de rios e lagos

    poludos, pois suas razes podem absorver grandes quantidades de substncias txicas.

    O tratamento de ambientes aquticos poludos atravs de macrfitas aquticas, alm de

    apresentar baixo custo, deixa-nos a possibilidade de reciclagem da biomassa produzida

    que pode ser utilizada como rao animal, fertilizante, gerao de energia (biogs ou

    queima direta), fabricao de papel, extrao de protenas para uso em raes, etc.

    (DINARDI et al, 2003 [5]).

    A determinao de protena bruta em geral feita pelo mtodo Kjeldahl que

    demorado e muito trabalhoso. Por outro lado, recentes trabalhos mostram que a protena

    pode ser determinada por espectrofotometria no UV-Visivel usando como corante a p-

  • benzoquinona (PBQ) e que neste caso se pode determinar na mesma amostra o teor de

    alguns aminocidos na amostra.

    Assim neste trabalho analisou-se a quantidade de protenas bruta, aminocidos,

    cinzas e umidade em macrfitas que crescem naturalmente no rio Mossor visando

    verificar a viabilidade do seu uso como rao animal.

    2- MATERIAIS E METODOS

    2. Equipamentos e Reagentes

    2.1 Reagentes

    Todos os reagentes usados foram padro PA adquiridos de fontes confiveis.

    2.2 Solues Reagentes

    a. Soluo de p-benzoquinona (PBQ) a 0,1 M, preparada com gua destilada.

    Esta soluo deve ser armazenada em vidro mbar por at 30 dias aps sua preparao.

    b. Soluo tampo de fosfato (H2KPO4/NaOH) com pH igual a 6,0. Esta soluo

    foi preparada de acordo a literatura [9] .

    c. Soluo padro de Bovine Serum Albumin (BSA) na concentrao de 5g/L.

    Esta soluo foi preparada, utilizando-se o tampo de fosfato como solvente.

    d. Soluo padro de Glicina com concentrao de 5 g/L. Esta soluo foi

    preparada, utilizando-se o tampo de fosfato como solvente.

    e. Solues de NaOH de pHs 8,55, 9,32, 10,12, 11,00 e 12,14.

    2.3 - Equipamentos

    a- Aquecedor eltrico Quimis, barra magntica, termmetro, espectrofotmetro

    Uv-visvel UV-MINI -1240 da SHIMADZU, mufla da marca lavosier, modelo 402 D,

    estufa marca Quimis, balana analtica SHIMADZU, modelo AX 200 e pH-metro,

    modelo Tecnal modelo TEC-3 MP.

    3- METODOLOGIAS

    3.1- preparao da curva de calibrao para protena.

    A construo da curva de calibrao para a determinao de protenas totais foi

    construda utilizando-se uma soluo padro da protena Bo

Search related