Vicente Lentini Inovacoes Processo Execucao

  • View
    3

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Vicente Lentini Inovacoes Processo Execucao

  • PONTIFCIA UNIVERSIDADE CATLICA DE SO PAULO

    CURSO DE ESPECIALIZAO EM DIREITO PROCESSUAL

    CIVIL EM MDULOS

    Inovaes no Processo de Execuo

    no Projeto do Novo CPC

    Vera Lcia de Oliveira Lacher

    Vicente Lentini Plantullo

    So Paulo

    2012

  • 2

    SUMRIO 1. INTRODUO. ........................................................................................................................... 3 2. A ATIVIDADE EXECUTIVA NO NOVO CDIGO DE PROCESSO CIVIL ........................................... 4 3. ALTERAES NO CUMPRIMENTO DE SENTENA. ..................................................................... 5

    3.1. Rol dos ttulos executivos judiciais. .................................................................................... 5 3.2. Incio do cumprimento de sentena. ................................................................................. 7 3.3. Intimao para o cumprimento de sentena. .................................................................... 8 3.4. Multa legal no cumprimento de sentena por quantia certa. ......................................... 13 3.5. Liquidao de Sentena .................................................................................................... 14 3.6. Execuo provisria.......................................................................................................... 15 3.7. Sucumbncia. ................................................................................................................... 17 3.8. Impugnao ao cumprimento de sentena ..................................................................... 19 3.9. Do cumprimento da sentena em matria de obrigao de fazer e no fazer. .............. 23 3.10. O destinatrio da multa coercitiva. ................................................................................ 27

    4. ALTERAES NA EXECUO DE TTULO EXTRAJUDICIAL ........................................................ 29 4.1. Execuo Patrimonial ....................................................................................................... 30 4.2. Dever de colaborao na execuo. ................................................................................ 31 4.3. Execuo da multa por litigncia de m-f. ..................................................................... 36 4.4. Competncia para a execuo. ........................................................................................ 36 4.5. Liquidez do crdito. .......................................................................................................... 38 4.6. Responsabilidade patrimonial. ......................................................................................... 38 4.7. Fraude execuo. ........................................................................................................... 40 4.8. Desconsiderao da personalidade jurdica. .................................................................... 43 4.9. Nulidade de execuo. ..................................................................................................... 46 4.10. Execuo das obrigaes de fazer. ................................................................................. 47 4.11. Meios expropriatrios. ................................................................................................... 48 4.12. Honorrios advocatcios. ................................................................................................ 52 4.13. Citao por hora certa. ................................................................................................... 52 4.14. Ordem da penhora. ........................................................................................................ 53 4.15. Realizao da penhora. .................................................................................................. 56 4.16. Lugar de realizao da penhora. .................................................................................... 57 4.17. Penhora de dinheiro em depsito ou em aplicao financeira. .................................... 58 4.18. Penhora das quotas ou aes de sociedades personificadas. ....................................... 62 4.19. Avaliao de veculos automotores ou outros bens. .................................................... 63 4.20. Leilo. ............................................................................................................................. 64 4.21. Preo vil. ......................................................................................................................... 67 4.22. Supresso dos embargos arrematao. ...................................................................... 68 4.23. Parcelamento e precluso lgica. .................................................................................. 70 4.24. Incorreo da penhora ou da avaliao. ........................................................................ 70 4.25. Ausncia de embargos e violao do direito fundamental tutela jurisdicional. ......... 72 4.26. Suspenso da execuo.................................................................................................. 74 4.27. Prescrio intercorrente e extino da execuo. ......................................................... 75 4.28. Relativizao das regras de impenhorabilidade. ............................................................ 79

    5. CONCLUSO ............................................................................................................................ 82 6. BIBLIOGRAFIA .......................................................................................................................... 84

  • 3

    1. INTRODUO.

    O direito processual civil sofreu ao longo dos anos diversas transformaes,

    tanto em suas caractersticas, como em seu contedo, evoluindo para ser utilizado

    como um instrumento de realizao do direito material.

    Embora o Cdigo de 1973, em vigor at o presente momento, tenha operado

    satisfatoriamente, sentiu a comunidade jurdica a necessidade de que lhe fossem

    aplicadas alteraes, com o objetivo de adaptar as normas processuais s mudanas

    da sociedade e ao funcionamento das instituies, em uma evidente preocupao de

    que o direito possa sempre ser instrumento moderno disposio dos cidados.

    Para atender aos anseios da sociedade, muitas foram as alteraes no sistema

    legislativo, dentre elas, podemos citar as reformas processuais da antecipao dos

    feitos da tutela (Lei n. 8.952/94); tutela especfica das obrigaes de fazer, no fazer e

    entrega de coisa (Lei n. 8.952/94); a Lei dos Juizados Especiais; Cdigo de Defesa do

    Consumidor, dentre outras.

    Em busca da agilidade e efetividade da prestao jurisdicional, as alteraes

    ocorridas nas ltimas dcadas demonstram que a tendncia ampliar o conceito de

    acesso justia e obteno de uma ordem jurdica justa.

    Diante desse contexto e considerando que as modificaes do Cdigo de

    Processo Civil estavam ocorrendo por leis esparsas, o que poderia comprometer a

    coerncia e a segurana jurdica da norma, criou-se uma comisso que elaborou o

    anteprojeto do Cdigo de Processo Civil, presidida pelo Ministro Luiz Fux, e que est

    tramitando no Senado Federal, pelo projeto de Lei n.166 de 2010.

    Conforme aduzido na exposio de motivos do anteprojeto, os trabalhos se

    orientaram por cinco objetivos: i) estabelecer verdadeira sintonia com a Constituio

    Federal, razo pela qual foram includos os princpios constitucionais na sua verso

    processual; ii) criar condies para que o juiz possa proferir deciso de forma mais

    rente realidade ftica subjacente causa e, por isso, que ampliou-se as condies

    para realizao de transao entre as partes; iii) simplificar, resolvendo problemas e

    reduzindo a complexidade de subsistemas, como o recursal; iv) dar todo o rendimento

    possvel a cada processo em si mesmo considerado; v) imprimir maior grau de

    organizao do sistema, dando-lhe mais coeso.

    Portanto, nota-se, em suma, que a ideologia norteadora dos trabalhos foi o de

    simplificar os procedimentos processuais de forma a garantir uma prestao

  • 4

    jurisdicional mais clere e eficaz e a elaborao de um diploma legal que estivesse em

    total harmonia com as garantias e princpios previstos na Constituio Federal.

    Conforme mencionado na exposio de motivos, o objetivo gerar um

    processo mais clere, mais justo, porque mais rente s necessidades sociais e muito

    menos complexo.1

    2. A ATIVIDADE EXECUTIVA NO NOVO CDIGO DE PROCESSO

    CIVIL.

    No projeto, divide-se o Cdigo de Processo Civil em cinco livros: Livro I (Parte

    Geral); Livro II (Do Processo de Conhecimento); Livro III (Do Processo de Execuo);

    Livro IV (Dos Processos nos Tribunais e dos meios de impugnao das decises

    judiciais) e Livro V (Das Disposies Finais e Transitrias).

    A execuo do ttulo judicial regulamentada no Livro II (Processo de

    Conhecimento), mais precisamente no ttulo II Do Cumprimento de Sentena,

    enquanto que o processo de execuo est previsto no Livro III (Do Processo de

    Execuo). De toda forma, o artigo 697 do Projeto original dispe que as normas do

    processo de execuo de ttulo extrajudicial aplicam-se tambm, no que couber, aos

    atos executivos realizados no procedimento de cumprimento de sentena, bem como

    aos efeitos de atos ou fatos processuais a que a lei atribuir fora executiva.

    O ttulo II - Do Cumprimento de sentena - divido em seis captulos: Captulo

    I (Das disposies gerais); Captulo II (Do cumprimento provisrio da sentena

    condenatria em quantia certa); Captulo III ( Do cumprimento definitivo da sentena

    condenatria em quantia certa); Captulo IV (

Search related