Greenstone belts e komatiitos

  • View
    106

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Greenstone belts e komatiitos

  • GREENSTONE BELTS E

    KOMATIITOS

    Gabriela Leal Pinheiro

    UNIVERSIDADE VILA VELHA

    PETROLOGIA GNEA

  • GREENSTONE BELTS

    So sucesses de rochas vulcnicas ultramficas e

    sedimentares datadas do arqueano e proterozico

    posicionadas ao redor de massas de granito e

    gnaisse em regies cratnicas do mundo inteiro.

  • O nome vem da tonalidade verde transmitida pela cor dos minerais

    magnesianos componentes s suas rochas (olivina, clorita, actinolita

    e outros anfiblios verdes);

    Se formaram em antigos centros de expanso ocenicas e terrenos ilha

    de arco.

    Foram submetidas dobramento, cavalgamento e metamorfismo. E

    isso dificulta a reconstituio das sequncias dos eventos magmticos

    originais;

    CARACTERSTICAS

  • CARACTERSTICAS

    So responsveis por grande parte de depsitos minerais ao redor do

    mundo;

    Possuem o formato de bacias alongadas posicionadas entre massas de

    granitoides;

    Comprimento varia de dezenas milhares de quilmetros;

    Do origem a vrios tipos de 'metabasalto' (rochas metamrficas

    originadas em greenstones belts) como greenschist, whiteschist e

    blueschist

  • Existem dois tipos de

    sequncias litolgicas

    especficas em

    Greenstone belts

  • Rochas vulcnicas ultramficas perto da parte inferior (komatiitos);

    Rochas vulcnicas mficas (basaltos)

    Rochas vulcnicas flsicas (andesitos e riolitos)

    As rochas sedimentares na parte superior depositados em

    ambientes de guas profundas adjacentes ao litoral montanhoso.

    (folhelhos, metagrauvacas, conglomerados, e s vezes BIF),

    TIPO 1:

  • Derrames ultramficos komatiticos na base,

    seguidos por menor participao de basaltos toleiticos;

    Sedimentos qumicos (cherts, formaes ferrferas)

    e Terrgenos imaturos (geralmente vulcanognicos);

    TIPO 2:

  • Essa diferena de uma sequncia para a outra

    como uma resposta s mudanas dos processos

    tectnicos que ocorriam no planeta durante as

    primeiras eras.

    possvel reparar que o ferro (como ocorrncia de BIFs) est ausente nas primeiras rochas (inicio do arqueano), e s aparecem posteriormente. Isso uma prova de que no inicio da formao da terra, a atmosfera era pobre em Oxignio.

  • Oeste da Austrlia Crton de Pilbara e Crton de Yilgarn;

    Sul da Austrlia Crton de Gawler;

    Norte da Escandinvia Escudo Bltico;

    EUA Crton de Wyoming ;

    DISTRIBUIO

  • DISTRIBUIO

    Leste da Africa do sul e Africa ocidental Crton Kaapvaal; (o

    Greenstone Belt de Barberton na frica do Sul foi o primeiro do

    mundo ser identificado).

    Norte do Canad Crton Slave; (Greenstone de Abitibi em

    Ontrio e Quebec o maior do mundo que contm depsitos de

    minrio de ouro, prata, cobre, zinco e chumbo).

    BRASIL Em algumas

    pores do Crton Amaznico

    e do Crton do So Francisco

    (como o greenstone inserido no

    Supergrupo rio das velhas, na faixa

    do Araua em Minas Gerais que

    contem Inmeros depsitos de ouro

    e cromita).

  • KOMATIITOS

    So as rochas vulcnicas mais antigas encontradas no planeta,

    precisamente em Greenstones Belts

  • IDADE

    Foram gerados mais comumente durante o Arqueano (2,7 Ga)

    (encontrados pela primeira vez no greenstone belt de Barbeton na

    frica do Sul prximo ao rio Komati);

    Poucos no incio Proterozico (2,5 Ba);

    E raramente na era Phanerozoica (89 Ma) (encontrados na ilha de

    Grgona na Colombia).

  • CARACTERSTICAS

    So correspondentes vulcnicos dos peridotitos (rochas intrusivas);

    Assentam sobre embasamento cristalino;

    So encontradas em lavas almofadas , soleiras, amgdalas e bordas

    superiores resfriadas;

    Encontram-se quase sempre metamorfizados (fcies xisto verde, s

    vezes anfibolito);

  • CARACTERSTICAS

    Foram gerados provavelmente a uma profundidade de 150 a 200 km

    por enorme fuso parcial do manto Arqueano, logo podem chegar

    cerca de 20.000 metros de espessura;

    Possuem granulao grossa;

    Possuem TEXTURA SPINIFEX: Placas de cristais de olivina de

    granulao fina em formato de agulhas alongadas que esto quase

    sempre entrelaadas em uma lava ultramfica altamente magnesiana.

  • Mineralogia

    extremamente rica em magnsio (>18% MgO);

    Baixo teor de slica;

    Grandes quantidades de olivina;

    Presena de Augita;

    Presena de Plagioclsio nos komatitos baslticos;

    Baixo teor de K2O (< 0,9%);

    Alto teor de TiO2 (entre 0,5 e 0,7%).

  • CLASSIFICAO

    Komatitos peridotticos (predomnio de olivina e clinopiroxnio);

    Komatitos piroxenticos (ricos em clinopiroxnios);

    Komatitos dunticos ( ricos em olivina);

    Komatiitos baslticos (maiores propores de plagioclsio).

  • Se diferenciam dos Picritos por uma

    leve diferena na porcentagem de

    MgO mas principalmente pela

    presena de textura spinifex

  • No topo a velocidade do resfriamento maior, onde as

    olivinas vo comear a nucleao primeiro e vo crescer

    na direo do interior do derrame formando a textura

    spinifex komatitos

    A medida que a textura spinifex formada na superfcie,

    as olivinas resultantes da separao das mesmas, formam

    uma zona cumultica na base onde se desenvolvem em

    formato polidrico Picritos

  • CURIOSIDADES

    O estudo dos komatiitos no esto restritos ao nosso

    planeta, foi estendido para geologia planetria , pois

    podem ser de grande ajuda para entender processos

    gneos fora da Terra onde possam existir materiais

    analgicos (Venus, Marte, e lavas lunares).

  • CONCLUSES

    O entendimento da natureza e origem dos greenstone belts a

    forma mais frutfera de estudar a histria geolgica Arqueano.

    Komatiitos so evidencias da lava primitiva da terra.

    (arqueano) alm de possuirem uma grande importncia

    econmica pois apresentam grandes depsitos de sufetos.

  • REFERNCIAS

    Gill, Robin .: 2014, Rochas e processos gneos. Rochas ultramficas e ultrabsicas.131-

    157.

    Abbott, D.H.: 2000, Do Large Impacts Strengthen Mantle Plumes and Produce

    Komatiites. Geological Society of America, Annual Meeting 2000, Reno, Nevada,

    abstract 50659.

    Donaldson, C.H.: 1982, in Arndt N.T. and Nisbet E.G. (eds), Komatiites. Spinifex-

    Textured Komatiites: a Review of Textures, Compositions and Layering, George Allen

    & Unwin (publishers), London, UK, pp. 213-244.

    Komatiites in a Wet Ultra Mafic Subducted Plate, Springer-verlag, Berlin, pp. 495-500.

    http://ppegeo.igc.usp.br/scielo.php?pid=S010197591993000100083&script=sci_arttext

    http://www.geologo.com.br/komatiitos.ASP