Charles Chaplin x Buster Keaton

  • View
    161

  • Download
    12

Embed Size (px)

Text of Charles Chaplin x Buster Keaton

Universidade de So Paulo Escola de Comunicao e Artes - Departamento de Cinema, Rdio e TV Andr Eiji de Azevedo Murai Histria do Audiovisual I Prof. Dr. Cristian Borges Entrega: 08/05/12

Comparao entre os estilos cmicos de Charles Chaplin e Buster Keaton- A diferena entre Keaton e Chaplin a mesma que entre prosa e poesia, o aristocrata e o vagabundo, a excentricidade e o misticismo, entre o homem como mquina e o homem como anjo." No ruim, ? - No, s que, para mim, no h comparao. - Por qu? Porque Chaplin incomparvel? - No. Porque Keaton incomparvel. [...] - Ningum mais engraado que Chaplin. - Keaton . At quando no faz nada. Ele parece com Godard. Keaton um cineasta de verdade. Chaplin s liga para sua atuao, seu ego. [...] - Escute. Chaplin sabia fazer uma bela tomada quando queria. Melhor que Keaton; melhor que qualquer um. Lembra da ltima cena de Luzes da Cidade? Ele olha para a vendedora de flores, ela olha para ele. No esquea que ela era cega, que o est vendo pela primeira vez. como se, atravs de seus olhos, nos tambm o vssemos pela primeira vez. Charles Chaplin, Charlot, o homem mais famoso do mundo. como se nunca o tivssemos visto antes. Dilogo do filme Os Sonhadores (2003), de Bernardo Bertolucci

Charles Chaplin, na cena final de Luzes da Cidade (1931).

Buster Keaton em The Cameraman (1928).

Uma das comparaes mais antigas que existem no Cinema a que se estabelece entre os comediantes cineastas Buster Keaton e Charles Chaplin. No apenas os cinfilos de hoje discutem a respeito de quem dos dois era o mais engraado e o mais genial. O pblico e a crtica da poca, inclusive de quando seus primeiros longas foram lanados, tambm sempre comparavam Chaplin e Keaton. De um lado o palhao vagabundo, que irradiava um amplo espectro da natureza humana, da pura e ingnua felicidade ao dio s injustias sociais do dia-a-dia, e do outro, o impassvel ser humano, cheio das nuances, que tinha que lidar com os infortnios do mundo fsico. Contudo, tal comparao no se restringe apenas a discusso cinematogrfica, ela foi importante tambm para a carreira de ambos cineastas, que, mais tarde em suas carreiras, juntaram-se no filme Luzes da Ribalta, em um raro e sublime momento da histria do Cinema. No filme, um dos ltimos dirigidos pelo prprio Chaplin, vemos um dueto de piano e violino que mais parece um duelo. As personalidades dos personagens parecem refletir o conflito a respeito de quem eram Chaplin e Keaton na vida real. Chaplin toca loucamente o violino, quase suplicando por ateno, e parece implorar que o reconheamos como o melhor, mais engraado, enquanto Keaton fica no piano, com um olhar triste e assustado, atrapalhado com as partituras. Chaplin, no abandonando o esprito do velho Carlitos, ainda se mostra aquela criana invejosa que faz birra e

caretas para chamar ateno, e Keaton se mostra o Keaton de sempre, aquele que baseia sua graa em sua seriedade, em sua impassividade quase alienante, par da situao.Charlie's tramp was a bum with a bum's philosophy,' he once said. Lovable as he was, he would steal if he got the chance. My little fellow was a workingman, and honest. That describes his characters, and it reflects their creator.Assim termina o crtico americano Roger Ebert sua crtica sobre A General. The General (1927), por Roger Ebert / 31 de Maio de 1997

Dueto de violino e piano no filme Luzes da Cidade. Keaton, com um olhar triste e assustado, atrapalha-se com as partituras. Chaplin espera com impacincia e realiza um nmero antes de comear a tocar o violino loucamente.

Como o filme dirigido pelo prprio Chaplin, certo que ele o protagonista do filme. Assim, a cena foi realizada e parece funcionar mais como uma homenagem rivalidade entre ambos comediantes, que existia bem antes do filme. Entretanto, nessa cena que fica evidente outra diferena entre os dois. Enquanto Chaplin conseguiu continuar uma gloriosa carreira aps o perodo do cinema mudo, sendo aclamado como o maior gnio do mundo, tanto por crtica quanto por pblico, Keaton ficou mais esquecido, como um reflexo de toda extenso que representara em seu auge. Dessa forma, tal duelo parece mais uma questo pessoal de Chaplin, a ser resolvida em uma homenagem ao rival (com Keaton sempre simpaticamente aptico, alheio ao mundo). No que se refere aos estilos cmicos que cada um possui, tanto Chaplin quanto Keaton se aproveitam bastante de movimentos corporais para estabelecer uma relao um tanto quanto conflituosa com o mundo material. Ambos se atrapalham quando se relacionam com os objetos ao seu redor ou mesmo com os corpos das pobres pessoas que esto prximas. Chaplin parece no estar em sintonia com o ambiente fsico ao qual est inserido e, dessa forma, ao tentar se movimentar por ele, parece se destacar na tela e na situao representada nesta, como se ele fosse um ponto brilhante sobre um fundo escuro. E Keaton, de forma semelhante, parece se encontrar subjugado pelas inflexveis leis da fsica e da natureza, atrapalhando-se, por sua vez, ao tentar lidar com objetos difceis de serem manipulados ou por estar sujeito s foras da natureza e do homem, como uma forte tempestade ou uma construo prestes a desabar; ele tem que se virar para se adaptar situao. Enfim, ambos criam ou tem que lidar com o caos que causam e que os envolve, e essa uma caracterstica bem marcante para os dois. Ambos criam situaes inimaginveis de caos e confuso, com as quais tm que lidar. Apesar dessa semelhana (ambos abordam a relao do homem com o mundo material), tanto Chaplin quanto Keaton no poderiam ser mais diferentes um do outro. Chaplin se aproveita mais de sua influncia do espetculo teatral e circense e, dessa forma, sua abordagem mais exagerada

e admitidamente espirituosa. Quando vemos o vagabundo, sabemos que sua performance engraada; ele se expressa e nos encanta com o corpo e com o rosto e a partir disso apreendemos a graa ou o sentimento da situao. E Keaton se aproveita mais de uma caracterstica pessoal sua, que uma inexpressividade natural. Projetamos indiretamente nossos sentimentos na expresso fria de Keaton e nisso surge um personagem sensivelmente humano. Uma pessoa comum, que tem que lidar com situaes frustrantes, os pesadelos do dia-a-dia. Keaton engraado no porque seu desempenho engraado, mas porque ele permanece srio durante todo o tempo. por tal motivo, que se pode dizer que o pblico se identifica mais facilmente com Keaton. Chaplin encantador com seus movimentos e com as situaes de incrvel sensibilidade que ele cria, e Keaton permite que o espectador se imagine mais facilmente em sua posio, fazendo as coisas que ele faz. Cada um possui uma base diferente para o seu humor e ambos conseguem afetar, de certa forma, o espectador, tornando nica a experincia de assisti-los. Nos encantamos com Chaplin e nos identificamos com Keaton. Para indicar essa diferena entre os dois cineastas, valido recorrer a uma comparao entre um filme de cada um. Entretanto, visto que a filmografia significativa de Chaplin um tanto quanto mais extensa que a de Keaton, parece um pouco injusto realizar uma comparao flmica entre trabalhos que eles tenham realizado. Assim, parece justo pegar um trabalho que represente bem a essncia de Keaton, que seja uma obra aclamada e tida como a mais importante de sua filmografia, e compar-lo com um trabalho de Chaplin que seja da mesma poca. Assim, possvel apreender o que eles representavam em determinado perodo (seria fora de propsito comparar, por exemplo, o Chaplin de O Grande Ditador com o Keaton de incio de carreira, com curtas como One Week, ou o Keaton de A General com o Chaplin ainda em experimental de Kid Auto Races at Venice). Partindo desse ponto, A General, de 1927, o trabalho mais importante e reconhecido de Keaton, que sobrevive ao tempo como uma histria mais universal e atemporal. E uma obra importante de Chaplin do mesmo perodo o conhecido Em Busca do Ouro, de 1925 (poder-seia recorrer a O Circo, de 1928, mas o outro trabalho representa melhor a aclamada genialidade de Chaplin). Ao se tomar esses dois filmes como referncia e compar-los, observa-se um equilbrio um tanto quanto interessante. No apenas A General o melhor representante de Keaton. Em Busca do Ouro tambm uma das obras mais importantes da carreira de Chaplin, inclusive, o trabalho pelo qual ele gostaria de ser lembrado. A General um dos filmes histricos mais admirados da poca (que ainda hoje impressiona), apesar do fracasso inicial, e um dos poucos exemplos do cinema mudo que sobreviveu ao tempo. A premissa do filme se baseia em uma longa perseguio de trem e tem como pano de fundo o resgate de Annabelle, a amada de Keaton, e o conflito entre o exrcito do norte e o lado sulista. Diversas gags so criadas e Keaton demonstra sua incrvel habilidade como dubl em seqncias fisicamente bem arriscadas envolvendo os trens, canhes apontados para direes erradas, obstculos sendo colocados nos trilhos e pontes explodindo [!] (ele exerceria grande influncia sobre Jackie Chan, que tambm realizaria diversas proezas fsicas, em situaes perigosas). Nesse filme, pode se observar, alm de sua habilidade como dubl, toda a personificao de Keaton e seu estilo cmico. Todas suas principais caractersticas esto presentes e diversas situaes podem demonstrar a forma como Keaton lida com o seu redor e com a natureza. Em um

momento, Keaton se senta na locomotiva e no percebe que ela comeou a se mover. Ele acabou de ser rejeitado pela amada e seu olhar permanece distante e desolado, apesar de o trem o estar levando. Outro exemplo o momento em que ele tenta obter mais lenha para a locomotiva. Ele tenta jogar as toras de madeira no vago, mas elas insistem em no entrar, ou em derrubar outras que j esto l, ou em passar para o outro lado da locomotiva. Nesse caso, seu maior inimigo so o peso das madeiras e as prprias leis da fsica! Entretanto, a melhor seqncia para exemplificar a essncia da comdia de Keaton a qual ele tenta acertar o trem inimigo, sua fre