Teoria das Cores - das Cores.pdf · Doutrina das cores A “Doutrina das cores” é uma obra dividida…

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • Teoria das CoresMODULO III DESIGNER GRFICO

    Sulen Dayane Martins

    Professora

  • Aspectos Histricos

    Aristteles entendia a cor como propriedade dos corpos, defendido em sua obra De sensu et sensibili. Para ele, sete seriam as cores primordiais, dentre elas o preto e o branco, das quais derivariam todas as demais.

    Isaac Newton se empenhou no estudo da refrao da luz e realizou, em 1666, a decomposio da luz branca em sete cores principais, cada uma com um comprimento de onda correspondente.

    No sc. XVIII, como resultado da oposio ao ptica - ou um tratado das reflexes, refraes, inflexes e cores da luz, de Newton, aparece o primeiro estudo interdisciplinar da cor a Doutrina das cores, de Goethe, em que ele define a cor como ao da luz sobre a viso.

    Em sua teoria, alm dos objetos naturais e da luz, Goethe apresentou dois outros elementos na construo do conceito de cor: o sentido da viso e a sensibilidade (a cor como sensao).

  • Doutrina das cores

    A Doutrina das cores uma obra dividida em quatro partes, cada uma analisando os princpios cromticos sob uma determinada perspectiva:

    as cores fisiolgicas;

    as cores fsicas;

    as cores qumicas;

    as cores psicolgicas.

  • Definio da Cor

    A luz o efeito das radiaes visveis, que formam parte do espectro eletromagntico,

    composto pelo conjunto de todas as ondas de energia eletromagnticas conhecidas que

    cercam o Universo.

    Esse fenmeno cromtico deve ser entendido como um processo amplo, que abrange vrias

    reas do conhecimento, indo da filosofia psicologia da percepo, passando pela fisiologia,

    fsica, esttica, entre outras.

    Cor o resultado do REFLEXO da luz que NO absorvida por um

    determinado pigmento. A cor uma informao visual, causada por

    um estmulo fsico, percebida pelos olhos e decodificada pelo crebro.

  • A cor exerce algumas funes:

    1) dimenso de discriminao (bola vermelha na grama verde)2) poder de expresso (atinge a alma)3) capacidade de significar (aplicao simblica)

    So trs eixos fundamentais para discusso acerca do fenmeno cromtico:

    1) est relacionado a como as cores aparecem, ou seja, a estrutura da aparncia das cores

    2) um segundo eixo discutiria as cores como atributos percebidos das coisas do mundo

    3) e por fim as cores seriam discutidas como categoria experiencial.

    dimenso de

    discriminao

    poder de expresso

    capacidade de significar

  • A percepo da cor

    Absoro e reflexo: ocorre quando uma determinada quantidade de luz, ao incidir sobre um objeto, absorvida ou refletida.

    So, principalmente, os fenmenos de absoro e/ou reflexo da luz que permitem ao ser humano a sensao cromtica.

    Um corpo pode assumir trs estados possveis em relao a cor:

    quando absorvem toda a luz so negros;

    quando refletem toda a luz so brancos;

    quando absorvem parcialmente a luz, coloridos.

    RefletirBRANCOS

    Absoro Parcial

    COLORIDA

    AbsorverNEGROS

  • DECOMPOSIO DA LUZ BRANCA

  • Um raio de luz branca, luz solar ou de qualquer outra fonte equivalente, atravessando um prisma de cristal se decompe nas distintas cores que

    constituem o espectro solar e que so vistas pelo olho humano.

  • A experincia pode ser

    feita usando-se trs

    luzes coloridas:

    VERMELHA, VERDE , e

    AZUL com a

    superposio das

    projees, verificamos

    que os trs focos

    luminosos projetados

    compe outras luzes

    coloridas, ou seja:

  • NOMES DAS CORES PIGMENTO

    Definidos na DRUPA de 1962, atravs de concurso internacional, os

    nomes da cores utilizadas em processo grfico so:

  • CMYK

    A sigla CMYK designa a escala de cores

    utilizada para impresso.

    Tambm chamada de Escala Europa

    utiliza, para impresso, o conceito de

    iluso de tica para formar todas as

    cores do espectro visvel.

    Assim, para formar a cor verde, por

    exemplo, so impressas as cores cyan e

    yellow , em pontos prximos. Essa proximidade causa em nossos olhos a

    sensao do verde.

  • COMPOSIO DAS CORES

    FOTOLITO

    Para que seja impresso

    qualquer material

    colorido, necessrio que

    as cores sejam separadas.

    Cada cor impressa

    separadamente e, por

    sobreposio,

    conseguida a cor

    composta.

  • POR QUE OS CORPOS SO

    COLORIDOS?

  • Por meio de luz emanada das fontes luminosas os objetos se fazem

    visveis.

    Ento, um corpo que no possua luz prpria, nos parece de uma

    determinada cor porque, conservando a propriedade de decompor a

    luz, absorve certos raios e reflete outros.

    Por exemplo: um objeto que, impressionado pela luz branca absorve

    todos os raios do arco-ris, menos o azul, visto por ns da cor azul;

    Por essa razo, de noite todos os corpos nos parecem pretos, pois no

    tendo, teoricamente, nenhuma radiao luminosa incidente, as

    superfcies no podem refletir sua longitude de onda caracterstica.

  • CLASSIFICAO DAS CORES

  • COR-LUZ

    Na cor luz, as primrias so vermelho, verde e o azul ou RGB (do ingls: red, green, blue). A

    mistura destas trs luzes coloridas produz o branco, denominando-se este fenmeno de sntese

    aditiva.

  • COR-PIGMENTO

    Nas artes grficas, e para todos que utilizam cor pigmento transparente, ou

    por transparncia em retculas, as cores primrias so: MAGENTA, AMARELO

    E CYAN.

    A mistura dessas trs cores, em partes iguais, produz o preto por sntese

    subtrativa.

    As cores-pigmento transparentes - MAGENTA, AMARELO E CYAN so

    chamadas primrias, por dois motivos:

    porque no podem ser decompostas em outras cores;

    porque de sua mistura se obtm todas as outras que por isso so

    chamadas compostas

  • CORES COMPLEMENTARES

    So aquelas formadas pela mistura de duas cores primrias em oposio

    cor primria que no entrou na mistura e vice-versa. Por exemplo:

    Vermelho (amarelo + magenta) complementar do cyan

    Violeta (cyan + amarelo) complementar do amarelo

    Verde (magenta + cyan) complementar da magenta

    As complementares se harmonizam mutuamente.

  • CORES QUENTES

    Consideramos como quentes, as cores associadas ideia de calor. Por exemplo:

    Vermelho evoca fogo

    Laranja evoca sol.

    Marrom evoca terra

    So cores quentes:

    amarelo

    vermelho-alaranjado

    amarelo-alaranjado

    vermelho

    alaranjado

    vermelho-violeta

  • CORES FRIAS

    Consideramos como cores frias, as cores associadas ideia de frescor. Por exemplo:

    Verde evoca campo.

    Azul evoca gua, cu.

    Branco evoca gelo, neve

    So cores frias:

    amarelo-esverdeado

    azul

    verde

    azul-violeta

    verde-azulado

    violeta

  • CORES E TONS

    A aparncia da cor se caracteriza por trs valores: a TONALIDADE ,a

    LUMINISIDADE e a SATURAO .

  • TONALIDADE

    a caracterstica qualitativa de

    uma cor, que se especifica com

    os termos azul, vermelho, verde,

    etc.

    o efeito produzido pelo

    suavizamento ou escurecimento

    de uma cor pela adio de

    branco ou preto.

    Pode-se dizer tambm, que a

    gradao da cor ou matizes.

    tonalidade luminoside,

  • LUMINOSIDADE

    a capacidade de

    reflexo da luz.

    Depende da

    quantidade de preto

    ou cinza que contm e

    faz com que uma cor

    se aproxime mais, ou

    menos, do branco

    (luminoso) ou do preto

    (escuro).

  • SATURAO

    a caracterstica quantitativa de

    uma cor.

    Considera-se mais saturada, a cor que menos branco ou preto

    contiver. Quando uma cor se

    encontra em sua mxima fora e

    no contm nenhuma frao de branco ou preto, se diz que tem

    saturao mxima.

    Por exemplo, o rosa menos

    saturado que o vermelho porque contm branco.

  • HARMONIA DAS CORES

    Harmonia Cromtica a justa

    relao de duas ou mais

    cores. a busca de uma composio policrmica,

    tranquila e agradvel.

    Dizemos que uma

    combinao entre duas cores harmnica, quando cada

    uma delas tem uma parte de

    cor, comum a todas as

    demais.

  • HARMONIA DE CORES ANLOGAS

    a harmonia de cores

    vizinhas no crculo

    cromtico. Praticamente, a harmonia de cores

    anlogas se obtm

    utilizando diferentes graus

    de intensidade.

    Exemplo: azul primrio

    combinado com seus

    diferentes tons

    degradados de branco.

  • CONTRASTE

    O contraste simultneo se baseia no princpio de que nenhuma cor tem

    valor por si mesma e sim que ela acentuada, atenuada ou modificada

    pela influncias de outras cores justapostas.

    O contraste amarelo/preto o que melhor se v distncia.

    J o contraste preto/branco tem valor mdio de leitura.

  • CONTRASTE

    A visibilidade do

    contraste

    vermelho/verde

    pobre, devido a ao

    simultnea das

    complementares que

    irrita os olhos.

    A visibilidade do

    azul/verde tambm

    escassa.

  • SNTESE ADITIVA

    Chamamos assim a

    teoria pela qual

    podemos formar todas as outras cores

    atravs da adio,

    em diferentes

    propores, das

    luzes primrias

    VERMELHO, VERDE e

    AZUL.

  • SNTESE

    SUBTRATIVA

    a teoria pela qual podemos formar cores atravs da mistura de pigmentos, onde cada pigment