Jornal Reflexão 3º edição

  • View
    171

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Jornal Reflexão 3º edição

  • Como podemos ver, vivemos numa era nica em toda a histria que contribuintes que sofrem de diversas patologias e distrbios podem ser tratados com dignidade mesmo no podendo oferecer (independente das razes) sua moeda de troca, o trabalho, que outrora foi a garantia do seu sustento. Por Denny Barros

    Jornal ReflexoJornal ReflexoJornal ReflexoJornal Reflexo 3333 EDIO EDIO EDIO EDIO

    Janeiro Fevereiro Janeiro Fevereiro Janeiro Fevereiro Janeiro Fevereiro MarMarMarMaroooo Abril Abril Abril Abril 2011 2011 2011 2011

    Colaboradores Colaboradores Colaboradores Colaboradores desta ediodesta ediodesta ediodesta edio

    Andr

    Aparecido

    Davi

    Denny Barros

    Edvand

    Gabriel

    Gilmara

    Gracineide

    Jucelino

    Kelly

    Kleber

    Marcelo

    Mayra

    Michelle

    Miguel

    Moricy

    Pmela

    Ronie

    Rosngela

    Rubens

    Ilustraes:Ilustraes:Ilustraes:Ilustraes: Gabriel

    Matria de Capa Vale a pena saber

    Desde os tempos mais remotos at os dias atuais, existe uma palavra-chave para o convvio e perpetuao, (antes) das tribos e (atualmente) do que chamamos de sociedade moderna. Esta palavra a troca. Antigamente o fogo era trocado pela caa, os gros pelo leite at que com a industrializao a mo-de-obra tornou-se o veculo para a aquisio do smbolo de aceitao total, o dinheiro, para que enfim o indivduo pudesse efetuar a troca do seu trabalho por aquilo que garantir sua sobrevivncia. Mas o que acontece com aqueles que no se encontram com suas faculdades mentais nas devidas condies para desempenhar suas tarefas designadas no mbito profissional e social? Para saber elaboramos algumas questes e as direcionamos justamente aos pacientes que se encontram nestas condies, a fim de saber quais so seus pontos de vista no que se refere estarem afastados de suas atividades profissionais.

    Como voc v a relao entre o trabalho que j realizou na vida e o problema que possui Como voc v a relao entre o trabalho que j realizou na vida e o problema que possui Como voc v a relao entre o trabalho que j realizou na vida e o problema que possui Como voc v a relao entre o trabalho que j realizou na vida e o problema que possui atualatualatualatualmente? O trabalho influenciou em que intensidade?mente? O trabalho influenciou em que intensidade?mente? O trabalho influenciou em que intensidade?mente? O trabalho influenciou em que intensidade? Eu trabalhava na roa, me cansava muito. Era cansao fsico e mental. (Davi) O trabalho influenciou na minha sade mental. Eu fui operador de mquinas; se a mquina quebrava, at faxina era obrigado a fazer. Todo dia era uma batalha. (Aparecido) No acredito que o trabalho contribuiu para que eu adoecesse (Jucelino) Depois do afastamento o que sente ao voltar ao trabalho?Depois do afastamento o que sente ao voltar ao trabalho?Depois do afastamento o que sente ao voltar ao trabalho?Depois do afastamento o que sente ao voltar ao trabalho? Quando um afastamento por qualquer outra doena o retorno mais fcil, agora quando o afastamento por patologias mentais fica mais complicado, pois as pessoas te olham com preconceito, te julgam e te menosprezam. Ainda tem os medicamentos que sendo fortes te ajudam mas tambm te atrapalham para operar mquinas. No meu caso at meus filhos esto traumatizados at hoje. As pessoas me causam uma sensao horrvel pelo jeito que me olham. Graas a Deus encontrei uma psicloga e um psiquiatra que me ensinaram a olhar para cima e no caminhar de cabea baixa.(Rosangela) O que voc achO que voc achO que voc achO que voc acha que o trabalho pode trazer para a sua vida?a que o trabalho pode trazer para a sua vida?a que o trabalho pode trazer para a sua vida?a que o trabalho pode trazer para a sua vida? Alto-estima, honra, dignidade, independncia e me faz sentir valorizada. (Michelle) O trabalho me ajuda a tirar as coisas ruins da cabea, traz dinheiro para comprar coisas e passear. (Muricy) Dependendo do tipo de trabalho, traz cansao fsico e mental, mas ao menos traz dinheiro o que prova no ser um trabalho escravo. (Edvande) Concordo com o Edvande. O trabalho leva ao sustento da famlia. (Aparecido) Voc sofreu com a era da tecnologia no trabalhoVoc sofreu com a era da tecnologia no trabalhoVoc sofreu com a era da tecnologia no trabalhoVoc sofreu com a era da tecnologia no trabalho???? O trabalho traz rendimento. Por causa da tecnologia as pessoas que no possuem conhecimento da informtica sofrem. Eu acredito que todos precisam fazer um curso de informtica bsica. (Gabriel) Eu sofri muito com a era da tecnologia. As mquinas vm muitas vezes em ingls. Tem que ter segundo grau. O bom que a prpria firma oferece cursos. (Aparecido)

  • ANIVERSARIANTES DO MS ANIVERSARIANTES DO MS ANIVERSARIANTES DO MS ANIVERSARIANTES DO MS ---- Novembro / Dezembro/ Janeiro/ Fevereiro/ MaroNovembro / Dezembro/ Janeiro/ Fevereiro/ MaroNovembro / Dezembro/ Janeiro/ Fevereiro/ MaroNovembro / Dezembro/ Janeiro/ Fevereiro/ Maro

    04/11- Jos Cardoso 12/11- Valquiria 24/11- Murici 07/11- Ronie 16/12- Raquel 16/12- Jucelino 17/12- Kelly

    31/12- Francisco 13/12- Josilene 30/12- Felipe 30/12- Marilene 03/01 Mayra 18/01 Edvande 29/01 Michelle

    03/02 Miguel 08/03 Zlia 16/03 Toninha e Ana Paula 24/03 Silvana 25/03 Bernadete 13/04 Pedro

    Agenda CulturalAgenda CulturalAgenda CulturalAgenda Cultural

    Livros

    Senhora- Jos de Alencar

    O livro do sol- Gabriel Chalita

    A Ditadura da Beleza e a revoluo das mulheres-Augusto Cury- Sugerido por Kelly

    Msicas

    Vento no litoral- Legio Urbana

    Maior abandonado- Cazuza

    Takeon me- A-H

    Filme

    O Fazendeiro e Deus sugerido por Rubens

    Frases de ReflexoFrases de ReflexoFrases de ReflexoFrases de Reflexo

    Tudo pode ser, s basta acreditar (autor desconhecido)

    Esta frase nos traz esperana e nos ensina a acreditar. Ronie.

    Acredite sempre na fora do pensamento positivo. Jucelino.

    Acreditar no duvidar. Edvande.

    Para que eu fique rico, no basta acreditar que ganharei na loteria, mas tambm os nmeros devem ser sorteados. Klber.

    s vezes estamos desacreditados, mas s seguir em frente que vai dar certo Moricy

    Somente os que ousam errar muito, podem realizar muito

    (John F. Kennedy)

    Podemos errar antes de acertarmos na vida. errando que se aprende. Michelle.

    Quanto mais erramos na vida, mais podemos aprender. Rosngela.

    cada erro aprendemos como as coisas no devem ser feitas. Gabriel.

    O sucesso da vida no depende de receber boas cartas, mas sim de jogar com as cartas ruins. (Warren G. Lester)

    Jogar com as cartas ruins significa tirar os pensamentos imprprios da cabea. Davi.

    A vida um jogo de escolhas, boas ou ruins decidiro seu destino. Deny.

  • Oua e ROua e ROua e ROua e Reflitaeflitaeflitaeflita ---- Sugerida por PmelaFogos de artifcio Katy Perry Voc j se sentiu Como um saco de plstico Voando com o vento Querendo comear de novo Voc alguma vez j se sentiu Se sentiu to frgil Como um castelo de cartas A um simples sopro de desmoronar Voc alguma vez j se sentiu Como se estivesse enterrado A sete palmos Voc grita, mas parece que ningum ouve nada Voc sabe que h Uma chance para voc Pois voc tem um brilho Voc s tem que... Acender a luz E deix-la brilhar Seja o dono da noite Como o dia da independncia Pois, baby, voc como fogos de artifcio Venha e mostre do que voc capaz Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh" Enquanto voc cruza o cu Baby, voc como fogos de artifcio Venha e deixe as suas cores explodirem

    Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh" Voc vai deix-los todos supresos, surpresos, surpresos Voc no precisa se sentir Como um desperdcio de espao Voc original No pode ser substitudo Se voc ao menos soubesse O que o futuro lhe aguarda Depois do furaco Vem o arco-ris Talvez a razo, por qu Todas as portas se fecharam Seja pra voc poder abrir uma Que te lever ao rumo perfeito Como um relmpago O seu corao reluz E voc saber quando chegar a hora Voc s tem que Acender a luz E deix-la brilhar Seja o dono da noite Como o dia da independncia Pois, baby, voc como fogos de artifcio Venha e mostre do que voc capaz Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh" Enquanto voc cruza o cu Baby, voc como fogos de

    artifcio Venha e deixe as suas cores explodirem Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh" Voc vai deix-los todos supresos, surpresos, surpresos Bum, bum, bum Mais brilhante at que a lua, lua, lua Esse sempre foi voc, voc, voc por dentro E agora hora de deixar isso aparecer Pois, baby, voc como fogos de artifcio Venha e mostre do que voc capaz Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh" Enquanto voc cruza o cu Baby, voc como fogos de artifcio Venha e deixe as suas cores explodirem Deixe todos boquiabertos falando "oh, oh, ooooh" Voc vai deix-los todos supresos, surpresos, surpresos Bum, bum, bum Mais brilhante at que a lua, lua, lua Bum, bum, bum Mais brilhante at que a lua, lua,

    Caps Diverte Contada por Gabriel O corcunda e o Fanho. Haviam dois rapazes conversando, um era corcunda e o outro era fanho. --- Hei corcunda, vamos ao cemitrio pois l existe uma voz que pode te curar. Disse o fanho. --- Legal! Se ele pode me curar ento vamos. Concordou. Chegando l ouviu-se a voz.

    --- Quem voc. O que voc tem nas costas! --- Eu tenho uma corcunda. --- Pois d-me esta corcunda. Ordenou a voz. Ento o corcunda todo aliviado seguiu seu caminho. ---Quem voc! Perguntou a voz dirigindo-se ao fanho. --- Eu sou o fanho. --- E o que voc tem! Questionou a voz. --- Eu no tenho nada! --- Pois ento tome esta corcunda.

  • Mural livreMural livreMural livreMural livre

    A vingana nunca plena, mata a alma e envenen