of 78 /78
ANO 21 Nº 250 Prefeitura do Recife Secretaria de Cultura Fundação de Cultura JUN 2016

Agenda Cultural do Recife - junho 2016

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Agenda Cultural do Recife - junho 2016

  • ANO 21 N 250

    Prefeitura do Recife Secretaria de Cultura Fundao de CulturaJUN2016

  • pprefeitura do recifePrefeito do Recife Geraldo JlioVice-prefeito do Recife Luciano SiqueiraSecretria de Cultura Leda Alves

    Fundao de Cultura Cidade do RecifePresidente Diego Rocha

    Gerente Geral de Administrao e Finanas: Edelaine BrittoGerente Geral de Aes Culturais e Infraestrutura Slvio Srgio DantasGerente de Desenvolvimento e Descentralizao Cultural Iana Cludia Marques

    Agenda CulturalEditor Manoel ConstantinoReprteres Anax Botelho, Erika Fraga e Jaciana SobrinhoEquipe Gerencial Christina Simo e Jacqueline Moraes Verso online Jacqueline MoraesProjeto Grfico Estdio Vivo | Fernanda Lisboa e Matheus BarbosaDiagramao Lcia RodriguesCapa Adlia Collier e Lcia Rodrigues | So Joo 2016

    Tiragem 10.000 exemplares

    Cais do Apolo, 925, 15 andar, Bairro do Recife Recife-PE CEP 50030 230Telefone 81 3355 8065 Fax 81 3355 [email protected]/agendaculturalwww.agendaculturaldorecife.blogspot.comTwitter @agendaculturall

    Programao sujeita a alterao. Por favor, confirmar.Sugestes de pauta devem ser enviadas at o dia 15.

  • SO JOO NO RECIFEO Ciclo Junino vai alm das brincadeiras, das danas, do acender de

    fogueiras e dos enfeites de bandeiras e bales. Da alegria contagiante que o perodo traz, surge tambm o lado ldico, o lado amoroso da poca, com promessas aos santos, das adivinhaes, mas tambm h as vrias lendas que giram em torno de So Joo.

    Conta-nos Lus da Cmara Cascudo, no seu Dicionrio do folclore bra-sileiro, que So Joo, santo catlico, primo de Jesus Cristo, nasceu a 24 de junho e foi degolado no castelo de Macheros, na Palestina, a 29 de agosto do ano 31. Afonso Arinos em Lendas e tradies brasileiras, refere-se que a lenda de So Joo remonta a um perodo anterior do cristianismo, nos cultos orgacos da sia e da frica antigas, cuja memria, alegam eles, se conserva no prprio nome de Santa Isabel, a me do Precursor. So vrias lendas e uma delas nos fala de So Joo menino, a mais popular entre o povo , sem dvida, essa que se refere infncia do Precursor de Jesus. Pois bem, So Joo estando deitado no colo de sua me que o embalava, pergunta quando o seu dia. Santa Isabel manda que ele durma. E So Joo dormiu na sua noite querida, porque, se estivesse acordado desceria terra e to alegre ficaria que todo o mundo seria destrudo pelo fogo. Contam outros que se So Joo estivesse acordado durante a festa que lhe to rui-dosamente dedicada, e vendo o claro das fogueiras acesas em seu louvor, no resistiria o desejo de descer do cu para acompanhar os festejos, e o mundo acabaria pelo fogo.

    Nos festejos juninos h ainda a singularidade da procisso das ban-deiras ou o acorda povo.

    A Bandeira de So Joo uma das procisses danantes mais antigas do Brasil. Organizada pela Igreja Catlica, a Bandeira de So Joo saa nas primeiras horas do dia 23 de junho, aps a acender das fogueiras, com uma estrela grande, confeccionada com arame, papel ou plstico colorido, puxando o cortejo, o andor e a bandeira do Santo com a imagem dele ainda criana, que percorria os vilarejos ao som de pequenos grupos musicais. A interao dos escravos africanos ao cortejo proporcionou a introduo de alguns instrumentos de percusso; ocasio em que muitos negros aprovei-tavam para louvar o orix Xang.

    O ritual terminava quando entregavam a imagem de So Joo na igreja da comunidade. Com o tempo, em razo do grande agito (danas e cantos no interior dos templos), a Igreja Catlica proibiu a imagem no seu interior.

    Essa atitude acabou por dividir o folguedo em duas manifestaes: uma religiosa e outra profana. A Bandeira de So Joo tornou-se uma procisso com rezas e cnticos em louvor ao santo. A festa profana foi chamada de Acorda Povo, e saa durante a madrugada com um grupo de cantores e batuqueiros acordando os moradores da cidade para participar da comemorao, regada a muito bebida e comida tpica.

    Mas a melhor parte de toda essa histria que a festa coletiva e espalha a alegria.

    Que Viva So Joo!

    Manoel ConstantinoEditor

    So Joo 2016

    Entrevista

    Artes Cnicas

    Canto Daqui

    Msica

    Circulando

    Perfil do Arteso

    Artes Visuais

    Cinema

    Moda

    Giro Literrio

    Cursos e Concursos

    Servios

    4

    10

    16

    25

    28

    39

    47

    50

    59

    61

    64

    69

    76

  • 4 JUN 2016

    HO

    MEN

    AG

    EAD

    OS

    DO

    S

    O J

    O

    O

    Santanna e Dona Glorinha do Coco

    Neste So Joo 2016 a Prefeitura do Recife home-nageia Santanna, o Cantador, e Dona Glorinha do Coco. Os dois so referncias nos principais ritmos que em-balam as festas juninas em todo o Nordeste.

    Essa uma homenagem feita no So Joo 2016, pelo povo do Recife, a Dona Glorinha do Coco e o poeta Santanna. uma homenagem tradio e cultura do Nordeste. Com certeza eles esto muito felizes com esta homenagem e esta representao da cultura. O Recife ter um belo So Joo em 2016 para as pessoas que quiserem aproveitar a nossa cidade, comemorou o prefeito Geraldo Julio. Ainda de acordo com o pre-feito, a homenagem tambm um reconhecimento cultura africana e a um dos maiores poetas da cultura nordestina.

    Foto Marcos Pastich

  • 5SO JOO 2016

    O poeta Santanna revelou que ficou muito emo-cionado com o anncio, j que ser homenageado pela primeira vez em uma festa de So Joo. Recebo com muita surpresa essa homenagem. Acho que ainda fiz pouco pela cultura nordestina, mas agradeo o reco-nhecimento do pblico com o meu trabalho. Mas essa homenagem faz com que eu trabalhe ainda mais, dis-se o modesto cantador. Essa festa to minha e to nossa, e eu vou ser muito leal s tradies nordestinas onde quer que eu esteja, acrescentou.

    Dona Glorinha do Coco tambm ficou emocionada com a homenagem recebida. Perto de fazer 82 anos, a artista revelou que a homenagem alcana ainda todo o segmento do coco no Nordeste. Estou muita emo-cionada com isso e s tenho a agradecer a todos os envolvidos. O povo do Recife pode esperar muito coco e muita cocada no palco. Vou colocar o pessoal para sambar o coco e vai ser um grande So Joo aqui no Recife, destacou.

    Santanna nasceu em Juazeiro do Norte, no Cear, e vem de uma famlia de artistas. Na infncia teve a in-fluncia do aboio do vaqueiro nordestino, do canto das lavadeiras e rezadeiras e dos violeiros e emboladores. Mas foi na obra de Luiz Gonzaga que conheceu pesso-almente aos 24 anos e de quem se tornou amigo - que o cantador teve suas maiores referncias. Participou de vrios shows do Rei do Baio, fazendo a abertura e em seguida, vocais. Tornou-se cantor profissional em 1992 e hoje considerado um dos grandes msicos do Forr. Conhecido por vrias msicas, que hoje tradicio-nalmente tocadas em poca de Festa de So Joo no Nordeste, principalmente o hit Ana Maria.

    Maria da Glria Braz de Almeida, ou Dona Glorinha do Coco, mestra de coco e viva de pescador, tem 81 anos de idade e herdou de seus antepassados o gosto pelo coco de roda, principalmente aquele que se canta-va, e se canta ainda hoje, na beira da praia. Ano passado foi finalista do Prmio da Msica Brasileira, nas cate-

  • 6 JUN 2016

    gorias melhor lbum regional (produzido por Isa Melo) e melhor cantora regional, atravs de seu primeiro CD, intitulado Dona Glorinha do Coco.

    Dando continuidade ao legado deixado por sua me, uma das fundadoras do Acorda Povo, folguedo que j contabiliza mais de 60 anos, Dona Glorinha or-ganiza durante o dia de So Joo, vrias sambadas ani-madas e prestigiada por toda a populao, promovendo lazer cultural para aqueles que buscam programao alternativa e descentralizada durante as festas juninas. Dona Glorinha participa do premiado Documentrio de Mariana Fortes O Coco, A Roda, O Pneu e o Farol (2007) e teve seu primeiro registro fonogrfico na cole-tnea Coco do Amaro Branco Vol. 2, em 2010.

    Ano passado foi finalista do Prmio da Msica Bra-sileira, nas categorias melhor lbum regional (produ-zido por Isa Melo) e melhor cantora regional, atravs de seu primeiro CD, intitulado Dona Glorinha do Coco.

    Neta de Joana, uma escrava fugida de um enge-nho em Catende/PE no sculo XIX, e filha de Maria Be-lm, mulher fundamental para a histria do carnaval de Olinda, Dona Glorinha atualmente a mestra mais velha do Amaro Branco. Memria viva da comunida-de, guarda histrias singulares acerca dos antigos co-quistas da Vila dos Pescadores, onde reside desde que nasceu.

  • 7SO JOO 2016

    A FestaSo Joo comea com a tradicional Caminhada do

    Forr, dia 16, e vai at a Festa do Fogo, dia 30, no Ptio de So Pedro.

    Alm de toda a programao nos arraiais espalha-dos pela cidade, faz parte tambm da festa, o j tradi-cional Baile dos Namorados.

    18 Baile dos Namorados do Recife em ritmo de forr 17 21h

    A festa acontece no Arcdia do Pao Alfndega e os ingressos j esto venda. O 18 Baile dos Namo-rados, realizado pela Prefeitura do Recife, este ano lhe convida para curtir o melhor do forr p de serra de Pernambuco. Ter como atraes a Banda Fim de Feira e os cantores Petrcio Amorim, Ndia Maia, Jorge de Altinho, Maciel Melo e Geraldinho Lins.

    A noite um convite para voc danar, se divertir, namorar e, o mais bacana, ajudar a quem precisa. Isto porque, a renda do 18 Baile dos Namorados ser desti-nada a instituies beneficentes do Recife, que atuam nas mais diversas reas. Para participar da festa, basta adquirir seu ingresso ao preo de R$ 200 na Ticket Folia dos shoppings Rio Mar e Recife. No valor, j esto inclu-sos o buffet e a bebida. Informaes: 3355 9024.

    Nadia Maia

  • 32 Concurso de Quadrilhas Juninas do Recife

    Definida a ordem das apresentaes dos grupos que iro participar do 32 Concurso de Quadrilhas Juninas do Recife. O sorteio foi realizado no Museu da Cidade do Recife / Forte das Cinco Pontas. A disputa ser realizada nos dias 17, 18, 19, 20 e 22 de junho, sempre a partir das 19h, com dez quadrilhas se apresentando por dia, no pa-lhoo montado no Stio Trindade, Zona Norte do Reci-fe. Tambm j foi definida a ordem das apresentaes da 3 Mostra Recife de Quadrilhas Juninas Infantis, que no competitiva e acontece no dia 26 de junho. As duas iniciativas fazem parte do Ciclo Junino 2016, promovido pela Prefeitura do Recife, atravs da Secretaria de Cultu-ra e Fundao de Cultura Cidade do Recife. Confira abai-xo a ordem e o dia das apresentaes das quadrilhas:

    Foto Andrea Rego Barros

    8 JUN 2016

  • Sex 1719h Lumiar19h35 Brilho de Ouro20h10 Terror do Alto20h45 Junina Tradio21h20 Xapeu de Palha22h Mandacaru22h35 Magia Matuta23h10 Dona Matuta23h45 Zabumba0h20 Tradio City

    Sb 1819h P De Moleque19h35 Chiclete Com Banana20h10 Vai Vai na Roa20h45 Flor do Serto21h20 Maracabarro22h 100 Hora Mania Nordestina22h35 Z Matuto23h10 Mistura de Cor23h45 Tom Maior0h20 Origem Nordestina

    Seg 2019h Rainha Sertaneja19h35 Renascer20h10 Chinelar20h45 Unio Junina21h20 Traquin22h Raposart22h35 Luz Do Candeeiro23h10 Bacamarte23h45 Exploso Coroense

    Ter 2119h Alpargatas de Virgulino19h35 Unidos da Roa20h10 Evoluo20h45 Ch de Zabumba21h20 Matutada22h Matutinho22h35 Cambalacho23h10 Da Sulanca23h45 Raizes do Pinho0h20 Traque de Massa

    Qua 2219h Luar do Serto19h35 Xamego de Menina20h10 Sanfonar20h45 Levanta Poeira21h20 Mistura Matuta22h Na Emenda22h35 Quento23h10 Flor da Vertente23h45 Briges de Suape0h20 Acau

    3 Mostra Recife de Quadrilhas Juninas Infantis

    Seg 2615h Quadrilha Junina EPC na Roa (Perna de Pau)15h35 Junina Exploso Caipira16h10 Junina Pisa na Ful16h45 Junina O Xilindr de Ritmo17h20 Junina Corao Mirim17h45 IntervaloApresentao do Bal da Escola Brinquedos de Brincadeiras de Casa Amarela18h Junina Mirim Lumiar18h35 Junina Matutinho Danante19h10 Junina Mirim Trapi19h45 Junina Sapeca20h20 Menezes na Roa

    9SO JOO 2016

  • 10 JUN 2016

    Geraldinho LinsEN

    TREV

    ISTA

    Por: Erika FragaFotos: Divulgao

    H quase trs dcadas o cantor e compositor Geraldinho Lins alegra a vida de muitas pessoas. Msicas como Amor do Serto, Dest, Parte da minha vida e tantas outras, em-balaram muitas histrias de amor.

    Nesta conversa com a

    Agenda Cultural do Recife, Geraldinho falou um pouco da sua trajetria na msica, do seu 15 CD (lanado em 2015), da sua experincia durante sua turn pela Europa e da ex-pectativa para mais um So Joo.

    Agenda Cultural do Recife - Voc cantor e compositor, tem mais de 200 musicas de sua autoria. Qual dessas paixes surgiu primeiro? Conta como voc comeou no mundo da msica?Geraldinho Lins - Eu comecei na msica muito cedo, ain-da adolescente, tocando nas missas do colgio em que eu estudava, que era o Colgio Nbrega. Depois eu ca na noite, literalmente, tocando em bares. Toquei muitos anos em bares do Recife. Participei de algumas orquestras, mas

    Foto Andra Rgo Barros

  • 11ENTREVISTA

    a minha base toda, minha paixo toda foi pela noite. At hoje sou apaixonado pela noite. Paralelo a isso, eu comecei o estudo da msica tambm. Primeiro, em uma escola chamada Miriam Ra-malho, onde eu aprendi os primeiros acordes, a iniciao musical. Depois fui para o Conservatrio Pernambu-cano de Msica. Ainda tive uma breve passagem pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), no curso de msi-ca, mas no conclu o curso. A estrada sempre me puxou, sempre me levou para a questo mais prtica. E essa paixo vem desde criana mesmo, desde muito pequeno. Minha paixo pela msica, ela se retrata nesse trabalho que eu fao durante 26 anos, 24 horas por dia. um trabalho mui-to prazeroso. uma misso. Eu considerado que eu tenho a misso de passar tudo isso que Papai do Cu me deu a oportunidade de aprender para as pessoas atravs da minha cano. um amor de muitos anos e desde cedo que eu sempre sonhei, sempre pensei em poder ser cantor.

    AC- No final do ano passado voc lanou o seu 15 lbum intitulado Alm do corao. Como foi o processo de concepo deste CD?G L - O CD Alm do Corao o meu 15 trabalho. mais um sonho realizado. mais um projeto realizado. E muito interessante porque h muito tempo eu vinha gravando s ao vivo e o Alm do Corao eu quis fazer no estdio, junto com minha banda, com meu diretor musical. Experimentar, voltar um pouco a essa prtica do estdio, que eu amo. Amo estdio, amo estudar o processo todo de produo e de criao. um trabalho com o qual eu fiquei muito satisfeito. Atingi meu objetivo. um disco muito romntico, que tem 90% de xote. E a proposta trabalhar minhas caractersticas. Alm das minhas msicas, gravei outros compositores, queridos amigos, compositores muito talentosos, que me mandaram obras-primas, msicas lindas. O Alm do Corao mais um projeto muito vitorioso, muito bonito, e que

  • 12 JUN 2016

    retrata justamente essa proposta que eu tenho de mandar para as pessoas o romantismo, mantendo a poesia e o danar da nossa msica nordestina. o 15 CD e vamos partir para os prximos. Estou muito feliz. o disco desta temporada.

    AC -- O So Joo ta chegando, essa a poca em que o forr chega com mais fora. Qual a sua expectativa para mais um So Joo?

    G L - O So Joo realmente a poca mais esperada por ns forrozeiros. Alm de a gente trabalhar muito, tocar muito, viajar muito, para mim tem essa atmosfera potica. Essa atmosfera da dana, da tradio, da culinria. Esse cheiro de So Joo. Isso, associado ao forr, cria todo um cenrio que ns brasileiros, ns nordestinos, mais especificamen-te, amamos muito e valorizamos muito. Ento, a expecta-tiva a melhor possvel. mais um momento para a gente celebrar, manter, acima de tudo, e exaltar essa msica. As tradies em geral. Tem o lado religioso, que fortssimo, junto com esse lado da festa. Quando se une tudo, fica uma coisa belssima. um ms de muita celebrao. Um ms de muita festa bonita. E ns nordestinos amamos. Ento, a expectativa para mais um So Joo de muito trabalho, de agenda cheia e, acima de tudo, de poder mais uma vez cola-borar com o So Joo do meu estado, o So Joo de minha cidade, o So Joo do nosso Nordeste. Chega essa poca e eu fico muito feliz e, graas a deus, est tudo prontinho, tudo ensaiado. E agora fazer forr. Viva o So Joo!

    AC - Agora em junho estar no 18 Baile dos Namorados. O que o publico pode esperar desse show?G L - O 18 Baile dos Namorados uma festa tradicional do Recife. A primeira-dama e toda sua equipe fazem uma festa solidria para arrecadar fundos para ajudar as pessoas mais carentes. O maior sentido esse. Eu fico muito feliz em ter sido convidado. Vai ser minha segunda participao. Fico

  • 13ENTREVISTA

    muito feliz em poder colaborar. Ir l cantar, danar e ainda tem a parte mais importante, que a solidariedade. um show no qual eu vou estar com Petrcio Amorim, Jorge de Altinho e Ndia Maia, dolos meus do forr, que eu adoro, que eu amo. O pblico s pode esperar muito romantismo, muita tradio, muita alegria e um show pra cima. Um show com muita energia positiva. Vamos fazer juntos uma noite maravilhosa. Tenho certeza que todos sairo felizes dessa fes-ta porque vo ajudar demais e vo se divertir muito tambm.

    AC - Voc um msico muito atuante, participa ativamente do cenrio cultural do estado. Esse ano participou do Baile Municipal do Recife, cantou no Bal Masqu da cidade de Goiana e participou do Galo da Madrugada. A que voc deve toda essa versatilidade?Geraldinho Lins - Eu, como pernambucano, sempre gostei muito de tudo que se refere cultura pernambucana em todos os aspectos. Nas artes cnicas, nas artes plsticas, no cinema, na televiso, na msica. O Carnaval tambm me envolve muito. A gente quando pernambucano j nas-ce cantando de tudo um pouco. J nasce cantando forr, baio, coco de roda, ciranda, maracatu, caboclinho, frevo, frevo de bloco. Enfim, tudo isso que ns temos nossa dis-posio com relao cultura. E temos uma cena musical

    Galo da Madrugada, 2015

  • 14 JUN 2016

    muito forte, que altamente democr-tica. Que curte de tudo um pouco. Que coloca a nossa musica regional como msica universal. Gosta de fazer mis-turas. Eu tambm sou assim. Tenho a cabea muito aberta para misturar as coisas, misturar ritmos e, acima de tudo, levantar a bandeira para divulgar ainda mais, onde eu puder e quanto mais eu puder, o que meu estado tem de cultura to bonita. E, graas a Deus, eu tenho conseguido dar minha cola-borao. Ser pernambucano justifica

    toda essa minha versatilidade. Eu j nasci com tudo isso dentro de mim.

    AC - H pouco tempo voc realizou sua terceira turn pela Europa. Por quais pases voc passou e como foi a receptividade do pblico?G L - Minha experincia na Europa tem sido altamente po-sitiva, porque eu tenho encontrado l um cenrio bastante favorvel e receptivo. O forr tem sido uma msica que, alm do estrangeiro e do brasileiro que mora l, todo mun-do tem curtido demais. Tenho encontrado vrios parceiros. Tenho conhecido muita gente que luta muito pelo forr h muitos anos l fora. Essa terceira turn me amadureceu bastante. Me fez expandir ainda mais o meu trabalho, uni-versalizar ainda mais o meu trabalho. Passamos por Portu-gal, Inglaterra, Frana, Alemanha, Sua, Itlia. Passei por vrios pases, e j tenho convites para voltar em 2017. Ento eu fico muito feliz, pois tem sido um momento de aprendi-zado muito grande. De divulgao muito grande do traba-lho do forr p de serra. E, acima de tudo, tenho interagido com msicos brasileiros e tambm com msicos europeus que gostam de tocar forr. um trabalho que est bem no incio, mas eu tenho certeza que, daqui a um tempo, a gente j vai estar colhendo mais frutos. Eu estou muito feliz em ter ido. J alcancei um objetivo maravilhoso, que poder tocar fora. Eu tenho certeza que vamos poder colabo-

    Turn pela Europa - Paris, 2015

  • 15ENTREVISTA

    rar mais e fazer projetos ainda maiores fora do Pas.

    AC - Como voc se sente levando a bandeira do forr para outras regies e culturas?G L - Eu me sinto muito feliz. Essa minha misso como artista. O talen-to que eu tenho no para ficar para mim. para passar adiante. Eu tenho muita honra de poder ser forrozeiro. Eu tenho muito orgulho de poder ser forrozeiro. E levar esse forr para outras culturas tem sido de uma valia muito grande para mim, para minha histria. E eu tenho certeza que isso uma coisa que tem colaborado para o forr. Se a gente pensar sempre assim, de maneira coletiva, a gente vai ter um resultado muito mais palpvel no futuro. E isso tem acontecido. muito importante para outras regies a gente mostrar como se toca, como se dana, como se canta a poesia do nosso forr. E para mim questo de ser a mi-nha misso, como falei no incio. Eu tenho isso como uma misso e fico muito feliz em poder colaborar.

    AC - O que podemos esperar para 2016? Voc vem desenvolvendo algum projeto?G L - J estamos na estrada com o lanamento do CD Alm do Corao, que o CD mais recente. Ento estamos fazen-do os shows focando esse CD. Tambm existe o projeto da gravao do meu quarto DVD. Esse DVD est sendo progra-mado para sair ainda em 2016. Espero que d tudo certinho, para a gente fazer uma grande festa, com convidados ma-ravilhosos. Alm do meu pblico maravilhoso, que o meu maior convidado. E trazer gente para cantar muito forr, fazer uma noite bem danante, e depois guardar tudo isso e eternizar atravs de imagens. Esse o prximo projeto, do segundo semestre. E depois fazer um grande carnaval em 2017. Alm disso, tem vrios projetos a. Outro disco de Carnaval que eu quero fazer. Ou seja, seguir justamente o que eu venho falando h muito tempo: No pare, no!. Sem parar um minuto! Viva o forr e viva o nosso frevo! Viva Pernambuco

    Turn pela Europa 2015

  • 16 JUN 2016

    AR

    TES

    CN

    ICA

    S

    O circo mgico do palhao ChocolateNo palco, artistas pernas de pau, acrobatas e malaba-ristas divertem a garotada num musical que resgata as antigas brincadeiras e as cantigas de roda. A montagem apresentada pelo Palhao Chocolate, que mostra um pouco do universo circense numa histria que ganha ritmo com as cantigas de roda, unindo arte, cultura e diverso.

    Dom 10hTeatro Boa VistaRua Dom Bosco, 551, Boa Vista2129 5961R$ 10 (Preo nico)

    Foto Sayonara Freire

  • ARTES CNICAS 17

    O Mascate, a P rapada e os ForasteirosSex e Sb 20hEspao CnicasAvenida Marqus de Olinda, 199 Bairro do RecifeR$ 30 e R$ 15 (meia)

    O espetculo um projeto do ator Digenes D. Lima que desde 2011 vem pesquisando e montando atravs da linguagem do teatro de objetos uma estria sobre Olinda e Recife usando a prpria histria como fio condutor da trama. A pea , indiretamente, uma homenagem a estas duas cida-des, preservando seus smbolos e ca-ractersticas culturais, tradicionais e contemporneas, adicionando um tom satrico e sarcstico em seu tex-to a fim de provocar a reflexo sobre Olinda e Recife e suas respectivas evolues.

    Vento forte para gua e saboSab e dom 16hTeatro Hermilo Borba FilhoRua do Apolo, 121, Bairro do Recife 4141 2431 e 3355 3320R$ 5

    Com direo de Andr Filho, o musi-cal tem texto assinado por Giordano Castro e Amanda Torres. O roteiro narra a histria de amizade en-tre uma bolha de sabo chamada Bolonhesa e Arlindo, uma rajada de vento. Sabendo dos riscos que cor-re por ser uma bolha, Bolonhesa j havia decidido ficar parada no seu cantinho, com medo de se arriscar a conhecer o mundo. At se encontrar com Arlindo que, com muita diver-so e cumplicidade, ajuda a bolhinha a viver uma divertida aventura, des-cobrindo as coisas lindas espalhadas pelo mundo e dando sentido a sua essncia. Questes como vida e mor-te so abordadas atravs da metfo-ra da bolha de sabo, cuja prpria existncia extremamente rpida e passageira. No elenco, Tiago Gondim, Daniela Travassos, Geysa Barlavento,

    Foto

    Div

    ulga

    o

    Foto

    Rog

    erio

    Alv

    es S

    obra

    do

  • 18 JUN 2016

    contar com figurinos de Marcondes Lima, assistncia de direo de Diogo Barbosa, sonoplastia de Ailton Tenrio, maquiagem de Ricardo Vendramini e produo executiva de Manoel Constantino.

    Mostra Mundo Giramundo3, 04 e 5 16h (junho)Caixa CulturalAv. Alfredo Lisboa, 505 Recife Antigo3425 1915R$ 10 e R$ 5 (meia)

    Dentro da programao da mostra, a companhia mineira apresentar espetculos por quatro sbados e quarto domingos de diversas fases do grupo: Orixs (2001), Mini Teatro Ecolgico (2002), Carnaval dos Animais (1996), Cobra Norato (1979)

    Um Ba de Fundo Fundo3 19h; 4 16h e 19h (duas sesses) e 5 10h30CAIXA Cultural RecifeAv. Alfredo Lisboa, 505 Bairro do Recife3425 1915www.caixacultural.gov.brR$ 10 | R$ 5 (meia)

    Foto

    Div

    ulga

    o

    Kllia Phayza, Victor Chitunda e Ricardo Angeiras.

    A Revolta dos BrinquedosDom 16h - (at 05 de junho)Teatro ApoloRua do Apolo, 121 - Bairro do RecifeR$ 20 e R$ 10 (meia)

    O espetculo um dos maiores cls-sicos brasileiros da dramaturgia para criana, conta com a direo de Jos Francisco Filho que comemora com esta temporada 50 anos de carreira. Em 50 minutos de espetculo a pea resgata o contato com os brinque-dos, questiona o papel da justia na sociedade, chama a ateno para problemas com o preconceito e de-sigualdade social, alm de reforar a importncia da amizade, dos bons hbitos e do respeito ao prximo. Para contar a histria, Jos Francisco Filho convocou profissionais atuan-tes no teatro pernambucano da nova gerao, contando com Eglantine Pessoa, Diogo Barbosa, Michele SantAna, Ricardo Vendramini, Ailton Tenrio, Roberta Marcina e o veterano Sstenes Fonseca, alm de

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • ARTES CNICAS 19

    Turma da Mnica - O Show4 e 5 17hTeatro RioMar RecifeAv. Repblica do Lbano, 251, 4 piso RioMar ShoppingBalco Nobre/Plateia alta/Plateia baixa: R$ 80 e R$ 40 (meia)Promocional: R$ 50 e R$ 25 (meia) 120 ingressos para cada sesso

    No palco, Mnica, Cebolinha, Casco, Magali e Chico Bento investem em cenas dinmicas, ldicas e interati-vas por meio de msicas conhecidas, mas que receberam novos arranjos, a exemplo da famosa "Sou a Mnica". Com efeitos especiais, interao com painis de LED, bailarinos em peso e figurinos de encher os olhos, essa su-perproduo vai encantar e divertir toda a famlia, com suas mensagens de amor, amizade e respeito.

    Foto

    Div

    ulga

    o

    Joanina9 , 10, 16 e 17 19h11 e 18 17hCAIXA Cultural RecifeAv. Alfredo Lisboa, 505 Bairro do Recife3425 1915www.caixacultural.gov.brR$ 10

    O musical interpretado pelo compo-sitor e cantor Carlos Villela, voltado para o pblico infantil, conta a his-tria dos festejos juninos no Brasil, atravs de um repertrio de canes conceituais que, de forma didtica e coreografada pelo Bal Popular do Recife, contribuindo para a educa-o das crianas sobre a importncia cultural do perodo de So Joo e o que ele representa na construo da cidadania.

    Joelma30 20h01, 07 e 08 20h (Julho)02 e 09 17h e 20h (Julho)CAIXA Cultural RecifeAv. Alfredo Lisboa, 505 Bairro do Recife3425 1915 | www.caixacultural.gov.brR$ 10 e R$ 5 (meia)

    O espetculo inspirado no curta--metragem Joelma, dirigido por Edson Bastos, baseado na histria de uma das primeiras transexuais da Bahia. Nessa adaptao para o tearto espetculo conta a histria da inadequao de uma mulher, nascida no corpo de um homem.

  • 20 JUN 2016

    A vida sexual da mulher feia4 21h e 5 20hTeatro RioMar: 4 piso do RioMar ShoppingAv. Repblica do Lbano, 251, Pina4003 1212Plateia e Balco: R$ 80 e R$ 40 (meia)

    O espetculo traz Otvio Mller no papel de Maricleide, personagem que goza de uma autocrtica impagvel e no perde tempo em se indispor ditadura da beleza. Baseado no livro homnimo da gacha Claudia Tajes, a pea no deixa nenhuma mulher ou homem imune insegurana da personagem. Afinal, quanto mais se olha no espelho, mais imperfeies aparecem. Claudia criou uma pro-tagonista sem rosto: no esmiuou

    descries fsicas, no imps uma caracterizao isolada.

    Allyce no Pas das MarabibasSb 21h e Dom 19hTeatro Valdemar de OliveiraPraa Osvaldo Cruz, 412, Soledade3222 1200R$ 20

    Uma adaptao para adultos do fa-moso conto infantil recheado com o humor caracterstico da compa-nhia teatral pernambucana Trupe do Barulho: assim pode ser defi-nido o espetculo Allyce. no Pas das Marabibas. A nova comdia do grupo esta em cartaz, no Teatro Valdemar de Oliveira, no bairro da Soledade, na rea central doRecife.

    Nessa stira, o universo peculiar da Alice de Lewis Carroll d espao para as loucuras da Allyce Plus Size, que vive em uma situao difcil, na comunidade do Alto Jos Bonifcio, na Zona Norte do Recife. A prota-gonista embarca em uma aventura pelo Pas das Marabibas, um lugar multicolorido onde ela encontra per-

    Foto

    Div

    ulga

    o

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • ARTES CNICAS 21

    sonagens e situaes cmicas desse fictcio universo gay.

    Gigi04 20hTeatro Luiz MendonaR$ 20Sendo o nico espao do estado vol-tado exclusivamente para a dana moderna, a Escola do Gesttus Grupo de Dana desenvolve e investe em um novo mtodo de ensino que in-tegra diversas idades. Na noite de hoje comeamos a dividir com to-dos a concretizao de um sonho: o espetculo que marca o comeo da vida da nossa escola. com mui-ta alegria que o Gesttus Grupo de Dana apresenta Gigi, que celebra no algum, mas um dia no parque, uma busca de sonhos e um divertido passeio em Paris. Gigi sua escolha de como ver o mundo.

    O Pequeno Prncipe5, 12 e 19 10hTeatro Boa VistaRua Dom Bosco, 551, Boa Vista.2129.5961R$ 40 e R$ 20 (meia)

    A montagem, apresentada pelo

    Palhao Chocolate, revive a hist-ria de um piloto de avio que se perde no deserto e encontra um me-nino de cabelos dourados, habitante do asteroide B612, que vem terra deixar uma mensagem de amor e paz. Assim como na famosa obra do autor Antoine de Saint-Exupry, na montagem, o pequeno prncipe viaja por diversos planetas at che-gar Terra, em busca de amizades e conhecimento, numa histria com muitas lies e que fala de amor, de perdas e de conquistas. Os dilo-gos de personagens como o piloto, a rosa e a raposa fazem o pblico refletir sobre valores importantes, sobre cativar laos e o que essen-cial na vida.

    O elenco formado por 12 atores e bailarinos que se revezam entre os personagens. Com direo geral de Roberto Costa, a adaptao educa, diverte e emociona com trilha mu-sical, coreografias e efeitos especiais.

    Foto

    Dod

    i Fon

    tes

  • 17 A Porta AbertaEscola Municipal de Arte Joo Pernambuco/PCRAv. Baro de Muribeca, 216 Vrzea3355.4092 / 93 / 94

    A Mostra de artes cnicas A Porta Aberta, chega a sua 17 edio, so 17 anos mostrando a produo de artes cnicas da EMAJP, alm de grupos e profissionais con-vidados. O evento ser aberto com a palestra Teatro para Infncia: a experincia do Ncleo de Pesquisa em Teatro para Infncia (NUPETI) da UFPE, com Waldomiro Ribeiro s 16h30 do dia 13 de junho. Em seguida o jorna-lista e pesquisador Leidson Ferraz far o lanamento do livro Panorama do Teatro Para Crianas em Pernambuco. Entre os convidados est Mitaf que far contao de histria para crianas na tarde da tera-feira 14. Na quarta-feira o Totem socializar a pesquisa Rito Ancestral Corpo Contemporneo e o processo de criao da per-formance Retomada. O RecorDana ministrar oficina sobre o Edital Funcultura na quinta 16.

    Viva la vidaFoto Divulgao

    22 JUN 2016

  • Os trabalhos da EMAJP so assinados por Patrcia Barreto que dirige Dirio de Um Louco de Nikolai Gogol, e o Mentiroso, de Jean Cocteau. Tatiana Pedrosa assina as Cenas Breves, Fred Nascimento assina Viva La Vida, as experincias de Ator Narrador e o Cortejo Performtico. Givaldo Tenrio dirige Minha Infncia Querida de Maria Clara Machado. A 17 Porta Aberta fechar em alto estilo com Doroteia de Nelson Rodrigues sob a direo de Jnior Foster. Todas as atividades so abertas ao pblico

    Seg 1316h30 - Palestra Teatro para Infncia: a expe-rincia do Ncleo de Pesquisa em Teatro para Infncia (NUPETI) da UFPE, com Waldomiro Ribeiro

    17h30 - Lanamento do livro Panorama do Teatro Para Crianas em Pernambuco do jor-nalista e pesquisador Leidson Ferraz

    19h - Oficinas

    - Cenas Breves Teatro

    Oficina de Teatro com Prof Tatiana Pedrosa

    - Exerccios Teatrais de Ator-narrador Teatro

    Curso Profissional de Teatro 3 perodo

    Coordenao Fred Nascimento

    - Minha Infncia Querida Teatro

    Curso Bsico de Teatro

    Texto Maria Clara Machado

    - Dirio de um Louco Teatro

    Curso Profissional de Teatro 1 perodo

    Texto Gogol

    Direo: Patrcia Barreto

    Ter 1417h - Contao de Histrias para Crianas, com Mitaf

    19h - Oficinas

    - Cenas Breves Teatro

    Oficina de Teatro

    Prof Tatiana Pedrosa

    - Exerccios Teatrais de Ator-narrador Teatro

    Curso Profissional de Teatro 3 perodo

    Coordenao Fred Nascimento

    - Br Teatro

    A Casa Coletivo de Teatro

    Criao e direo coletiva

    - Em Que Direo - Dana

    Grupo J D Dance

    Daiana Fernandes e Jhonatas Reis

    Criao Coletiva

    - Oficina de dana da EMAJPE

    ARTES CNICAS 23

  • 24 JUN 2016

    Qua 1516h - Pesquisa Rito Ancestral Corpo Contemporneo aula sobre pesquisa e proces-sos de criao do espetculo Retomada grupo Totem.

    19h - Oficinas

    - Hoponocono performance sonora

    Curso Profissional de Teatro 3 perodo

    Prof. Mrcio Beltro

    - Cenas Breves

    Oficina de Teatro

    Prof Tatiana Pedrosa

    - Exerccios Teatrais de Ator-narrador Teatro

    Curso Profissional de Teatro 3 perodo

    Coordenao Fred Nascimento

    - O Mentiroso Teatro

    Curso Bsico de Teatro 1 perodo

    Texto Jean Cocteau

    Direo: Patrcia Barreto

    Qui 1616h - Oficina do Edital Funcultura Teatro, com a equipe do RecorDana

    19h - Oficina

    - Cenas Breves - Oficina de Teatro

    Prof Tatiana Pedrosa

    - Exerccios Teatrais de Ator-narrador teatro

    Curso Profissional de Teatro - 3 perodo

    Coordenao Fred Nascimento

    - Viva La Vida - Recorte de textos de Eduardo Galeano, Pablo Neruda, Vladimir Maiakovski e outros autores.

    Curso Profissional de Teatro 4 perodo

    Dramaturgia e encenao Fred Nascimento

    Sex 1719h - Cortejo Performtico Performance

    Curso Bsico de Teatro 3 perodo - Coordenao Fred Nascimento

    20h - Doroteia Teatro

    Curso Bsico de Teatro 4 perodo. Texto Nelson Rodrigues. Direo Jnior Foster

  • CANTO DAQUI 25

    CAN

    TO D

    AQ

    UI

    Dirimb te chama para danar

    Por Jaciana SobrinhoFotos: Divulgao

    Imerso no carimb, lambada, merengue, afox, coco e outros ritmos cheios de swing. Assim o trabalho da banda Dirimb, um grupo que tem agitado as festas mais danantes do Recife e Olinda. Formada em 2013, a Dirimb composta por Rafa Lira (voz, guitarra e Percusso), Vitor Pequeno (guitarra), Mario Zappa (bai-xo), Alberto Ramss (bateria) e Bruno Negromonte (percusso).

    Interessados pela pesquisa de ritmos amaznicos e brasileiros, quatro recifenses e um paraense (Mrio Zappa), resolveram dar vez a peculiaridade desse estilo musical e seguem conquistando o pblico com a mis-tura caliente das guitarradas e cmbia, por exemplo.

    Foto Jedson Nobre

  • 26 JUN 2016

    A ideia foi do guitarrista do Vitor Pequeno que esta-va pequisando junto com o DJ Biu sobre o carimb. E surgiu a banda. Quando de fato comeamos a tocar, percebemos que muita coisa dos nossos ritmos, como o afox, coco e maracatu tambm nos influenciam e a re-solvemos juntar um pouco de tudo e virou a Dirimb, conta o guitarrista e vocalista da banda, Rafael Lira.

    Durante os shows, alm do repertrio autoral, a Dirimb tambm apresenta canes de nomes como Pinduca,Calypso, Labaredas, Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro e Flix Robatto. Mesmo com pouco tempo de trajetria, o grupo j participou de festivaisimportan-tes do Recife, como o Coquetel Molotov, o Fela Day, a Batalha de Bandas e a Carimbada (Aracaju - SE) com uma repercusso bastante positiva no pblico e crti-ca, entre outros. Esse trabalho de pesquisa e resgate j rendeu o primeiro registro fonogrfico da banda. O EP apresenta quatro faixas autorais, que so: Selfie (Z Gleisson), A Noite Minha (Milla Bigio / Vitor), Cabousse (Vitor Pequeno / Camila Leal) e Cacarimb (Vitor Pequeno).

    Sem esquecer a guitarrada e a marcao de tempo bem intensa, tpicas dos ritmos latinos, o dis-co d o recado do que pretende a Dirimb. Em Selfie, a primeira faixa do disco, h uma brincadeira com o avano da tecnologia e a maneira que essa afeta as relaes sociais e amorosas. Cacarimb um carim-b instrumental contagiante, capaz

    de animar qualquer pessoa. Cabousse uma lambada com letra e ritmo envolventes, assim como o merengue A noite no minha.

    Foto Divulgao

  • CANTO DAQUI 27

    Todo o processo de produo fonogrfica, conceitual e musical independente e com recursos da prpria banda. Todo processo de gravao e masterizao do EP foi acompanhado pelo tcnico de som Vinicius Barros e a mixagem foi feita pelo baterista do grupo e tambm tcnico de som, Alberto Ramss.

    O trabalho do grupo pode ser apreciado tambm por meio dos clipes de msicas que no esto no disco como Itamarac, Medo Real, Ilha de Maraj (com par-ticipao do guitarrista e percussionista Flix Robatto) e Carimb pra Danar, todos disponveis no canal da banda no Youtube. A banda avisa que j est trabalhan-do na produo de um novo disco e que j tem mais de 15 composies feitas especialmente para esse lbum.

    O projeto seguiu um rumo es-pontneo e conquistou um pblico maior do que imaginvamos. Talvez por conta dos ritmos danantes que contagiam quem est ouvindo. O ano passado foi muito proveitoso e atingimos resultados muito bons com nosso trabalho e isso nos fez perceber que encontramos nossa identidade musical e daqui em dian-te queremos apresentar por onde formos esse nosso estilo, traduzir isso tudo em msica, conta Rafael.

    Contato para shows: (81) 9 9656 7265www.facebook.com/bandadirimbo

    Foto Jedson Nobre

    Foto Divulgao

  • 28 JUN 2016

    M

    SICA

    Forrozo do GaloA festa de So Joo do Galo da Madrugada ter shows no palco principal, cidade cenogrfica, barracas com comidas tpicas e desfile de trios eltricos com quadrilhas juninas. O forr gratuito e j tem confirmadas as atraes: Maciel Melo, Petrcio Amorim, Asas da Amrica, Gustavo Travassos, Fabiana Pimentinha, Dani Verolli e muito mais.3 e 4 20h30Praa Srgio Loreto So Jos GratuitoInformaes: (81) 3224.2899www.galodamadrugada.org.br

    Foto

    Div

    ulga

    o

    Fabiana Pimentinha

  • MSICA 29

    Lanamentos CDs

    Orquestra Criana Cidad Meninos do Coque3428 7600Gravado na capital Italiana, o primeiro lbum da OCC foi produzido em um concerto aberto na Baslia de Santi Silvestro e Martino ai Monti, em no-vembro de 2015. O CD/DVD intitulado Concertos de Bach para Violino e Or-questra por Orquestra Cidad e Yolo Kubo conta com trs obras do compo-sitor alemo. A violinista japonea Yoko Kubo conheceu a OCC na ocasio de uma apresentao feita para o Papa Francisco em 2014. Aps um ano, acon-teceu o reencontro que resultou nes-te registro. O concerto de lanamento ir acontecer em setembro no Parque Dona Lindu.

    Jorge de Altinho9 9982 2525O lbum possui doze faixas, sen-do 10 inditas, com destaques para Linda,Luiz, Serto, Saudade Filho do Cariri.Jorgebuscou na base dos ritmos nordestinos, marcada por san-fona, zabumba e tringulo; assim como os arranjos harmoniosos, as letras ro-mnticas e referncias regionais. Natu-ral de Olinda,Jorgeiniciou sua carreira nos anos 70, quando criou o grupo musical The Big Boys, Boys, logo depois uma pequena orquestra de frevos e por fim um conjunto de chorinho, deno-minado de: Cavaco & Viola. Hoje, com 41 lbuns entre vinis e CDs, o artista rene uma invejvel bagagem musical, com a marca de seu balano envolven-te e com sua voz inconfundvel.

  • 30 JUN 2016

    Freddy e Mary9 9743 2743 | 3228 4352Uma mistura do forr com o arrocha e o sertanejo o que pretende nesta nova proposta da banda pernambuca-na Fredy e Mary. Neste novo trabalho, Freddy e Mary Sunset, a banda inova em seu repertrio com um estilo pr-prio com canes danantes para um pblico ecltico. O grupo, que conta com quatro CDs e dois DVDs gravados, mostra agora cinco composies indi-tas, sendo trs prprias - Eu t Manei-ro, Lua Cheia em Gravat, No dou mais chance no- e duas composies de Leonardo Luna e Abimael Gomes (Trocando bom bom) e Silveirinha (Eu t que t). O CD conta ainda com sucessos de Luiz Gonzaga, Z Dantas, Frank Aguiar, Dorgival Dantas entre ou-tros completando as 12 faixas do disco que j est disponvel para download no site http://www.suamusica.com.br/fredyemarysunset.

    Genival Lacerda(81) 98808.8888 | (83) 99999.2233Severina Xique Xique, De quem esse jegue? e Radinho de Pilha. Es-ses e outros tantos sucessos esto no mais recente disco do cantor e com-positor Genival Lacerda. O lbum in-titulado Todas as caras traz mais de 30 msicas em forma de pot-pourri. O repertrio inclui ainda seu mais novo hit M d seu wi-fi e canes eter-nizadas nas vozes de outros grandes nomes do forr como Deixa a tanga voar (Luiz Gonzaga/ Joo Silva), Quem dera (Nando Cordel/ Genival Lacerda), O canto da ema (Alventino Cavalcanti/ Ayres Viana/ Joo do vale) e Riacho do Navio (Z Dantas / Luiz Gonzaga).

  • MSICA 31

    Joo Lacerda9 8654 4727 | 9 9653 1000Nascido em Campina Grande, Joo La-cerda iniciou sua carreira artstica aos 11 anos. Foi percussionista e produtor artstico do seu pai, o canto Genival Lacerda, de quem recebe uma grande herana musical. Gravou seu primeiro disco em 2007 e agora lana seu 10 l-bum, intitulado 20 +. So vinte faixas das parcerias j gravadas pelo artistas ao longo da carreira, remasterizadas. Talism, Meu Cenrio, Pedras que cantam e P e cho so alguns dos ttulos que compem o repertrio que traz participaes de Adilson Ramos, Waldonys, Targino Gondim, Trio Nor-destino.

    Israel Filho9 9764 2428 | 9 8111 0481Em Overdose de Forr, seu novo lbum, Israel apresenta composies prprias e parcerias com Petrcio Amorim e Aldo Souza e tambm visita a tradio. Sem esquecer a sua voca-o de cantador do mundo, como mos-tra a faixa De Liverpool ao Maranho. O disco uma seleo cuidadosa com vinte e duas faixas do autntico forr representado pelas poesias de Acyoli Neto, Petrcio Amorim, Xico Bezerra e Agripino Poeira, entre outros.

  • 32 JUN 2016

    Moraes Moreira canta Novos Baianos3 21hTeatro RioMar RecifeAvenida Repblica do Lbano, 251 - PinaBalco nobre a partir de R$40Platia alta - R$60Plateixa baixa R$70 venda no site ingressosrapido.com.bre bilheteria do teatro.De tera a sbado, das 12h s 21h;Domingos e Feriados das 14h s 20hO cantor e compositor Moraes Moreira traz ao palco, um show indito, que retrata um momento muito especial de sua carreira e da Msica Brasileira: um repertrio dos ureos tempos dos Novos Baianos, banda que integrou de 1969 a 1975. Um encontro de geraes o que Moraes espera promover neste show, presenteando seus seguidores de sempre com um belo repertrio, alm de atrair jovens que demonstram, cada vez mais, um grande interesse pela obra deste artista que tem no curr-culo clssicos como Brasil Pandeiro, Preta Pretinha, Acabou Chorare, O Mistrio do Planeta, entre outros.

    Festa Ixxfrega com Mc Carol3 23hClube MetrpoleRua das Ninfas, 125, Boa VistaInformaes: 9 9710-1290 | 3423 0123R$ 20 (primeiro lote), R$ 15 (estudantes), R$ 40 (revertido em consumao)e R$ 50 (espao open bar com cerveja, suco gummy, refrigerante e gua). venda no site eventick.com.br/ixxfre-gacarolA balada que vem fazendo o maior su-cesso entre a turma jovem, alternativa e discolex dessa vez promete agitar o Clube Metrpole sob o comandando da Mc Carol, um dos nomes mais promis-sores e instigantes do funk nacional. A fluminense ficou conhecida pelos hits Minha v t maluca, Meu namorado m otrio e o politizado No foi Cabral. Alm da diva do funk o line up da noite contar com os Djs Val, Ana Gisele, Marlon Parente, Adriano Gomes, Sissy Candy, Josaf, Gibran Go-mes e Ane Lima.

    Foto

    Dan

    iel L

    opes

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • MSICA 33

    Foto

    Div

    ulga

    o

    Genival Lacerda3 22hSala de RebocoRua Gregrio Jnior, 264 - CordeiroInformaes: 3228.7052Genival Lacerda canta seus antigos e novos sucessos com a participao de Joo Lacerda.

    Pop Kba4 21hBar A SedeRua Tomazina Bairro do RecifeGratuitoInformaes: 9 9660 3636Quatro expoentes da msica indepen-dente pernambucana, se unem prol de divulgar seus trabalhos. Sob Efeito, Olhos Aquticos, Dani Carmesim, Pro-jeto Ohm: cada banda com uma sonori-dade particular, unidas pela vontade de passar uma mensagem que marque na vida de quem ouve. Pop Rock pra ou-vir e pensar. Isso o evento Pop Kba.

    Zeca Baleiro - Era DomingoTeatro GuararapesAv. Professor Andrade Bezerra, s/n - Salgadinho - Olinda4 21hPlatia - R$ 140 (inteira) | R$ 70 (meia)Balco - R$ 100 (inteira) | R$ 50 (meia)Venda na bilheteria do teatro, site Com-preIngressos e pelo telefone (81) 2626 2605 A bilheteria funciona de 9 s 17h, de seg a sex, e no sb de 9 s 14h.Era Domingo o nome do novo disco de inditas de Zeca Baleiro. O sucessor de O Disco do Ano (2012) sai pela Som Livre, assim como seus mais recentes trabalhos ao vivo: Calma A, Corao (2014, cd e dvd) e Cho de Giz - Zeca Baleiro canta Z Ramalho (2015, cd e dvd). Zeca ser acompanhado por sua banda, formada por Tuco Marcondes (guitarra, guitarra de 12 cordas, violo de ao, banjo e vocais), Fernando Nu-nes (baixo e vocais), Pedro Cunha (te-clados, samplers, sintetizadores e sax bartono), Adriano Magoo (teclados, acordeon e vocais) e Kuki Stolarski (ba-teria). O figurino de Camila Motoryn e o cenrio de Duda Arruk. O projeto de luz de Camilo Bonfanti.

    Foto

    Ram

    a de

    Oliv

    eira

  • 34 JUN 2016

    Arrai da Venda de Seu Antnio4 21hVenda de Seu AntnioRua dos Arcos, 1745, Poo da PanelaInformaes: 3326 7497R$ 120 (mulher) e R$ 140 (homem)Shows de Geraldinho Lins, Pedrinho Pegao, Victor Ferrari e o DJ V. Moraes.

    Allana Marques4 17hCatamaranAvenida Sul, s/n, Cais de Santa RitaInformaes: 3424-2845R$ 35 (antecipado) e R$45DJ Allana Marques, DJ Lala K e banda Malcia Champion.

    Joanina09, 10, 16 e 17 19h11 e 18 17hCaixa CulturalAv. Alfredo Lisboa, 505 Bairro do Recife 3425 1900R$ 10 (inteira)Joanina, um musical interpretado pelo compositor e cantor Carlos Villela, vol-tado para o pblico infantil, conta a histria dos festejos juninos no Brasil, atravs de um repertrio de canes conceituais que, de forma didtica e coreografada pelo Bal Popular do Re-cife, contribuindo para a educao das crianas sobre a importncia cultural do perodo de So Joo e o que ele representa na construo da cidadania.

    Samba de BambaCaixa Cultural28 20hR$ 20 (inteira)A quarta sesso do do projeto musi-cal Samba de Bamba traz o capixaba Makley Matos que vai apresentar um repertrio de sambas de sua memria afetiva e contar as histrias e porqus de sua seleo musical. Durante nove meses, de maro a dezembro, a CAIXA Cultural Recife apresentar dez shows diferentes, com os expoentes da cha-mada nova gerao do samba brasilei-ro, artistas ainda no consagrados pela grande mdia.

    So Junkie Ano V - Sem Fuleragem a Sem Vergonha11 22hClube Atlntico de OlindaAv. Sigismundo Gonalves - OlindaMeia - R$ 15 (mediante apresentao da carteira de estudante)Social - R$ 20 (Levar 1kg de alimento no perecvel) e Inteira - R$ 30http://www.eventick.com.br/saojunkieInformaes: 9 9465 74215 edio da festa com shows de For-rlindense, Dirimb e Dj Val.

  • MSICA 35

    Rural Coracional11 22hBurburinho BarRua Tomazina, 106 Bairo do RecifeInformaes: (81) 9 9673 3499R$ 20Festa do Amor organizada pelo som da rural com Show de Wander Wildner e abertura de Dunas do Baratato. Partici-pao especial de Juvenil Silva e outros rockeres coracionais do Recife. A festa ter a presena de Mozart Santos no primeiro andar e no bar do trreo o Dj Leso discotecando na rural que estar estacionada dentro do bar.

    So Joo da Capit10 e 11 21hClassic HallAv. Gov. Agamenon Magalhes, s/n - Sal-gadinho, OlindaVIP R$ R$ 80 (Cada Dia) TOP PRIME R$ 190 (Cada Dia)VIP R$ R$ 120 (Casadinha) TOP PRIME R$ 320 (Casadinha)Informaes: 3207 7500

    10Jorge e MateusAvies do ForrGabriel DinizPedrinho PegaoMagnficos

    11Wesley SafadoMatheus e KauanVictor e LoSimone e SimariaMrcia Fellipe

    Recital do Coro de Cmara do CPM13 19h30Auditrio do Conservatrio Pernambu-cano de MsicaAv. Joo de Barros, 594 Santo AmaroInformaes: 3423 0718GratuitoCoro de Cmara do Conservatrio Pernambucano de Msica apresenta o recital: Uma noite de pera. No re-pertrio: rias, Duos e Coros das mais clebres peras a exemplo de La Tra-viata, Carmem e O Morcego entre outras. O coro se apresentar sob a regncia da Maestrina Mnica Muniz e ser acompanhado pelo pianista Jetro Rodrigues.

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • 36 JUN 2016

    Non Stop - A Festa: Rock Lovers Special Edition11 22hDowntown PubR. Vigrio Tenrio, 105 Bairro do RecifeInformaes: (81) 9 8704 5450R$ 25 (antecipado) e R$40 (na hora)Vendas: http://even.tc/non-stop-a-festa--rock-lovers-sShows das bandas Elektrolito que toca-r apresentando sucessos de The Cure, The Smiths, Depeche Mode, New Or-der, escolhidas especialmente para a ocasio. J os nossos Djs preparam uma seleo com Information Socie-ty, Beatles, Tears for fears, U2, INXS, Arctic Monkeys e Coldplay. Haver um sorteio especial para aqueles que compraram o seu ingresso antecipado.

    Arrai do Pega Vareta17 20h30Baile PerfumadoRua Carlos Gomes, 390 - PradoInformaes: 9 9124 2405A partir de R$70Shows das atraes: Banda Diba, Seu Digo, Rafa Mesquita, Felipe e Gabriel e DJ Kororossy. Com uma tima estru-tura, decorao temtica. e ainda open bar. A organizao convida o pblico a vertir-se com traje matuto.

    Concertos da Orquestra Criana Cidad17 19h30Igreja Madre de DeusBairro do RecifeGratuitoCom regncia de Enoque Souza, a Or-questra Infantojuvenil da Orquestra Criana Cidad apresentando um re-petrio com obras de Vivaldi, Schubert, Tchaikovsky e arranjos de msicas de Roberto Carlos, Ary Barroso e Edson Rodrigues.22 19h30Caixa CulturalAv. Alfredo Lisboa, 505 Bairro do RecifeGratuito Informaes: 3425.1900O ncleo popular da Orquestra Criana Cidad, apresenta um programa com arranjo de compositores populares com regncia de Manasss Bispo.

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • MSICA 37

    Ouvindo e fazendo msica no MEPEMuseu do estado de PernambucoAv. Rui Barbosa, 960 - Graas | 3184 3174R$ 3 (meia) R$6 (inteira)

    Gustavo Ripa4 17hConsiderado um dos melhores vio-lonistas uruguaios da atualidade, ex--integrante dos grupos Canciones para no dormir la siesta e Rumbo, logrou reconectar emocionalmente o pblico com a msica instrumental e transfor-m-la em um xito discogrfico. Seus lbuns Calma, Ms calma e Calma 3, compostos por verses instrumentais de temas de alguns dos principais compositores de msica popular do Uruguai, como Alfredo Zitarrosa e Mauricio Ubal, foram discos de ouro e platina no Uruguai. Investigador dos aspectos teraputicos e transformado-res do som e da msica, desde a musi-coterapia, biomsica e neurocincias, tem realizado concertos, seminrios, cursos e terapia de som com biomsica o Uruguai e Brasil.

    Daniel Murray11 17hCarioca radicado em So Paulo, Da-niel Murray comeou a estudar violo clssico aos seis anos e, aos 15,foi pre-miado noCouncours International de Guitarre de Trdrz-Locqumeau, em Bretanha (Frana). Desenvolve ativa carreira como intrprete no Brasil e Exterior. Tem realizado recitais na In-glaterra, Espanha, Itlia, Frana, Grcia e Dinamarca. Apresentou-se, em 2014,

    no Midem Festival (Cannes/Frana) e Classical Next (Viena/ustria). Gravou os discos Universos sonoros para vio-lo e tape, Tom Jobim para Violo-Solo, Autoral e Universos em expanso e tem projetos paralelos com violonis-ta Chico Saraiva, Trio Opus 12, Ncleo Hesprides - Msica das Amricas e Paulo Bellinati Trio.

    Bole Bole18 17hEspalhar no salo o chamego gostoso do forrozo tradicional o desejo do Conjunto Bole-Bole: para chiar o chi-nelo e gastar a sola do sapato! Ideali-zado por Rud Rocha e com incentivo de Z da Macuca, fortaleceu-se a ideia de convidar um grupo de msicos que incorporasse a esttica do forr dos anos 1980. Batizado de Bole-Bole em fevereiro de 2015, o conjunto compos-to por jovens msicos pernambucanos que j integraram trabalhos como os de Antnio Carlos Nbrega, Spok Frevo Orquestra, e Geraldo Azevedo. So eles: Rud Rocha (percusso), Adiel Luna (voz), Guga Amorim (percusso), Julio Cesar (acordeon) e Rodrigo Samico (baixo e violo de 7 cordas).

    Quinteto Arraial25 17hFormado em 2013, em Recife, por cinco msicos saxofonistas, integrantes de vrias orquestras de Frevos de Pernam-buco: Fbio Csar, Carlos Alberto, Gildo Alves, Parr Mello e Romero Bomfim. Com o cuidado e zelo pelo frevo e para ressaltar sua forte relao com o ins-trumento saxofone, o Quinteto Arraial elaborou um concerto instrumental no

  • 38 JUN 2016

    qual faz a releitura para saxofones dos mais expressivos frevos compostos por compositores pernambucanos como Ademir Arajo, Duda, Nunes, Edson Rodrigues, Ivan do Esprito Santo, Parr Mello, Spok, Nelson Ferreira, Felinho, Jos Menezes e Lourival Oliveira.

    Taca Mais MsicaShopping Tacarunarea GourmetGratuito2 19h Pecinho Amorim e Petrcio Amorim9 18h Ndia Maia e Maciel Melo16 19h Irah Caldeira

    18 Baile dos Namorados do Recife em ritmo de forr17 21hArcdia do Pao AlfndegaRua da Alfndega, 35, 4 andar Bairro do Recife | 3355 9024R$ 200 venda na Ticket Folia dos shoppings Rio Mar e Recife. No valor, j esto inclusos o buffet e a bebidaO 18 Baile dos Namorados, realizado pela Prefeitura do Recife, este ano lhe convida para curtir o melhor do forr p de serra de Pernambuco. A festa, que acontece no dia 17 de junho, a par-tir das 21h, no Arcdia do Pao Alfnde-ga, ter como atraes a Banda Fim de Feira e os cantores Petrcio Amorim, Ndia Maia, Jorge de Altinho, Maciel Melo e Geraldinho Lins.A noite um convite para voc danar, se divertir, namorar e, o mais bacana, ajudar a quem precisa. Isto porque, a renda do 18 Baile dos Namorados ser destinada a instituies beneficentes do Recife, que atuam nas mais diver-sas reas.

    Petrcio Amorim

    Foto

    Div

    ulga

    o

    Geraldinho Lins

  • CIRCULANDO 39

    Foto

    Div

    ulga

    o

    CIR

    CULA

    ND

    O

    Pao do Frevo e Cais do Serto oferecem casadinha de ingressos ao pblicoOs dois museus so opes de lazer para quem quer conhecer a cultura do Recife e das cidades sertanejas

    As culturas do frevo e do serto nordestino esto ainda mais acessveis. O Pao do Frevo, centro cultural da Prefei-tura do Recife, e o Cais do Serto, museu da Secretaria de Desenvolvimento Econmico do Governo de Pernambuco, esto unidos com o objetivo de oferecer uma oportunida-de de lazer a custos ainda melhores para os visitantes do Bairro do Recife.

    A casadinha funciona da seguinte forma: ao comprar o ingresso de um dos dois equipamentos, o visitante recebe um comprovante que libera o acesso meia entrada no outro espao. O desconto s poder ser utilizado no mesmo

  • 40 JUN 2016

    Foto

    Div

    ulga

    o

    dia de visita. Nosso objetivo apresentar os dois museus como destinos de uma visita conjunta, que pode, de uma forma intensa, aproximar o pblico da cultura pernam-bucana. o dilogo do frevo, que traz essa dimenso da cultura urbana, com a cultura sertaneja que contempla as cidades dos interiores dos Estados nordestinos, afirma Joana Chaves, Assessora de Relaes Institucionais do Cais do Serto. Ter acesso a esses universos de forma conjunta, oferece uma oportunidade mais completa de compreenso do povo nordestino, completa.

    O desconto no acumulativo. Confira abaixo os valores de entradas e os horrios de funcionamento dos museus.

    Pao do FrevoHorrio de funcionamento:Ter a Sex 9h s 17hSb e Dom 4h s 18hTeras gratuitasQua a Dom: R$8 (inteira)/ R$4 (meia)Praa do Arsenal da Marinha, s/n - Bairro do RecifeCais do SertoHorrio de funcionamento:Ter a Dom 11h s 17hQuintas gratuitasNos demais dias: R$10 (inteira)/ R$5 (meia)Av Alfredo Lisboa, s/n - Bairro do Recife

  • CIRCULANDO 41

    Cais do SertoHorrio de funcionamento:Ter a Dom 11h s 17hQuintas gratuitasNos demais dias: R$10 (inteira)/ R$5 (meia)Av Alfredo Lisboa, s/n - Bairro do RecifeAgendamento de grupos: [email protected] pelo telefone: 3089.2974

    EXIBIO DE CURTAS

    Um dia no sertoSala de projeo SertomundoTer a Dom 11h, 11h30, 12h, 12h30, 13h, 13h30, 14h, 14h30, 15h, 15h30, 16h e 16h30

    Dir. Marcelo Gomes. O filme revela o cotidiano dos habitantes do Serto do Paje uma regio de vegetao rida e inspita e de uma luminosidade to intensa que transforma o horizonte em miragem. Sertanejos de vrias gera-es convivem na mesma paisagem. No serto, modernidade e passado co-abitam construindo um futuro ainda a ser escrito.

    Sala de Projeo Caixa de PoesiaHorrios: 11h20, 12h10, 13h, 13h50 e 14h40

    Lnguas do SertoDir. Jos Miguel Wisnik

    O foco de Lnguas do Serto a po-tica sertaneja, escrita e oral. Poemas, repentes cujas sofisticadas tcnicas de criao como a estrutura das estrofes e dos ritmos se podem ver medida

    que acontecem, alm de encontros de embolada, como e cordel, uma anto-logia da cantoria, e a cano de Luiz Gonzaga sobre Cego Aderaldo.

    4KordelDir. Lrio Ferreira. uma experincia sinestsica inserida no contexto de uma regio muito rida do Nordeste do Brasil onde a poesia bruta brota a cada instantnea lufada de redemoi-nhos. Nessa viagem paradoxal, o perso-nagem TEMPO mergulha desprevenido no universo de literatura dos folhetos.

    LuaDir. Paulo Caldas. Lua uma traduo visual e sonora do serto gonzaguiano. Um filme potico-musical. Um intenso dilogo entre o arcaico e o moderno, a tradio e a inveno. Local: Sala de projeo Caixa de Poesia.

    Vivncia MusicalTer a Sb 11h30, 12h, 12h30, 14h30, 15h, 16h e 16h30Sala do ImbalanaMediaes: Paisagens SonorasCangao e Funk: Esttica e Ostenta-o

    Cais Marrano: Porto, judeus e o ser-to

    *Mediaes para grupos agendados.Palestra: Pessoas com necessidades es-pecficas conhecem o projeto Parque Capibaribe2 14hSala de Projeo Caixa de Poesia

  • 42 JUN 2016

    I Encontro de Marcadores de Quadrilhas Juninas de Pernambuco14 15hSala Caixa de Poesia

    Em parceria com o Cais do Serto, a Federao de Quadrilhas Juninas e Similares de Pernambuco promove o I Encontro de Marcadores de Quadri-lhas Juninas de Pernambuco. A ideia ouvir a nova gerao de marcadores atravs de um bate papo com o pbli-co e discutir sobre os novos desafios.

    15 14hSala Caixa de PoesiaRoda de Conversa: Economia da Cultu-ra As quadrilhas juninas no processo de criao.

    A roda de conversa ir discutir o pro-cesso criativo nas quadrilhas juninas dentro da cadeira produtiva da cultura. Sero convidados projetistas de vrias quadrilhas juninas para o bate papo.

    Feira Livre do Poo da Panela5 7h30 a 19hEstrada real do Poo 3442 4965 | 3222 0025

    3 edio da Feira Livre de insumos e comidas, com atraes locais. Seguindo o que acontece em importantes feiras da Europa, Rio de Janeiro e So Pau-lo, a Feira Livre do Poo acontece todo primeiro domingo de cada ms, na Estrada Real do Poo. Com ven-das de comidas caseiras e produtos alimentcios de pequenos produtores da regio, alm de apresentaes ar-tsticas sempre a partir das 16h30. O projeto, que conta com incentivo do Funcultura, inclui ainda a capacitao pelo Sebrae de moradores do Poo da Panela que j trabalham com vendas de comidas caseiras.

  • CIRCULANDO 43

    Tour Rio Capibaribe e suas PontesRestaurante CatamaranCais das Cinco Pontas, s/n34242845 / 999734077Seg a Sex 16h e 20h (reserva prvia)Sb 11h, 14h30, 16h, 17h30 e 20hDom 11h, 14h30, 16h e 17h30Adulto: R$ 45Criana: 6 a 10 anos: R$ 250 a 05 anos: gratuito34242845 / 999734077

    Nesse tour, a Cidade do Recife pode ser observada por um ngulo diferente, ou seja, das guas do rio Capibaribe, ao longo do qual o observador percorre as trs ilhas do Centro do Recife (Santo Antnio, Bairro do Recife e Boa Vis-ta) e passa por baixo de cinco pontes (Pontes 12 de Setembro, Maurcio de Nassau, Manuel Buarque de Macedo, Princesa Isabel e Duarte Coelho). Du-rante o city tour aqutico, os visitan-tes apreciam belas paisagens de vrios pontos tursticos, tais como o Parque de Esculturas de Francisco Brennand, a Praa do Marco Zero, o Pao Alfndega, o Ginsio Pernambucano, a Assembleia Legislativa, o Teatro de Santa Isabel e o casario da Rua da Aurora. A bordo, os visitantes contam com a presena de

    Show FolclricoTer 21hRestaurante CatamaranCais das Cinco Pontas, s/nR$ 4034242845 / 999734077Todas as teras, o restaurante Cata-maran oferece um grande show com um bal que apresenta ao pblico a diversidade e beleza dos ritmos da cultura nordestina: xaxado, maracatu, coco, ciranda, caboclinho, frevo e forr. O espetculo tem durao de aproxi-madamente duas horas.

    Tour Recife e seus BairrosRestaurante CatamaranCais das Cinco PontasDomingos 10h (reserva prvia) Passeio com durao de aproximadamente duas horas.Adulto: R$ 55 | 6 a 10 anos: R$ 30 0 a 05 anos: gratuito34242845 / 999734077

    O passeio contempla as paisagens ur-bana e natural da cidade, passando por 14 bairros do Recife, entre eles, os contemporneos e outros bem antigos que, erguidos durante o perodo colo-nial, mostram-se ainda belas edifica-es, hoje tombadas, que mantm con-servada a paisagem secular do Recife.

    Foto

    Rod

    rigo

    Cav

    alca

    nti

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • 44 JUN 2016

    Foto

    Div

    ulga

    o

    um guia que relata histrias e curio-sidades sobre o Recife

    Visitas guiadas ao Teatro de Santa IsabelPraa da Repblica, s/n Santo AntnioDom 14h, 15h e 16hGratuito33553323 | 33553324

    O projeto pretende apresentar o Teatro de Santa Isabel, tombado como Patri-mnio Histrico e Artstico desde 1949, contando sua histria e curiosidades, como forma de contribuir para a for-mao de cidados aptos a respeitar e cuidar do bem cultural. Ao final de cada visita, os participantes assistem a uma apresentao artstica. O pas-seio, gratuito, acontece das 14h s 17h e no precisa ser agendado. O ltimo grupo de visitantes comea o passeio at meia hora antes do horrio de en-cerramento das visitas.

    J grupos que queiram conhecer de perto mais detalhes sobre a arqui-tetura e histria do centenrio Tea-tro, podem participar do Projeto de Educao Patrimonial. Escolas, ONGs, centros comunitrios, grupos artsticos e outros do gnero devem-se inscre-ver pelo e-mail: [email protected] (para passeios

    a serem realizados s teras-feiras no turno da tarde).

    Visitas monitoradas ao Instituto Ricardo BrennandEngenho So Joo, s/n Vrzea (Ala-meda Antnio Brennand)Ter a DomR$ 7 (para escolas agendadas)R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)Crianas com at sete anos no pagam21210352

    O Instituto Ricardo Brennand oferece visitas monitoradas para grupos esco-lares de instituies privadas e pbli-cas. O intercmbio entre o museu e as instituies de ensino acontece de tera a domingo, mediante agenda-mento. Realizadas por monitores ca-pacitados, o atendimento serve para prestar maior assistncia aos visitan-tes. Escolas pblicas tm entrada gra-tuita. Para escolas privadas, o bilhete custa R$7, ambas, porm, precisam de agendamento prvio. Alm das insti-tuies de ensino, grupos particulares, empresas e turistas tambm podem agendar a visitao.

    Com o mais completo acervo sobre o perodo Brasil-Holanda do mundo, o IRB, na Vrzea, prope-se a ser uma extenso da sala de aula. L os estu-

    Foto

    And

    ra

    Rgo

    Bar

    ros

  • CIRCULANDO 45

    dantes tm acesso ao castelo de armas, biblioteca, pinacoteca, entre outros espaos. O IRB abre semanalmente, de tera a domingo.

    Feiras do Prodarte3355 8755

    O Programa de Desenvolvimento do Artesanato (Prodarte) promove feiras de artesanato em diversos pontos da capital pernambucana. A iniciativa, realizada desde 1987, tem como obje-tivos de apoiar os artesos cadastrados no programa; fortalecer a gerao de renda e divulgar a cultura da cidade. Fibras, tecidos, madeira e couro so alguns dos materiais selecionados pelos artesos que do vida grande diversidade de peas.

    Feira Lagoa do Ara Lagoa do Ara, Imbiribeira1 e 3 Sbados 13h s 21h

    Feira Casa Forte Praa de Casa Forte2 e 4 Sbados 15h s 20h

    Feira do Capibaribe Sede da Prefeitura do Recifeltima semana do ms 8h s 15h

    Feira Parque Dona Lindu Av. Boa Viagem, s/n, Boa ViagemSb e Dom 13h s 21h

    Foto

    Inal

    do L

    ins

    Feira de Boa Viagem Pracinha de Boa Viagem Boa ViagemDiariamente 14h s 22h

    Feira Prodarte na Rua - Recife Antigo (Avenida Barbosa Lima)Dom 13h s 20h

    Centro de Artesanato de Pernambuco no RecifeAvenida Alfredo Lisboa, s/n, Armazm 11 Bairro do RecifeSeg a sex 8h s 18hDom 9h s 17h3181.3150

    Com criatividade de sobra e uma gran-de diversidade de referncias, a produ-o artesanal de Pernambuco se revela atravs das mais variadas expresses. Seja no barro, na madeira, nas fibras e palhas ou no couro, o fazer artesa-nal um dos grandes patrimnios do povo pernambucano. O Centro de Ar-tesanato proporciona um espao de 2.511m onde funciona uma loja, um es-pao gastronmico, assim como uma galeria para exposio, auditrio e o setor administrativo da unidade. Com foco na arte popular e no artesanato tradicional, so comercializadas peas artesanais de todas as regies de Per-nambuco.

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • 46 JUN 2016

    Foto

    Div

    ulga

    o

    Espao CinciaParque Memorial ArcoverdeParque 2, s/n - Complexo de Salgadinho, Olinda | 3241-3226www.espacociencia.pe.gov.brSeg a Sex 8h s 12h e das 13h s 17hFinais de semana das 13h30 s 17hHora limite para a entrada de grupos: 16h30Gratuita

    Ocupando uma rea de 120 mil m2 entre as cidades de Recife e Olinda, o Espao Cincia combina exposies montadas em ambientes fechados ao lado de centenas de experimen-tos interativos a cu aberto. Alm de exposies de alta qualidade museogrfica, possui Planetrio, Auditrio, Anfi-teatro, Hall de Exposies e Centro Educacional. Conta com um Manguezal de rara beleza e interesse cientfico, um am-biente para contemplao, estudos e aprendizagens. Ainda conta com o edifcio da pirmide Pavilho de Exposies, alm de duas trilhas a Ecolgica e a das Descobertas que engloba cinco reas: gua, Movimento, Percepo, Terra e Espao. Tambm possui um Observatrio Astronmico localizado no Alto da S, em Olinda, que recebe mais 50 mil visitantes por ano.

  • PERFIL DO ARTESO 47

    PER

    FIL

    DO

    AR

    TES

    O

    Luiza Morgado (Balela coisas de pano)

    Por: Anax BotelhoFotos: Divulgao

    Da iniciativa em fazer brinquedos reaproveitando caixas, pintando, cortando, colando, entre outras ativi-dades para filha, Luiza Morgado, que j demonstrava interesse e talento para o desenho, comeou a desenvol-ver seu trabalho artesanal principalmente em funo da perspectiva na qual gostaria de educar Nara, de 5 anos. H uns dois anos, quando Nara comeou a se interessar mais por bonecas, eu percebi que muitas das opes de mercado me incomodavam: bonecas de plstico, corpos adultos, padres de beleza irreais, alm da prpria lgica de consumo que tudo isso representa, afirma.

    J costurando as bonecas, Luiza conseguiu ainda proporcionar outra atividade pedaggica para a sua filha, introduzindo-a na produo dos brinquedos atra-vs da brincadeira. Tal relao, para a qual empenhou tempo e dedicao, acabou por transformar a conexo criana-brinquedo, que se tornou mais estreita e me-

  • 48 JUN 2016

    nos consumista. Concluindo, assim, um processo que desenvolve habilidades manuais, imaginao, afeto e compromisso.

    Com a Balela coisas de pano, Luiza busca representar a diversida-de presente nos perfis femininos do mundo real, concreto, e com isso, fomentar o conceito de representa-tividade, de pertencimento em algo que, possivelmente, acompanhar as crianas que brincam com as bonecas artesanais. O padro de beleza das bonecas industrializadas geralmente impossibilita que haja uma identificao da criana com o brinquedo, j que abarca apenas uma pequena parcela da diversidade real de crianas. Esse o mesmo pa-dro de beleza que vai acompanhar e oprimir muitas dessas meninas at sua vida adulta, ento quando uma criana no se v representada em todo um setor de brinquedos, isso tem um impacto maior do que ima-ginamos, reflete Luiza.

    O processo de produo de uma boneca de pano pode ser descrito, de forma superficial, como uma for-ma simples e rudimentar deconfeco de bonecas, em que as partes do corpo so confeccionadas em tecido, podendo o enchimento ser feito com diversos materiais. Mas essa suposta simplicidade no pode ser aplicada na esttica que Luiza utiliza no seu trabalho artstico, especialmente quando este carrega um peso simblico, que posteriormente pode ser concreto, pelo fato dele ter sido idealizado tambm como um objeto educador. So nestas questes que a artes orienta sua produo. A ideia da Balela Bonecas unir o ldico ao afetivo.

  • PERFIL DO ARTESO 49

    Ao brincar com uma boneca e se colocar na posio de cuidadora, a criana reproduz as relaes afetivas da famlia, diz, ao completar que sua produo preza pela participa-o das crianas, que podem esco-lher alguns traos da boneca para se tornarem parte da criao e fortale-cerem seus vnculos com o objeto.

    No desenvolvimento do trabalho, Luiza reafirma seu comprometimen-to e carinho com as bonecas. As bonecas da Balela so feitas com o mesmo cuidado e dedicao das que fao para minha filha. Cada boneca nica, feita artesanalmente com tecidos naturais, diz. Ainda sobre a produo, a artes j sinaliza a ideia de criar uma coleo sobre grandes mulheres da histria. Iniciativa que eleva ainda mais a importncia do trabalho artesanal, pois este foi pensado para a brincadeira e o fortalecimento de uma cultura comprometida com aspectos no subservientes ao entretenimento vazio e corrosivo da sociedade de con-sumo, que coloca as crianas em bolhas de padres pr--estabelecidos, no correspondentes com o mundo real.

    Nara vestida de Frida, com a boneca de Frida

    Servio:Balela coisas de panowww.facebook.com/balelabonecxswww.instagram.com/[email protected]

  • 50 JUN 2016

    Andes VenezuelanosEntre as diversas maravilhas e atrativos tursticos que a Repblica Bolivariana da Venezuela possui, destaca--se uma regio montanhosa 5.000 metros acima do nvel do mar. Esta regio conformada por trs estados venezuelanos: Mrida, Tchira e Trujillo se revela pela sua geografia, seu clima temperado, suas fauna e flora, suas paisagens, seu povo e sua histria, conformando assim, os Andes Venezuelanos.

    Consulado Geral da Repblica Bolivariana da Venezuela em RecifeAv. Conselheiro Aguiar, 597, Boa Viagem3131 8150 ( agendamentos para grupos e escolas)Seg a Sex 9h s 12h e das 14h s 16hGratuito

    AR

    TES

    VIS

    UA

    IS

    Andes Venezuelanos San Jos de Bolvar, TchiraFoto: Divulgao

  • ARTES VISUAIS 51

    Sala de (Re)TratosAt 9/07Ter a Sex 13h s 19hSb 16h s 20hArte Plural GaleriaRua da Moeda, 140, Bairro do Recife3424 4431

    A artista Suzana Azevedo realiza um passeio emocionado por objetos de famlia ou representaes desses ob-jetos, transformando lembranas em arte. Objetos como camisolas, times de famlia e as caixas onde se guar-davam armas sofreram interven-es: foram envolvidos com acrlico ou receberam gravuras e formam a exposio.

    Doc(e) RecifeMuseu da Cidade do Recife Forte das Cinco Pontas, So JosTer a Dom 9h s 17h

    A duas dcadas da comemorao dos 500 anos da capital pernambucana, o Museu da Cidade do Recife inicia sua mais nova exposio anual, que remonta a trajetria do municpio a partir do acar. Doc(e) Recifedes-taca a influncia do produto no de-senvolvimento urbano e nas relaes sociais, alm de estimular nos visi-tantes proposies sobre o futuro da metrpole.Atravs de narrativa cronolgica e histrica, a exposio aborda a memria dos primeiros habitantes do territrio (anteriores a 1537), que hoje se faz presente em mui-tos nomes de ruas, de bairros e nos adornos escultricos de praas e prdios; a cultura do acar trazi-da pela colonizao portuguesa, forte influncia na gastronomia, no

    Foto

    Ale

    xand

    re B

    erzi

    n

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • 52 JUN 2016

    comportamento, na arquitetura e urbanismo; e o desenvolvimento da cidade que se construiu a partir da juno das terras dos engenhos de acar com um porto exportador de mercadorias.

    Histria da Poesia Visual BrasileiraAt 24Museu de Arte Moderna Alosio Magalhes (Mamam)Rua da Aurora, 265, Boa VistaTer Sex 12h s 18hSb e Dom 13h s 17hGratuito

    Com quase 600 obras de artistas bra-sileiros que fazem parte do acervo do artista plstico pernambucano Paulo Bruscky, que o curador do evento, a mostra aborda a impor-

    tncia da poesia visual no cenrio da arte de vanguarda do Brasil, entre outros temas.

    Esta a primeira exposio coletiva, no Recife, que traa um panorama da poesia de vanguarda produzida no Brasil no sculo XX e tudo o que foi produzido em Pernambuco na rea da poesia visual experimental/sonora desde o sculo XVII. Movimentos ar-tsticos como a Arte Correio, Poesia Concreta, Poesia Prxis, Poema/Pro-cesso, Poesia visual/experimental e Poesia sonora estaro representados na Histria da Poesia Visual Brasilei-ra. Sob de Paulo Bruscky, consagrado internacionalmente como represen-tante desta vertente da arte moderna e cocuradoria de Yuri Bruscky.

    Inferno OstentaoDe 16 at 31/07Galeria Janete Costa Parque Dona LinduAvenida Boa Viagem, s/n Boa ViagemQua a Sex 12h s 20h

    Sb e Dom 14h s 20h

    exposio de pintura com as princi-pais obras do C oletivo Vacilante. O

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • ARTES VISUAIS 53

    grupo formado pela unio de Ale-xandre Pons, Rafael Ziegelmaier, Heitor Pontes e Luciano Mattos com o propsito de experimen-tar criao coletiva em pintura. O nome escolhido pelo coletivo faz referncia ideia de que os vacilos so to importantes na vida quanto os acertos. Por isso, eles resolveram assumir a ideia de um processo ar-tstico Vacilante, resultando quase sempre em pinturas carregadas de imagens, tempestades cerebrais, acmulo generoso de camadas e gestos. Tinta leo, tinta acrlica, spray automotivo, abstrao e figu-rativismos coexistem em suas telas e murais que assinalam a relevn-cia da pintura contempornea den-tro da obra produzida pelo coletivo.

    CO(S)MICAt 8/07Galeria Amaro 60Avenida Engenheiro Domingos Ferreira, 92 a Boa ViagemTer a sex 9h s 18h

    A exposio de Glasner reuner um instante de sua carreira no qual detecta-se a confluncia de refern-cias que lhe so caras e que surgem agora imbricadas: a cosmogonia, a esttica comic e a Pop Art. Desse

    mistura inusitada de referncias histria da arte e tambm hist-ria da linguagem, percebe-se tanto a ideia da expanso do universo, como a exploso da paleta de cores que foge por completo a uma mimese das cores encontradas na natureza.

    Mostra Mundo GiramundoAt 26Caixa Cultural RecifeAvenida Alfredo Lisboa, 505 - Bairro do RecifeGratuito

    A exposio formada por material cenogrfico, os principais bonecos dos espetculos do grupo, desenhos tcnicos, cartazes antigos, docu-mentos, fotos, material digital, e a apresentao do processo criativo e construtivo das marionetes.

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • 54 JUN 2016

    Atletas e Cores: Brasil-ItliaCaixa Cultural RecifeAt 26

    Por ocasio dos Jogos Olmpicos Rio 2016, a ACIB Associao Arte Con-tempornea talo-brasileira monta uma exposio indita de 30 pintu-ras, sendo 15 de autoria de artistas brasileiros e 15 de autoria de artistas italianos. As modalidades esportivas includas nos jogos e o esprito olm-pico so os temas destas obras.

    Mandala, a geometria sagradaAt 20Restaurante O GuiaRua da Guia, 111 Bairro do Recife

    Do artista ZedMelo a exposio aborda um trabalho de pesquisa e experimentao sobre o tema em estilo peculiar, com desenhos de traos marcantes, bem definidos e geometricamente harmoniosos. Pin-tado com cores vibrantes em tcnica acrlica sobre tela. O prprio artista assina a curadoria.

    Foto

    Div

    ulga

    o

    Foto

    Div

    ulga

    o

    Obra Gagliardino

  • ARTES VISUAIS 55

    Frevo Experimental - Trnsitos e Experincias CriativasPao do FrevoPraa do Arsenal da Marinha, s/n, Bairro do RecifeTer a sex 9h s 17hSb e dom 14h s 18h

    O frevo e seu processo contnuo de transformaes, seu poder de rein-veno, de elasticidade e de impro-viso servem de argumento para a mostra Frevo Experimental: entre trnsitos e experincias criativas, com concepo do antroplogo Eduardo Sarmento, em parceria com a cineasta Renata Pinheiro e a arquiteta Ctia Avelar - com estas

    duas dividindo a curadoria. Abordar o tema experimental reafirma sua identidade sociocultural, sua es-sncia e sua renovao contnua. O Frevo, resultante de um sistema de relaes e internalizao, nos permi-te pensar num sentimento frevo, Ser e Estar Frevo, nesse processo de luta constante de ocupar espao, viver, preservar e ser realimentado. tambm confrontar com aqueles que o concebem como - circulo fechado -, provocando nesse embate, reaes e resistncias que proporcionaro um estimulante debate.

    Campina do TaborbaMuseu Militar do Forte do BrumPraa da Comunidade Luso-Brasileira, s/n Bairro do RecifeSeg a qui 13h s 18h sex 8h s 12h

    A Insurreio Pernambucana o ponto de partida para a exposio no Museu Militar do Forte do Brum. A mostra apresenta obras dos ven-dedores do concurso de 2015, os artistas plsticos Ricardo da Cunha Melo e Jos Elias Jnior. Dentro da exposio, quadros premiadas dos concursos anteriores mostram a caracterstica que reflete a criativi-dade dos trabalhos sobre o tema, a ideia, clara nos detalhes, no s de lembrar aquele momento da nossa histria, mas provocar uma reflexo, apresentando novos artistas. O even-to marca o aniversrio de 362 anos da Restaurao Pernambucana.

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • 56 JUN 2016

    Preservar IgarassuSobrado do ImperadorRua Barbosa Lima, 122, Stio Histrico, Igarassu | 3545.0537 | 3545.0307Seg a sex 9h s 12h, e das 13h s 17hGratuito

    A exposio marca a inaugurao oficial da Casa do Patrimnio/Iphan na cidade. E pretende promover o patrimnio histrico, cultural e pai-sagstico do municpio por meio de painis expositivos, exibio de vdeo / documentrio, peas representati-vas do seu patrimnio imaterial e apresentao de importantes expres-ses culturais da cidade. Durante a permanncia da Exposio sero re-alizadas diversas atividades culturais e de cunho educativo a serem desen-volvidas em conjunto com a socie-dade e a Rede de Parceiros da Casa do Patrimnio/Iphan em Igarassu.

    O Tempo da TorreTorre MalakoffPraa do Arsenal, S/N Bairro do Recife3184 3180

    A mostra conta a histria do monu-mento desde a sua construo como Arsenal da Marinha, em 1853, at pas-sar a ser gerido pela Fundao do Patrimnio Histrico e Artstico de Pernambuco. A exposio forma-da por um acervo mostrado h 15 anos na exposio Por que Malakoff?, composta por fotografias do Museu do Estado, da Fundao Joaquim Na-buco e do Museu da Cidade do Reci-fe, datados do final do sculo XIX e incio do sculo XX, pesquisados por Betnia Correa de Arajo. J o sculo XXI foi retratado por estudantes da rede estadual de ensino, durante a oficina de Foto e Vdeo Celular Um Olhar Sobre Recife, ministrada pela Malakoff em 2013.

    Foto

    Div

    ulga

    o

  • ARTES VISUAIS 57

    ComeMorar OlindaCasa do Patrimnio IphanRua do Amparo, 59, Carmo Olinda3429 2862Ter a sex 09h s 12h / 14h s 17hGratuito

    A exposio, sob a curadoria do mu-selogo e historiador Aluizio Cma-ra, um convite reflexo sobre as particularidades que transformaram a cidade em Patrimnio da Humani-dade. Mas com um diferencial: voltar o olhar no s construes mais em-blemticas do Stio Histrico, e sim casa do cidado comum, elemento central da expresso cultural olin-dense. Partindo da indagao como morar em Olinda?, a exposio procura explorar o universo desco-nhecido da moradia olindense, bus-cando evidenciar as especificidades do modo de vida local, sua relao com o patrimnio, as virtudes e as dificuldades de se viver em Olinda. A mostra conta com vrios formatos de mdia, entre fotografias, vdeos,

    textos, narraes de histrias e de-poimentos sobre a vida em Olinda, a partir da viso dos moradores, proporcionando, assim, ao visitante, uma leitura dinmica de como seria morar em Olinda.

    Retratos, desenhos de Leonardo da VinciInstituto de Cultura Brasil-ItliaRua Marques Amorim, 46 Boa VistaTer a sex 9 s 21hSb 9h s 13hGratuito

    A exposio composta por diversos desenhos do famoso artista italiano Leonardo da Vinci. Durante a visita, possvel ver um documentrio so-bre o artista e sua produo e fazer consulta a livros e publicaes a res-peito do mestre renascentista.

  • 58 JUN 2016

    Fotografias ItalianasInstituto de Cultura Brasil-Itlia

    Originais de fotgrafos italianos so-bre as paisagens do seu pas. Partici-pam da mostra os fotgrafos: Wanda Tucci Castelli, Lino Ghidoni, Renato Guidi, Bruno Baraccani, Carlo Floren-tini, Gianni Bracci, Enzo Guarguagli, Angelo Savoca, Claudio Marcozzi, Renato Pennuti, Angelo Movizzo e Nando Chiappetta.

    Arquitetura de Veneza e de FlorenaInstituto de Cultura Brasil-Itlia

    A exposio contm imagens grficas da arquitetura das cidades italianas.

    Imigrao Italiana no BrasilInstituto de Cultura Brasil-Itlia

    A exposio contm reprodues de documentos e imagens dos italianos no Basil, a contribuio do povo ita-liano no contexto nacional.

    Indios do BrasilInstituto de Cultura Brasil-Itlia

    A exposio composta de grficas e objetos do mundo indgena do Brasil. possvel consultar livros e material sobre os ndios e o Brasil.

  • CINEMA E VDEO 59

    CAIXA CULTURAL RECIFE Av. Alfredo Lisboa, 505 Recife AntigoAdministrao: (81) 3425-1900Bilheteria: (81) 3425-1915 | Gente Arteira: (81) 3425-1906www.caixacultural.gov.br21 19hIngressos a partir das 10 horas, a R$ 4 (inteira) | Sla Multimdia

    Cinema: Teste de AudinciaO Teste de audincia chega ao Re-cife trazendo todo ms (de maro a dezembro) com exibio de um lon-ga metragem indito, ainda em fase de montagem, para que o pblico possa colaborar com suas sugestes para aprimoramento da obra aps a exibio. Aps cada sesso, o pblico participar de debate com o diretor do filme apresentado. A edio 2016 conta com a curadoria dos cineastas Renato Barbieri e Marcio Curi e produo GAYA Filmes e da ASACINE Produes.

    CIN

    EMA

    E V

    DEO

    CINE CLUBE BRASIL-ITLIA 2016ICBI Instituto de Cultura Brasil-ItliaRua Marques Amorim, 46 - Boa Vista(081) 3221 4112Toda sexta-feira, ogni venerd9h, 15h, 17h, 19hgratuto

    Antes da RevoluoSex 3

    Parma, 1964. Fabrizio um jovem de 22 anos apaixonado, idealista, mas aco-modado. A morte de seu amigo Agos-tino, supostamente por suicdio, o faz questionar seu presente e futuro. Um conturbado relacionamento amoroso com Gina, sua tia, aumenta ainda mais o conflito de ideias do rapaz. Diretor: Bernardo Bertolucci. 1964. Durao: 1.55min.

  • 60 JUN 2016 60

    Candelabro Italiano

    Sex 10Uma jovem americana, viaja a Itlia em busca de romance e aventura, emRoma, cortejada por um estu-dante americano e um descendente de nobres italianos. Diretor: Delmer Davis. 1962. Durao: 1.19min.

    Sob o Sol da ToscanaSex 17

    Sinopse: o filme conta a histria deuma escritora recm-divorciada quecompraumacasadecamponaTos-cana, na esperana de comear uma nova vida. Diretor: Audrey Wells. 2004. Durao: l.l3min.

  • CINEMA E VDEO 61

    MO

    DA

    Por Erika FragaFotos DivulgaoSanta Cria

    O cenrio da moda pernambucana nunca esteve to em alta como nesses ltimos anos. A cada dia surgem novas marcas de roupas, sapatos, joias e acessrios que conquistam homens e mulheres. Entre elas est a marca de acessrio feminino Santa Cria que trabalha com peas produzidas em couro.

    Idealizada pele designer Dany Rocha em parceria com a publicitria Sandra Lessa, a marca existe h pou-co mais de um ano e surgiu da vontade de expandir a criatividade para alm dos trabalhos convencionais, materializando as ideias e aplicando toda experincia adquirida em design, publicidade e marketing no pr-

    Dany Rocha e Sandra Lessa

  • 62 JUN 2016

    prio negcio. Costumamos dizer o seguinte: Era uma vez duas criaturas, uma designer e uma publicitria, ambas apaixonadas por ideias! Um dia se encontraram e descobriram que juntas conseguiam ter uma Santa Criatividade. Ento decidiram se unir para transformar a paixo em arte. E assim nasceu esta marca que tem por objetivo encantar. Quem conhece se apaixona. E quem usa no passa despercebido., comentam.

    A marca tem uma pegada jovial, moderna, provo-cante e alternativa, com uma pitada vintage que lhe d

    um toque de elegncia. Segundo as scias o carro chefe da marca so os colares. Hoje trabalhamos com a coleo Clssica e Bsica. Na Clssica so quatro modelos: Rococ, Esfinge, Conchas e Ptalas, com quatro peas desenvolvidas para cada um - colar grande, colar pequeno, bracelete e brinco. A coleo Bsica so oito modelos, cada um deles com trs peas. E j estamos definindo como ser a programao para as prximas colees., revelam.

    Banner da Campanha de Inaugurao

    BraceleteS

  • MODA 63

    Atualmente a venda dos produ-tos realizada atravs do site e no caf A Vida Bela, localizado no bair-ro da Vrzea. A Santa Cria tambm tem representante em Marab, no Par. Pouco a pouco, estamos co-locando em alguns pontos de venda que identificamos ter o perfil de nos-sa marca. Temos uma relao legal com o pblico, fazemos um amplo uso das redes sociais, com um canal direto atravs do site, face e insta-gram, onde possvel ouvir suges-tes ou tirar quaisquer dvidas rela-cionadas venda ou s peas de uma forma mais imediata.. Afirmam.

    Contato:www.Santacria.com

    facebook.com/santacriaemail: [email protected]

    Banner Santa Cria Colar Rococ Rosa Antigo

  • 64 JUN 2016

    ALUSO

    Celso Mesquita

    Chove na metrpoleOs cntaros do subrbio...

    Tocar duma mo em outra.A alegria que o solTem escondido....Tem o corao

    Papoulas de outra fala.O verso est encharcadoEm casas de vento e luz.Recife rima de solido.

    (Da antologia POESIA VIVA DO RECIFE, organizada por Juareiz Correya)

    CELSO MESQUITA Recifense. Mdico. Dedica-se poesia desde a dcada de 1980, quan-do publicou o seu primeiro livro, pela Edies Pirata, do Recife, intitulado Programa do Sonho. Tem poemas publicados em revistas e jornais alternativos brasileiros. Publicou, em 2011, o seu segundo livro de poesia - A Rom (Livro Rpido, Olinda, PE).

    POESIA VIVA DO RECIFEHomenagem aos 479 anos da Cidade

    GIR

    O L

    ITER

    R

    IO

  • GIRO LITERRIO 65

    O dirio quase ridculo de AuroraA trajetria de uma mulher que narra, atravs das pginas de um dirio, suas buscas, encontros e desencontros. Em uma linguagem confessional, a con-traditria Aurora se expedespojada-mente diante das circunstncias de sua vida, Como no perder a identidade e a liberdade de poder amar e ser ama-da com todas as letras do alfabeto? O personagem o autor ego feminino do jornalista, escritor e ator Manoel Constantino que depois de ganhar vida no teatro, se materializa na literatura com esta publicao. As capas so ex-clusivas em cada exemplar, todas de-senhadas por Paulo do Amparo. Publi-cado pela editora Mariposa Cartonera, possui 44 pginas e custa R$ 20.

    pera e Outros ContosA obra traz personagens de fcil iden-tificao pelos leitores. A msica, a diversidade sexual, a marginalidade e a busca incessante por algo que d sentido vida e aplaque as dores da alma (Amlia, uma personagem, s sos-sega o corao aplicando-se anestesia de consultrio dentrio), so elemen-tos assduos nos enredos. Personagens que vivenciam a aventura do grande amor, encontros inusitados, tragdias e catstrofes humanas que, aqui e ali, podem provocar riso. O romance de um cantor de pera com um mich; um drama familiar motivado pela des-coberta da homossexualidade do ca-chorro domstico; as desventuras de um folio que perdeu a dentadura jus-tamente no primeiro dia do Carnaval. Quem conhece o teatro de Moreno vai correlacionar de imediato sua narrati-va de frases curtas, rpidas e imagti-cas. Publicado pela Editora Coqueira, possui 116 pginas e custa R$ 30.

  • 66 JUN 2016

    Compulso AgridoceO livro, do premiado poeta Antonio Alton, d continuidade ao desenvolvi-mento de seu projeto lrico, em dilogo com a produo potica do norte e nordeste brasileiros e em contato com o universalismo que acompanha o po-eta em sua formao. A obra est na primeira edio, estando relacionada ao campo das artes. Publicado pela Edi-tora Paco Editorial, possui 76 pginas e custa R$ 21,90.

    Joo Flvio Cordeiro da Silva - T MirHistria em Quadrinhos (HQ) publi-cada pelA Casa do Cachorro Preto. A obra const