Farmacologia farmacologia para enfermagem[1]

  • View
    47.063

  • Download
    1

Embed Size (px)

Transcript

  • 1. INTRODUO A FARMACOLOGIA PARA ENFERMAGEMFARMACOLOGIA APLICADA A ENFERMAGEMNoes Bsicas

2. INTRODUO A FARMACOLOGIA PARA ENFERMAGEMPARTE ILEGISLAO E PREPARO DE MEDICAMENTOSDOS PRINCPIOS FUNDAMENTAIS:Artigo 1A enfermagem uma profisso comprometida com a sade do ser humano e dacoletividade. Atua na promoo, proteo; recuperao da sade das pessoas,respeitando os preceitos ticos e legais.Artigo 14Recusar-se a executar atividades que no se4jam de sua competncia legal.DAS RESPONSABILIDADESArtigo 16Assegurar ao cliente uma assistncia de enfermagem livre de danos decorrentesde impercia, negligncia e imprudncia.Artigo 17Avaliar criteriosamente sua competncia tcnica e legal e somente aceitarencargos ou atribuies, quando capaz de desempenho seguro de si e para a clientela. Artigo 18 Manter-se atualizado, ampliando seus conhecimentos tcnicos, cientficos eculturais , em benefcio da clientela, coletividade e do desenvolvimento da profisso.DOS DEVERESArtigo 24Prestar clientela assistncia de Enfermagem livre dos riscos recorrentes deimperciaArtigo 26Prestar adequadas informaes ao cliente e famlia a respeito de assistncia deenfermagem, possveis benefcios, riscos e conseqncias possam ocorrer.Noes Bsicas 3. INTRODUO A FARMACOLOGIA PARA ENFERMAGEMArtigo 33Proteger o cliente contra danos decorrentes de impercia, negligncia ouimprudncia por parte de qualquer membro da equipe da sade.DAS PROIBIES Artigo 47Ministrar medicamentos sem certificar-se da natureza das drogas que compe e daexistncia de risco para o cliente.Artigo 50Executar prescries teraputicas quando contrrias segurana do cliente.DOS DEVERES DISCIPLINARESArtigo 71Cumprir as normas do Conselho Federal e Regional de Enfermagem. Umprofissional da equipe de enfermagem que administra uma medicao deve conhecerbem a Legislao que regulamenta o exerccio de sua profisso e as normas dainstituio em que trabalha o exerccio de sua profisso e as normas da instituio emque trabalha, realizando assim a medicao conforme a prescrio mdica.1- AO DOS MEDICAMENTOSAO LOCALA medicao age no local onde administrada, sem passar pela correntesangunea; Ex: pomadas e colrios.AO SISTMICASignifica que a medicao primeiramente absorvida, depois entra na correntesangunea para atuar no local de ao desejada. Ex: Antibiticos.2-NOES DE FARMACOLOGIA:2.1-CONCEITOS GERAIS : Farmacologia: estudo dos frmacos em todas as suas funes. Frmaco (pharmacon = remdio): estrutura qumica conhecida;propriedade de Noes Bsicas 4. INTRODUO A FARMACOLOGIA PARA ENFERMAGEMmodificar uma funo fisiolgica j existente. Medicamento (medicamentum = remdio) : frmaco com propriedadesbenficas, comprovadas por meio cientifico. Todo medicamento umfrmaco(remdio), mas nem todo frmaco(remdio) um medicamento. Droga (drug = remdio, medicamento, droga): substncia que modifica a funofisiolgica com ou sem inteno benfica. Remdio (re = novamente; medior = curar): substncia animal,vegetal, mineral ousinttica; procedimento (ginstica, massagem, acupuntura, banhos); f ou crena;influncia: utilizados em benefcio da sade. Placebo (placeo = agradar): O que feito com inteno benfica para aliviar osofrimento: frmaco/medicamento/droga/remdio (em concentrao pequena oumesmo na sua ausncia), a figura do mdico (feiticeiro).2.2-Conceitos importantes sobre dosagem Posologia: o estudo das doses de administrao dos medicamentos. Dose: uma quantidade de uma droga que quando administrada no organismo produz um efeito teraputico. Classificam-se em:1-Dose mnima: a menor quantidade de um medicamento capaz de produzir oefeito teraputico.2-Dose mxima: a maior quantidade de um medicamento capaz de reproduzir oefeito teraputico. Se esta dose for ultrapassada ocorrer efeitos txicos ao organismodoente.3-Dose txica: a quantidade de medicamento que ultrapassa a dose mxima,causando pertubaes, intoxicaes ao organismo, at a morte.4- Dose Letal; a quantidade de um medicamento que causa a MORTE.3-CONCEITO DE FARMACODINMICA:3.1-FARMACODINMICA: o estudo dos mecanismos relacionados s drogas, que produzem alteraesbioqumicas ou fisiolgicas no organismo. A interao, a nvel celular, entre ummedicamento e certos componentes celulares protenas, enzimas ou receptores-alvo,representa a ao do frmaco. A resposta decorrente dessa ao o efeito domedicamento.3.2-TIPOS DE FARMACO: Frmaco Agonista - intensifica ou estimula um receptor; Frmaco Antagonistas Interage com um receptor mas no estimula, impede asaes de um agonista. Podem ser competitivos(compete com o agonista pelos stios receptores) ou no-competitivos( liga-se aos stios receptores e bloqueia os efeitos do agonista). Noes Bsicas 5. INTRODUO A FARMACOLOGIA PARA ENFERMAGEM4- FARMACOTERAPIA: Refere-se ao uso de medicamentos para o combate de doenas, preveno ediagnstico. Deve - se levar observar alm da escolha do frmaco adequado os fatoresindividuais de cada paciente , tais como: idade, funo cardiovascular, GI, heptica,renal, dieta, doena, interao medicamentosa, entre outros.5- CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAO DE MEDICAMENTOSA responsabilidade em administrar medicamentos um dos maiores pesos sobre aequipe de enfermagem.Deve-se conhecer: A ao do frmaco no organismo; A dosagem e os fatores que a modificam; As vias de administrao; Absoro e eliminao ( Farmacocintica)A REGRA MAIS IMPORTANTE: Regra do 5 C via certa, medicamento certo, paciente certo, dose certa, horacerta.6-FARMACOCINTICA: 6.1-Farmacocintica : o caminho que o [[medicamento]] faz no organismo. Nose trata do estudo do seu mecanismo de ao mais sim as etapas que a [[droga]] sofredesde a administrao at a excreo, que so: absoro, distribuio, bio-transformaoe excreo. Note tambm que uma vez as a droga no organismo, essas etapas ocorremde forma simultnea sendo essa diviso apenas de carter Didtico.6.1.1-As fases da farmacocintica so:1- AbsoroAbsoro farmacolgica;A absoro, a primeira etapa que comea com a escolha da via de administraoat o momento que a droga entra na corrente sangunea. Vias de administrao comointra-venosa e intra-arterial no passam por essa etapa, entram direto na circulaosangnea. Existem fatores interferem nessa etapa, dentre estes temos : o pH do meio,forma farmacutica e patologias (lceras por exemplo), dose da droga a ser administrada,concentrao da droga na circulao sistmica,concentrao da droga no local de ao,distribuio da droga organicamente, as drogas nos tecidos de distribuio e a eliminaometabolizada ou excretada. Temos ainda um fator a ser relevado que a caractersticaqumica da droga pois esta interfere no processo de absoro. Noes Bsicas 6. INTRODUO A FARMACOLOGIA PARA ENFERMAGEM Efeito de primeira passagem a metabolizao do medicamento pelo fgado e pela microbiota intestinal, antesque o frmaco chegue circulao sistmica. As vias de administrao que esto sujeitasa esse efeito so: via oral e via retal*(em propores bem reduzidas).2-Distribuio farmacolgica Nesta etapa a droga distribuda no organismo atravs da circulao. Oprocessamento da droga no organismo passa em primeiramente nos rgos de maiorvascularizao (como SNC, pulmo, corao) e depois sofre redistribuio aos tecidos demenos irrigao (tecido adiposo por exemplo). nessa etapa em que a droga chega aoponto onde vai atuar. Nessa etapa poder ocorrer : baixa concentrao de protenasplasmticas (necessrias para a formao da frao ligada) como desnutrio, hepatite ecirrose, que destroem hepatcitos, que so clulas produtoras de protenasplasmticas,reduzindo assim o nvel destas no sangue.3- Bio-transformao Fase onde a droga transformada em um composto mais hidrossolvel para aposterior excreo. A Bio - transformao d em duas fases:Fase 1: etapas de oxidao, reduo e hidrlise;Fase 2: conjugao com o cido glicurnico.A fase 1 no um processo obrigatrio, variando de droga para droga e diferenteda fase 2, obrigatria a todas as drogas. O fgado o rgo que prepara a droga para aexcreo. Essa a fase que prepara a droga para a excreo.4- ExcreoPela excreo, os compostos so removidos do organismo para o meio externo.Frmacos hidrossolveis, carregados ionicamente, so filtrados nos glomrulos ousecretados nos tbulos renais, no sofrendo reabsoro tubular, pois tm dificuldade ematravessar membranas. Excretam-se, portanto, na forma ativa do frmaco.Os stios de excreo denominam-se emunctrios e, alm do rim, incluem: pulmes, fezes; secreo biliar, suor, Noes Bsicas 7. INTRODUO A FARMACOLOGIA PARA ENFERMAGEM lgrimas, saliva, leite materno.Retirando desta lista os pulmes para os frmacos gasosos ou volteis, os demaisstios so quantitativamente menos importantes.PARTE II7-CLASSIFICAO DOS MEDICAMENTOS7.1- Antibiticos:So substncias produzidas por clulas vivas que inibem ou matam osmicroorganismos, podem ser feitas a partir de : fungos, bactrias, e leveduras e de formasinttica. Os antibiticos podem ser de amplo espectro, ou de espectro( eficaz contramuitos microorganismos), ou podem ser de espectro limitado ( eficaz contra algunsmicrorganismos). a) PENICILINAS:Origem: Primeiro antibitico descoberto, e utilizado at os dias atuais. Originadodo fungo: Penicilium.Tipos : Penicilina G Potssica ; Penicilina G Procana; Penicilina G Benzatina; Penicilina semi-sinttica: Amoxacilina cido clavulnico; Amoxicilina; Ampicilina Sdica; Cloridrato de bacampicilina; Cloxacilina sdica; Dicloxacilina sdica; Oxacilina sdica; Ticarcilina dissdica e clavulanato de potssio.b) CEFALOSPORINA DE 1 GERAO : Origem : Derivado de fungo , so ativos nos microrganismos das vias urinrias, econtra estafilacocus e estreptococos(algumas cepas);Tipos:Cefadroxil; Noes Bsicas 8. INTRODUO A FARMACOLOGIA PARA ENFERMAGEMCefalexina;Cefazolina sdica;Cefradina.c)CEFALOSPORINA DE 2 GERAO: Origem : Derivado originalmente do fungo , atinge os mesmos da 1 gerao etambm contra o haemophilus influenzae, invasor comum do ouvido mdio e das viasrespiratrias.Tipos:Cefaclor;Cefotetan dissdico;Cefoxitina sdica;Cefprozil;Ceforuxina Acetil;Ceforuxina sdica;Naftato de cefamandol.d) CEFALOSPORINA DE 3 GERAO: Origem: derivada de fungo eficaz contra estreptococos e pneumococos , maisefic