of 18 /18
1 TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS

TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

Embed Size (px)

Citation preview

Page 1: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

1

TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRSTRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS

Page 2: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

2

1. Introdução

2. Factores a realçar

3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS

4. Impacto dos IAS/IFRS no Balanço de Abertura (1 de Janeiro de 2004)

5. Principais impactos em 31 de Dezembro de 2004 pela adopção dos IAS/IFRS

6. Impacto dos IAS/IFRS no Balanço de 31 de Dezembro de 2004

7. Impacto dos IAS/IFRS na Demonstração dos Resultados de 2004

§ Principais impactos nos indicadores chave

§ Ajustamentos

§ Reclassificações

Page 3: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

3

1. Introdução

üOs International Accounting Standards/International Financial Reporting Standards(“IAS/IFRS”) são o novo normativo contabilístico emanado pelo InternationalAccounting Standards Board, que deverá ser adoptado em 1 de Janeiro de 2005 por todas as empresas cotadas em bolsas da UE

üDe acordo com a actual legislação nacional, as demonstrações financeiras individuais da CIN, para efeitos estatutários, continuarão a ser preparadas com base nos princípios contabilísticos do POC (“PGAAP”)

üAs demonstrações financeiras consolidadas de 2004 irão ser ajustadas para IAS/IFRS de forma a permitir uma correcta comparação com a informação financeira de 2005

üA CIN adoptou os IAS/IFRS a partir de 1 de Janeiro de 2005; como tal o Balanço de abertura reporta-se a 1 de Janeiro de 2004

üOs Resultados do primeiro trimestre de 2005 serão preparados e reportados em IAS/IFRS, sendo, para efeitos comparativos, ajustados os resultados do primeiro trimestre de 2004

Page 4: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

4

2. Factores a realçar

ü Inexistência de impacto nas reservas distribuíveis, uma vez que estas são calculadas com base nas demonstrações financeiras individuais preparadas em PGAAP

ü Impacto negativo no EBITDA para o que contribui:

• a reclassificação de resultados extraordinários, essencialmente decorrentes do pagamento de indemnizações e provisionamento de custos relacionados com o processo de reestruturação encetado em 2004 (M€ 3,8)

• o reconhecimento como custo da distribuição de resultados aos Colaboradores

• a reclassificação de descontos de pronto pagamento registados como custos financeiros de acordo com os PGAAP

ü Impacto positivo no resultado líquido resultante de:

• entrada de algumas filiais excluídas nas contas em PGAAP no perímetro de consolidação em IAS/IFRS

• o goodwill deixa de ser amortizado

Page 5: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

5

3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS

ü Inclusão de algumas filiais excluídas nas contas em PGAAP no perímetro de consolidação em IAS/IFRS

üO goodwill deixa de ser amortizado;

üDeterminados intangíveis e alguns elementos do imobilizado corpóreo (despesas de constituição, investigação e desenvolvimento, publicidade, manutenção e reparação) são reconhecidos em resultados no momento em que o custo é incorrido, em detrimento da sua capitalização ou diferimento

üAplicação das Tábuas de Mortalidade TV 88/90 e Invalidez SR para cálculo das responsabilidades com complementos de Pensões

üReconhecimento como custo da distribuição de resultados aos Colaboradores

Page 6: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

6

4. Impacto dos IAS/IFRS no Balanço de Abertura (1 de Janeiro de 2004)

ü Capital PróprioMilhares de Euros

PGAAP 59.734

Ajustamentos IAS/IFRSEntrada de Novas Empresas no Perímetro 1.810Aplicação de Novas Tábuas para cálculo das responsabilidades

com complementos de Pensões -695Anulação de Intangíveis e de Corpóreos -1.571Reconhecimento como custo da distribuição de resultados

aos Colaboradores -1.000Anulação de Provisões que não cumprem integralmente o

definido pelo IAS 37 2.015Outros -161

398

IAS/IFRS 60.132

Page 7: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

7

5. Principais impactos em 31 de Dezembro de 2004 pela adopção dos IAS/IFRS

Milhares de EurosPGAAP IAS/ Impacto

IFRS Valor %

Volume de Negócios 176.231 180.263 4.033 2,3%EBITDA 30.161 25.263 -4.898 -16,2%EBIT 19.581 15.504 -4.077 -20,8%Resultado Líquido 10.570 11.290 720 6,8%Capital Próprio 65.483 67.446 1.963 3,0%Activo 168.310 172.077 3.767 2,2%

Page 8: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

8

6. Impacto dos IAS/IFRS no Balanço de 31 de Dezembro de 2004

ü Capital PróprioMilhares de Euros

Resultado Outros TotalLíquido

PGAAP 10.570 54.913 65.483

Ajustamentos IAS/IFRSEntrada de Novas Empresas no Perímetro 518 1.672 2.190Alteração do Método de Consolidação 476 -3 473Aplicação de Novas Tábuas para cálculo das responsabilidades

com complementos de Pensões -70 -695 -765Anulação da Amortização do Goodwill 523 - 523Anulação de Intangíveis e de Corpóreos 203 -1.571 -1.367Reconhecimento como custo da distribuição de resultados

aos Colaboradores -1.000 - -1.000Anulação de Provisões que não cumprem integralmente o

definido pelo IAS 37 -22 1.993 1.971Outros 92 -158 -66

720 1.239 1.959

IAS/IFRS 11.290 56.152 67.442

Page 9: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

9

7. Impacto dos IAS/IFRS na Demonstração dos Resultados de 2004

§ Principais impactos nos indicadores chave

Milhares de EurosVolume de EBITDA EBIT ResultadoNegócios Líquido

PGAAP 176.231 30.161 19.581 10.570

Ajustamentos IAS/IFRSEntrada de Novas Empresas no Perímetro 4.925 760 833 518Alteração do Método de Consolidação - 402 402 476Aplicação de Novas Tábuas para cálculo das

responsabilidades com complementos de Pensões - -75 -75 -70Anulação da Amortização do Goodwill - - 523 523Anulação de Intangíveis e de Corpóreos - 21 283 203Reconhecimento como custo da distribuição de

resultados aos Colaboradores - -1.000 -1.000 -1.000Anulação de Provisões que não cumprem integralmente

o definido pelo IAS 37 - -22 -22 -22Outros - 92 92 92

4.925 178 1.035 720

Reclassificações IAS/IFRSResultados Extraordinários - -4.442 -4.479 -Resultados Financeiros -892 -633 -633 -

-892 -5.076 -5.112 -

IAS/IFRS 180.263 25.263 15.504 11.290

Page 10: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

10

7. Impacto dos IAS/IFRS na Demonstração dos Resultados de 2004

§ Ajustamentos

PGAAP IAS/IFRS

• É permitida a exclusão da consolidação de algumas filiais e associadas sob determinadas condições, nomeadamente se houver risco-país

Impactos: EBIT + 833Resultado líquido + 518Capital Próprio + 2.190

Entrada de Novas Empresas no Perímetro

• Todas as filiais e associadas têm que ser consolidadas, dentro dos parâmetros definidos no IAS 27

Page 11: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

11

7. Impacto dos IAS/IFRS na Demonstração dos Resultados de 2004

§ Ajustamentos

PGAAP IAS/IFRS

• É permitida a consolidação de filiais que desenvolvam uma actividade diferente da da Empresa-mãeatravés do método da equivalência patrimonial

Impactos: EBIT + 402Resultado líquido + 476Capital Próprio + 473

Alteração do Método de Consolidação

• Todas as filiais têm que ser consolidadas pelo método integral, dentro dos parâmetros definidos no IAS 27

Page 12: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

12

7. Impacto dos IAS/IFRS na Demonstração dos Resultados de 2004

§ Ajustamentos

PGAAP IAS/IFRS

• Os pressupostos utilizados são suportados pelas regras definidas pelo ISP (Instituto Seguros de Portugal)

Impactos: EBIT - 75Resultado líquido - 70Capital Próprio - 765

Aplicação de Novas Tábuas no cálculo das responsabilidades com complementos de Pensões

• De acordo com o IAS 19 é permitida a inclusão, no cálculo actuarial, de pressupostos diferenciados

Page 13: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

13

7. Impacto dos IAS/IFRS na Demonstração dos Resultados de 2004

§ Ajustamentos

PGAAP IAS/IFRS

• O goodwill apurado é amortizado linearmente e reconhecido como custo na Demonstração dos Resultados

Impactos: EBIT + 523Resultado líquido + 523Capital Próprio + 523

Anulação da Amortização do Goodwill

• O goodwill deixa de ser amortizado, passando a ser objecto de uma análise periódica de imparidade

Page 14: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

14

7. Impacto dos IAS/IFRS na Demonstração dos Resultados de 2004

§ Ajustamentos

PGAAP IAS/IFRS

• Despesas de constituição e investigação e desenvolvimento são capitalizadas e amortizadas por um período de 3 anos

• Determinadas despesas operacionais (publicidade, reparação e manutenção) podem ser diferidas ou capitalizadas e amortizadas em vários anos

Impactos: EBIT + 283Resultado líquido + 203Capital Próprio - 1.367

Anulação de Intangíveis e de Corpóreos

• Apenas é permitida a capitalização destes custos numa fase de desenvolvimento de novos produtos ou “ferramentas”

• Capitalização de custos de conservação e reparação mais rígida

Page 15: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

15

7. Impacto dos IAS/IFRS na Demonstração dos Resultados de 2004

§ Ajustamentos

PGAAP IAS/IFRS

• Não é necessário o registo antecipado como custo da distribuição de resultados aos Colaboradores. Para além disso, quando esta ocorre, o respectivo movimento é registado directamente como uma redução do Capital Próprio

Impactos: EBIT - 1.000Resultado líquido - 1.000Capital Próprio - 1.000

Reconhecimento como custo da distribuição de resultados aos Colaboradores

• A partir do momento em que exista uma expectativa e estimativa fiável da concretização de uma responsabilidade, deverá ser registada uma provisão no Balanço e reconhecido o respectivo custo na Demonstração dos Resultados.

Page 16: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

16

7. Impacto dos IAS/IFRS na Demonstração dos Resultados de 2004

§ Ajustamentos

PGAAP IAS/IFRS

• É permitido o registo de provisões genéricas para fazer face a riscos associados a eventos futuros incertos

Impactos: Investimentos - 51Clientes - 3.441Provisões - 2.262

Anulação e Reafectação de Provisões

• Uma vez que não é permitido o registo de provisões genéricas, estas deverão ser reclassificadas para as respectivas naturezas (investimentos financeiros, contas a receber, existências, …) quando for possível a sua reafectação. As provisões constituídas que não estiverem de acordo com o IAS 37, deverão ser anuladas

Page 17: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

17

7. Impacto dos IAS/IFRS na Demonstração dos Resultados de 2004

§ Reclassificações

PGAAP IAS/IFRS

• Existem vários tipos de custos e proveitos classificados como extraordinários

Impactos: EBITDA - 4.442EBIT - 4.479

Resultados Extraordinários

• É introduzido o conceito de resultados não usuais ou não frequentes, caindo dentro desta definição apenas uma parte reduzida do que nos PGAAP é considerado como resultado extraordinário

Page 18: TRANSIÇÃO PARA OS IAS/ IFRS - fep.up.pt IFRS6026.pdf · 2 1. Introdução 2. Factores a realçar 3. Principais alterações derivadas da adopção dos IAS/IFRS 4. Impacto dos IAS/IFRS

18

7. Impacto dos IAS/IFRS na Demonstração dos Resultados de 2004

§ Reclassificações

PGAAP IAS/IFRS

• Os descontos de pronto pagamento obtidos e concedidos são considerados como custos financeiros

• As diferenças de câmbio são objecto de tratamento similar

Resultados Financeiros

• De acordo com o IAS 18, aqueles custos e proveitos que sejam considerados inerentes à obtenção do rédito, deverão ser reclassificados para resultados operacionais

Impactos: Volume de Negócios - 892EBITDA - 633EBIT - 633