Revista Continuum 39

  • View
    20

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Itaú Cultural

Text of Revista Continuum 39

  • 39

    Em dEpoimEnto Exclusivo, laErtE quEstiona padrEs E diz quE o concEito dE gnEro no passa dE uma construo cultural

    out / nov 2012

    TEMPOS DE CRIAR EM CONJUNTOA cocriao potencializa a cultura do compartilhamento e pe em xeque questes como centralizao de processos criativos e autoria

    PARA ALM DO SPRAYIntervenes artsticas de diferentes tcnicas invadem as cidades e provam que arte urbana no sinnimo de grafite

    RETRATO DA AUSNCIAPor meio de imagens, o fotgrafo Gilvan Barreto retorna a um lugar imaginrio que marcou sua infncia

    me trate com respeito!

  • Dim

    as F

    orc

    het

    ti

  • COORDENAO EDITORIALAna de Ftima Sousa

    EDIO EXECUTIVAMarco Aurlio Fiochi

    PROJETO GRFICOMarina Chevrand

    EDIO DE ARTEJader Rosa

    Liane Tiemi Iwahashi

    EDIO Roberta Dezan

    ASSISTNCIA EDIO DE CONTEDOSGabriela Rassy

    EDIO DE FOTOGRAFIAAndr Seiti

    DESIGNLu Orvat Design

    COORDENAO DE REVISOPolyana Lima

    REVISOCia Corra

    Karina HambraNelson Visconti

    PRODUO EDITORIALCybele Fernandes

    PAUTAAna de Ftima Sousa

    Andr SeitiCybele Fernandes

    Eduardo SaronGabriela Rassy

    Jader RosaMarco Aurlio Fiochi

    Maria Clara MatosRoberta Dezan

    COLABORARAM NESTA EDIOAnna Carolina Mello

    Bruno FernandesCarlos Costa

    Cleiton de OliveiraDbora AlmeidaDimas Forchetti

    Flavia BancherGilvan Barreto

    Gustavo RanieriLaura GuimaresLeonardo FolettoMariana Lacerda

    Mariana LemeMicheliny Verunschk

    Patrcia ColomboRenan Magalhes Estdio Lumine

    Ricardo DarosRichner Allan

    selvaSPVeronica Papoula Mendes

    AGRADECIMENTOSBerenice Bento

    Christian CravoEliane Bortolanza

    itsNOONMaria Adrio

    ISSN 1981-8084 Matrcula 55.082(dezembro de 2007)

    Tiragem 10 mil distribuio gratuita.Sugestes e crticas devem ser

    encaminhadas ao Ncleo de Comunicao e Relacionamento

    continuum@itaucultural.org.br Jornalista responsvel

    Ana de Ftima Sousa MTb 13.554

    capa: laerte foto: andr seiti

    Baixe o aplicativo da ConTINUUM em seu iPad e veja todas as matrias desta edio e das anteriores, alm de contedos extras.

    CARTA DO EDITOR

    H pouco mais de um ano, o cartunista Laerte resolveu tornar pblico seu prazer ao vestir roupas femininas. Bastou comear a usar saias, colares, brincos e outras peas do gnero, que ele passou a frequentar, aparentemente contra sua vontade, as pginas de jornais e revistas e a participar de uma infinidade de programas de TV. Em todos os meios, reafirmou sua opo, mais esttica que sexual. Com isso, abriu na sociedade uma discusso sobre a necessidade de vincular a sexualidade de uma pessoa ao que ela veste.

    vidas por rtulos, as pessoas batizaram de crossdressing o comportamento do cartunista e de outros tantos mundo afora. Faz tempo que a ConTINUUM queria entrevistar Laerte, a capa desta edio, para mostrar mais do que sua opo, sua atitude poltica. Afinal, trajar-se de maneira a confrontar o estabe-lecido cutucar a sociedade, faz-la passar do espanto para a reflexo e a aceitao do diferente. par-te o alarido da mdia ao rotul-lo de crossdresser, ele segue calmo em sua guerrilha pela preservao dos direitos individuais em tempos de crescente conservadorismo.

    Se voc est ou esteve em So Paulo deve ter percebido a fora da arte urbana, espalhada nos muros, nos tapumes, no topo dos prdios e at em galerias que escoam o esgoto pelo poludo Rio Tiet. So grafites, pichaes (sim, por que no?), ilustraes e, mais recentemente, microrroteiros histrias cur-tas sobre fundos coloridos, qual pequenos cartazes. Em geral, so bem-humoradas e crticas, como as narrativas da artista Laura Guimares apresentadas pela revista. Em uma reportagem especial fazemos um giro para mostrar algumas dessas criaes.

    Publicamos tambm um fragmento do ensaio fotogrfico Moscouzinho, de Gilvan Barreto, lanado na 8 Paraty em Foco. O fotgrafo criou, com imagens construdas, um lugar imaginrio perdido na me-mria de sua infncia. Moscouzinho foi o apelido que a cidade de Jaboato dos Guararapes, vizinha do Recife, ganhou quando foi governada por um prefeito comunista e se transformou em um pedacinho da Rssia em pleno litoral pernambucano.

    Cantor e compositor paulistano, Thiago Pethit lanou em agosto seu segundo trabalho, Estrela Deca-dente, que est disponvel para download em seu site. Ele conta, na Entrevista, como gerenciar quase todos os aspectos de sua carreira, indo muito alm da atividade artstica. Outro novo talento da msica, o paulistano Leo Cavalcanti, falou revista antes de subir ao palco do Auditrio Ibirapuera para apre-sentar as canes de seu primeiro disco, Religar. Confira o papo na seo Acesso Restrito.

    Boa leitura!

    Se voc ilustrador, artista ou fotgrafo, envie o link de seu portflio virtual para . Queremos conhecer o seu trabalho!

    Envie seu comentrio sobre a ContinUUM para o e-mail continuum@itaucultural.org.brou utilize os canais do Ita Cultural no Twitter e no Facebook. Em caso de publicao na seo Carta do Leitor, a mensagem pode ser editada a critrio da redao.

    39

    EM DEPOIMENTO EXCLUSIVO, LAERTE QUESTIONA PADRES E DIZ QUE O CONCEITO DE GNERO NO PASSA DE UMA CONSTRUO CULTURAL

    out / nov 2012

    TEMPOS DE CRIAR EM CONJUNTOA cocriao potencializa a cultura do compartilhamento e pe em xeque questes como centralizao de processos criativos e autoria

    PARA ALM DO SPRAYIntervenes artsticas de diferentes tcnicas invadem as cidades e provam que arte urbana no sinnimo de grafite

    RETRATO DA AUSNCIAPor meio de imagens, o fotgrafo Gilvan Barreto retorna a um lugar imaginrio que marcou sua infncia

    me trate com RESPEITO!

  • 16

    24

    32

    30

    302422 R E p o r T A G E M | uma espcie cada vez mais comumLonge da crise que abala outros pases, o Brasil v aumentar o nmero de pessoas que investem em arte.E n S A I O F o T o G r F I C O | retrato da ausnciaUma cidade imaginria ganha forma com fragmentos de imagens.

    R E p o r T A G E M | occupy pela arte!Duas galerias do eixo Rio-So Paulo se destacam pelo uso de lugares no pensados para esse fim: uma sauna mista e um hospital dentrio.

    COMPARTILhE SUA ConTINUUM

    060810A C E S S o R E S T R I T O | vida e reflexoOdair Jos, com 40 anos de profisso, e Leo Cavalcanti, no incio da estrada, falam de suas carreiras, pouco antes de subirem ao palco do Auditrio Ibirapuera.

    R E p o r T A G E M | tempos de criar em conjuntoA cocriao, nova prtica de produo, une talentos para potencializar experincias artsticas.

    M U S E U S D O M U N D O | menestris contemporneosO Centre Pompidou, de Paris, democratiza o acesso ao seu acervo levando-o a cidades francesas distantes dos grandes museus da capital.

    1220

    16R E p o r T A G E M | para alm do spray

    A arte urbana muito mais do que grafite e pichao: microrroteiros criam caminhos poticos na travessia

    da cidade.

    E n T r e v I S T A | a estrela sobeThiago Pethit evoca o clima de cabar alemo dos anos

    1930 como metfora do momento atual em seu novo disco, Estrela Decadente.

    R E p o r T A G E M | sabor com humorA arte da gastronomia ganha o tempero caipira em

    pratos tpicos do interior paulista conhecidos por nomes inusitados como Joo Deitado e Comida do Lobisomem.

    3237

    C A P A | me trate com respeito!A guerrilha de Laerte comeou no vesturio e alcanou

    outros patamares na defesa dos direitos individuais.

    b A l a I O | primavera culturalSeleo do bimestre tem exposies sobre vrios temas

    como destaque.

  • AC

    ES

    SO

    RESTRIT

    O |

    pr-sho

    w

    Se Odair Jos olha para fora ao compor suas canes, Leo Cavalcanti trilha caminhos inversos em busca de

    autoconhecimento. Os cantores, de estilos diferentes e geraes distantes, foram duas das atraes do Auditrio Ibirapuera nos

    ltimos meses

    TEXTO patrcia colombo

    FOTOS andr seiti (odair jos) e richner allan (leo cavalcanti)

    H seis anos sem lanar nada indito, voc divulga Praa Tiradentes. Como foi a elaborao do disco?Aconteceu de um jeito muito tranquilo, sem aquela preocupao de estar sendo genial. Vejo esse trabalho com bons olhos, gosto do resulta-do. O estmulo do amigo Zeca [Baleiro] foi fun-damental, pois naquele momento no estava realmente pensando em gravar. Como msico, o retorno financeiro foi bem grande e at poderia dizer que no preciso mais trabalhar, mas no o caso. E tambm gosto muito de tocar, uma das coisas que mais me d prazer.

    So 35 lbuns no currculo, mais de 400 msicas. Em algum momento da carreira voc temeu o esgotamento criativo?Nunca cheguei a pensar nisso. Sou introvertido e pela msica que me expresso melhor. Eviden-temente, a idade chega e a gentepassa a ter um olhar diferente sobre as coisas. Mas creio que conservo aquele jeito observador e como es-crevo mais sobre o que vejo do que sobre o que sinto acho que no mudei muito o meu estilo. Fiz boas msicas, outras nem tanto. Mas enxergo um saldo bem positivo. O tempo mostrou isso.

    ODAIR JOSDe cantor das empregadas nos anos 1970 a atual dolo cult, Odair Jos no mudou a forma de fazer msica, mas certamente sua imagem como artista no mais a mesma. Se antes era visto por muitos como um artista popular (no sentindo mais pejorativo possvel), um cantor brega que so-freu com a censura em canes como Pare de Tomar a Plula e O Motel, hoje tem seu romantismo e simplicidade fortemente valorizados pelas no-vas geraes. Apresentado no Auditrio Ibirapuera em junho, Praa Tira-dentes, seu novo disco, foi produzido por Zeca Baleiro e traz no contedo um pouco mais da observao caracterstica de Odair.

    Vidae reflexo

    Odair Jos v saldo positivo ao completar 40 anos de carreira

  • CONTINUUM

    Voc trabalhou com o grupo Palavra Canta-da nos anos 1990. Como es